RIO — Cinco das dez marcas de cachaças e aguardentes avaliadas pela Proteste — Associação de Consumidores, em um estudo realizado no segundo semestre do ano passado, foram reprovadas por conter uma substância nociva à saúde acima dos níveis aceitáveis. Não passaram no teste as bebidas 7 Campos de Piracicaba, Pedra 90, Ypióca Prata, Pitú e Salinas. São cachaças que ganharam mais notoriedade em 2012, após o reconhecimento da bebida como produto exclusivo e genuinamente brasileiro pelo governo dos EUA.

Pinga

As cinco marcas apresentaram entre 165µg/l (microgramas por litro) e 755µg/l de carbamato de etila, composto químico classificado como possível agente causador de câncer pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (Iarc), da Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, o valor aceitável estipulado pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) é de até 150µg/l. Mas as empresas têm até 2014 para se adequarem à norma. Segundo a Proteste, o limite é o mesmo aplicado por outros países, como Estados Unidos, Canadá, França, República Tcheca e Alemanha. No entanto, não há um parâmetro internacional neste caso.

SACAROSE DISFARÇA

Segundo a legislação brasileira, cachaças e aguardentes devem conter de 6 a 30 gramas de sacarose por litro para designar-se “adoçada”. A adição de sacarose pode disfarçar imperfeições da bebida decorrentes de sua produção e torna o produto mais suave.

Entre as bebidas que estampam em seu rótulo que são adoçadas, apenas a cachaça Pirassununca 51 recebeu o conceito “fraco” por denominar-se “cachaça adoçada”. O problema é que, em nossas análises, não detectamos qualquer teor de açúcar no produto. Isso, no entanto, não afeta a segurança dessa bebida.

Quanto à graduação alcoólica, todas foram consideradas muito boas, já que não encontramos diferença entre o valor informado no rótulo e o que medimos em laboratório.

ALDEÍDOS

Quanto menor o grau de aldeídos, melhor, já que eles são associados à intoxicação e a sintomas de ressaca.

CONSUMIDORES NÃO APONTARAM DIFERENÇAS

Para analisar o aroma e o sabor das bebidas, convidamos um grupo de apreciadores de cachaças e aguardentes puras para degustá-las. Todas, em geral, agradaram aos participantes, que não apontaram diferenças significativas entre elas.

FONTE: PROTESTE e O Globo.