Jingle da Fiat tornou-se hit preferido nos protestos que ocorrem pelo Brasil
 (Reprodução/Facebook Fiat)  
Criada para ser um jingle publicitário da Fiat para a Copa das Confederações, a música Vem pra rua, gravada pelo líder do Rappa, Marcelo Falcão, acabou se tornado uma espécie de Pra não dizer que não falei das flores (Quem sabe faz a hora) das manifestações que varreram o Brasil neste mês. A canção, cujo refrão chama a população para a rua porque a “rua é a maior arquibancada do Brasil/ Que o Brasil vai tá gigante/Grande como nunca se viu”, serviu de trilha sonora para uma montagem que bombou na internet e mostra imagens da repressão policial em São Paulo com frases de protesto com “O Brasil acordou” e “A revolução é agora!”.Falcão somente empresta a voz à composição, que, na verdade, foi criada pela equipe da produtora musical S de Samba, que tem como sócios Wilson Simoninha e Jair Oliveira. Em nota, a empresa diz que foi convidada pela Leo Burnett Tailor Made (agência de publicidade) para produzir a música da nova campanha da Fiat. “É um prazer para nós ver um trabalho ultrapassar a propaganda e entrar no dia a dia das pessoas. Isso já aconteceu com jingles de guaraná, leite, cerveja e, agora, acontece com a nossa canção”.

Assista ao vídeo original:

Wilson Simoninha afirma que toda a equipe ficou muito orgulhosa do que está acontecendo com a canção, mas que ninguém imaginava as proporções que ela ia tomar e que seria o hino de um movimento. “Ela já nasceu forte, mas nunca ia supor que ela ia extrapolar as barreiras da publicidade e cair no mundo real. Boa parte da letra a gente tinha desenvolvido já, mas quem deu o arremate final e tem muito mérito foi um dos nossos produtores, o Henrique Ruiz, que hoje nem está mais na S de Samba”, acrescenta. Simoninha conta que desde o início eles queriam uma voz forte para dar personalidade à composição e partiu dele a ideia de convidar Falcão. “E ele arrebentou. O interessante é que a campanha entrou no ar no fim de maio e há muito tempo eu não via uma com tanto sucesso. Muita gente viu essa música não como um jingle de publicidade, mas como uma canção de fato. Achavam que fazia parte do repertório do Rappa. Acho que isso ajudou a torná-la mais forte ainda”, observa.

Assista a versão feita pelos manifestantes:

 

Tanto no Facebook quanto no Twitter oficial do Rappa, há o seguinte recado, postado na sexta-feira, dia 14: “Ontem, começamos a escrever mais um capítulo na história do Brasil. E é com fé que vamos continuar nessa batalha pela construção de um lugar melhor. Chega de violência! Chega do abuso de poder! Saudamos os corajosos que representaram todo o país.” Procurada, a assessoria do grupo não retornou as ligações do Estado de Minas.

Campanha 'vem pra rua' da Fiat é associada aos protestos no Brasil (Reprodução/You Tube)
Campanha ‘vem pra rua’ da Fiat é associada aos protestos no Brasil

Já a Fiat, em comunicado oficial, informou que elaborou a campanha “Vem pra rua” com foco único e exclusivo na alegria e paixão que o futebol desperta nos brasileiros e que ela se insere em uma ampla plataforma de comunicação para celebrar os muitos momentos esportivos que o Brasil vive no presente e nos próximos anos, até 2016.” Ainda de acordo com a empresa, a veiculação da campanha está programada para até o dia 22 de junho, sábado, conforme previsto originalmente.

Mais artistas Aproveitando o momento inflamado no país, vários artistas estão se manifestando a favor dos protestos. O cantor e compositor Leoni postou um vídeo no fim de semana com a canção As coisas não caem do céu, que criou em apoio às passeatas. No site do artista ele afirma: “Escrevi As coisas não caem do céu para lembrar que só a ação modifica o mundo.” A música foi lançada em março, em um show de caráter político que ele estreou no Rio.

Leoni conta que sempre se interessou pelo tema, especialmente, pelos movimentos que surgem na internet. “Eu só via as pessoas reclamando nas redes sociais, mas nunca faziam nada. E agora mudou. De repente, começaram a se mexer e me emocionei muito”, revela o cantor, que chegou a participar do protesto de segunda-feira, na Avenida Rio Branco, no Rio.

A cantora Elza Soares também mostrou sua indignação e em um show realizado no sábado, em Ribeirão Preto (SP), durante a 13ª Feira do Livro, ela incrementou a famosa canção Opinião, de Zé Keti (Podem me prender/Podem me bater/Podem até deixar-me sem comer) e adicionou a frase: “20 centavos, eu não pago não!”

FONTE: Estado de Minas.