Cliente será indenizada após se machucar em supermercado de BH

Consumidora teve uma fratura na perna e hematomas no rosto após ser “atropelada” por um carro de reposição de mercadorias

CarrefourBairroSoCarlos

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) condenou um supermercado de Belo Horizonte a pagar uma indenização no valor de R$ 10 mil por danos morais a uma cliente que ficou ferida após o carro de reposição de mercadorias do estabelecimento bater em sua perna. A decisão foi publicada  nessa terça-feira (14).

De acordo com os autos, a consumidora alegou que estava fazendo compras no Carrefour quando foi atingida pelo carro. A mulher caiu no chão e, por consequência, teve uma das permas fraturadas e hematomas no rosto.

Por sua vez, o supermercado afirmou que não seria possível isolar seus corredores todas as vezes que realizasse reposição de mercadorias, pois essa é uma atividade corriqueira. Além disso, segundo o estabelecimento, a cliente andava distraída, o que teria levado à ocorrência do acidente.

As seguradoras IRB Brasil Resseguros e Ace Seguradora também afirmaram que não tinham o dever de pagar a indenização. A primeira alegou  que o carro de reposição de mercadorias estava parado no corredor e que a culpa pelo acidente seria da consumidora.

Já a Ace Seguradora argumentou que a empresa segurada, Carrefour, deveria ter tomado as precauções para evitar a queda da consumidora, e, com isso, a culpa seria exclusivamente do supermercado.

No entanto, em Primeira Instância, o juiz Octávio de Almeida Neves, julgou procedente o pedido. As três empresas recorreram da decisão, mas o relator, desembargador Alvimar de Ávila, confirmou a sentença. Ele entendeu que elas são corresponsáveis pelo pagamento da indenização. Quanto às seguradoras, ele afirmou: “ambas as denunciadas devem reembolsar o valor, nos limites da apólice”.

Ávila ainda destacou que é dever do supermercado oferecer segurança em suas dependências. O desembargador afirmou que “ a consumidora, ao sofrer queda dentro do hipermercado, com fratura de membro inferior e hematomas no rosto, sofreu mais que simples aborrecimentos cotidianos, restando suficientemente comprovado o dano moral e o dever de indenizar do requerido, assim como das seguradoras denunciadas.”

A decisão é da 12ª Câmara Cível do TJMG.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do Carrefour, que informou apenas que a empresa não comenta decisões judiciais.

FONTE: O Tempo.