Inteligência da PM já tem conhecimento sobre manual que prega violência durante protestos

Os setores de segurança pública de Minas Gerais já têm conhecimento sobre o manual de resistência revolucionária não pacífica que circula na internet e ensina como protestar de maneira violenta durante a Copa do Mundo.

Nas 41 páginas do manual, o autor, anônimo, deixa claro que a violência é o único método revolucionário de embate contra os opressores. O manual ensina como explodir agências bancárias, monumentos públicos, como enfrentar a polícia, além de mostrar como se faz uma bomba.

O assessor de imprensa da Polícia Militar, coronel Alberto Luiz, disse que a PM analisou o manual e já desenvolve estratégias preventivas para evitar protestos violentos em Minas, especialmente em Belo Horizonte, uma das sedes do Mundial.

“Analisando esse manual, intitulado de prático de resistência revolucionária não pacífica, nos preocupa muito. Olhando a história, nós já vivemos isso no Brasil e não nos rendeu uma vida satisfatória. Esses grupos que agora, por ocasião de um grande evento no país, querem se apresentar como operadores revolucionários de uma causa em prol do povo nos assusta, porque o que eles pregam é o que pregavam lá naquela época (ditadura militar) em favor de João Goulart (ex-presidente)”, alertou o coronel, que manda um recado.

“Nossa inteligência já tem muitos detalhes, que inclusive é a base de todo nosso planejamento quanto ao que possa vir a acontecer. Nós estamos preparados, temos equipamentos, a tecnologia está do nosso lado, inclusive com munição menos letal. O que é contrário ao que está sendo pregado nesse manual”, garantiu o coronel.

De acordo com o militar, a polícia já tem a identificação de muitas pessoas que podem ser presas antes mesmo do começo do mundial.

FONTE: Itatiaia.