Rubem

Professor e teólogo tinha 80 anos e lançou mais de 120 livros, a maioria sobre religião e educação

O escritor Rubem Alves morreu às 11h50 deste sábado (19), aos 80 anos, vítima de falência de órgãos múltiplos. O autor estava internado desde 10 de julho no Hospital Centro Médico de Campinas, interior de São Paulo, para tratamento de uma pneumonia.

O velório será realizado no plenário da Câmara Municipal de Campinas a partir das 19h deste sábado.

Além de escritor, Alves era educador, teólogo, psicanalista e professor. Lançou mais de 120 livros, a maioria sobre religião e educação, além de uma série de obras infantis.A editora Planeta emitiu comunicado sobre Alves: “A Editora Planeta do Brasil sente a perda de uma pessoa que nasceu para transmitir sabedoria e conhecimento. Rubem Alves era muito mais que escritor, ele era um sábio, um filósofo que compartilhou textos, experiências e caminhos para sermos felizes e entendermos um pouco mais da vida. Nossos profundos sentimentos à família, aos amigos e para todos os seus fãs e leitores”.

Nascido em 15 de setembro de 1993 em Boa Esperança, no sul de Minas Gerais, Alves estudou teologia no seminário evangélico Presbiteriano do Sul. Tornou-se pastor de uma comunidade presbiteriana no interior de Minas, mas afastou-se no fim da década de 1960, dedicando-se à carreira acadêmica.

De 1969 a 1974, foi professor da Faculdade de Filosofia de Rio Claro, no interior paulista. Em seguida, ingressou no Instituto de Filosofia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), onde permaneceu até a aposentadoria, nos anos 1990.

Divulgação

O escritor Rubem Alves

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Recebeu o título de professor emérito da Unicamp e também o de cidadão honorário de Campinas, onde vivia. Na cidade, criou o Instituto Rubem Alves, associação sem fins econômicos voltada a programas educacionais.

Alves também estudou Psicanálise, concluindo a graduação na década de 1980 e mantendo sua própria clínica até 2004. Na literatura, tinha entre seus autores favoritos Friedrich Nietzsche, T.S. Eliot, Guimarães Rosa, José Saramago, Fernando Pessoa, Adélia Prado e Manoel de Barros.

Entre seus livros mais famosos estão “Protestantismo e Repressão”, “Filhos do Amanhã” e “Da Esperança”. Suas obras foram publicadas em idiomas como inglês, francês, italiano, espanhol, alemão e romeno.

Em texto publicado em seu site, ele escreveu: “Já tive medo de morrer. Não tenho mais. Tenho tristeza. A vida é muito boa. Mas a Morte é minha companheira. Sempre conversamos e aprendo com ela. Quem não se torna sábio ouvindo o que a Morte tem a dizer está condenado a ser tolo a vida inteira.”

Leia tudo sobre: rubem alves  literatura

 

 

FONTE: iG.

 

Morre aos 80 anos o escritor e educador mineiro Rubem Alves
O mineiro estava internado desde o último dia 10 com pneumonia, no Hospital Centro Médico de Campinas, no interior paulista e faleceu neste sábado às 11h50

Morreu na manhã deste sábado aos 80 anos o escritor, filósofo e educador mineiro Rubem Alves. Ele teve falência múltipla de órgãos após uma pneumonia. Alves estava internado na Unidade de Terapia Intensiva do Centro Médico de Campinas há mais de 10 dias. Natural de Dores da Boa Esperança, cidade do Sul de Minas Gerais, chegou a ser perseguido no Brasil durante a ditadura militar.


Na literatura se destacou como cronista, ensaísta e autor de livros infantis. Em 2009, conquistou a segunda colocação do Prêmio Jabuti com o livro “Ostra Feliz Não Faz Pérola”, na categoria Contos e Crônicas. De família protestante, estudou nos Estados Unidos e foi considerado um dos criadores da Teologia da Libertação. Considerado uma das principais referências no pensamento sobre educação, tem uma bibliografia que conta com mais de 160 títulos distribuídos em 12 países.

Nascido em 1933, Rubem Alves morava em Campinas, onde mantinha um instituto para promover a inserção social por meio da educação, além de oferece assistência a educadores. Mestre em Teologia, Doutor em Filosofia e psicanalista é autor de diversas publicações entre crônicas crônicas, ensaios e contos. Sua obra foi traduzida para o inglês, francês, italiano, espanhol, alemão e romeno. Casado com Lídia Nopper, deixa três filhos.

Em boletim divulgado na manhã deste sábado, os médicos que o assistiam informaram sobre uma piora do estado de saúde do escritor, com agravamento das funções renal, pulmonar e circulatória, que evoluíram para um quadro de falência múltipla orgânica. A nota foi assinada pelo cardiologista intensivista Roberto Munimis.

O governador de Minas Gerais, Alberto Pinto Coelho, lamentou a morte do escritor. “Em nome de todos os mineiros, levo aos familiares, amigos e fãs de Rubem Alves a solidariedade e o abraço de conforto. Minas e o Brasil perdem uma figura ímpar. Um pensador capaz de ver poesia no mais simples gesto. Neste momento, não há como não se lembrar do que disse certa vez: Não haverá borboletas se a vida não passar por longas e silenciosas metamorfoses”, destacou a nota divulgada pelo Governo de Minas.

FONTE: Estado de Minas.