Moradores protestam contra retirada de cancelas de condomínio na Pampulha

Barreiras foram instaladas na via que dá acesso ao condomínio e também ao Parque Cássia Eller. Clima ficou tenso pela manhã, mas houve um acordo

 

Leandro Couri/EM/DA Press

.

A retirada das cancelas de entrada e saída entre um condomínio e um parque no Bairro Castelo, na Região da Pampulha, foi alvo de protesto de moradores nesta quinta-feira. O impasse só foi resolvido no fim da manhã. 
.
Segundo a Regional Pampulha da Prefeitura de Belo Horizonte, os moradores do Condomínio Fazenda da Serra instalaram cancelas que restringem a entrada na área, que abriga o Parque Cássia Eller. No entanto, a barreira foi instalada em via pública, o que o Código de Posturas não permite. 
.
Além das cancelas, há hastes de ferro fixadas no chão. Nesta quinta, a fiscais da prefeitura foram até o local para remover as barreiras, mas os moradores se mobilizaram contra a ação. Os ânimos ficaram exaltados e a Polícia Militar (PM) foi acionada para garantir a segurança. Diante da situação, o advogado da associação de moradores do condomínio, Valter Ferraz, foi até o local e negociou com os fiscais da prefeitura e os moradores. Em uma votação realizada na rua, ficou definido que apenas as hastes da entrada serão retiradas e as cancelas permanecerão abertas durante o dia. Nenhuma ocorrência foi registrada no local.
.

Morador explica o motivo da instalação das cancelas
http://www.youtube.com/watch?v=b2SriQQjVvY

As famílias do Condomínio Fazenda da Serra alegam que o objetivo das cancelas não é restringir ou proibir a entrada dos frequentadores do parque, mas sim, por meio do controle de entrada, dar uma sensação de segurança os moradores, amedrontados diante dos crimes que acontecem no Bairro Castelo.
.
Os condôminos também alegam terem sido vítimas de charlatanismo. Isso porque o impasse em relação à entrada se estende há 10 anos, quando os imóveis começaram a ser construídos. Eles afirma que na época compraram os imóveis com a informação de que seria um condomínio fechado, mas só descobriram anos depois que o condomínio não poderia ser neste formato. O em.com.br entrou em contato com a Regional Noroeste, que prometeu se pronunciar sobre a reivindicação dos moradores. 
.

Leandro Couri/EM/DA Press
.

FONTE: Estado de Minas.