Serra da Canastra é opção para férias de julho em São Roque de Minas

Trilhas e cachoeiras são algumas das atrações. 
Pousadas precisam ser reservadas antecipadamente, segundo Atusca.

 

Parque Nacional da Serra da Canastra (Foto: Atusca/Divulgação)
Parque Nacional da Serra da Canastra atrai turistas em São Roque de Minas

As belezas da Serra da Canastra em São Roque de Minas, no Centro-Oeste do estado, chamam a atenção de turistas. A região está na lista das opções de férias de julho dos apaixonados por ecoturismo. (Veja galeria de fotos)

Segundo a Associação de Turismo da Serra da Canastra (Atusca), as pousadas precisam ser reservadas com antecedência, já que o período é um dos mais procurados do ano. Para visitar o local é preciso se hospedar em algum município do entorno e um deles é São Roque de Minas. 

Namorados aproveiram belezas e romantismo da Serra da Canastra (Foto: G1/G1)Namorados aproveiram belezas e romantismo da Serra da Canastra

As cachoeiras e trilhas chamam atenção daqueles que querem um contato com a natureza. Cristina Rosa e Anderson Freitas, já estiveram na região e eles não descartam a ideia de retornar no período de férias.

“Estivemos na Serra da Canastra em um feriado e por isso tivemos pouco tempo para descobrir tudo o que há no local. Visitamos a cachoeira Casca d’Anta, várias outras cachoeiras com poços inesquecíveis para banho, e fizemos trilha. Não descartamos a possibilidade de retornar em julho, pois não conhecemos a nascente do Rio São Francisco”, disse Cristina.

Opções de lazer
A cachoeira Antônio Ricardo é uma das mais procuradas para caminhadas coletivas. O local fica a 18 quilômetros de São Roque de Minas, no povoado de Leites. O acesso é por meio de trilhas e encanta pelas águas cristalinas. O espaço é ideal para quem deseja descansar. “A cachoeira é muito linda e tem uma queda de 120 metros de altura. As pessoas nadam em um poço cristalino”, contou a diretora da Atusca, Daniela Labonia, que completou dizendo que para entrar é preciso contribuir com uma taxa de preservação da trilha no valor de R$ 5.

Ainda segundo Daniela Labonia, há outras opções como a cachoeira da Lavrinha, que fica aos pés do Chapadão da Canastra. “A caminhada para se chegar a essa cachoeira é exuberante. Sem contar a vista para o chapadão durante todo o percurso. Nessa cachoeira a entrada é gratuita. A queda é de 60 metros e a piscina natural é um convite para um bom mergulho”, disse Labonia.

Cachoeira da Lavrinha na Serra da Canastra (Foto: Regina Nicolette/Divulgação)
Cachoeira da Lavrinha na Serra da Canastra

A terceira opção é a cachoeira do Taboão, que fica no alto da Serra da Babilônia, e pode ser explorada acompanhando as margens do rio que formam uma sequência de quedas e lagoas. “O local é ideal para fotógrafos que querem fazer imagens de uma paisagem maravilhosa. O turista consegue chegar até uma das nascentes dessa cachoeira que forma uma piscina de água azul celeste”.

Cachoeira do Taboão (Foto: Valdeir Rabelo/Divulgação)Cachoeira do Taboão chama a atenção de turistas

A cachoeira fica em um local isolado e também não é preciso pagar taxa de visitação. Em um dos lagos é possível mergulhar debaixo de pedras que levam o turista a outras piscinas naturais e grutas. Para isso a Atusca oferece serviço de guias e condutores que orientam os banhistas em todos os roteiros.

Toda a visitação pode ser feita em apenas um dia. Mas o ideal é que os turistas permaneçam na Serra da Canastra de três a dez dias. “São mais de 30 atrações na região. Um dia não é suficiente para os amantes da natureza”, disse Labonia.

Cachoeira Casca Danta (Foto: Eduardo Issa/Divulgação)Turistas poderão ver belas cachoeiras na região 

Sobre hospedagens, Daniela Labonia ressaltou que existem excelente lugares na região.

“Existe a opção de hospedar em cidades que são bem pequenas e aconchegantes, com muita receptividade, tudo muito tranquilo. As mais procuradas são São Roque de Minas e Vargem Bonita, que estão mais próximas das principais atrações. Especificamente em São Roque de Minas temos dois distritos com menos de 500 moradores cada, São José do Barreiro e São João, ambos muito próximos de cachoeiras. Existem pousadas que ficam em fazendas e oferecem cardápios elaborados e produtos da roça”, contou.

Nascente do Rio São Francisco na Serra da Canastra (Foto: Daniela Labonia/Divulgação)
Nascente do Rio São Francisco pode ser visitada 

As atividades durante o dia variam. O que precisa mesmo é ter muita energia para caminhar pela região. “Temos passeios em veículos 4×4. Andar de bicicleta também é uma opção”, disse.

Além de todos os passeios, os turistas também visitam a nascente do Rio São Francisco que tem mais de 2.700 km e corta sete estados brasileiros – Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Goiás e Distrito Federal – o que dá a ele o título de maior rio totalmente brasileiro, com uma bacia hidrográfica que abrange 504 municípios. Na Serra da Canastra ele percorre 14 quilômetros.

Queijo canastra
O período de férias também pode ser aproveitado para visitas a fazendas que produzem o tradicional queijo canastra. Elas ficam espalhadas pelos caminhos que levam às cachoeiras.

Turistas podem participar da produção de queijo canastra (Foto: Daniela Labonia/Divulgação)Turistas podem participar da produção de queijo canastra

“Dependendo do horário que o turista passar pela fazenda, será possível acompanhar o processo de fabricação artesanal do queijo, como a retirada do leite e a colocação do “pingo”, que é o segredo cultural da produção do queijo canastra”, contou a diretora da Atusca.

A engenheira Caroline Belizário disse que se encantou com a forma como foi recebida pelos guias, que são os donos da propriedade onde fica uma das cachoeiras. “Chegamos na entrada da trilha da cachoeira e os próprios guias ofereceram um café para o grupo. Tinha biscoito, doce de mamão e café. Certamente é muito encantador esse jeitinho mineiro”, finalizou Caroline.

Mais informações sobre hospedagens e opções de lazer podem ser obtidas no site da Associação de Turismo da região.

FONTE: G1.

Anúncios