Morre índio agredido com chutes na cabeça enquanto dormia em rua de BH


Vítima, que ainda não foi identificada, estava internada no Hospital João XXIII onde faleceu no início da noite desta sexta-feira (15); suspeito segue sendo procurado pela polícia

Morreu, no início da noite desta sexta-feira (15), o índio ainda não identificado que teve um afundamento de crânio durante a madrugada após ser agredido por um jovem com chutes na cabeça enquanto dormia, no Centro de Belo Horizonte. Ele estava internado em estado grave desde esta manhã no Hospital de Pronto-Socorro (HPS) João XXIII.

A unidade de saúde não repassou outros detalhes sobre o quadro da vítima, que chegou sem identificação e foi encaminhada para a emergência da unidade de saúde. Ele permaneceu internado e respirava com a ajuda de aparelhos até esta noite, quando não resistiu à gravidade dos ferimentos.

De acordo com o sargento Sandro Matos, da 6ª Companhia do 1º Batalhão da Polícia Militar, que atendeu à ocorrência, o morador de rua teria ficado mais de cinco horas esperando o socorro. “O crime aconteceu por volta das 2 horas da manhã. Depois, ainda furtaram uma sacola que estava debaixo dele”, contou o militar. Veja as imagens de câmeras de segurança no momento da agressão:

Ainda conforme o sargento, imagens de câmeras de segurança mostram que a vítima estava deitada na rua Vinte e Um de Abril, quando o criminoso chegou e a agrediu sem falar nada. Nas imagens é possível ver que o suspeito, após desferir vários chutes e pisadas na cabeça da vítima, chega a sair de perto para disfarçar enquanto veículos passam pela rua, mas volta e continua com as agressões. Depois, o suspeito vai embora, sem levar nada.

Assim que a PM chegou ao local, nesta manhã, acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que socorreu o índio para o Hospital de Pronto-socorro (HPS) João XXIII. O suspeito segue sendo procurado pela PM. “É um cidadão comum, estava muito bem vestido. Tudo indica ser crime por intolerância”, finalizou Matos.

Comerciantes da região afirmam que o índio tinha bom relacionamento com todos que passavam pelo local. “Ele costuma dormir na avenida do Contorno, no bairro Floresta, ele era amigo de todos aqui na região. Além disso, ele não tinha problema com ninguém”, contou um trabalhador que não quis se identificar.

.

FONTE: O Tempo.

Anúncios