Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo do mês: fevereiro 2018

Kim Jong-un usou passaporte brasileiro para viajar por vários países

Reuters publicou a imagem do passaporte do ditador norte-coreano

A agência de notícias Reuters, divulgou nesta terça-feira (27) imagens de passaportes brasileiros utilizados pelo ditador norte-coreano Kim Jong-un e seu pai, Kim Jong-il. Segundo uma fonte da agência, os líderes obtiveram os documentos de maneira fraudulenta para conseguir vistos e viajar por países ocidentais. Isso teria ocorrido durante a década de 1990.

O passaporte de Jong-il foi emitido em nome de Ijong Tchoi, com data de nascimento de 4 de abril de 1940. Ele morreu em 2011. Sua verdadeira data de nascimento foi em 1941. O de Jong-Un tem o nome de Josef Pwag, com data de nascimento de 1° de fevereiro de 1983.

Kim Jong-un foi educado em uma escola internacional em Berna, Suíça, onde fingiu ser filho de um motorista da embaixada.

Ver imagem no TwitterVer imagem no Twitter

EXCLUSIVE: North Korean leaders used Brazilian passports to apply for Western visas in 1990s, sources tell

 Ambos os passaportes têm um selo dizendo “Embaixada do Brasil em Praga”. As fontes de segurança da agência disseram que a tecnologia de reconhecimento facial confirmou que as fotografias eram realmente dos líderes norte-coreanos. Eles indicam que o local de nascimento de ambos é São Paulo.

A embaixada da Coreia do Norte no Brasil se negou a comentar o caso. O Ministério das Relações Exteriores do Brasil disse que estava investigando o caso.

.

FONTE: O Tempo.


Após tragédia no Barreiro, eixo traseiro de ônibus se solta em BH

No início da noite desta segunda-feira (26), mais um coletivo voltou a apresentar problemas na capital e deixou passageiros apavorados

Quase duas semanas depois do acidente com cinco mortes envolvendo um ônibus que teria perdido o freio e caiu em um córrego na região do Barreiro, mais um coletivo voltou a apresentar problemas em Belo Horizonte e deixou os passageiros apavorados.

Na noite desta segunda-feira (26), o eixo traseiro de um veículo da linha 808 (Estação São Gabriel/Via Parque Real) se soltou quando passava por uma descida íngreme na rua Cleanto, no bairro Belmonte, na região Nordeste da capital.

O técnico de TI Adriano Luiz Barbosa, de 33 anos, conta que o ônibus estava cheio no momento do acidente. Ele e os demais passageiros ouviram um estrondo e o veículo balançou de um lado para o outro, como se fosse tombar.

“O ônibus estava lotado por causa do horário de pico, com muitos passageiros em pé. Depois do estrondo, o veículo balançou de um lado para outro e começou a inclinar para a esquerda dando a entender que iria virar. Houve muito pânico”, relembra.

Segundo Barbosa, assim que o motorista parou o coletivo, os passageiros correram para as portas, mas apenas uma delas se abriu, o que criou um tumulto. “Alguns até tentaram quebrar os vidros para pular as janelas. Outros se empurraram bastante tentando descer pela única porta aberta. Os primeiros que desceram tentaram escorar o ônibus com o corpo por causa do medo dele tombar com o restante dentro”, ressalta.

Apesar do acidente, ninguém ficou ferido.

Veículo já teria apresentado defeito

Assim como outros passageiros, indignados ao perceberem que o eixo traseiro se soltou, Adriano Luiz Barbosa fotografou e gravou vídeos mostrando a situação. Além disso, ele se aproximou do motorista e flagrou a conversa do homem com alguém da empresa responsável pelo veículo.

“O motorista reclamava dizendo que colocaram a vida dele em risco. Disse que já tinha avisado o pessoal da garagem sobre algum problema no veículo, mas mesmo assim mandaram ele seguir viagem”, disse o passageiro.

De acordo com a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), o coletivo é da empresa “S&M Transportes – Unidade Goiânia”, está registrado com o número 10302 e foi vistoriado na última quinta-feira (22).

  • Eixo traseiro solta ônibus

Ainda conforme a BHTrans, o condutor disse que o acidente aconteceu depois que ele parou em um ponto para desembarcar passageiros. Quando seguiu viagem ele sentiu um “tranco muito forte na carroceria” e o eixo traseiro travou e soltou. A Polícia Militar (PM) registrou um boletim de ocorrência e a perícia foi acionada para investigar o caso.

.

FONTE: O Tempo.


Chuva forte provoca alagamentos, deixa motoristas ilhados e arrasta carros em BH

O Rio Cachoeirinha transbordou, inundou a via e arrastou carros. Na Avenida Cristiano Machado também teve alagamentos e uma viatura do Samu ilhada


 


 

Uma chuva forte provocou inundações, arrastou carros e deixou motoristas em pânico, na tarde deste sábado em Belo Horizonte. A Região Nordeste da capital foi a mais atingida. O Rio Cachoeirinha transbordou, arrastou carros e alagou vários estabelecimentos comerciais na Avenida Bernardo Vasconcelos.

Na Avenida Cristiano Machado também teve vários pontos de alagamentos. Na altura do Bairro São  Gabriel, a água tomou conta da pista, deixou pessoas ilhadas na Estação de metrô e impediu que os ônibus do Move deixassem a estação. Logo à frente, próximo ao Minas Shopping, também teve inundação. Carros ficaram com água quase até o teto. No Bairro Cidade Nova, uma viatura do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ficou ilhada.

O sinal do temporal que atingiu a cidade começou por volta das 15h, quando nuvens escuras cobriram a capital e até postes de iluminação das ruas foram ligados.

O Institudo PucMinas/Tempo Clima já havia alertado nessa sexta-feira (23), que os mineiros deviam se preparar para chuva neste fim de semana. A frente fria que atua no estado desde o início da semana vai continuar deixando o tempo instável. Pancadas de chuva estão previstas para este sábado e domingo e o céu permanecerá nublado em todo o estado, de acordo com o instituto.

A instabilidade se estende ao início da próxima semana, também com previsão de precipitações. Na Região Metropolitana de Belo Horizonte, as temperaturas variam entre 17 e 26 graus e a umidade relativa do ar fica em torno de 65% durante o fim de semana.

Grande BH

Em Betim, na Grande BH, a chuva forte fez com que pessoas ficassem alagadas com a repentina elevação das águas de enxurradas e de córregos. Só o Corpo de Bombeiros chegou a registrar 17 chamadas relativas a pessoas cercadas pela água. Contudo, tão rápido quanto o nível d’água subiu, ele desceu e não foi preciso resgatar nenhuma dessas pessoas.
Em Nova Lima e na região do condomínio Alpha Ville, no caminho para Ouro Preto, a chuva forte obrigou os motoristas das BRs 040 e 356 a reduzir sua velocidade e conduzir os veículos com cuidados redobrados.

.

FONTE: Estado de Minas.


Juiz flagrado com carro de Eike Batista é condenado a 52 anos de prisão por desvio e lavagem de dinheiro

Flávio Roberto de Souza desviou dinheiro apreendido sob sua responsabilidade. Ele ainda perde o cargo público e deverá pagar multa de R$ 599 mil


O juiz Flavio Roberto de Souza e o Porsche de Eike Batista (Foto: Reprodução GloboNews)

Conhecido por ser flagrado dirigindo o Porsche apreendido do empresário Eike Batista, o juiz federal Flávio Roberto de Souza foi condenado por peculato e lavagem de dinheiro em dois processos que respondia na Justiça Federal.

Em sua decisão, o juiz Gustavo Pontes Mazzocchi, da 2ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro determina que Flávio Roberto cumpra pena de 52 anos de prisão, além de perder o cargo de magistrado e pague uma multa de R$ 599 mil.

As decisões são dos dias 16 e 19 deste mês. De acordo com o Ministério Público Federal, em um dos processos, Flávio Roberto desviou para seu benefício dinheiro que estava apreendido na 3ª Vara Federal Criminal do RJ quando ele era titular da vara.

Juiz flagrado dirigindo carro de Eike Batista é condenado a 52 anos de prisão

Juiz flagrado dirigindo carro de Eike Batista é condenado a 52 anos de prisão

“Consequências gravíssimas, não apenas pelo desaparecimento de autos processuais — que acabaram por ser parcialmente restaurados —, mas pela desmoralização absoluta do Poder Judiciário como um todo e, especialmente, da Justiça Federal e da magistratura, decorrência dos atos criminosos perpetrados por aquele que deveria aplicar a lei. Poucas vezes se teve notícia de agente da magistratura que tenha conseguido achincalhar e ridicularizar de forma tão grave um dos poderes do Estado”, afirmou em sua decisão o juiz Gustavo Mazzocchi.

De acordo com um dos processos, enquanto era juiz da 3ª Vara Federal, Flávio Roberto desviou R$ 106 mil obtidos com a venda do carro do traficante espanhol Oliver Ortiz preso em uma operação da Polícia Federal. Por este caso, ele foi condenado por peculato – crime que é a subtração ou desvio, por abuso de confiança, de dinheiro público ou de coisa móvel apreciável, para proveito próprio ou alheio, por funcionário público que os administra ou guarda; abuso de confiança pública.

O MPF afirma que Flávio Roberto utilizou parte do dinheiro para comprar um carro em nome da filha. Para isso, transferiu R$ 90 mil para a conta da moça.

Porsche foi devolvido ao pátio da Justiça Federal na tarde desta terça (24) (Foto: Henrique Coelho/G1)Porsche foi devolvido ao pátio da Justiça Federal na tarde desta terça (24) (Foto: Henrique Coelho/G1)

Porsche foi devolvido ao pátio da Justiça Federal na tarde desta terça (24)

O outro processo tratou do desvio de R$ 290,5 mil que estavam em uma conta da Justiça Federal e foram desviados por Flávio Roberto para a compra de um Land Rover Discovery. O então titular da 3ª Vara Federal Criminal ainda se apropriou, segundo o MPF, de US$ 105,6 mil e 108,1 mil euros. Após convertidos em reais, os recursos foram usados para a compra de um apartamento na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

Na tentativa de esconder a manobra, segundo o MPF, Flávio Roberto lançou no sistema decisões falsas. Ele ainda destruiu provas e partes do processo para ocultar as irregularidades que praticou.

G1 ainda não conseguiu contato com a defesa do juiz Flávio Roberto de Souza, que pode recorrer da decisão. Nos processos, seus advogados alegaram que ele possuía problemas mentais e sofria de depressão.

.

FONTE: G1.


Perícia da PF indica dois arquivos apagados em sistemas de propina da Odebrecht

Os programas de computador serviam, entre outras coisas, para que os funcionários da empreiteira discutissem o pagamento de propinas a agentes públicos; arquivos foram apagados após a prisão do ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, segundo a perícia.


A Polícia Federal (PF) entregou o laudo da perícia feita nos sistemas Drousys e Mywebday, que segundo a Operação Lava Jato, continham informações sobre pagamento de propina da Odebrecht.

Conforme os peritos, de um total de 1.912.667 de arquivos, 842 arquivos foram identificados pelos peritos como uma espécie de não conformidade.

Além disso, o laudo também descobriu que dois arquivos (uma foto e um arquivo PDF) foram apagados do sistema de uma maneira que não é possível recuperar. Mas, descobriram o IP de quem apagou os arquivos, que está no nome de carlos_braga.pdf.

Os arquivos, conforme a perícia, foram apagados logo após a prisão do ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, em junho de 2015.

No laudo, os peritos informam que não conseguiram determinar uma relação entre a compra e alguma obra específica da Petrobras.

Os peritos também apontaram como um dos destinatários de dinheiro do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, a offshore Beluga Holding LTD, que pertence a Mateus Claudio Bravina Baldassarri, dono do terreno que fica na Rua Haberbeck Brandão, 178, em São Paulo.

Segundo a força-tarefa da Lava Jato, no endereço seria construída a nova sede do Instituto Lula, que nunca saiu do papel. Veja mais detalhes abaixo.

O documento foi anexado ao sistema da Justiça Federal do Paraná na ação penal que investiga a compra do terreno e de um apartamento em São Bernardo do Campo, no prédio onde vive o ex-presidente Lula. O laudo foi assinado por seis peritos e tem, ao todo, 321 páginas.

A perícia começou a ser realizada em setembro do ano passado, após uma determinação do juiz Sérgio Moro. O juiz deu prazo de quinze dias para que os assistentes técnicos se manifestem sobre a perícia.

Veja os questionamentos feitos por Moro e a resposta dos peritos

Moro: descrição do que tratam os sistemas Drousys e MyWebDay utilizados.

Peritos: Os peritos afirmam que o Drousys é um ambiente para acesso remoto, via VPN criptografada.

Nele, o usuário poderia utilizar serviços de armazenamento e edição de arquivos, acesso à internet, e-mail e chat com troca de arquivos e voz sem que o conteúdo ficasse registrado no computador.

De acordo com a análise, as ações eram gravadas em um computador remoto localizado no servidor do sistema.

O MyWebDAy, dizem os peritos, é um sistema que possui funcionalidades contábeis e financeiras capaz de armazenar informações em banco de dados próprio, composto por 60 tabelas.

Nestas tabelas, conforme o laudo, há informações da área denominada Operações Estruturadas da empresa Odebrecht, onde era gerenciado o pagamento de propina.

Os peritos dizem que não foi possível examinar o ambiente de produção (ambiente real utilizado pelos usuários no dia a dia) do MyWebDay, entretanto, a partir dos relatórios e consultas dos usuários, foi possível ter informações úteis para esclarecer alguns questionamentos.

Moro: informações sobre a possibilidade de garantir a autenticidade dos arquivos eletrônicos ou sistemas, com a data de sua produção e informações sobre eventuais alterações posteriores.

Peritos: de um total de 1.912.667 de arquivos, 842 arquivos foram identificados pelos peritos como uma espécie de não conformidade.

“Em relação aos Discos 01 a 08, tendo em vista que os arquivos de imagens forenses que contêm os arquivos questionados foram gerados pela Odebrecht, e que tais imagens encontram-se íntegras, conclui-se que as divergências encontradas foram resultado de alterações anteriores ao recebimento desse material pelo MPF”, argumentaram os peritos.

Moro: verificar se o material contém documentos ou lançamentos que possam estar relacionados com o objeto da presente ação penal, à aludida aquisição do prédio na Rua Haberbeck Brandão, 178, e caso positivo para que sejam identificados e apresentados em laudo.

Peritos: o laudo citou lançamentos relacionados ao termo ‘Beluga’. Segundo os peritos, o termo foi utilizado para designar entes distintos no contexto dos dois sistemas que pode se referir:

  • Um codinome no MyWebDay e seria um dos numerosos beneficiários dos recursos cadastrados;
  • À offshore Beluga Holding LTD, que pertence a Mateus Claudio Bravina Baldassarri, um dos proprietários do imóvel situado à Rua Haberbeck Brandão, 178, por intermédio da Agência Sul Americana de Publicidade (ASA);

Sobre a contabilidade paralela, o laudo apontou como distintos beneficiários físicos Beluga Holdings LTD, Jaumont Services Limited, DAG Construtora, Glaucos da Costamarques e Martins Advogados. “Deste fato, infere-se que o codinome BELUGA foi utilizado para controlar dispêndios relativos ao imóvel pertinente à presente ação penal”, afirmaram os peritos.

Com este codinome, foram identificados três valores na planilha: US$ 611.515, S$ 637.300 e US$ 537.575.

Moro: verificar se os materiais juntados aos autos pelo MPF e pela defesa de Marcelo Bahia Odebrecht encontram-se no sistema e se é possível relacioná-los à aludida aquisição do prédio na Rua Haberbeck Brandão, 178.

Peritos: sobre os documentos juntados pelo MPF e pela defesa de Marcelo Odebrecht, os peritos afirmam que na análise foram encontrados alguns arquivos com aspecto visual semelhante.

A denúncia

Conforme a denúncia, o Grupo Odebrecht pagou propina a Lula via aquisição do imóvel onde funciona o Instituto Lula. O valor, até novembro de 2012, foi de R$ 12.422.000, afirmam os procuradores.

A denúncia afirma também que o ex-presidente recebeu, como vantagem indevida, a cobertura vizinha à residência onde vive em São Bernardo do Campo, interior de São Paulo.

Nesta ação, além de Lula, são réus o ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht; e o ex-ministro Antônico Palocci.

My Web Day e Drousys

O “My Web Day” foi mencionado durante o depoimento de Hilberto Mascarenhas, que era o responsável pelo setor de propinas da empreiteira, prestado em 7 de junho do ano passado.

Segundo Mascarenhas, o sistema foi adaptado para fazer o controle de tesouraria e, atualmente, não é mais utilizado. O “My Web Day” funcionava como um manual da propina e foi substituído posteriormente pelo “Drousys”, um controle mais sofisticado e que ficava na Suíça.

Ainda conforme o depoimento, o programa continha todos os registros dos pagamentos efetuados e a quem foram efetuados, por condinome.

O que dizem os citados

Os advogados de Lula disseram que os peritos confirmam o que sempre foi dito por eles – que a perícia não estabeleceu qualquer vínculo entre os contratos da Petrobras e os imóveis indicados na denúncia, e que não apontou o pagamento de qualquer vantagem indevida a Lula.

A defesa afirmou, ainda, que o ex-presidente jamais solicitou ou recebeu da Odebrecht ou de qualquer outra empresa imóvel destinado ao Instituto Lula, que funciona no mesmo local desde 1991, e que tampouco solicitou ou recebeu a propriedade do apartamento que é locado pela família mediante pagamento de aluguéis.

A Odebrecht afirmou que, desde março de 2016, quando anunciou que iria colaborar com a Justiça, vem fornecendo às autoridades os arquivos dos sistemas eletrônicos sem qualquer modificação. No caso em questão a Odebrecht afirmou que a perícia determinou que a imensa maioria dos arquivos são autênticos.

.

FONTE: G1.


Donos da Embraforte são denunciados por desviar dinheiro do Banco do Brasil

Os valores eram para ser depositados em terminais de autoatendimento do banco. O grupo também já tinha sido denunciado em 2015 por praticar o mesmo crime contra a Caixa Econômica Federal (CEF)


Os proprietários da empresa Embraforte Segurança e Transporte de Valores foram denunciados pelo Ministério Público de Minas Gerais por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Eles são acusados de desviar valores entre 2012 e 2013 no abastecimento de terminais de autoatendimento do Banco do Brasil no Estado. O prejuízo estimado é de ao menos R$ 22,7 milhões. Em 2015, o grupo já tinha sido denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por aplicar o mesmo golpe na Caixa Econômica Federal (MPF).
De acordo com a 12ª Promotoria de Justiça Criminal de Belo Horizonte, o contrato entre o Banco do Brasil e a empresa foi encerrado depois que os desvios foram constatados. A Embraforte prestava o serviço de abastecer os terminais de autoatendimento. Porém, o montante inserido nas máquinas eram bem inferiores às quantias cadastradas no sistema eletrônico, segundo o MPMG. Na época, as investigações apontaram que a empresa não possuía em espécie os valores que deveriam estar armazenados no caixa-forte. O montante era de R$ 22.767.187,09.
A promotoria identificou ao menos 11 empresas que eram usadas pelos denunciados para a lavagem de dinheiro. Elas receberam aproximadamente R$ 19 milhões em dinheiro vivo durante três anos, entre 2012 e 2015. Essas empresas estavam nos nomes dos acusados ou de familiares deles, que serviam como “laranjas”. De acordo com o MPMG, os denunciados adquiriram três empreas do grupo RRJ em São Paulo, em 2013, e outra do ramo de transporte coletivo em Botucatu (SP).

Além da denúncia, a promotoria pediu a decretação da perda de carros de luxo apreendidos no em São Paulo. Solicitou, ainda, a perda de imóveis identificados como sendo de propriedade dos denunciados ou de suas empresas. Se condenados, os denunciados podem pegar até 30 anos de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro, peculato e organização criminosa.

Outra denúncia

Essa não é a primeira vez que a Embraforte entra na mira da Justiça. Em 2015, os donos, o gerente e o supervisor de tesouraria da empresa denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) por peculato e formação de quadrilha. Eles foram acusados de desviar e se apropriar indevidamente de R$ 8,8 milhões que seriam usados para abastecer os caixas eletrônicos da Caixa Econômica Federal.

Segundo a denúncia, a Embraforte fazia abastecimento das máquinas e também o recolhimento diários das arrecadações em casas lotéricas. As investigações apontaram que o desfalque foi descoberto nos meses de setembro e outubro de 2013, quando a Caixa notou irregularidades na execução dos contratos. Somente em 25 de setembro daquele ano, foi detectada uma divergência de R$ 1,6 milhão entre o saldo físico, que era o valor entregue à empresa para ser transportado, e o saldo contábil – valor apurado no final do dia, após as entradas e saídas de numerário ocorridas durante o transporte.

As investigações apontaram, ainda, que em quatro dias seguidos de outubro, a Embraforte deixou de abastecer 41 terminais de autoatendimento. De acordo com o MPF, a empresa foi notificada sobre as irregularidades, mas não se manifestou. Por isso, a Caixa ajuizou uma ação cautelar para reaver o dinheiro.

Governos tucanos de Minas blindaram ‘amigos’ em roubo ao Banco do Brasil

Polícia mineira conclui investigação que indicia parentes diretos da mulher-forte do ‘choque de gestão’ de Aécio e Anastasia. Empresa já é denunciada por golpe em outro banco público, a CEF
por Helena Sthephanowitz, para a RBA publicado 27/06/2015 15h28, última modificação 27/06/2015 15h32
minas.jpg

Aécio, Anastasia e Vilhena: trio da gestão de choque em Minas, no centro de novo inquérito policial

Um inquérito da Divisão Especializada em Investigação de Fraudes, da Polícia Civil, que investiga o roubo de R$ 22,7 milhões de agências do Banco do Brasil em Minas Gerais por meio da empresa de transporte de valores Embraforte, em 2013, aponta uso político da Polícia Civil mineira pelo então governo do PSDB daquele estado para blindar criminosos “amigos”.

O delegado Cláudio Utsch, que assumiu e concluiu o inquérito, indiciou e pediu a prisão dos donos da Embraforte, Marcos André Paes de Vilhena e seus dois filhos – Pedro Henrique Gonçalves de Vilhena e Marcos Felipe Gonçalves de Vilhena. São respectivamente irmão e sobrinhos de Renata Vilhena, chefe da Secretaria de Planejamento e Gestão, entre 2006 e 2014. Trata-se da poderosa secretária estadual do “choque de gestão” dos governos tucanos de Aécio Neves e Antônio Anastasia. Ela também foi secretária adjunta de Logística e TI do Ministério do Planejamento do governo Fernando Henrique Cardoso.

“O poder de Renata esteve sempre pronto a auxiliar o irmão, e como é cediço*, tempos atrás a Deif (Divisão Especializada em Investigação de Fraudes) fora usada para atender interesses do grupo político do qual faz parte a ex-secretária”, diz o inquérito. O problema, segundo o delegado, seria interferências políticas para atrapalhar as investigações.

*Cediço: indiscutível, claro, notório, conhecido de todos etc. (nota da edição)

Desde que o Banco do Brasil deu queixa do roubo a investigação na Polícia Civil não andou. Só em abril deste ano o novo titular da Deif (Cláudio Utsch) assumiu o caso e concluiu a investigação, em junho.

Entre as evidências de “blindagem” dos investigados, Utsch relata o que considera manobras para atrasar a investigação, “orquestradas por meio da influência de Renata Vilhena”. Uma delas teria sido tirar a investigação da Deif e levar para a Delegacia de Crimes Cibernéticos, que não tem nada a ver com as características do caso. Outra foi a retirada de peças importantes do inquérito pelo antigo delegado do caso.

A Embraforte prestou serviços de transporte de valores ao Banco do Brasil de 2006 a 2014 nas cidades mineiras de Belo Horizonte, Varginha e Passos. O Banco do Brasil descobriu uma fraude nos caixas eletrônicos abastecidos pela empresa, que colocava menos dinheiro do que declarava. Flagrados, os donos reconheceram o ocorrido mas colocam a culpa nos empregados. Estes disseram ter cumprido ordens que vinham de cima, inclusive sob coação.

O inquérito afirma que a Embraforte roubou R$ 22,7 milhões do Banco do Brasil por meio de depósitos com valores inferiores que os incluídos no sistema da empresa. O esquema foi descoberto pelo próprio banco, uma vez que as investigações pararam em algum gabinete da Polícia Civil.

Utsch pediu também o afastamento de seu antecessor nesta investigação, o delegado César Matoso, acusando-o de ter agido como um “advogado de defesa” dos Vilhena. “A autoridade policial, travestindo-se de advogado de defesa de criminosos, e em parceria com os advogados de defesa, produziu tais peças! Jamais tais oitivas poderão ser consideradas como interrogatórios de criminosos que cometeram graves crimes de colarinho branco”, descreve, no inquérito.

As peças referidas são depoimentos dos investigados de forma completamente anormal e suspeita. Em vez de o escrivão taquigrafar diretamente no PCNet, sistema oficial da Polícia Civil próprio para isto, o fez num programa de edição de texto comum, como se fosse um rascunho, abrindo a possibilidade de seu conteúdo ser alterado antes de ser lavrado como o depoimento oficial. Não bastasse, o próprio delegado César Matoso fez o serviço de passar o “rascunho” para o PCNet oficial, uma atitude bastante suspeita.

A Embraforte é alvo de outro inquérito na Polícia Federal por ocorrência semelhante na Caixa Econômica Federal. Casas lotéricas deram queixa de furto de dinheiro pela empresa. Parte do dinheiro recolhido nas lotéricas pelos carros-forte não era depositada no banco de destino, apesar dos controles apontarem exatidão nas operações.

Os negócios da Embraforte não ficam apenas nos bancos públicos do Brasil. Outra denúncia contra os donos da empresa foi apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) por trabalho escravo dentro da sede da empresa. Em 2012, fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego encontraram 115 empregados submetidos a jornadas extenuantes, em alguns casos com duração superior a 24 horas, e a condições degradantes de trabalho.

De certa forma, aplicavam na iniciativa privada conceitos que guardam alguma semelhança com aquilo que “choque de gestão tucano” propõe ao serviço público.

.

FONTE: Estado de Minas e Rede Brasil.


Cerca de 200 bairros de Belo Horizonte ficarão sem água neste domingo

Interrupção no abastecimento também afetará Nova Lima, Raposos, Sabará e Santa Luzia.

Cerca de 200 bairros de Belo Horizonte vão ficar sem água neste domingo (25). A interrupção no abastecimento também afetará Nova Lima, Raposos, Sabará e Santa Luzia, na Região Metropolitana.

De acordo com a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), o corte ocorrerá a partir das 6h para manutenção preventiva no Sistema Produtor de Água Rio das Velhas, em Nova Lima. No domingo, também será realizada manutenção no sistema elétrico da elevatória de água tratada São Lucas, na capital.

A previsão da Copasa é que os serviços sejam concluídos até as 16h e que o abastecimento de água será normalizado, gradativamente, até a madrugada de segunda-feira (26). Veja a lista de locais afetados.

Belo Horizonte

Aarão Reis, Aeroporto, Alto Barroca, Alto Colégio Batista, Alto Vera Cruz, Álvaro Camargo, Alvorada, Alípio de Melo, Anchieta, Aparecida, Aparecida 7ª Seção, Baleia, Bandeirantes, Barro Preto, Barroca, Belmonte, Betânia, Boa Vista, Bom Jesus, Bonfim, Borges, Cachoeirinha, Caetano Furquim, Cafezal, Caiçara, Calafate, Campus da UFMG, Caparaó, Capitão Eduardo, Carlos Prates, Carmo, Casa Branca, Castanheira, Celeste Império, Celso Machado, Centro, Chácaras Montevidéu, Cidade Jardim, Cidade Nova, Cidade Universitária, Cinquentenário, Colégio Batista, Concórdia, Conjunto Betânia, Conjunto Califórnia, Conjunto Felicidade, Conjunto Itacolomi, Conjunto Novo Aarão Reis, Conjunto Ribeiro de Abreu, Conjunto Santa Maria, Conjunto Santos Dumont, Coração de Jesus, Cruzeiro, Da Graça, Das Mansões, Dom Bosco, Dom Joaquim, Dom Silvério, Dona Clara, ETE/Arrudas, Ermelinda, Esplanada, Estoril, Estrela Dalva, Eymard, Fazendinha (Aglomerado da Serra), Fernão Dias, Flamengo, Floresta, Frei Eustáquio, Funcionários, Gameleira, Glória, Goiânia, Gorduras, Gorduras de Cima, Grajaú, Granja, Werneck, Guarani, Gutierrez, Havaí, Heliópolis, Horto, Humaitá, Inconfidência, Indaiá, Industrial Rodrigues da Cunha, Instituto Agronômico, Ipanema, Ipiranga, Jaraguá, Jardim América, Jardim Pirineus, Jardim Taquaril, Jardim Vitória, Jardim das Rosas, Jardinópolis, Jonas Veiga, Lagoinha, Liberdade, Lourdes, Luxemburgo, Maria Goretti, Maria Virgínia, Mariano de Abreu, Minas Brasil, Minaslândia, Modelo, Monsenhor Messias, Monte Azul, Morro das Pedras, Morro do Papagaio, Nazaré, Nossa Senhora da Saúde, Nossa Senhora de Fátima, Nova Barroca, Nova Cachoeirinha, Nova Esperança, Nova Floresta, Nova Granada, Nova Suíssa, Nova Vista, Novo Aarão Reis, Novo Alvorada, Novo São Lucas, Ouro Preto ,Padre Eustáquio, Palmares, Pampulha, São José, Paraíso, Parque Riachuelo, Patrocínio, Paulo VI, Pedreira Prado Lopes, Pedro II, Pindorama, Pirajá, Pompéia, Pousada Santo Antônio, Prado, Prado Lopes, Primavera, Primeiro de Maio, Primeiro de Novembro, Progresso, Providência, Recreio, Renascença, Ribeiro de Abreu, Rodrigues Cunha, Sagrada Família, Salgado Filho, Santa Efigênia, Santa Cruz, Santa Inês, Santa Lúcia, Santa Maria, Santa Rosa, Santa Tereza, Santa Terezinha, Santo Agostinho, Santo André, Santo Antônio, Saudade, Savassi, Senhora dos Passos, Serra, Silveira, Sion, Sumaré, Suzana, São Bento, São Bernardo, São Cristóvão, São Francisco, São Gabriel, São Geraldo, São Gonçalo, São José, São João Batista, São Lucas, São Luiz, São Marcos, São Paulo, São Pedro, São Salvador, Tabelião Ferraz, Taquaril, Tupi, Universitário, União, Vera Cruz, Vila Brasília, Vila Canadá, Vila Indaia, Vila Ipê, Vila Luiz Abreu, Vila Luiz de Abreu, Vila Maria Aparecida, Vila Maria Virgínia, Vila Maura, Vila Mauá, Vila Nossa Senhora da Penha, Vila Santa Maria, Vila Santo Agostinho, Vista do Sol e Vila Silveira

Nova Lima

Sede do município, exceto a região do Seis Pistas, Jardim Canadá e Macacos

Raposos

Todo o município

Sabará

Todo município, exceto distrito de Ravena

Santa Luzia

Todo município, exceto a região do São Benedito

.

FONTE: G1.



%d blogueiros gostam disto: