Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

TIRO E QUEDA

Mundo animal

 

Tenho aqui no escritório minha foto ao lado de uma onça-parda, que abati a tiro de mosquetão no ano de mil novecentos e muito antigamente

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 22/11/2013 04:00

Os jornais noticiaram que dia 13 de setembro a cidade em que resido inteirou 100 homicídios, contra 99 de todo o ano de 2012. A maioria relacionada com o tráfico de drogas e as brigas de gangues, idiotice que virou moda. Pelo fato de morar no Bairro X, os imbecis acham que devem brigar com os idiotas moradores do Bairro Y – e vice-versa ao contrário.

Concomitantemente, uma onça-parda foi atropelada e morta na BR-040, em Dias Tavares, distrito de Juiz de Fora. Morreu, coitada, quando degustava uma capivara. É o terceiro felino atropelado em menos de um mês. Os outros foram uma jaguatirica e um gato-mourisco, o jaguarundi (Puma yagouaroundi), mamífero da família dos felídeos encontrado desde os Estados Unidos até ao norte da Argentina. Pesa seis quilos, tem 60cm de corpo e 45cm de cauda. Alimenta-se de mamíferos e de aves, dando preferência a presas de grande porte.

Meses atrás, uma onça-parda foi vista e filmada no estacionamento do Tribunal de Contas da União, em Brasília, DF. Quase todas as semanas aparecem suçuaranas (Puma concolor) nos galinheiros e nas garagens de cidades de São Paulo, prova de que a espécie, com a proibição da caça, já não corre o risco de extinção.

Nos Estados Unidos a onça atende pelo nome de cougar (mountain lion), palavra adotada no final do século 18 através do francês couguar, do guarani cuguaçuarana. Rola da internet o filme de um cougar caçando pequeno urso, filmagem tão extraordinária que a gente desconfia. Ali tem coisa; não atinei com o truque.

Onça-parda, cougar ou suçuarana, segundo felino mais pesado do Novo Mundo (perde para a onça-pintada) por sua vasta distribuição geográfica do Canadá aos Andes tem uma infinidade de nomes e subespécies. Machos adultos medem 2,4 metros do focinho à cauda, pesando de 53 a 100 quilos, mas já foram registrados exemplares de 120 quilos. As fêmeas pesam geralmente de 29 a 64 quilos. São menores perto do equador e maiores nas regiões mais próximas dos polos.

Politicamente incorreto, tenho aqui no escritório minha foto ao lado de uma onça-parda, que abati a tiro de mosquetão no ano de mil novecentos e muito antigamente. Hoje, basta passar de automóvel pela BR-040 para desfalcar a espécie Puma concolor. Naquele tempo, exigia o dia inteiro de viagem do Rio a Corumbá num DC-3, mais hora e meia em teco-teco e dois dias a cavalo antes de posar para a Rolleiflex, sorriso idiota, ao lado de uma suçuarana defunta.

Robusto philosophar

Calculando por baixo e sem qualquer exagero, até hoje devo ter fumado 105 mil charutos. Ibrahim Sued, também charuteiro, certa feita disse aos demais passageiros de um elevador: “Estou queimando cinco dólares”, mas o dólar daquele tempo era muito mais verde que o atual. Charuto de cinco dólares, hoje, só no mercado paralelo cubano, mesmo assim de segunda linha.

Ok, fiquemos nos cinco dólares do Turco para concluir que devo ter queimado, até ontem, cerca de US$ 525 mil, mais que um milhão de reais. Não me arrependo. Dinheiro limpo, fruto do meu trabalho, gasto onde quiser. Melhor que isso: não me considero viciado e passo perfeitamente sem charutos nos resfriados, nas viagens aéreas, em lugares onde fumar é proibido ou deselegante.

Charutos e seus fumantes pedem estudos do pessoal da área psi. Tudo na vida passa pela área psi. Por que fumo charutos desde os 18 aninhos? Talvez porque meu pai e seu sogro, meu avô, fumassem o dia inteiro: espírito de imitação. O prazer, o deleite ou lá o contentamento provocado pelo charuto depende de uma série de fatores.

De uns tempos a esta parte, venho fumando um Cohiba Robusto pela manhã, ou dois matinais, na dependência dos compromissos rueiros. Cada um dura menos que duas horas. Pois muito bem: nesta manhã primaveril, caprichando nestas bem traçadas, acendi um Robusto às 7h e andei com ele até às 11h45: quase cinco horas!

Noite muitíssimo bem dormida, um monte de coisas para escrever, temperatura civilizada, café da manhã, telefone pouco usado: um único charuto durante cinco horas, período mais que suficiente para queimar dois. E isso, caro e preclaro leitor, relatado por um philosopho que não se considera viciado.

O mundo é uma bola

22 de novembro de 1546: Calvino edita um decreto que regulamenta os nomes que devem ser dados e os que são proibidos aos recém-nascidos em Genebra. Não morro de amores por J. Calvino (1509-1564) e sua obra, mas é forçoso reconhecer que no tal decreto acertou em cheio. Algo do gênero deveria ser feito neste país grande e bobo para impedir os milhões de Maiconjéquissons que estão sendo registrados por aí.

Em 1537, pensando no futuro nascimento de Roldão Simas Filho, o cacique temiminó Arariboia, em tupi “cobra da água de arara”, funda a cidade de Niterói no Rio de Janeiro.

Em 1963, assassinato de John F. Kennedy em Dallas, Texas. Hoje é o Dia do Músico.

Ruminanças

“Onde há música, não pode haver coisa má.” (Cervantes, 1547-1616)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: