Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

ear-60
Vale a pena?
Minha pergunta de hoje ao caro e preclaro leitor é a seguinte: será que vale a pena continuar agarrado ao poder?

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 31/08/2013 04:00

“O depositário do poder é sempre impopular” (Disraeli). “O poder tende a corromper. O poder absoluto corrompe absolutamente. Os grandes homens são quase sempre homens maus” (Lorde Acton). “Todo poder sem controle enlouquece” (Alain). “O poder sem abuso perde o encanto” (Paul Valéry). “O governo não é para quem quer. É para quem pode. As urnas dizem o que querem aos que mandam fabricar as urnas” (Millôr Fernandes). “As pessoas costumam dizer que o poder é afrodisíaco – e aí estão Silvio Berlusconi, Vladimir Putin, os irmãos Kennedy e todos os imperadores romanos que não nos deixam mentir” (Nirlando Beirão). “O presidente que deixa o poder passa a ser, automaticamente, um chato” (Nelson Rodrigues). “Quando não exacerba a libido, o poder sobe à cabeça que fica por cima do pescoço e o político mineiro faz os piores papéis” (R. Manso Neto).

Há milhares de frases sobre o poder, umas piores, outras brilhantes e mais outras em contextos que exigem dezenas de palavras de explicação. Minha pergunta de hoje ao caro e preclaro leitor é a seguinte: será que vale a pena continuar agarrado ao poder? Temos acompanhado o caso doloroso de um jovem senhor, filho de um bom carioca, que já faturou o suficiente para sustentar-se e sustentar os filhos de seus três casamentos durante 200 anos, o que significa dizer que também seus netos e bisnetos terão sustento garantido à tripa-forra. Jovem senhor que tem provocado manifestações de rua até defronte de sua casa, em que o mínimo que dele se diz, aos berros, é que deve cair fora porque é ladrão. Demonstrações populares que devem causar certo desconforto aos filhos, empregados e parentes do referido cavalheiro, de mesmo passo em que infernizam a vida dos vizinhos. Não seria o caso de renunciar e sumir para curtir sua fortuna em Paris, em Londres, em Lisboa? Há bons colégios para os filhos, ótimos vestidos para a companheira, bons vinhos e belos guardanapos de puro linho branco para enrolar na cabeça.

Proeza bárdica

Sendo bárdica, pertencente ou referente aos bardos, à sua poesia ou ao seu tempo, a proeza se aplica a William Shakespeare, an English poet and playwright, widely regarded as the greatest writer in the English language and the world’s pre-eminent dramatist. He is often called England’s national poet and the “Bard of Avon”. O leitor talvez não saiba, a exemplo do seu philosopho, que também ignorava o fato até receber e-mail de um leitor cultíssimo, duas vezes pós-doutorado pelas melhores universidades do Hemisfério Norte, belo-horizontino de 50 anos – talvez não saiba que Shakespeare criou uma série de palavras hoje correntes em inglês. Aqui vão algumas de utilização mais comum, que você encontra a dar com o pé: advertising, addiction, assassination, bandit, bedroom, birthplace, bet, champion, circumstantial, compromise, dawn, deafening, epileptic, equivocal, elbow, excitement, exposure, eyeball, fashionable, frugal, generous, gossip, invulnerable, label, lonely, luggage, marketable, mimic, monumental, negotiate, obscene, premeditated, secure, undress, unreal. Ainda que algumas delas sejam galicismos, é surpreendente que a língua inglesa tenha sobrevivido até Shakespeare sem essas palavras. Mas o que suscita curiosidade é como a vida sexual era possível, uma vez que faltava palavra para quarto (bedroom), cobertor (blanket), obsceno (obscene) e despir (undress); mas se sexo não existia, não se podia tampouco ficar só, já que a palavra para isso (lonely) também ainda estava para ser criada… Pelo jeito a vida era mais segura, já que assassinato (assassination) e bandido (bandit) também não existiam.

O mundo é uma bola

31 de agosto de 1763, data fatídica para os soteropolitanos: transferência do vice-reino do Brasil de Salvador para o Rio de Janeiro. Em 1846, descoberta do planeta Netuno, oitavo na ordem de afastamento do Sol e o segundo descoberto por telescópio. Foi também o primeiro descoberto pelos cálculos antes de sua observação ótica. Netuno tem dois satélites: Tritão, descoberto em 1846 e Nereida, em 1949. Quando na Globo, nosso Lauro Diniz contava com a inestimável assessoria da jornalista Nereide Beirão. Em 1888, fundação de Uberlândia (MG). Em Londres, primeiro assassinato atribuído a Jack, O estripador. Em 1940, casamento de Laurence Olivier e Vivien Leigh. Em minha esplendorosa ignorância sempre achei que era Lawrence o nome de batismo de sir Laurence Kerr Olivier, barão Olivier de Brighton (1907-1989). Em 1946, nascimento do jornalismo literário, quando a revista The New Yorker dedicou toda a edição para publicar aquele que se tornaria uma das principais referências no assunto: Hiroshima, de John Hersey. Em 1957, aparece o primeiro LP (long-play) pela Deutsche Grammophon. Em 1980, formação na Polônia do Sindicato Solidariedade. Em 1983, o descarrilamento de um trem de combustível provoca explosão e mata 100 pessoas em Pojuca (BA). Em 1990, assinado em Berlim o tratado de unificação das duas Alemanhas. Hoje é o Dia do Nutricionista.

Ruminanças

“Desde quando resgatar prisioneiro de um governo de traficantes pode gerar crise internacional?” (R. Manso Neto).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: