Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

ear-13

Tomem nota

De repente, a pilha do setentão Saatchi ficou fraca para a beleza de Nigella, um espetáculo em seus 53 aninhos

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 31/07/2013 04:00

Mais que imbecil, Charles Saatchi é um imbecil completo. Nasceu em Bagdá, no Iraque, em 9 de junho de 1943. É cidadão britânico de família judaica, colecionador de arte, irmão de Maurice Saatchi, o publicitário da Saatchi & Saatchi. Foi casado com Doris Lockhart de 1973 a 1990, com Kay Hartenstein de 1990 a 2001 e vem de perder a melhor e mais valiosa obra de arte de sua coleção ao divorciar-se de Nigella Lawson, com quem estava casado desde 2003.Só um imbecil completo, um débil mental de babar na gravata, como aquele do grande Nelson Rodrigues, é capaz de se divorciar de Nigella. Fosse o philosopho 10 anos mais moço já estaria de passagem comprada para o abjeto clima de Londres, ainda que para lavar amorosamente a panela de Nigella. O certo seria lavar as panelas, mas recorri ao singular para rimar com Nigella.

Naturalizado, Charles Saatchi teria lugar cativo na esplanada dos ministérios de um país grande e bobo. Pouco importa que não fale português, pois a maioria dos ministros claudica no idioma de Camões. Há precedentes de ministro naturalizado cujo país de nascimento desmente a notícia de que a anta, mamífero perissodáctilo da família dos tapirídeos, só ocorre da Colômbia ao Sul do Brasil.

Só de me imaginar degustando Nigella, isso é, os pratos preparados por ela, sinto “trimilicos” parecidos com aqueles que o Zé Ribeiro, retireiro em nossa fazenda fluminense, sentia quando namorava aquela que seria mãe dos seus filhos. Mais não digo, nem pendurado, mas há espaço para contar ao leitor que Saatchi, no árabe iraquiano, é watchmaker e vejo no Collins que watchmaker é relojoeiro. De repente, a pilha do setentão Saatchi ficou fraca para a beleza de Nigella, um espetáculo em seus 53 aninhos.

ear-14

Presentes
Domingo, 7 de julho, contei-lhes que mandei duas calças jeans para fazer bainhas e a costureira errou no corte de uma transformando-a em calça de pescar siri, meio caminho entre o bermudão e a calça decente. Apesar do meu recado de que não se preocupasse e mandasse de volta a calça de pescador, dona Leninha não se conformou, foi à loja do shopping e deixou seu telefone para ser avisada quando chegasse calça igual, que fez questão de pagar e embainhar para me trazer o produto em domicílio, hora e meia em dois ônibus. Aqui, explicou que tem 50 anos de costura e nunca lhe aconteceu erro igual.

Não aceitou de jeito e maneira o pagamento da calça e do serviço, nem dos ônibus, repetindo sem parar: “Tenho 50 anos de costura e nunca me aconteceu isso”. Terminei o suelto Imbróglio jeans dizendo que me sentia obrigado a lhe mandar presente de preço maior que o da calça, um eletroeletrônico que pretendia comprar na Suggar do Lúcio Costa.

O industrial mineiro, grande anunciante do nosso jornal, comoveu-se com a história e me remeteu, via Sedex, dois belos aparelhos fabricados por ele: um liquidificador de última geração e uma batedeira de bolos, que mandei entregar à costureira. Dona Leninha ficou tão emocionada, que passou horas elogiando os eletrodomésticos entregues por sua vizinha, minha operadora de fogão de cinco bocas.

Casamento
Do tanto que reclamei com Maria Consuelo Bethonico Cardoso Máximo e seu marido Jacob Lopes de Castro Máximo, que não me convidavam para os casamentos dos seus filhos, os Máximos se comoveram e me convidaram para a cerimônia religiosa que uniu Maria Flávia ao jovem Bruno Souza no último 13 de julho. Perdi os comes e bebes do Salão Bela Vista, na Vila da Serra, Nova Lima, porque o convite deixado no jornal só me chegou, via Sedex, no dia do casório.

A 250 quilômetros e milhares de radares de Nova Lima, foi rigorosamente impossível comparecer ao casamento embecado em terno azul-marinho, sapatos e meias pretos, gravata discreta, como se pede dos homens sérios e chiques. Por isso e ainda que com atraso, aproveito esta ensancha para enviar aos noivos, hoje marido e mulher, os mais sinceros votos de felicidades.

O mundo é uma bola
31 de julho de 432: Sisto III é eleito o 44º papa sucedendo a Celestino I. Nascido Xystos Collona em Roma, no ano de 390, Sisto III foi autor de várias epístolas e morreu em 440. Em 904, Tessalônica, a segunda maior cidade do Império Bizantino, é capturada pelos corsários sarracenos, liderados por Leão de Trípoli, e saqueada durante 10 dias. Thessaloníki (“vitória sobre os tessálios”) é hoje a segunda maior cidade da Grécia e a principal da região grega da Macedônia. Em 2001 tinha 763 mil habitantes e é provável que continue com o mesmo número, porque os gregos não têm Bolsa Família que lhes permita ficar em casa produzindo greguinhos.

Em 1769, alvará que cria em Lisboa uma fábrica de cartas de jogar, pertença do monarca. Em 1790, o rei Frederico VI, da Dinamarca, se casa com a landgravina Maria Sofia de Hesse-Cassel, um pitéu. Era a filha mais velha do landgrave Carlos de Hesse-Cassel e da princesa Luísa da Dinamarca. Teve nove filhos e morreu com 84 anos. Landgrave era título de alguns príncipes ou nobres alemães.


Ruminanças

“Um inglês é sempre excêntrico, mesmo quando é sublime” (Eça de Queirós, 1845-1900).


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: