Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

TIRO E QUEDA

 

Noticiário

Direitos humanos foram pensados para humanos, coisa que os dois nunca foram

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 06/02/2014 04:00

 

Jennifer McCarthy, de 48 anos, ex-mulher de 1977 a 2006 do escritor norte-americano Cormac McCarthy, Prêmio Pullitzer, estava discutindo sobre alienígenas com o seu namorado de 53 anos, quando saiu de casa e voltou vestindo lingerie, tendo como acessório uma pistola niquelada em sua vagina. Depois de usar a arma para se masturbar, perguntou ao namorado: “Quem é mais louco, você ou eu?”. Pegou o consolador, niquelado e municiado, apontando-o para a cabeça do namorado, que lutou com ela até tomar a pistola. Foi presa e sua foto na delegacia mostra que é magra, pode ter sido bonita e tem 1,68m de altura. Cormac McCarthy escreveu, entre outros, os livros A estrada e Onde os velhos não têm vez. Realmente, os velhos não podem competir com uma pistola niquelada e municiada. Esta foi uma das notícias que recebi por meio do meu provedor de internet, considerando que não leio o Huffington Post, um blog fundado em 2005 por Jonah Peretti, Andrew Breibart, Arianna Huffington e Kenneth Lerer, que tem 1.723.021 followers (seguidores) no Google. Presumo que mais de 1,5 milhão followers estejam assustadíssimos com a notícia, porque todos os norte-americanos têm armas em casa. Ainda que não seja niquelada, toda arma passou a ser um perigo perigosíssimo, não só como vibrador que atira, como também pela possibilidade de apontar o dildo para a cabeça do parceiro. Engraçado: minha bateria de dicionários é omissa quanto ao dildo, que tem no Sex Toy (brincadeira de gente grande) da internet por diversos preços, modelos comuns ou vibratórios.

Imputabilidade
Os dois brasileiros que mataram o casal de advogados na Serra do Cipó são imputáveis? Claro que não! Deveriam ter sido eliminados há vários anos. Basta ver as caras da dupla e os furos nas orelhas, dos quais a polícia deve ter retirado os brincos. Prisão, julgamento, condenação a não sei quantos anos de cadeia vão custar uma fortuna ao país, que não nada em ouro. Ressocialização? Alguém acredita que a dupla seja ressocializável? Tive grande amigo, desembargador no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que criticava a pena de morte pela possibilidade do erro judiciário, mas defendia os esquadrões da morte: “Não erram uma”. A dupla de latrocidas da Serra do Cipó, no tempo da gloriosa polícia mineira, seria feita num piscar de olhos. O verbo fazer tem um caminhão de significados, entre eles um que o leitor entendeu perfeitamente. Direitos humanos foram pensados para humanos, coisa que os dois nunca foram.

Elementar
Compartimento de uma residência onde são preparados alimentos, a cozinha costuma ter pia, armários, fogão, geladeira e outras conveniências domésticas. Quem foi que disse que uma cozinha não pode ter quadros? A minha tem duas gravuras imensas, emolduradas com vidros, ideia de uma das meninas quando viu as dezenas de quadros que sobraram com a mudança aqui para o apartamento. O atual é muito bom e grande, três quartos, duas salas, dois banheiros com bidês e um sem, cozinha grande, área e dependências descomunais. Acontece que o anterior, em BH, era dúplex e só as salas do andar de baixo tinham 18m de comprimento. Havia paredes à beça e à bessa, que foram enfeitadas com quadros nos conformes do gosto e das finanças do locatário. Quadros e móveis, alguns da melhor supimpitude, que sobraram na mudança. Dir-se-á que um apê imenso configura exagero de um philosopho que vive sozinho: sim e não. Se o pagamento do aluguel é feito com dinheiro ganho honestamente, posso morar num Maracanã, num Mineirão, que ninguém tem nada com isso. Na cozinha enfeitada com as gravuras, a próxima etapa será a pintura dos azulejos. Disseram-me que há tintas próprias para pintar azulejos, que, no caso, são horríveis para o meu gosto. Acabo de confirmar no Google que há tintas para azulejos. Estou feito! Paredes brancas, gravuras, pia e bancada inox, armários de lata e o mais importante: pinguim em cima da geladeira. É o pormenor kitsch indispensável em toda cozinha.

O mundo é uma bola
6 de fevereiro de 1336: casamento por procuração de dom Pedro, o Justiceiro, herdeiro do trono português, com Constança Manuel (1318-1345), nobre castelhana, rainha de Leão e Castela, mãe de dom Fernando, rei de Portugal. Dia 24 de agosto de 1339 houve a confirmação do casamento com a presença dos noivos. A história de Constança Manuel é muito complicada para caber aqui. O certo é que no seu séquito de aias estava Inês de Castro, jovem galega, filha natural do poderoso fidalgo Pedro Fernandes de Castro. Por ela se apaixonaria o príncipe dom Pedro “homem arrebatado, brutal e com o seu quê de vesânico”. Vesânico, relativo a vesânia, é denominação genérica das diferentes formas de perturbação ou alienação mental. Resumindo: dom Pedro, o Justiceiro, o Cru, o Cruel, era pinel. Dois séculos mais tarde Camões poetaria: “Inês de Castro, a mísera e mesquinha que depois de morta foi rainha”. Em 1608 nasceu na Rua do Cônego, perto da Sé, em Lisboa, o primogênito dos quatro filhos de Cristóvão Vieira Ravasco, alentejano, cuja mãe era filha de uma africana, e de Maria de Azevedo, lisboeta, menino que foi o padre Antônio Vieira, S. J.

Ruminanças
“Quem não muda de caminho é trem” (Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly, o barão de Itararé, 1895-1971).

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: