Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

TIRO E QUEDA
É isso aí

 

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 06/11/2014 04:00

Meire Pôza, a contadora do esperto doleiro Alberto Youssef, depôs na CPMI sobre as estripulias de seu ex-patrão. Tem bela voz, usa óculos e seus cabelos estão bem pintados de preto: enquanto fêmea é apetecível, sobretudo se perder uns quilinhos.

Contou o que viu e o que fez. No meio em que trabalhou não podia fazer boa coisas. Se a pessoa conhece nas ruas ou nas reuniões sociais o senhor Youssef e o engenheiro Paulo Roberto Costa, que devem ser cavalheiros encantadores, é provável que se encante com eles. Tenho velho amigo, homem sério, profissional respeitado, que é amicíssimo dos doutores José Dirceu e José Sarney. Visita-os e é visitado pelos dois, o que não quer dizer que trabalhe com ou para eles.

Meire Pôza trabalhava para Youssef e os resultados de suas ciências contábeis foram ditos na CPMI aos senhores deputados e senadores, em sua maioria da mesma laia que o doleiro, quando não são piores. Tudo vai terminar em águas de bacalhau e a contadora merece louvores por ter sido criticada pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Reservo-me o direito cidadão de dizer que ela deve sim, ser condenada, mas pelo crime de lesa-gramática: numa só frase conseguiu dizer “houveram” quatro vezes. Nunca na história deste país houve tantos crimes, agravados, agora, pela agressão ao verbo haver, do latim habèo,es,ùi,ìtum,ére ‘ter, possuir, ser, estar senhor de, conter, exibir’. É isso aí, bicho.

Noticiário
Duas notícias, ambas norte-americanas. Primeira: americano mata a mãe com marteladas e faz sexo com o corpo. Segunda: recém-casado, médico mata a noiva e depois se suicida. E isso às três da tarde na página do provedor Terra para um philosopho que só queria ver a temperatura no Climatempo: 27ºC. A página do provedor estampa as fotos dos três: o que transou com a mãe morta a marteladas e o recém-casado, que não podia matar a noiva e sim a jovem que já era sua mulher, antes de se suicidar. 

Claro que não li as notícias para não estragar minha alegria com os 27ºC e a esperança de que o maldito frio se vá. O cavalheiro que martelou sua genetriz antes de transar com ela me lembrou da noite em que um psicanalista, em nosso clube de bêbados, sustentou a tese de que todos os homens, quando transam com as suas companheiras, no fundo transam com as suas mãezinhas, e foi contestado pelo engenheiro de família árabe, ainda mais bêbado que o freudiano: “Eu não! Minha mãezinha está muito velhinha, muito magrinha!”. A necrofilia do marteleiro ianque foi o molho de sua loucura. 

Vosso philosopho anda assustadíssimo com o que lê e vê por aí. Tenho trocado o noticiário da noite pelas partidas do péssimo futebol do Brasileirão 2014, séries A e B. Pois é: até os jogos do Vasco, na indescritível série B, tenho visto para torcer pelo time de Marcia Lobo e Moacir Japiassu. Não é fácil aguentar uma partida do Vasco atual, mas assisto e torço porque gosto o casal. 

Só não posso ver o noticiário para saber de mais um arrastão no Morumbi paulistano, que é a Vieira Souto carioca. Quando os assaltos chegam a este nível é sinal de que a violência desbordou os limites do imaginável. Amigos meus, e não são poucos, já circulam em carros blindados na outrora pacata capital de todos os mineiros. Onde está a saída?
O mundo 
é uma bola
6 de novembro de 1429: coroação de Henrique VI da Inglaterra. A Wikipédia diz que o filho de Henrique V e de Catarina de Valois, rei que acabou inspirando de uma peça de Shakespeare e fundou o King’s College, foi morto aos 49 anos em 1471 na Torre de Londres. Era muito perigosa a condição de rei ou rainha da Inglaterra. 

Em 1797 sobe ao poder na Rússia o czar Paulo I, depois da morte de sua mãe, a imperatriz Catarina, a Grande, aquela que se amarrava nos jovens namorados, que depois presenteava com títulos e terras. Paulo I (1754-1801) teria sido o filho único de Pedro III e Catarina, a Grande Namoradeira. Ainda uma vez, todas as datas da Wikipédia se confundem, motivo pelo qual o caro e preclaro leitor não deve acreditar no que transcrevi.

Em 1844 a República Dominicana se torna independente do Haiti, no que fez muito bem, considerando que o Haiti é inviável. Em 1892, inaugurado o Viaduto do Chá no Vale do Anhangabaú, em São Paulo, como se isso tivesse alguma importância para o leitor mineiro, ainda assustado com a queda do Viaduto Batalha dos Guararapes, em Belo Horizonte. Em 1917 eclode a Revolução Russa. Em 1991, extinção oficial da KGB, que continua mandando na Rússia através do presidente Putin, ex-agente secreto. Hoje é o Dia Nacional do Riso e o Dia Nacional do Amigo da Marinha do Brasil.

Ruminanças
“São previdentes os governantes brasileiros que não investem no tratamento dos esgotos: evitam ser tratados” (R. Manso Neto).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: