Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

TIRO E QUEDA
Números
Não bastasse a maluquice do petabyte, existe o exabyte, termo usado em tecnologia para um quintilhão de bytes.

 

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 11/07/2014 04:00




A neurologia estima que o cérebro humano possa guardar 2,5 petabytes de lembranças. Resta saber o que é um petabyte, para que o leitor e o philosopho possamos avaliar a quantidade de lembranças guardadas. Pois muito bem: um petabyte é o nome de um quatrilhão de dados ou mil trilhões (1015). 

Não bastasse a maluquice do petabyte, existe o exabyte, termo usado em tecnologia para um quintilhão de bytes. Somente no ano de 2006 foram criados 161 exabytes, que correspondem a “três milhões de vezes todos os livros já escritos”. Quintilhão é o 10 elevado à 18ª potência.

Cuidemos, agora, do zettabyte, equivalente a um sextilhão de bytes. Toda a World Wide Web, até o fim do ano passado, equivalia a 4 zettabytes. E tudo que já foi falado pelos seres humanos em todos os tempos, incluindo as brigas dos casais e as narrações esportivas, deve ter chegado aos 42 zettabytes. Duvido que alguém possa contestar os números do maluco que calculou esses 42 zettabytes.

Tem mais: um yottabyte equivale a um septilhão de bytes. Cada septilhão representa mil sextilhões (1024). Se um yottabyte fosse armazenado em discos rígidos de um terabyte, ocuparia um milhão de data centers, cada qual do tamanho de um quarteirão. Esses data centers ocupariam toda a área dos estados norte-americanos de Rhode Island e Delaware. 

Compete ao leitor procurar no Google as áreas territoriais de Rhode Island e Delaware para continuar se divertindo com os bytes, que a comadre acaba de chegar com os jornais, vou tomar outro café e acender o primeiro charuto do dia: são 8h40 de um dia muito frio.


Econotimismo

É consensual entre os melhores economistas que o seu afamanado colega Guido Mantega, nascido em Gênova, é muito fraco. Gênova – Zena em lígure, língua pré-indo-europeia falada pelos antigos ligustinos – é uma cidade italiana que tem hoje 1.500.000 habitantes na área metropolitana além de importante porto marítimo, que rivaliza com Marselha na disputa pelo melhor porto do Mar Mediterrâneo.

Mesmo não tendo nascido em Bolonha, a 289 quilômetros de Gênova por autoestrada, Mantega parece ter inventado a economia à bolonhesa, do sugo alla bolognese, molho feito com carne de vaca moída, tomate e outros vegetais para acompanhar o tagliatelle al sugo. Sim, porque a receita originária de Bolonha é preparada em toda a Itália e tem tomate, fruto do tomateiro que bagunça os planos do ministro naturalizado brasileiro, que deve ter passaporte italiano pensando nos seus filhos, a exemplo da excelentíssima senhora Marisa Letícia Lula da Silva, nascida Marisa Letícia Rocco Casa.

Parece-me, e o leitor concordará comigo, que Guido Mantega inventou o econotimismo, economia misturada com otimismo, disposição para ver as coisas pelo lado bom e esperar sempre uma solução favorável, mesmo nas situações mais difíceis. 

A teoria do econotimista se resume na repetição, aparentemente sincera, de que o próximo trimestre será melhor que o atual. Mesmo porque, parece impossível que o próximo seja pior. Assim, a economia à bolonhesa vai mantendo Guido Mantega no cargo de ministro per omnia saecula saeculorum, amém nós todos.

Divinopolitana

Senhoras nascidas em Divinópolis do Tocantins, TO, ou em Divinópolis de Goiás, GO, são divinopolinas, enquanto a escritora e poetisa Adélia Prado, nascida em Divinópolis, MG, no ano de 1935, é divinopolitana. Raramente vi depoimento de tamanha lucidez como o dela no Roda-Viva sobre a atual situação brasileira. Desmentiu aquilo que se diz dos poetas – e Adélia é das melhores –, que vivem no mundo da lua. A divinopolitana tem os pés plantados no chão dos mineiros, que é também o dos brasileiros, e vê as coisas como devem ser vistas.

Formada em filosofia, seu filosofar é perfeito. Impossível desmentir uma linha, discordar de uma ideia em sua análise sobre a situação atual deste país grande e bobo. Lavei a alma. Muito obrigado. 

O mundo é uma bola 

11 de julho de 1533: o papa Clemente VII excomunga o rei Henrique VIII. Clemente VII (1478-1534), nascido Giulio di Giuliano di Medici, era filho bastardo de Giuliano di Medici, assassinado na conspiração Pazzi contra os Medici. Seu tio era o famoso Lorenzo di Medici, Il Magnífico, mecenas de artistas como Rafael e Miguel Angelo. O papa morreu envenenado depois de comer um cogumelo altamente tóxico. Apesar de a Wikipédia ser omissa, Clemente VII, nos quadros que nos chegaram, tem cara de gostar de mulheres.

Em 1711, com a criação da Capitania de São Paulo e Minas, desmembrada da Capitania do Rio de Janeiro, a vila de São Paulo é transformada em cidade de São Paulo e hoje assombra o mundo com seus engarrafamentos de centenas de quilômetros. Em 1822, Miguel I, de tendência absolutista, é aclamado rei de Portugal. Miguel Maria do Patrocínio João Carlos Francisco de Assis Xavier de Paula Pedro de Alcântara António Rafael Gabriel Joaquim Gonzaga Evaristo de Bragança e Bourbon, sétimo filho de dom João VI, era tão ignorante que se assinava Migel. 

Em 1978, um caminhão-tanque explode no camping de Los Alfaques, Catalunha, Espanha, matando 217 pessoas e ferindo gravemente outras 300.

Ruminanças


“Por melhor que seja o curador de uma exposição, a arte de muitos artistas não tem cura” (R. Manso Neto).


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: