Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

TIRO E QUEDA
Francisco
Em vez de mordiscar a orelhinha da coelha, ouvindo-a gritar %u2018Me bate!%u2019, %u2018Me mata!%u2019, o sexo leporídeo é complicadíssimo porque têm uma libido meio marota

 

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 15/02/2015 04:00

Biblicista é o indivíduo versado em assuntos bíblicos. Tive a esperança de que papista fosse indivíduo versado em declarações papais para entender o que diz o papa argentino, que fala pelos cotovelos. Descobri no Houaiss que papista, regionalismo brasileiro, é o indivíduo que sofre de geofagia, mania de comer terra ou barro. Nosso jornalismo também come mosca quando não entende o que diz o papa.

Vejam-se as suas declarações sobre o sexo dos coelhos: “Os católicos não precisam se reproduzir como coelhos”. Papistas que comem terra, barro e mosca interpretaram a declaração pensando na multiplicação dos indivíduos da família dos leporídeos, enquanto o papa, argentino culto, pensava no ato sexual dos mamíferos Oryctolagus cuniculus, conhecidos pela velocidade com que fazem amor.

Em vez de curtir, de mordiscar a orelhinha da coelha amada, ouvindo-a gritar “me bate!”, “me mata!”, “me chama de coelhinha Playboy!”, o sexo leporídeo é complicadíssimo porque têm uma libido meio marota como explica Robert A. Wallace, ph.d em sexo animal. A transa dos coelhos selvagens pode ser resumida em um bando de machos seguindo uma fêmea, cada um deles tentando montá-la – e me parece que Francisco não pensa no seu rebanho agindo assim.

Se a coelha selvagem não simpatiza com a ideia dos machos, sai correndo ou fica sentada. Contudo, se estiver disposta a aceitar o parceiro, tudo que faz é mostrar-lhe o rabinho. Ele, por seu turno, mostrará o seu. Na verdade, exibem suas partes brancas, geralmente ocultas, que aparecem quando as pernas se esticam. Não raras vezes o macho recorre ao galanteio supremo de urinar sobre a fêmea, impregnando-a do seu cheiro – que Wallace considera um rasgo de exaltado romantismo entre os coelhos.

Ainda aí, tenho a certeza de que não foi disso que Francisco falou no avião que o levava de volta para Roma. O coelho sofre de ejaculação precoce mais que necessária para cair fora, quando se sabe que há outros machos em volta querendo mordê-lo e escoiceá-lo. A coelha geralmente aceita as homenagens de um fluxo constante de admiradores. Os espermatozoides dos confrades podem esperar até 30 horas, di-lo Wallace, “dentro do útero agasalhador da coelha”. Em um mês, ela dará à luz uma ninhada de até cinco filhotes.

Cultura 
Na rubrica antropologia, cultura é o conjunto de padrões de comportamento, crença, conhecimentos, costumes etc. que distinguem um grupo social. Está na forma ou etapa evolutiva das tradições e valores intelectuais, morais, espirituais do Brasil atual: é a “civilização” brasileira de 2015. Vosso país tem um Ministério da Cultura, hoje comandado pelo sociólogo baiano João Luiz Silva Ferreira, nascido em 1949, conhecido como Juca Ferreira.

Juca sucedeu a ministra Marta Suplicy, mãe do Supla, ex-senhora Felipe Belisario Vermus, num casamento que eletrizou a administração pública do país. Diz ela que tem sobre o seu sucessor informações capazes de horrorizar 200 milhões de brasileiros. 

O ministro Juca, que usa brinquinhos de ouro no lóbulo de sua orelha direita, tratou de se proteger do bombardeio da ex-senhora Vermus recorrendo à pajelança de um índio da tribo acreana achaninca, benzedura com o objetivo de cura, prognóstico de acontecimentos, intercessão de poderes sobrenaturais que devem poupar o sociólogo soteropolitano das ameaças da ex-ministra.

Os achanincas, que se expressam em língua campa, da família linguística aruaque, são povo indígena que vive no Acre (cerca de mil), no Peru e na Bolívia (cerca de 68 mil), também conhecidos como campa, Ande, Anti, Chuncho, Pilcozone, Tamba, Campari, asheninka, acháninca e asháninka, e se fizeram representar, junto com a presidente Dilma Vana Rousseff, na posse do presidente boliviano Evo Morales.

Em trajes típicos ou na falta deles, o indígena acreano benzeu o ministro Juca bem benzido, que, bento, de brinquinho na orelha, está em condições de conduzir nossa cultura ao topo do mundo civilizado juntamente com Sua Excelência, o ministro da Ciência e Tecnologia, que é contrário à tecnologia, e Sua Excelência o ministro dos Esportes, que não sabe distinguir uma partida de vôlei de um jogo de basquete, e não aceita pajelança porque é afamanado pastor neopentecostal.

O mundo é uma bola 

15 de fevereiro: que adianta falar da eleição do papa Eugênio III em 1145, da assinatura do Tratado de Hubertusburgo entre a Prússia e a Áustria em 1763, da descoberta da nebulosa Olho de Gato em 1768 por William Herschel, da eleição do papa Pio VI em 1775, da Batalha de Nive em 1814, se o leitor do Estado de Minas, em 2015, está se lixando para esses fatos, a exemplo do seu philosopho. Vivemos preocupados com o espantoso ministério, o estado catastrófico da das nossas estradas federais, a seca, a violência, a crise energética e o mais que se vê por aí.

Preciso preencher este espaço imaculado de nossa mídia impressa, motivo pelo qual peço licença para falar dos nascimentos no dia 15 de fevereiro. Em 1564, Galileu Galilei; em 1710, Luís XV de França; em 1811, Domingo Faustino Sarmiento, que foi presidente da Argentina e deve ter sido muito melhor do que os peronistas, até porque, igual ou pior seria impossível; em 1877, Louis Renault, o fundador da fábrica de automóveis, magro e bigodudo, que morreria aos 67 anos.

Ruminanças 

“A imprensa é a artilharia do pensamento” (Antoine de Rivarol, 1753-1801).

 

TIRO E QUEDA
Wagyu
Existe uma butique vendendo picanha de wagyu a R$ 500 o quilo%u2026 Já temos 50 criadores e muitos alimentam os seus gados com cerveja

 

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 16/02/2015 04:00

Todo final de ano somos entupidos de conselhos sobre o que deve ser comprado para presentear pessoas queridas e o mínimo que a maioria das publicações faz é uma seção de “achados imperdíveis”. Por isso, deixei passar um tempinho para recomendar ao caro, preclaro e assustado leitor que procure comprar a carne de wagyu, já encontrada no Brasil: wagyu, wa de Japão e gyu de gado, ou seja “gado japonês”.Se você não é vegetariano ou vegano, pode acabar com esta bobagem de economizar seus trocados e procurar nas butiques de carne as peças de wagyu. No Leblon do Rio, já existe uma butique vendendo picanha de wagyu a R$ 500 o quilo. Dir-se-á que picanha é um exagero: concordo. Você pode procurar peças mais baratas e o preço médio do quilo é R$ 300.Aprendi na revista Animal Business Brasil, superiormente editada pelo veterinário Luiz Octávio Pires Leal, velho companheiro de mídia agropecuária, que o Brasil cria wagyu desde 1992, já existem 5 mil animais puros e 35 mil mestiços. O mundo só tomou conhecimento da raça wagyu em 1886, com a abertura do Porto de Kobe ao comércio internacional. Data daí o Kobe Beef e se estima que o gado tenha sido introduzido no Japão há vários séculos. Há wagyu de pelagem preta, Black Kobe, e de pelagem avermelhada, Red Kobe.

Já temos 50 criadores que se esmeram na criação e alimentação dos puros e dos mestiços, fazendo massagens para relaxar os seus animais. Muitos alimentam os seus gados com cerveja para alterar a microbiota ruminal, aumentando o apetite e melhorando o aproveitamento dos nutrientes na digestão.

Dois graduandos da Esalq-USP e um professor-doutor da mesma universidade escreveram o texto publicado na revista, quando explicaram que dois dos principais fatores que determinam o sabor da carne vermelha são o teor e a qualidade da gordura entremeada na musculatura, conhecida como marmoreio. É a gordura que confere características como a maciez, o aroma e a suculência. São as carnes denominadas Super Premium.

O empresário Lúcio Costa não come carne vermelha, mas tem recursos que lhe permitem comprar uns quilinhos de carnes Super Premium para me mandar de presente. Desde já agradeço a lembrança e me despeço do leitor com os melhores votos de picanhas e contrafilés de animais da raça wagyu, considerando que a vida é uma só. 


Execução 

De Guarapari, onde passa férias de 30 dias, meu amigo e colaborador habitual sugeriu por e-mail a seguinte ruminança: “A Indonésia não eliminou um brasileiro, mas um traficante internacional” (R. Manso Neto). Mesmo concordando com os termos da ruminança, evitei publicá-la naquele clima de guerra que se formou em Brasília contra a República da Indonésia, país de quase 2 milhões de km2 e aproximadamente 250 milhões de habitantes, que deve ter conhecido o Homem de Java, hominídeo que teria vivido cerca de 700 mil anos antes do presente.

Independente da Holanda desde 1949, a Indonésia teve o bom senso de adotar como língua oficial o indonésio, do grupo de línguas da família malaio-polinésia, evitando assim o holandês, língua indo-europeia do ramo germânico, sub-ramo ocidental.

De Guarapari, o professor-doutor R. Manso Neto mandou-me ainda diversas considerações sobre Obama, Hollande, Cameron, Netanyahu, Putin e Cristina Fernández de Kirchner, que não teriam condições de administrar seus países, porque nunca passaram férias no município do litoral capixaba, superiormente administrado pelo prefeito Orly Gomes. Realmente, Guarapari deve ser o batismo, a circuncisão social. Só quem passa férias por lá entende o planeta. 

Voltando à Indonésia, os parentes e amigos do traficante executado têm o direito de ficar chocados, mas nós brasileiros temos assuntos muito mais importantes com os quais nos preocupar, a começar pelo desgoverno federal, pela seca anormal, pela roubalheira desenfreada, pela possibilidade provável de racionamento de energia elétrica e pelos milhões de patrícios às voltas com o trânsito maluco e os recordes mundiais nas taxas de homicídios. Para que o leitor faça ideia, no Brasil a taxa anual de homicídios por 100 mil habitantes é quatro vezes maior que a da Indonésia. O resto é piu-piu, já dizia Ibrahim Sued, meu contemporâneo nas redações cariocas.


O mundo é uma bola 

16 de fevereiro de 1630: tropas holandesas entram em Olinda (PE). Preciso ver qual foi a semana do carnaval em 1630. De repente, em vez de invadir os holandeses só queriam pular no carnaval olindense. 

Em 1773, as distinções entre cristãos velhos e cristãos novos são abolidas em Portugal, que decreta a destruição dos registros cadastrais dos judeus. No ano de 1832, Charles Darwin, em sua volta ao mundo a bordo do HMS Beagle, visita os Penedos de São Pedro e São Paulo, conjunto de pequenas ilhas rochosas situado na parte central do Atlântico equatorial, a 627 quilômetros do Arquipélago de Fernando de Noronha, 968 quilômetros do ponto mais próximo do continente e 987 quilômetros a partir de Natal (RN). O Arquipélago de São Pedro e São Paulo pertence a Pernambuco, embora fique mais próximo do Rio Grande do Norte. Hoje é o Dia do Repórter.


Ruminanças 

“Bovinos e os outros animais irracionais têm sobre os racionais a virtude de não acenar, feito idiotas, quando sobrevoados por um helicóptero” (R. Manso Neto).

 
TIRO E QUEDA
Profissão

 

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 14/02/2015 04:00

Antigamente, um amigo gay resolvia o problema que hoje foi transformado em profissão. O bom profissional cobra R$ 400 por hora e pode resolver o seu embaraço em duas ou três horas, na dependência do número de paredes de sua casa. Nome: distribuidor de arte, que você também pode chamar de pendurador de quadros.
Ainda que não pareça, uma boa distribuição de quadros melhora a vida de quem mora na casa. Na minha penúltima mudança, doei 85% dos melhores quadros e gravuras que comprei ou ganhei nos últimos 25 anos. A donatária foi uma filha que tinha casa imensa recém-construída. Seu idoso pai ficou com os 15% e a incumbência de distribuir as obras de arte pelas paredes do novo apê. Tarefa difícil, que fui realizando aos poucos: furadeira, bucha, gancho e risco de pegar um cano de água ou de energia elétrica arranjando estorvo para o resto da vida, ou, pelo menos, até consertar o estrago.
Faz tempo que o nosso amigo gay rompeu com a família inteira. Tem feito falta para pendurar quadros e arrumar flores nos vasos. No Rio, um distribuidor de arte espanhol, que acumula as funções de emoldurador ou moldureiro, atende em domicílio por R$ 400/hora. Há quatro ou cinco profissionais pendurando os quadros das classes AAA até a média alta. Uma senhora chamada Laura informa que gosta de conversar com os quadros: “Eles me dizem onde querem ficar”. Assim fica fácil, mas os meus são mudos ou se expressam em língua que não entendo. Apesar disso, as paredes ficaram razoáveis.
Televisão
Aparelho receptor de imagens televisionadas, o televisor é algo sensacional. Pensado desde o final do século 19, foi só por volta de 1925 que o engenheiro escocês John Logie Baird (1888-1946), no sótão de sua casa, conseguiu transmitir imagem identificável da cabeça de um boneco. Decorridos 90 aninhos, a televisão é isto que se vê: imagens e cores cada vez mais nítidas, receptores gigantescos cada vez mais baratos e finos, que nos permitem ver “em directo” o que está acontecendo do outro lado da Terra. Ainda outro dia, há coisa de uns 12 anos, paguei uma fortuna por um Sony de tubo, 40 polegadas, que pesa 105 quilos! Doado, sei que continua funcionando bem.
A evolução tecnológica tem sido fantástica e o veículo não deve ser culpado pelas besteiras veiculadas na maioria dos canais. Os produtores de tevê não pensam nos leitores do EM nem no philosopho: fazem tevê pensando nos eleitores do Lula e de dona Dilma.
Diverte-me sobremaneira constatar as reações humanas diante de um televisor, que só posso ver quando convidado para passar dois ou três dias na casa de amigos. Da última vez foram quatro dias muito quentes, no início do ano, família de classe média alta, zona rural, casa imensa, gramados, piscina, vacas e currais.
No salão de visitas um televisor de 50 polegadas, canais da Claro funcionando dia e noite. Os donos da casa e seus muitos filhos passando pelo salão a caminho da piscina, do curral, da pista de motocross ou da cidade próxima, de onde me traziam pão francês e jornais, limitavam-se a trocar de canal quando passavam por ali.
Só havia concordância de opiniões quanto ao canal durante a transmissão da novela Império. Quem não estava na piscina, ficava no salão dormindo a sono solto durante a novela. No varandão, fumando o último charuto do dia, curtindo a lua quase cheia, o philosopho chateado pelo besteirol noveleiro que agredia o bucolismo rural. Se convidado novamente, levo minhas óperas e fones de ouvidos.
O mundo é uma bola
14 de fevereiro de 842: os Juramentos de Estrasburgo, Sacramenta Argentariae, de ajuda mútua entre dois netos de Carlos Magno, respectivamente Carlos, o Calvo, e Luís, o Germânico, indicam a existência de uma língua falada na França claramente separada do latim, a romanalingua antepassada do francês.
Os Juramentos foram pronunciados e escritos nesse protofrancês e em teudiscalingua (frâncico) pelos dois monarcas na língua do irmão e em seguida pelas tropas deles para que todos se entendessem. Foram transcritos por Nithard, outro neto de Carlos Magno.
Em 1663, o Canadá se torna uma província da França. Em 1768, Portugal proíbe a importação de meias de seda de cor, não me perguntem por quê. Hoje é o Dia da Amizade e o Dia Internacional do Amor, Valentine’s Day.
Ruminanças
 “A televisão foi um meio inventado pelo homem medíocre para ser utilizado pela mediocridade para a mediocridade. Deveria chamar-se mediovisão” (Millôr Fernandes, 1924-2012).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: