Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

Tiro e queda
Suas fraudes eram divertidas: falsificava vinhos raros vendidos em leilões, alguns datados de 1929, como o Clos de La Roche, que só passou a ser produzido em 1934

 

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 17/09/2014 04:00

Estelionato 
Andei lendo em algum lugar, possivelmente no tempo em que estudei direito penal, que o estelionatário é o único dos criminosos com 100% de reincidência. Deu para entender? Não há precedente de estelionatário regenerado. Estelionato é fraude praticada em contratos ou convenções, que induz alguém a uma falsa concepção de algo com o intuito de obter vantagem ilícita para si ou para outros (por exemplo, a venda de coisa alheia como própria, a hipoteca de bem já hipotecado, a emissão de cheque sem fundos).
Por extensão de sentido, estelionatário é o político que promete sabendo que não vai cumprir, o pai-fulano que promete trazer a companheira de volta em quatro dias, o namorado que toma dois milhões de dólares de uma viúva em seis meses fazendo juras de amor em mau português e papel timbrado da Tiffany, bem como os magníficos reitores de uma faculdade fajuta, o Instituto Educacional JRJ em Santo Antônio do Descoberto, GO, pertinho de Brasília, DF, que vendiam diplomas falsos. Uma coisa é formar péssimos profissionais em faculdades credenciadas pelo MEC: há centenas delas neste pais grande e bobo. Coisa pior é inventar um instituto não credenciado e vender diplomas até de mestrado e doutorado, falsificando as assinaturas das autoridades. Anyway, “Na Brasil vale tudo”, já dizia o saudoso Fritz Underberg, suíço-alemão que ousou produzir leite na região serrana do RJ.
Muito me espanta que o advérbio anyway (de qualquer modo) ainda não tenha largo curso no português brasileiro. Na Brasil era coisa de suíço-alemão, que, por sinal, falava 11 idiomas, entre os quais sueco e hindi. Volto aos estelionatários para constatar que são inteligente e simpáticos. Poderiam enriquecer trabalhando honestamente, mas o seu bizu está no crime, na fraude, na arte de enganar os trouxas. O indonésio Rudy Kurniawan, filho de chineses, vem de ser condenado a 10 anos de reclusão pela Corte Federal de Nova York, além da obrigação de ressarcir suas vítimas em US$ 28,4 milhões. Isso mesmo que deu para entender: vinte e oito milhões e quatrocentos mil dólares.
Suas fraudes eram divertidas: falsificava vinhos raros vendidos em leilões, alguns datados de 1929, como o Clos de La Roche, que só passou a ser produzido em 1934. A história de Rudy Kurniawan é deliciosa e pode ser lida no caderno Paladar, do Estadão, edição de 14 a 20 de agosto, pág. D7. Vale notar que Rudy não enganava bocós catados a laço no entorno do Pirulito da Praça 7, em Belo Horizonte, mas milionários metidos a entender de vinhos raros. Google
Cês querem saber de uma coisa? O Google é um milagre abençoado pelos deuses e útil por natureza. Sobrevivi na mídia sem ele durante muitos anos, certamente mais de 30. Hoje ele me faz tanta falta, que entro em parafuso sempre que a internet sai do ar, o que tem acontecido com assustadora frequência. Faz mais de ano que doei meu último automóvel, então com pouco mais de 2 mil quilômetros rodados, a uma filha. Nossa família tem dessas maluquices: doamos automóveis. Ganhei vários de outra filha, usei alguns, devolvi outros. São veículos úteis, mas nunca morri de amores por eles, tanto assim que mesmo nos períodos em que andei bem de finanças jamais comprei um carro topo de linha.

Às voltas com a preocupante queda nas vendas, a Chevrolet tem feito propaganda divertidíssima. Primeiro foi a dos carros vendidos como se fossem para os seus funcionários. No dia em que componho estas bem traçadas, a montadora anuncia carros numerados. No duro, mesmo: numerados. Até então essa característica era privativa dos patos servidos no restaurante parisiense La Tour D’Argent. Agora temos os carros anunciados para os patos que se deixam embair pela publicidade, como sempre fui embaído. 
Se há fortuna justa, justíssima, é a dos meninos que bolaram o Google. A inveja universal aponta defeitos no buscador, como se existisse algo neste planeta que não tenha defeitos, com a honrosa exceção dos leitores do grande jornal dos mineiros.
O resto é piu-piu, já dizia Ibrahim Sued, meu contemporâneo numa redação carioca.O mundo é uma bola 
17 de setembro de 1787: assinada a Constituição dos Estados Unidos da América, em vigor até hoje. Num país grande e bobo, que vocês conhecem muito bem, inventam-se constituições de seis em seis meses como se uma carta magna fosse capaz de solucionar todos os problemas nacionais, a começar pela falta de vergonha na cara.

Em 1793, a Comitê de Salvação Pública da Revolução Francesa inicia a repressão sanguinária conhecida como O Terror, cujos resultados podem ser vistos até 2014. Em 1816, enfrentamento das tropas nacionais argentinas com as de Buenos Aires, vencido pelas primeiras, resultado importante para a unificação do país que tinha tudo para dar certo, mas foi destruído pelo peronismo.
Em 1894, inauguração no Rio da Confeitaria Colombo, estabelecimento importantíssimo quando se sabe que nele almoçou, durante anos, um philosopho amigo nosso. Em 1985, primeiro grande apagão da história do Brasil. Ruminanças 
“Fazem-se modernamente constituições para os povos como se faziam vestidos para as pessoas sem lhes tomar as medidas” (Marquês de Maricá, 1773-1848).


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: