Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

Tiro e queda
Alguém é capaz de me explicar o que leva um casal de beócios a pichar a estátua de Drummond, em Copacabana (RJ)?

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 20/01/2014 04:00

RetrospectivasToda mudança de ano é a mesma coisa: retrospectivas a montões. Não gosto de retrospectivas: prefiro perspectivas, sempre que possível otimistas, se bem que a situação me pareça ruça. Povo obeso e Produto Interno Bruto (PIB) anoréxico. Fico horrorizado com a gordura das pessoas no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo. Será que aquelas moças transbordantes de untos cabem numa poltrona de ônibus? Nas favelas, é a mesma coisa: senhoras e jovens imensamente gordas. Diz-se que o problema norte-americano é muito mais grave, mas não moro nos Estados Unidos. Moro num país que tem a mania de publicar as retrospectivas imprimindo folhas e mais folhas de desgraças ocorridas no ano que passou. Prefiro sonhar com dias melhores, mas está ficando difícil. Com o título Civilização do espetáculo – Uma radiografia do nosso tempo e da nossa cultura, Vargas Llosa reuniu uma coletânea de textos que publicou em El País e sua análise vem ao encontro do que tenho escrito em Tiro e Queda, sem o talento e a cultura do Nobel de Literatura, autor do divertidíssimo Pantaleão e as visitadoras. A leitura de sua coletânea enriquece e desanima. A começar pela exposição das obras de arte do colecionador Charles Saatchi, aquele imbecil que ousou apertar o pescoço da linda Nigella Lawson, onde Llosa encontrou trabalhos “artísticos” feitos com fezes de elefantes. Um sujeito capaz de agredir Nigella deve ser condenado a comer o bolo fecal que considera arte.
Qualquer idiota que pegue um cabide de arame, desses horríveis que estragam as roupas, e nele ponha, dois a dois, pregadores de madeira pintados da mesma cor – dois verdes, dois azuis, dois pretos, dois vermelhos – é considerado artista. Os pregadores simbolizam casais gays obviamente sem racismo, porque dois são pretos e dois vermelhos, referindo-se aos nossos irmãos afrodescendentes e os Awá-Guajá, que Miriam Leitão anda empenhada em salvar. Apesar de brilhante jornalista, Miriam Azevedo de Almeida Leitão, mineira de Caratinga, não parece ter visto que o Maranhão tem outros problemas além dos madeireiros metidos nas terras dos Awá-Guajá. Tem os políticos, que não são flores que se cheirem. Na Penitenciária de Pedrinhas, os presos se degolam às dúzias e suas mulheres, nos dias de visita, são estupradas pelos chefes dos grupos apenados. Para encerrar essas considerações, muito pessimistas para o meu gosto, pergunto: alguém é capaz de me explicar o que leva um casal de beócios a pichar a estátua de Carlos Drummond de Andrade, em Copacabana, no Rio de Janeiro?

Animais
Gostar de animais é sentimento bonito, mas há limites. Zoolagnia, por exemplo, configura grave quadro psicopatológico e abunda por aí. Como ninguém sabe o que é zoolagnia, explico que o substantivo feminino vem de zo(o)- “ser vivo, animal” + -lagnia “coito, cópula, libertinagem”: é gente que sente atração sexual por animais. Parece quadro raro, mas não é incomum. Em muitos casos fica difícil estabelecer o limite entre a afeição e a tara sexual. Jovem senhor guapeense, o que significa dizer natural de Guapé (MG), às margens da Represa de Furnas, no Sul de Minas, notabilizou-se pelo sucesso que fazia com as mulheres, sem distinção de cor e idade. Nessas andanças, relacionou-se com respeitada senhora de um estado do Nordeste, que vivia cercada de gatos. E se queixou, numa noite em que tomávamos uísques: “Eu não gosto de gato. Eu tenho medo de gato!”. Parece que o relacionamento durou pouco. Ter 44 cachorros numa fazenda de bom tamanho pode ser considerado normal, desde que o fazendeiro goste de cachorros. Mas ter 44 cachorros dentro de casa na fazenda, e só dentro da casa, salvo melhor juízo, é coisa muito esquisita. Ninguém me contou: vi o quadro. Sentei-me diante do computador para comentar a crônica de um dos melhores textos de nossa imprensa, que se perde quando fala do seu amor pelos animais. Não é quadro de zoolagnia, mas de afeição por todas as espécies, afeição desmedida, incondicional, que me parece exagerada e resulta chata numa crônica. Ainda uma vez, salvo melhor juízo.
O mundo é uma bola
20 de janeiro de 1265: em Westminster, primeira reunião do Parlamento inglês. Em 1273, Maomé II se torna o segundo rei nasrida em Granada sucedendo a seu pai Maomé I. Reinará até 1302. Como vimos noutros Tiros e Quedas, a Dinastia Nasrida foi a última dinastia muçulmana na Península Ibérica, fundada por Maomé ibn al-Ahmar na sequência da derrota do Almóadas na Batalha de Navas de Tolosa. Dá para perceber que Maomé é nome que faz sucesso entre os muçulmanos. Em 1356, Edward Balliol entrega o seu país e o título de rei da Escócia a Edward III, rei da Inglaterra. A vida de Balliol (1282-1364) foi muito complicada para caber em 20 linhas. Em 1567, chefiados por Estácio de Sá, os portugueses conseguem vencer a resistência dos franceses e dos tamoios no Rio de Janeiro. Belo-horizontinos pronunciam tamóios não me perguntem por quê. Só em 1768 a Inglaterra criou uma secretaria de Estado para as Colônias. Em 1951, inauguração da TV Tupi do Rio de Janeiro. Hoje é feriado no Rio de Janeiro e em mais 50 cidades, quase todas mineiras.

Ruminanças
“Não me incomodem. Estou muito ocupado preparando o meu próximo erro” (Bertolt Brecht, 1898-1956).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: