Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

TIRO E QUEDA
Poder 2
Chifres não matam, o que mata é a chifrada, mas o poderoso nasceu numa região conhecida pelas mortes a tiros nos casos de adultério

 

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 21/08/2014 04:00

Na edição de ontem, falei do amigo que enricou e ficou poderoso, não tanto pela fortuna quando comparada com outras que existem por aí, mas pelo poder que teve neste país grande e bobo. Contei do assédio de políticos importantes e de celebridades realmente célebres à fazendola que comprou perto do Rio. O excelente amigo orçaria pelos 40 anos, pouco mais ou menos. 

Aconteceu com ele, então, um fenômeno muito comum com aqueles que ficam poderosos: achou-se gostoso. Paparicado por moças lindíssimas já célebres, muitas delas casadas, outras solteiras e mães de filhos de cavalheiros célebres, o excelente patrício achou que seria o homem ideal para fazer a felicidade das brasileiras, ainda que ao custo de acabar com o seu próprio casamento, bagunçando os coretos adolescentes dos seus três filhos, meninos que tinham tudo para dar certo na vida, como acabaram provando e hoje se destacam nas profissões que escolheram. 

Nesse período, com imenso trabalho para o meu fígado e os meus pulmões, creio ter exercido aquilo que se pede de um amigo. Entornando litros de uísques, fumando imensos charutos mandados pelo embaixador de Cuba, passei tardes inteiras convencendo o poderoso de que ele seria mesmo o companheiro ideal para as tais moças, mas havia que pensar nos problemas resultantes de sua separação e do seu novo casamento.

Primeiro: o rachuncho do patrimônio, considerando que era casado em comunhão de bens. Nesse rachuncho, havia que considerar o dinheiro depositado nos bancos lá fora em nome do casal, marido e mulher (vi muitos recibos de depósitos). Segundo problema: os ciúmes doentios que ele teria depois de se unir à nova companheira. Uma delas, lindíssima, namorada de um sujeito casado e muito conhecido, com quem teve uma filhinha, se casada com o meu poderoso amigo transformaria sua vida num inferno pelo medo de levar um par de chifres. Chifres não matam, o que mata é a chifrada, mas o poderoso nasceu numa região brasileira conhecida pelas mortes a tiros nos casos de adultério.

Se casado com a morena até hoje lindíssima, meu amigo sentiria ciúmes do Brasil inteiro, população que teria 30 milhões ou 40 milhões de homens adultos, entre os quais os governadores, os prefeitos e os políticos que o visitavam de helicóptero. Fico feliz de ter ganho a parada, quando sei que o amigo, com um montão de netos, vibra com o sucesso dos três filhos e continua com a boa e hoje velha companheira de lutas e conquistas. 

Bobagens 

Países que se dizem ofendidos porque foram espionados, soam como homens sérios que criticam seus semelhantes que soltam puns. Todo país espiona; todo homem emite ventosidades com estrépito. E não é de ontem ou anteontem, mas desde a formação dos primeiros grupos humanos, que a paleantropologia, sub-ramo da antropologia física que estuda os fósseis de hominídeos, estima fossem compostos de 100 pessoas. Por sinal, o número médio de contatos nas atuais agendas de criaturas comuns. 

Muitos brasileiros que me honram com a sua leitura têm bons conhecimentos legais, o que me permite consultá-los sobre a existência, no mundo civilizado, de autorização da Justiça para que a escuta telefônica seja aceita como prova, isto é, a necessidade de autorização especial para que se faça a quebra dos sigilos telefônico, bancário e fiscal.

Como ex-produtor de leite, entendo, na esperança de que o leitor concorde comigo, que tais sigilos são injustificáveis. Sempre que digo algo pelo telefone, pouco me importa se estou sendo gravado. O mesmo se aplica aos meus “sigilos” fiscal e bancário. Ninguém que viva e trabalhe honestamente deve ter sigilos, ressalvados os mineiros que têm namoradas. 

Cavalheiros conhecidos e respeitados podem, sim, ter os seus sigilos preservados nos telefonemas amorosos, nomes dos motéis e presentinhos que distribuem para ser amados – considerando que o amor sincero custa caro: merecem todo o respeito e todos os sigilos imagináveis.

O mundo é uma bola

21 de agosto de 230: eleição do papa Ponciano, que já foi o 18º da série pontifícia. Em 1359, Ismail II se torna o nono rei nasrida de Granada, destronando seu meio-irmão Maomé V. Muito feio esse negócio de destronar irmãos: Alá castiga. Ismail II reinou até morrer um ano depois.

Em 1522, assinado o Tratado de Sunda Kalapa entre Portugal e o Reino de Sunda. Presumo que ninguém saiba o que foi o Reino de Sunda, ou Sonda, um reino sundanês localizado na parte ocidental da Ilha de Java, hoje Indonésia, surgido depois do declínio do Reino Tarumanagara. Pois fiquem sabendo que o Reino de Sunda foi o reino unido de Sunda e Galuh. 

Em 1770, o capitão James Cook, terminando sua viagem de descoberta da Austrália, reclama o continente em nome do Império Britânico, no que obrou muitíssimo bem. A Austrália, com 7,6 milhões de quilômetros quadrados, tem hoje menos que 24 milhões de habitantes, péssimo futebol, cangurus e meia dúzia de aborígenes para mostrar aos turistas: é o tipo do país civilizado. Em 1792, durante a Revolução Francesa, a guilhotina foi usada pela primeira vez para executar um nobre após rito sumário. Hoje é o Dia da Habitação.

Ruminanças

“Grande é a força do hábito” (Cícero, 104-43 a.C.).

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: