Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

TIRO E QUEDA
Comerciais
Você, caro e preclaro leitor, compraria um automóvel ótimo para escapar da metralhadora de um helicóptero?

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 26/12/2013 04:00

TIRO E QUEDA »ComerciaisVocê, caro e preclaro leitor, compraria um automóvel ótimo para escapar da metralhadora de um helicóptero?

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 26/12/2013 04:00

Não sei se é implicância, desconhecimento, burrice ou lucidez, mas dei para implicar com anúncios impressos e televisionados. Passada a fase dos reclames como aquele das pílulas de erva-de-bicho contra hemorroidas, as agências brasileiras sempre se destacaram pela qualidade do seu trabalho, mas de uns tempos a esta parte vejo coisas de arrepiar, piores ainda que as pílulas de Polygonum acuminatum e os óleos de fígado de bacalhau.

Jornal que assino há muitíssimos anos tem no mínimo uma página inteira de propaganda diária de uma rede de supermercados. Uma vez por semana é um caderno inteiro, em ótimo papel, só com os produtos vendidos pela tal rede. Apesar da qualidade do papel, a disposição dos produtos, a cor do fundo de cada página e o “apelo publicitário” são de lascar.

Admito, sem comparar, que os produtos anunciados sejam mais baratos que os vendidos pelas outras redes, mas as páginas são feias e desanimam o público-alvo. Que diabo haverá com os profissionais da tal agência quando não veem a baixa qualidade do seu trabalho?

Pulemos para a tevê. Circula em todos os canais a propaganda do Renault Logan com um vídeo em que jovem cavalheiro se diz dono de um Logan marrom, que estaria na calçada, outro cavalheiro vai à janela e não vê o carro. Outro filme, da mesma montadora, mostra um cavalheiro à procura do Logan, que sumiu de um estacionamento. Ora, bolas: em ambos os anúncios tem-se a impressão de que o carro foi roubado. Cabe a pergunta: será que alguém compra um veículo por sua aptidão para ser levado pelos amigos do alheio?

A lista de comerciais do gênero é muito grande. Já se anunciou um carro que escapava dos tiros de metralhadora disparados de um helicóptero. Você, caro e preclaro leitor, compraria um automóvel ótimo para escapar da metralhadora de um helicóptero?

Minha inteligência, que sempre foi curta, não atina com os objetivos dessa propaganda, nem com aquela que anuncia uma camioneta explicando que o veículo ainda vai sofrer muito na vida. Se me fosse dado palpitar, recomendaria que a propaganda dissesse que a camioneta foi projetada para ser muito feliz. Junto com ela, seu comprador.

Turismo 

Vídeo com a propaganda do turismo em Alberta, Canadá, faz que os amigos nos encaminhem o filme de dois minutos com a seguinte observação: “A vida é bela e o mundo maravilhoso! Não me falem de política e de outras nojeiras que o assolam”.

Realmente, o comercial foi produzido a capricho: regiões lindas, gente bonita, passeios a cavalo, rodovias outstanding, cidades limpíssimas, patinação no gelo, trenós puxados por huskies, esquis na neve e pescarias nos lagos, considerando que há gente que gosta de esquiar e pescar. Não mais do que dois minutos, porque ninguém aguenta propaganda de cinco minutos.

Os publicitários da província de Alberta, que tinha 3.645.257 habitantes há dois anos e tem área de 661 km2, além das universidades de Alberta e Calgary, e do Northern Alberta Institute, em Edmonton, se esqueceram de informar aos turistas que, por lá, não raras vezes os termômetros chegam a 44°C negativos, você precisa sair do saguão aquecido do aeroporto para tentar um táxi passando na rua (os táxis não ficam parados para não congelar) e se o carro enguiçar taxista e passageiro têm oito minutos de vida. Contudo, o canadiano, como se diz em Portugal, é solidário no trânsito e dá carona antes que o turista e o motorista morram congelados.

 Anteontem à noite
Sei que não é o seu caso, como felizmente não é o meu, mas suponho que muita gente, na festa de 24 para 25 de dezembro, tenha sofrido o diabo. O Google tem 3.280.000 (três milhões, duzentas e oitenta mil) entradas para “Natal parentes que se detestam”, em que o pacientíssimo leitor pode procurar o autor da frase sobre as festas da véspera do Natal. Tenho visto algumas “originais”, como aquelas do maior galinha da paróquia, que nunca pôde ver saias e o que nelas se contém, muito sério, voz empostada lendo a Bíblia. Aliás, o conjunto dos textos sagrados do Antigo e do Novo Testamento não foi impresso para ser lido e interpretado por bandidos, mas tem sido em 98% dos casos de que tenho notícia.

O mundo é uma bola

26 de dezembro de 1778: Inconfidência Mineira, reunião conspiratória em casa do tenente-coronel Francisco de Paula Freire de Andrade. Em 1792 começa, em Paris, o julgamento final de Luís XVI. Em 1825 é aberto do Canal de Erie, que conecta o Lago Erie ao Rio Hudson, no estado de Nova York, como acabo de aprender.

Em 1845 o Texas se torna o 28º estado norte-americano. Em 1898, Marie Curie anuncia a descoberta da pechblenda, uma variedade provavelmente impura da uraninita, mas a mesma fonte informa que a pechblenda foi descoberta por Antoine Henri Becquerel, motivo pelo qual o palpitante assunto deve ser estudado pelo pacientíssimo leitor.

Ruminanças 

“Sob toda doçura carnal algo profunda há a permanência de um perigo” (Marcel Proust, 1871–1922).


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: