Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

TIRO E QUEDA
Distocia histórica

Mesmo que a filha fosse providenciada na vigência do casamento do sujeito, portanto fora de casa, seria honesto reconhecer o pulo da cerca

Eduardo Almeida Reis
Publicação: 28/03/2014 04:00

Distocia, sabemos todos, em obstetrícia é qualquer problema, tanto de origem materna quanto fetal, que dificulte ou impeça o parto. Novidade, para mim, foi a distocia histórica sobre o parto presumivelmente normal de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, depois que o Estado de Minas publicou matéria em que se disse ter nascido o alferes em Ritápolis, MG. Fosse minha a matéria, também sustentaria o nascimento em Ritápolis, terra natal do amigo que dirige a redação do EM.

Contudo, o historiador, acadêmico e professor José Antônio de Ávila Sacramento, são-joanense da melhor cepa, em carta ao jornal, publicada no dia 8 de março, contestou a informação da matéria reivindicando para São João del-Rei a parturição do alferes, considerando que em 1746 Ritápolis, então chamada Santa Rita do Rio Abaixo, pertencia administrativa e eclesiasticamente a São João del-Rei.

Na condição de descendente de Ambrósio Caldeira Brant, “uma das figuras de maior realce nos primeiros tempos de São João del-Rei” – anterior a Tiradentes, pois em 1713 já morava por lá quando o Arraial Novo foi elevado a vila, tendo sido eleito juiz do Senado da Câmara e as reuniões da Câmara eram realizadas em sua casa, considerada a melhor da vila, com capela particular e situada em ampla área de terras –, peço licença para meter na discussão o meu utensílio de mesa e cozinha, composto de um cabo em cuja extremidade se forma uma parte côncava, usado para levar alimentos à boca, servir pratos etc.

Metida minha colher no imbróglio, declaro que ambas as partes têm razão. O autor da matéria publicada no EM, porque o local de nascimento do alferes hoje pertence a Ritápolis; o historiador José Antônio de Ávila Sacramento porque os primeiros vagidos do bebê Joaquim José foram dados numa região que pertencia administrativa e eclesiasticamente a São João del-Rei.

De tão lúcida, minha intervenção no caso é parecida com a de um advogado brilhante que inventou, no fórum de Belo Horizonte, a teoria da culpa recíproca do moderno direito italiano, ao defender um cliente que destruiu com seu Cadillac, numa trombada em que teve culpa, um automóvel modestíssimo numa das esquinas da Rua da Bahia.

Pela teoria inventada na hora, cada um pagava o prejuízo do outro – e o Cadillac do seu cliente valia 50 vezes mais que o outro veículo. Na distocia histórica, sugiro que se façam dois belos churrascos, com direito aos produtos vinificados em Reims ou Épernay, um em Ritápolis, outro em São João del-Rei, sem esquecer os charutos de Havana, considerando que o dono da Casa Del Habano, no Rio e em São Paulo, tem casa de campo em Tiradentes, MG.

Paternidade
Se o cavalheiro tem condições de educar e alimentar o produto, o ato de providenciar a vinda de um filho costuma ser muito gostoso. Condenável deveria ser a produção de filhos pelos que não têm as mais mínimas condições de sobrevivência e vivem botando no mundo crianças famélicas. Por mal dos pecados, as chamadas classes menos favorecidas são as que mais têm filhos e o planeta vai a caminho de 8 bilhões de pessoas, quando tinha 2 bilhões em 1928, portanto há 86 aninhos.

Isto posto, vamos ao cerne deste belo suelto: que levará um cavalheiro a se recusar a fazer o teste de paternidade? Cavalheiro riquíssimo, com dinheiro para deixar 50 filhos milionários, que se recusa a fornecer material genético para comparar com o DNA de uma pessoa honesta, que se diz sua filha?

Temos visto alguns muitos casos assim. No meu entendimento de philosopho, é falta de caráter. Mesmo que a filha fosse providenciada na vigência do casamento do sujeito, portanto fora de casa, seria honesto reconhecer o pulo da cerca. Recusar o reconhecimento de uma filha encomendada antes de o sujeito se casar é falta de caráter ainda mais grave, dando razão aos que dizem que não existem as figuras do bom caráter e do mau caráter, porque caráter é uma coisa que o sujeito tem ou não tem.

O mundo é uma bola
28 de março de 193: Pertinax, imperador romano, é assassinado por alguns soldados da Guarda Pretoriana descontentes por receber apenas a metade do pagamento prometido. Públio Hélvio Pertinax, ou Pertinaz, em latim Publius Helvius Pertinax (1.8.126-28.3.193) foi proclamado imperador romano na manhã seguinte ao assassinato de Cômodo, em 31 de dezembro de 192, dando início à crise que ficou conhecida como “ano dos cinco imperadores”.

Em 845, Paris é saqueada pelos viquingues, ao que se presume comandados por Ragnar Lodbrok, o Bermudas Peludas, um rei semi-lendário da Suécia e Dinamarca. Saxo Grammaticus, cronista danês, disse que Ragnar pertencia à dinastia sueca Yngling e seria filho de Sigurd Ring, um rei da Suécia que conquistou a Dinamarca.

Em 1930, as cidades turcas de Constantinopla e Angorá têm seus nomes mudados para Istambul e Ancara. Hoje é o Dia do Revisor e o Dia do Diagramador.

Ruminanças
“A vida é impiedosa com os dignos” (R. Manso Neto).


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: