Blog dos alunos da Universidade Salgado de Oliveira, Campus Belo Horizonte, Curso de Direito.

TIRO E QUEDA
São Paulo
Paradoxo dos mais paradoxais é o da legião de nordestinos fugidos da seca para viver numa cidade encharcada

Eduardo Almeida Reis

Publicação: 13/02/2014 04:00

Obra muitíssimo bem o Partido dos Trabalhadores (PT) quando elege um poste para a Prefeitura de São Paulo. Nada melhor e mais adequado que um poste para administrar a imensa capital, que festejou os 460 anos de sua fundação submersa pela sequência de chuva diária. Assim, a ponta do poste fica de fora do mar de água imunda, que toma conta da área urbana. Bom candidato, outrossim, seria um bote inflável, mas esse corre o risco de furar e afundar. Nas emergências aquáticas não adianta recomendar aos paulistanos que fiquem em suas casas, também invadidas pela água. Dir-se-á que os edifícios podem ser altos; por enquanto, não houve notícia de água chegando aos terceiros pavimentos. Ainda aí, o risco de não sair de casa é grande, porque é imenso o número de arrastões nos prédios de apartamentos. Há gente nascida e criada naquela cidade, como também há milhões de brasileiros que se mudaram para lá em busca de oportunidades de trabalho. Paradoxo dos mais paradoxais é o da legião de nordestinos fugidos da seca para viver numa cidade encharcada.

Desabafo
“Caro Eduardo. Peço desculpas por usar seu e-mail para mais um desabafo de uma cidadã indignada. Resido em Juiz de Fora, mas frequentemente venho a Belo Horizonte. Antes fazia uma viagem de 50 minutos pela Trip Linhas Aéreas, por um preço bastante razoável desde que a passagem fosse comprada com alguma antecedência. Durou pouco o meu conforto: a Azul se associou à Trip e em conluio com as nossas autoridades passou a fazer os voos saindo de Goianá com a desculpa de serem mais seguros, com conexão em Campinas e preço de passagem para a Europa! Claro que a desculpa de segurança só durou até que a transação fosse efetivada, porque voltaram a sair do Aeroporto da Serrinha e a viagem de 50 minutos passou a levar um dia inteiro, custando preço de viagem ao exterior. Então o jeito foi apelar para o caro automóvel Chevrolet Sonic, que a cada vez que é levado para a autorizada reclamando do alto consumo, depois de revisado passa a consumir ainda mais. Ai começa a odisseia que você tão bem conhece: a paradisíaca BR-040, com caminhões gigantescos dirigidos por motoristas na maioria das vezes jovens inexperientes, mas com alto conhecimento sobre onde funcionam ou não os malditos radares, o que transforma essa viagem numa luta pela vida. Tente reduzir a velocidade numa curva na entrada de um viaduto (que passa a ter uma só pista repentinamente, onde antes eram duas) enxergando pelo retrovisor uma carreta enlouquecida! Mas por um milagre chego a BH. Vou relaxar caminhando às margens da outrora idílica Lagoa da Pampulha. Principal ponto turístico da cidade: um imenso esgoto onde algumas dragas tentam inutilmente limpar o fundo enquanto os aguapés se alastram com velocidade da luz. Repentinamente me vem a extraordinária ideia: por que não transformar aquele fétido espelho d’água numa enorme plantação verde? Já que todos sabemos que essa limpeza é só para inglês ver, não seria mais lógico deixar os aguapés livres em seu destino, agradando a tantos ecochatos que idolatram qualquer mato verde em seu caminho? Não demoraria mais que um mês para essa “plantação” colorir toda a água podre, e com o dinheiro economizado com as empresas de aspiração de sujeira, poderíamos gradear toda a margem da lagoa para que as capivaras que lá se reproduzem na velocidade do som, não mais corressem o risco de serem atropeladas por um motorista desvairado que se embebedou com uma lata de cerveja! Já que estamos no país do faz de conta, faríamos de conta que tudo estava resolvido, e teríamos tempo de recuperar os famosos jardins de Burle Max, que, ao contrário do alardeado pela prefeitura, estão cobertos de mato e imundos. Porque, ao se comparar o tempo (muito mais de cinco anos) que gastaram para refazer a casa de Juscelino, também na Pampulha, ao custo de milhões de reais (deve ser ladrilhada com pedrinhas de brilhante, tal qual a música infantil), dá para se ter certeza de que o tempo para roubar mais com a desculpa da Copa está se esgotando. Obrigada por me dar a oportunidade de despejar minha raiva destes políticos que continuam a roubar e nos fazer de palhaços cidadãos.” A. M.


O mundo é uma bola

13 de fevereiro de 1542: Catherine Howard, rainha da Inglaterra, foi executada por ordem de seu marido e senhor Henrique VIII, o rei. Foi a quinta rainha consorte da Inglaterra e era prima de Ana Bolena, segunda rainha consorte de Henrique VIII, também executada por ordem de seu marido e senhor. Tudo bem: sei que o nome da segunda era Anne Boleyn, mas a culpa é da Wikipédia. Nos quadros da época, o visual de Anne era menos ruim que o de Catherine. Hoje é o Dia Mundial do Rádio.

Ruminanças 
“Deus deve ter feito mal a Deus para viver sendo evocado pelo doutor Datena” (R. Manso Neto).


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: