Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: beleza

Temporada começa mais cedo e ipês-amarelos já dividem espaço com os rosas

Falta de chuva forte antecipou floração, afirma especialista da UFMG

 
FOTOS: CRISTINA HORTA/EM/D.A PRESS

.
Agosto só chega no sábado, abrindo a temporada anual dos ipês-amarelos, mas em muitas ruas de Belo Horizonte a árvore símbolo do Brasil, em flor, já dá o ar da sua graça. No Bairro Sagrada Família, na Região Leste, e no São Luís, na Pampulha, há exemplares que reluzem feito ouro e enchem de orgulho os moradores, cientes da importância da flora urbana para humanizar a cidade, reduzir o estresse e colorir o dia a dia. Com a falta de chuvas fortes há meses, a expectativa é que de a floração seja mais intensa este ano, prevê o professor João Renato Stehmann, do Departamento de Botânica da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

.
Residente há 30 anos na Rua Henrique Cabral, no São Luís, a enfermeira Catarina Bicalho Modesto Aliprandi, casada, mãe de três filhos e se preparando para ser vovó, diz que a família inteira é apaixonada pelo ipê- amarelo. Em frente à residência há dois deles, e Catarina revela o início da admiração pela árvore. “Tudo começou no início do século 20. Meu avô, Luiz dos Santos Bicalho, falecido em 1950, era fazendeiro no distrito de Viçoso, em Santa Cruz do Escalvado, na Zona da Mata. Era o que se pode chamar de ‘barão do café’, um homem também muito severo.”
.
Naqueles tempos distantes, conta Catarina, a disputa pelas terras era um fato que poderia virar guerra no meio rural. “Mas no caso do meu avô, foi por causa de um ipê frondoso localizado bem na divisa da propriedade com o vizinho. Quando ele estava florido, de tão bonito que era, o vizinho mudava a cerca de lugar, como se fosse dele; meu avô, muito bravo, não aceitava e então voltava com o arame para o limite anterior. E assim iam brigando, sem maiores consequências, felizmente. A história passou de geração a geração e tomamos muito amor pelos ipês-amarelos.”

.
No quintal da casa, Catarina guarda uma muda de bom tamanho, pronta para ir para o chão. Mas são as duas árvores do passeio que chamam a atenção. “A maior tem 32 anos, pois me lembro de que, quando a plantei, ela estava com uns dois anos. A outra, menor, nasceu com a semente da primeira. Pena que cortaram uma que havia bem ali”, aponta Catarina para o outro lado da rua. Sempre de olho nas copas, a enfermeira afirma que as flores chegaram mais cedo este ano. “Acredito que foi a falta de chuvas, embora não seja indicado molhar muito o ipê, só de vez em quando”.
.
SINCRONIA O botânico João Renato Stehmann explica que o florescimento dos ipês está sincronizado com o clima. “Se o outono não tem chuvas, ocorre uma antecipação das flores, como ocorre agora. Se há muita chuva, elas vêm mais tarde”, afirma. Em Minas, há 20 espécies diferentes, com incidência de cinco em Belo Horizonte (dois amarelos, rosa, branco e roxo) e vale destacar, segundo o botânico, que a floração dos ipês-amarelos se dá numa época em que as demais árvores estão com a copa verde, só com as folhas. “Ipês-amarelos são nativos da mata atlântica e do cerrado e Belo Horizonte está numa área de transição”, diz o professor, lembrando que, na sequência, virão o jacarandá-mimoso e a sibipiruna para colorir BH.


i

.
Quem passa na Rua Nancy de Vasconcelos Gomes, na Sagrada Família, não deixa de admirar o ipê que se tornou referência na região. Refletido no parabrisa dos automóveis, salpicando os arbustos de flores que giram no ar ao cair ou formando tapetes no asfalto, a árvore só merece elogios do engenheiro José Oscar de Almeida, morador há 12 anos do bairro. “Sou de Itabira (na Região Central), então sempre admirei muito os ipês. Para mim, as árvores representam a vida e devemos preservá-las a qualquer custo.”
.
Na tarde de ontem, José Oscar não se cansava de admirar a bela moldura da rua onde mora. “Que seria de nós se não houvesse árvores assim? Uma vez, cortaram um ipê num lote vago logo ali. Foi triste. Ainda que retiraram uma palmeira-imperial e a transplantaram”, disse o engenheiro, com alívio.
.
“Semana que vem, o meu ipê estará maravilhoso. Estou na maior espera”, aguarda com ansiedade a dona de confecção Vera Vieira, moradora da Rua Anhanguera, no Bairro Santa Tereza, também na Região Leste. Para compensar, ela descansa os olhos, quando sai para trabalhar, nas buganvílias que se debruçam sobre o muro do vizinho. Quem cuida é Jorge Lopes dos Santos, natural de Santa Maria do Suaçuí, na Região do Rio Doce. “Não sou jardineiro, só empregado da casa e gosto muito de cuidar da natureza”, explica..

Enquanto isso…

…’Tapetes’ de pétalas rosas

.

Os ipês no tom rosa se despendem da capital, mas muitos ainda tingem as ruas, num belo espetáculo. De lembrança, deixam nos asfalto tapetes formados pelas pétalas que caem bem devagarinho dos galhos. Quem passa na Rua Marechal Deodoro, no Bairro Floresta, na Região Leste, pode admirar a nova paisagem. Mas é bom andar depressa e ter sorte, pois os garis têm que fazer o seu serviço e deixar as vias públicas limpas.

.

FONTE: Estado de Minas.


Raul Seixas e a arte de não ser normal 

Há 25 anos, o Maluco Beleza entrava para a história dividido entre as facetas da loucura e da lucidez

Ele nunca cometeu pequenos erros se podia causar terremotos. Isso não dá para negar sobre Raul Santos Seixas, o maluco beleza que também foi mosca na sopa, estrela, disco voador, Jesus Cristo, pai de família careta, eloquente da Sociedade Alternativa e homem barbado entregue ao choro fácil. Há 25 anos, todas as facetas desse baiano fervoroso saíram de cena quando fatalmente ele foi traído pela bebida alcoólica em 21 de agosto de 1989. Para o público, Raul Seixas morreu vestido de personagem folclórico endiabrado, se afirmando como o pai do rock e um mito cultuado por gritos universais de “toca Raul!” em qualquer canto do país.

“O Raul era um performático, anarquista, agressivo em cima do palco. Fora de lá, era doce, tímido em algumas situações e muito, muito careta. Falava sempre baixo, odiava maconha e bate-boca, escrevia cartas e não era mulherengo, apesar de ter tido quatro mulheres. Nunca ligou para grana a vida inteira, mas desde criança queria ser popular”, diz Kika Seixas, casada com Raul Seixas entre 1979 e 1985 e idealizadora do show “O Baú do Raul”.

Nessa síntese, Raul Seixas, baiano de Quenheguém, oito horas de mula e 12 de trem, como ele cantou ou inventou, parece mais complexo do que a imagem de maluco beleza lhe sugere. O apelido tem seu lugar, claro. Afinal, desde os 14 anos. Raulzito andava com um maço de cigarros a tiracolo e bebia feito adulto nas reuniões do Elvis Rock Club, que ele fundou em 1957 e que daria origem à sua primeira banda, The Panthers.

O irmão caçula de Raul, Plínio Seixas, lembra que as “maluquices” como odiar a escola e fumar compulsivamente eram a forma do irmão fugir da mesmice. “Desde pequeno, ele (o Raul) tinha pavor do tédio e da idiotice. Por isso, quando ele imitava Little Richards e Elvis em vez de estudar, saindo para beber e fumar, era a forma de ele dizer que tinha muita coisa fora do lugar no mundo. A frase épica dele é: ‘Tudo que aprendia era nos livros, em casa ou na rua. Nunca aprendi nada na escola. Minto. Aprendi a odiá-la’”, conta, aos risos.

Engraçado e performático, Raul Seixas sempre foi. Não à toa, mesmo que as apresentações de Raulzito e Os Panteras soassem como uma afronta à Salvador dos anos 1960 e causasse estranheza em boa parte do público, o grupo rapidamente se tornou referência na Bahia.

Magrelinho e elétrico. Tanto que, em 1966, o cantor Jerry Adriani iniciou uma parceria que alavancaria a carreira de Raulzito, ao contratar a banda do artista para substituir seus músicos, que não chegariam a tempo para a apresentação. “Vi aquele cara magrelinho e elétrico jogando uma enxurrada de ideias criativas. O Raul teve uma postura incrível, profissional, concentrado, mas com o quê de maluco (risos). Não foi por acaso que depois desse show ele excursionou comigo pela Bahia, produziu um disco meu e aí foi voar no seu próprio céu”, lembra Adriani.

O céu de Raul Seixas, entretanto, sempre foi dividido com passagens pelo inferno. Em uma vida de quatro casamentos desgastados, dois anos de fome passados no Rio de Janeiro enquanto era produtor musical da CBS, o envolvimento com o álcool, além do período de intensa piração com Paulo Coelho, moldaram o personagem Raul Seixas com feridas e mágoas que ele carregaria até a morte.

O produtor Marco Mazzola, responsável pelo álbum “Krig-Ha, Bandolo!” (1973), conta que conheceu um artista visionário, escondido atrás de um terno preto bem alinhado, cabelo bem penteado e mala de advogado nas mãos. “O Raul chegou como produtor do Sérgio Sampaio. Até ali não era nada, perguntei o que ele fazia, trocamos uma ideia, ele falou que tinha músicas e pedi para ele mostrar. Fomos para um sala separada no estúdio, o cara tirou a gravata, bagunçou o cabelo e começou a cantar ‘Let Me Sing, Let Me Sing’. Depois me mostrou ‘Trem das Sete’ e eu pirei. Ele era um fenômeno pronto”, diz Mazzola.

No primeiro disco de Raul nasciam pérolas como “Metamorfose Ambulante”, “Mosca na Sopa”, “Al Capone” e “Ouro de Tolo”, compostas em uma áurea de libertação e desengasgo, que se transformaram em paranoia e fantasia em seguida. Segundo Roberto Menescal, então diretor da Phillips, o segundo álbum de Raul, o clássico “Gita” (1974), já apresentava uma mudança significativa influenciada pela amizade com Paulo Coelho, que apresentou ao Maluco Beleza a Lei de Thelema (“faz o que tu queres pois é tudo da lei”) e a inspiração para a Sociedade Alternativa.

“No segundo disco já tinham velas no estúdio, um clima sombrio, piração de disco voador. Cansei de leva-lo para o estúdio de Kombi, ele começava a cantar, dizia que estava tomando passes espíritas e apagava. Nessa época, ele bebia pra caramba já e cheirava muita cocaína. Mas o mais louco é que o Raul nunca cheirou pó para bater um papo ou curtir uma festa, só para compor. Era um vício dele, uma obrigação quase intuitiva”, diz Menescal.

Censurado. Nessa época, após gravar “Gita”, Raul Seixas vivenciou um exílio nos EUA por causa de uma apresentação censurada em que distribuiu os gibis intitulados “Manifesto Krig-Ha”, repletos de ideias da Sociedade Alternativa.

No auge da carreira, entre 1973 e 1980, Raul Seixas era uma referência popular que destoava de artistas consagrados da época, como Chico Buarque, Caetano Veloso, Maria Bethânia e Gal Costa. Isso porque, apesar de falar e gritar “rock n’ roll” em suas músicas, Raulzito nunca pertenceu a um nicho da MPB ou do rock. O amigo pessoal do artista, Sylvio Passos, fundador do Raul Rock Club, lembra que o conheceu em 1981, em um processo de efervescência e criatividade, mas também de decadência.

“Liguei para o Raul sem pensar, ele atendeu bêbado. Eu disse que era o Sylvio e ele replicou: ‘Silvio Santos? Que isso, cara?’. Expliquei que era um fã, ele me chamou para almoçar. Fui à casa dele esperando chegar numa mansão do Elvis, mas era uma casa simples, com um Ford Landau na garagem, aquele carro grandão. O cara me serviu macarrão com a mão, para você ter ideia. Lembro que ele não falava mal de outros artistas, mas se recusava a fazer parte de grupos”, conta Passos.

Apesar do consumo de cocaína, álcool e até éter, que arruinou seu casamento com Kika Seixas, a filha do casal, a DJ Vivian Seixas, guarda poucas e boas recordações do pai. “Meu pai morreu quando eu tinha 8 anos, tenho poucas lembranças. Mas me marcou o fato de nunca ter tempo ruim com ele. Sempre muito divertido, ele gostava de criar personagens, como o Capitão Garfo, que pegava minhas bonecas e botava no congelador. E era muito emotivo, qualquer coisa fazia aquele homem barbado chorar”, lembra.

Um choro que parecia evidente na última carta de Raul Seixas para a ex-mulher, Kika Seixas, escrita em 29 de janeiro de 1989. No texto de três páginas, ele pede desculpas pelas loucuras que fez e se diz animado com a turnê do disco “Panela Do Diabo” (1989), feito em parceria com Marcelo Nova, amigo de infância que o resgatou aos palcos após sete anos de sumiço.

“Estávamos em um momento foda. O Raul lançava um disco clássico no último ano de vida, quando ninguém mais acreditava nele e, de fato, ele estava muito debilitado, já havia sido internado diversas vezes”, conta Marcelo Nova.

“Acho que o Raul viveu seus 44 anos da forma como pregava. Foi triste e duro, mas ele não queria chegar aos 100 anos. Vou amá-lo para sempre pela maluquice sincera dele de amar a gente assim”, resume Kika Seixas.

 

FONTE: O Tempo.


A 6ª turma do TST negou provimento a AI interposto por uma consultora de vendas da Avon Cosméticos Ltda. que pretendia ter reconhecido o vínculo empregatício com a empresa de cosméticos.

De acordo com os autos, a vendedora alegou que trabalhou na função de executiva de vendas por dez anos realizando a venda de produtos de beleza diretamente aos clientes em Manaus/AM. Alegou que sua relação não era de representante comercial autônomo, e sim de emprego, pois era onerosa, subordinada e exercida com pessoalidade, conforme previsão do artigo 3º da CLT.

A Avon contestou alegando que a autora jamais recebeu salário, pagando, ao revés, pelos produtos a serem comercializados, auferindo lucro em razão da diversidade dos preços de compra e venda, portanto, nunca houve vínculo empregatício.

O juiz substituto Raimundo Paulino Cavalcante Filho, da 4ª Vara do Trabalho de Manaus, rejeitou as alegações da empresa no sentido de a relação ter natureza civil, reconheceu o vínculo empregatício e condenou a empresa fazer anotação do contrato de trabalho na Carteira de Trabalho e Previdência Social da vendedora, além de pagar aviso prévio, 13° salário, férias com 1/3, FGTS e indenização substitutiva do seguro desemprego.

A Avon interpôs recurso ordinário defendendo a existência de relação estritamente autônoma e negou a presença de quaisquer dos elementos da configuração de relação de emprego previstos na CLT.

O TRT da 11ª Região deferiu o pedido da empresa e julgou improcedente a ação trabalhista, sob o entendimento que, ao negar a relação empregatícia, admitindo a ocorrência de prestação de serviços, o ônus da prova foi invertido, passando à Avon o dever de demonstrar os fatos impeditivos, modificativos ou extintivos do direito da autora.

As provas dos autos demonstram que a prestação dos serviços da reclamante era realizada sem subordinação e pessoalidade, o que afasta a pretensão obreira de que a relação jurídica existente entre as partes seria uma relação empregatícia, nos moldes do art. 3° da CLT“, decidiram os magistrados da 2ª instância.

A vendedora então interpôs AI em recurso de revista. A 6ª turma do TST, por unanimidade, confirmou a decisão do TRT. O relator, ministro Aloysio Corrêa da Veiga, esclareceu que, de acordo com os termos do acórdão, não seria possível reconhecer relação de emprego, e qualquer decisão contrária exigiria o reexame das provas do processo, procedimento vedado pela Súmula 126 do TST.

FONTE: Migalhas.



%d blogueiros gostam disto: