Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: circo

Com baixa procura, Sine BH abre seleção para vagas remanescentes do Cirque Du Soleil
Estão disponíveis 89 vagas, entre vendedor de loja (25), garçom (27), cozinheiro bilíngue (15), assistente de figurino (12) e estoquista. Falta qualificação dos possíveis empregados e há deficiência em relação ao pré-requisito do idioma
 (KURT DESPLENTER)

Os interessados em trabalhar na temporada 2013 do Cirque Du Soleil em Belo Horizonte têm mais uma chance para se candidatar às vagas. A Unidade de Atendimento ao Trabalhador do Sine BH Gameleira, coordenada pela Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (Sete), vai realizar, na próxima terça-feira, uma nova seleção para preencher vagas remanescentes.

Estão disponíveis 89 vagas, entre vendedor de loja (25), garçom (27), cozinheiro bilíngue (15), assistente de figurino (12) e estoquista, com salários que variam de R$ 898 a R$ 1.400. As vagas são para os turnos da tarde e noite, para trabalho entre 14h e 01h, com carga horária de 44 horas semanais durante 45 dias.De acordo com a assessoria de comunicação da Sete, as vagas ainda não foram preenchidas por falta de candidatos com o perfil compatível. A vaga de cozinheiro, por exemplo, exige o curso superior em gastronomia e experiência de um ano em cozinha internacional, requisito forte que não tem sido encontrado nos candidatos. Ainda segundo a assessoria da Sete, falta qualificação dos possíveis empregados, há deficiência em relação ao pré-requisito do idioma e a procura pelas vagas na capital mineira foi abaixo da esperada. Os candidatos devem se apresentar, na Rua Engenheiro Felipe Caldas, 510, Bairro Gameleira, das 09h às 16h.Conheça as vagas

Vendedor de Loja
Número vagas: 25
Sexo: Indiferente
Experiência: 01 ano com vendas, desejável ter atuado como operador de caixa
Idade: 18 a 40 anos
Salário: R$ 898,00
Inglês: Não

Garçom
Número vagas: 27
Sexo: Indiferente
Experiência: 06 meses
Idade: 18 a 40 anos
Salário: R$ 1.000,00
Inglês: Não

Cozinheiro Bilíngue
Número vagas: 15
Sexo: Indiferente
Experiência: um ano cozinha internacional
Curso Superior de Gastronomia
Idade: Indiferente
Salário: R$ 1.400,00
Inglês: Fluente

Assistente de Figurino
Número vagas: 12
Sexo: Feminino
Experiência: 01 ano backstage de teatro, circo, cinema ou desfile
Idade: Indiferente
Salário: R$ 1.400,00
Inglês: Fluente

Estoquista
Número vagas: 10
Sexo: Masculino
Experiência: 01 ano controle de estoque
Idade: 18 a 45 anos
Salário: R$ 898,00
Inglês: Não


“Um dos donos da boate Kiss foi preso em caráter temporário na manhã desta segunda-feira (28) pela Polícia Civil. Dois integrantes da banda “Gurizada Fandagueira” também foram detidos. O empresário Elissandro Spohr, o Kiko, estava em um hospital de Cruz Alta quando foi preso, já o vocalista da banda e um dos responsáveis pela segurança do palco do grupo foram encontrados em Mata.

Segundo a polícia, o pedido de prisão temporária de cinco dias foi decretado pelo juiz Regis Adil Bertolin durante esta madrugada. De acordo com o delegado Sandro Meinerz, a polícia já tentava localizar os proprietários da boate, mas localizou apenas um deles.

O vocalista do grupo, que supostamente teria iniciado o incêndio, foi detido durante o velório do gaiteiro da banda, Danilo Jaques.”

>>> Quando vi a notícia das prisões logo pensei: “Mas, já? Isto é vontade de aparecer. Ações como estas, prematuras (a meu ver), aumentam a sensação de impunidade, porque não se justificam, em alguns dias todos estarão livres, e o que vamos ouvir é o de sempre: “mas já estão soltos?”. Sim, já estarão, porque nem deveriam ter sido presos.”

>>> Reproduzo aqui, com a devida venia, comentário no Facebook do professor Flávio Lélles sobre o assunto.

Flávio Lélles *
há 6 horas
• Bem pessoal, como alguém que se propõe a trabalhar com o Direito Processual Penal, fazendo-o também em sala de aula, não poderia deixar de comentar a tragédia ocorrida na cidade de Santa Maria/RS e agora seus desdobramentos jurídicos.

Sem dúvidas ontem foi um dos dias mais tristes da história do Brasil, ver as imagens do momento do incêndio, do desespero das pessoas e da tristeza daqueles que perderam seus entes queridos foi algo que comoveu muito a todos. Confesso que pessoalmente senti um pouco da dor dos pais que perderam seus filhos, pela mais dolorosa inversão da ordem natural das coisas, um pai e uma mãe ter que enterrar seu filho ou filha. Nada deve ser pior nesta vida!!!

• Por outro lado, no que se refere aos desdobramentos jurídicos desta lamentável tragédia, com a decretação da prisão temporária dos proprietários da boite e de dois integrantes da banda que se apresentava no momento, fazendo um show pirotécnico, tal medida me parece absolutamente inadequada e desnecessária.

• Inadequada porque para a decretação da prisão temporária se faz necessário identificar o dolo de matar na conduta destas 04 pessoas que foram presas, sendo medianamente claro que inexistiu o dolo direto (vontade de matar), por parte de qualquer um dos quatro.

• Já o dolo eventual (assunção do risco/indiferença para com o resultado morte), também não me parece possível de ser identificado nas condutas dos quatro que foram presos.

• Em relação aos dois integrantes da banda impossível admitir que eles assumiram o risco de produzir a morte de quem quer que seja, sendo, inclusive, indiferentes a estas mortes, pelo simples fato de que eles também estavam dentro da boite e poderiam, como infelizmente ocorreu com um outro integrante da banda, também ter morrido.

• Quanto aos proprietários da boite, que exploravam comercialmente esta atividade, como imaginar que eles foram indiferentes para com a morte de mais de 230 clientes, fato que certamente ocasionou o fim de seu negócio enquanto atividade comercial. O que se nos apresenta de forma nítida é a possível negligência destes proprietários na condução administração de seu negócio, no que pertine ao alvará de funcionamento, saídas de emergência da boite e outras necessárias configurações ou equipamentos de segurança. Negligência = culpa = homicídio culposo, que não admite prisão temporária.

• Por fim, absolutamente desnecessária a decretação da prisão temporária no caso (afora a discussão acerca da (in)constitucionalidade desta prisão), eis que tal prisão apenas se pode efetivar, basicamente, quando de alguma forma os suspeitos ou investigados puderem atrapalhar as investigações do inquérito policial estando em liberdade, o que efetivamente não é o caso, pois as investigações concentrar-se-ão na perícia que deve ser feita na boite, na oitiva de pessoas que estavam dentro dela no momento do incêndio e em provas documentais que demonstrem a regularidade ou não de seu funcionamento. Desse modo a prisão dos proprietários da boite e de dois dos integrantes da banda não é imprescindível para as investigações do inquérito policial, mostrando-se, portanto, desnecessária.

• Pessoal, em momentos como estes ficamos todos muito sentidos pelo sofrimento alheio e pela constação de nossa própria fragilidade, mas devemos ter muita cautela para não sermos capturados pelo discurso midiático punitivista e do terror, que nestas horas costuma ser muito sedutor.

• Espero que os fatos sejam apurados com o cuidado que o caso exige e que os responsáveis sejam penalmente punidos na medida de sua culpabilidade.

*O Professor Flávio Rodrigues Lélles é bacharel em Direito, formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais no ano de 1997, e pós-graduando pela mesma Instituição. É Defensor Público do Estado de Minas Gerais, atuando como titular no 1º Tribunal do Júri, em Belo Horizonte. Leciona em diversos cursos preparatórios e cursos de pós-graduação em Belo Horizonte.

FONTE: Internet.



%d blogueiros gostam disto: