Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: coletivo

O capítulo mineiro do maior suicídio da história

No dia em que se completam quatro décadas do massacre de 900 pessoas comandadas pelo líder messiânico, o EM reconta a passagem do pastor norte-americano pela capital

 

Naquele ano, os irmãos Piriás, Orlando e Sebastião Patrício, aterrorizavam o sertão mineiro, saqueando sítios e levando pânico a famílias, enquanto Ramiro, o “Bandido da Cartucheira”, dava trabalho à polícia e se transformava em uma lenda nos arredores de Belo Horizonte. Temer o trio era a regra, em um tempo em que cada movimento dos criminosos locais que fizeram fama ocupava grande parte do noticiário local.

Mas, depois de 18 de novembro de 1978, portanto há exatos 40 anos, eles saíram repentinamente de cena.

Nas páginas dos jornais, ganhava espaço uma tragédia que horrorizou todo o mundo: o suicídio coletivo comandado pelo norte-americano James Warren Jones (1931-1978), o pastor Jim Jones, líder da seita Templo do Povo. Em um acampamento em Jonestown, na Guiana, América do Sul, cerca de 900 pessoas morreram depois de ingerir veneno com suco de frutas.

O que nem todos sabem é que, para contar a história desse líder messiânico, é preciso passar pela capital mineira. Dezesseis anos antes da tragédia, Jim Jones morara no Bairro Santo Antônio, em uma então pacata Região Centro-Sul. A cidade longe do mar e protegida por montanhas foi considerada, no início da década de 1960, um dos nove lugares no planeta para se esconder do apocalipse nuclear ou fim dos tempos.

Repórteres diante da casa de número 203 da Rua Marabá, dias depois da tragédia: vizinhança perplexa (Alvimar de Freitas/Arquivo EM %u2013 22/11/1978)

Repórteres diante da casa de número 203 da Rua Marabá, dias depois da tragédia: vizinhança perplexa

Morador desde que nasceu de uma casa quase em frente do número 203 da Rua Marabá, onde Jim Jones viveu com a família entre 1962 e 1963, o bancário Éder Geraldo de Souza, de 65 anos, casado, se lembra muito bem do “homem alto, rosto arredondado, sempre de terno preto e carregando uma pasta preta”, que ele via sair ou chegar em casa. “Falava inglês, nunca português, da mesma forma que os filhos, que então eram mais ou menos da minha idade”, conta, em referência ao americano que chegou à capital mineira em 11 de abril de 1962, segundo registro da época do Departamento de Estrangeiros da Polícia Federal.

Aquele era um tempo em que Belo Horizonte ainda permitia brincadeiras naquela rua de calçamento, tranquila, bem diferente da via agitada de hoje, que desemboca na Avenida Prudente de Morais. “Às vezes, lanchava na casa deles, comia biscoitos e chupava laranja. Lembro-me dos adotados, um negro e dois asiáticos, e do filho biológico do casal”, recorda-se o bancário aposentado. A casa não dispunha de muitos móveis, acrescenta: “Tinha o básico, a mudança que trouxeram. E havia uns colchões espalhados pela chão”.

A moradia foi ocupada pela família norte-americana por 10 meses, período em que lá viveram Jim Jones, a mulher, Marceline Mae Jones, o filho biológico, Stephan, e os adotivos: James e os coreanos Lew Eric e Suzanne. “Nós chamávamos o menino negro de Smith”, conta Éder.

CRIANÇAS Geralmente no fim da tarde, quando Jim Jones chegava do trabalho, costumava bater papo com um vizinho de frente, que falava inglês. O que impressionava Éder, então com quase 10 anos, era o número de crianças adotadas pelo casal. Por isso mesmo, quando soube da tragédia ocorrida em um sábado à noite, na Guiana, imaginou que Jim Jones poderia ter estado no Brasil à procura de crianças. “Todo mundo ficou muito assustado. Nosso país era pobre, atrasado, acredito que ele estivesse aqui na esperança de alguém lhe dar uma criança carente.”

Na sala de casa, na tarde de uma segunda-feira, o bancário aposentado volta a um período da vida que não esqueceu. “Muitos adultos que conheciam melhor essa história morreram, outros se mudaram, e há aqueles que não estão com boa memória. Mas, guardadas as devidas proporções, acho que Jim Jones pode ser comparado a Hitler (Adolph Hitler, 1889-1945, líder do nazismo), devido ao fanatismo. Talvez até estivesse pensando em algo bom, mas foi pelo caminho errado”, acredita Éder que, orgulhoso do bairro em que vive, conta que mora na mesma casa desde que veio ao mundo.

A equipe do Estado de Minas esteve por duas vezes na casa de número 203 da Rua Marabá, que, depois da família Jones, teve outros moradores. Na primeira vez, pelo interfone, uma pessoa que trabalha para a família informou que os patrões não estavam e que não poderia fornecer o telefone. Nova investida e outra mulher, também pelo interfone, contou que Jim Jones viveu na casa ao lado, hoje um centro espírita – um equívoco, já que os demais vizinhos indicam o local como a antiga residência do pastor.

A construção já não guarda semelhança com o antigo imóvel, em estilo moderno dos anos 1950/1960. No lugar da grade, que deixava à mostra o jardim, foi erguido um muro. Reportagem da jornalista Maya Santana (leia depoimento), repórter do Estado de Minas na época, assegura o endereço como do líder da seita Templo do Povo (em inglês People’s Temple Church). Inclusive, foto da época, pertencente ao arquivo do EM registra um grupo de repórteres diante do imóvel de número 203, dias depois da tragédia na Guiana.

BH: REFÚGIO NUCLEAR PLANETÁRIO

Passagem pela capital do líder da seita que protagonizou suicídio em massa coincide com indicação da cidade como um dos lugares para se escapar de apocalipse atômico

Antes de morar na Rua Marabá, no Bairro Santo Antônio, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, o pastor norte-americano Jim Jones, que horrorizaria o mundo ao liderar o suicídio de 900 pessoas na Guiana, teria passando algum tempo no Hotel Financial, na Avenida Afonso Pena, Centro da capital.

Completando sete décadas neste ano, o hotel, de propriedade do empresário Antônio Luciano Pereira Filho (1913-1990), era dos mais importantes do estado nas décadas de 1950 e 1960. Segundo um funcionário, hoje não há mais documentos que possibilitem verificar a estada de Jones. “O registro do hóspedes era bem diferente do atual. Cada um preenchia uma ficha com dados pessoais, que era enviada à polícia. As mesmas informações eram armazenadas em um livro, que ficava no hotel. Mas não temos mais esses livros”, contou.

Na época, o chamado arquivo morto era queimado de cinco em cinco anos. Outra informação é que Jim Jones teria trabalhado na extinta lavanderia Eureka, o que foi descartado, em 1978, pelo diretor-comercial da empresa, que fizera levantamento no departamento pessoal e não encontrara tal registro de emprego de um estrangeiro.

Coincide com a passagem do líder messiânico por Belo Horizonte uma reportagem de autoria da jornalista Carolina Bird, publicada na revista norte-americana Esquire, em janeiro de 1962, ano em que Jim Jones chegou à capital mineira. Em tempos de Guerra Fria, como se tornou conhecida a corrida armamentista e nuclear que opôs os Estados Unidos à União Soviética, a reportagem listava os nove lugares no mundo para se proteger no caso de uma hecatombe atômica, paranoia que tomava conta dos americanos. Para escrever a matéria, a jornalista se baseou em trabalhos de especialistas militares em radiação atômica e da Defesa Civil dos Estados Unidos.

O objetivo dos pesquisadores era “encontrar áreas que não fossem afetadas pelos danos diretos de ataques ou pelas cinzas nucleares, mas que também tivessem recursos suficientes para o homem reconstruir uma civilização industrial”. Na relação de locais, constavam, no Hemisfério Norte, Eureka, na Califórnia (EUA), Cork (Irlanda), e Guadalajara (México). No Hemisfério Sul, figuravam o Vale Central do Chile, Mendoza (Argentina), Melbourne, (Austrália), Christchurch (Nova Zelândia), Tananarive (Madagascar, na África), e o único representante do Brasil: Belo Horizonte.

Entre as características positivas apontadas pela reportagem da Esquire em BH, cidade então com cerca de 600 mil habitantes, estavam a localização, distante do mar e protegida por montanhas; a produção de laticínios, fundamental para longos períodos de escassez de alimentos; a riqueza mineral, essencial para a produção industrial; e também o clima tropical, seco, o que garantiria a saúde, em especial para impedir doenças pulmonares.

 

 

Tragédia NA GUIANA 

Quem tem em torno de 50 anos ou mais certamente se lembra do suicídio coletivo na Guiana. Para os mais jovens, interessados em história, uma pesquisa em arquivos de jornais ou na internet descortina o horror em massa. O trágico fim dos seguidores do Templo do Povo começou com a morte do deputado americano Leo J. Ryan, que investigava denúncias contra a seita, e também as do repórter Don Harrys, de 42, da rede NBC, do cinegrafista Robert Brow, de 36, da mesma emissora, do fotógrafo Gregory Robinson, de 27, do jornal San Francisco Examiner e de Patrícia Park, de 18, uma das seguidoras da seita. O episódio causou comoção e levou o então presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter, a destacar que o “empenho de Harrys em conseguir informações o levou a uma trágica morte”.

Segundo pesquisa em jornais da época, Jim Jones pregava o suicídio coletivo caso surgissem ameaças à sua seita, “e, aparentemente, deu ordem e o exemplo após a investigação do representante da Califórnia no congresso (deputado americano Leo J. Ryan) e dos jornalistas”.

A “imolação coletiva” começou com uma rajada de 85 tiros de armas semiautomáticas, conforme um advogado contou à imprensa na capital da Guiana, Georgetown. A testemunha prosseguiu: após matar o congressista americano e outros integrantes da comitiva, “os fanáticos religiosos usaram veneno durante um culto”. Entre os seguidores da seita Templo do Povo havia “grupos de negros pobres, pessoas de classe média de todas as etnias, viciados em drogas, criminosos, prostitutas que viviam nas ruas, bem como enfermeiras, engenheiros, universitários, funcionários do governo e advogados”.

Logo depois do culto fatal, cerca de 80 pessoas, a maioria na faixa de 60 anos, conseguiram escapar, alegando “que ainda não era hora de morrer”. Segundo os relatos, o pastor falava em “fraternidade e igualdade, exortando à integração”, mas também dizia que a matança e a destruição estavam próximas. Um dos filhos do pastor, que estava nos Estados Unidos na época do suicídio coletivo, contou que o pai, então com 46 anos, andava “doente, paranoico e drogado”. Jim Jones foi encontrado com um tiro na cabeça. Na propriedade de 12 mil hectares, foram achados mais de US$ 1 milhão em moeda e ouro.

Em 18 de novembro de 1978, 914 membros da seita americana “Templo do Povo” morreram na selva da Guiana, por vontade própria, ou vítimas de um dos mais dramáticos suicídios coletivos da História contemporânea.

Além da ação empreendida pelo “reverendo” Jim Jones sobre os fiéis, não houve nenhuma explicação deste salto para a morte cometido por centenas de homens, mulheres e crianças, a maioria americanos negros pobres, que deixaram a Califórnia para construir um mundo ideal na floresta.

Cinco anos antes da tragédia, Jim Jones, um quarentão que se apresentava como a reencarnação de Lênin, Jesus Cristo e Buda, decidiu transferir “a igreja” que fundou em San Francisco na ex-colônia britânica situada entre Suriname, Venezuela e Brasil.

Em um terreno de 10.000 hectares, fundou em 1973 “Jonestown”, uma “sociedade autenticamente socialista, por fim libertada de todo racismo, de todo machismo e de toda forma de discriminação contra os velhos”.

Baseada em uma mistura de cultura hippie e de vago socialismo, sua autoridade sobre seus discípulos é incontestável. Os ex-adeptos da seita falaram de drogas, de fome e de submissão sexual.

Jim Jones exigia que trabalhassem do amanhecer até o anoitecer seis dias por semana. E os submetia semanalmente a um estranho exercício, no qual deveriam beber e fazer que seus filhos bebessem um veneno falso. Para o líder, o suicídio era a única saída para guerra declarada pelo governo americano contra ele.

Foi nessa atmosfera de suspeitas que um membro do Congresso americano, Leo Ryan, desembarcou em 17 de novembro de 1978, por causa das denúncias dos pais dos “fiéis”. No dia seguinte, quando estava prestes a embarcar no avião, foi assassinado junto com três jornalistas por homens de Jim Jones.

– Seringas e veneno –

Jones convenceu seus fiéis de que Ryan era um agente da CIA e que “Jonestown” seria atacada por fuzileiros navais americanos. Um registro de 45 minutos encontrado perto de seu corpo revelou alguns detalhes noticiados pela AFP no dia 9 de dezembro de 1978.

“A fita magnética começa com a difusão de música religiosa e a reunião de fiéis […] Jones declara que a seita foi ‘traída’ e que não se recuperará do que ocorreu no aeroporto”.

“‘Não proponho que cometamos um suicídio, e, sim, um ato revolucionário’, afirmou, estimulando os adultos a administrar o veneno às crianças com seringas. ‘Na minha opinião, é preciso ser bom pelas crianças e pelos velhos e tomar a poção como faziam na Grécia Antiga, partindo tranquilamente’”.

“Uma mulher pede aos fiéis que formem fila. Começam a ser ouvidos choros de crianças. Jones demonstra, de repente, nervosismo: ‘Morra com dignidade. Não se desfaça deles em lágrimas. Deixe de histeria! Isso não é forma de morrer para os socialistas-comunistas’”.

“Muitas pessoas protestam. Uma mãe grita que aceita a morte, nas pede um indulto para seu filho”.

“A hecatombe termina em uma cacofonia de uivos e dor, grunhidos, gritos de crianças morrendo e protestos, misturados com o aplauso de fãs de Jones”.

Centenas de adeptos fugiram para a floresta. Alguns foram capturados e abatidos, ou obrigados a tomar o veneno.

.

FONTES: Estado de Minas e IstoÉ.


Defensoria Pública vai realizar casamento coletivo de graça no Mineirinho

Inscrições para os casais interessados já estão abertas e vão até 19 de outubro

Defensoria Pública de Minas Gerais/Divulgação

A Defensoria Pública de Minas Gerais vai realizar um casamento coletivo em dezembro para até 1 mil casais que moram em Belo Horizonte. Os casais interessados devem procurar o órgão para se inscrever até 19 de outubro. Todos os procedimentos serão realizados de graça para quem não tiver condições financeiras de arcar com as taxas nos cartórios.
.
Segundo a defensora pública-geral do estado, Christiane Neves Procópio Malard, a iniciativa faz parte da atuação da Defensoria Pública junto às famílias, ajudando na construção e reconstrução de vínculos. “A partir disso, conseguimos prevenir a criminalidade e até mesmo transformar realidades, resolvendo muitas questões de ordem social, aproximando pais e filhos, prevenindo a questão das drogas”, explica. “Através da identificação com nosso assistidos, percebemos que o trabalho com as famílias viabiliza o pleno exercício da cidadania, promove inclusão social e resgata a autoestima do cidadão”.
.
Para realizar os casamentos, a Defensoria firmou uma parceria com o Poder Judiciário e os cartórios de registro civil. Podem se inscrever pessoas que vão se casar pela primeira vez, assim como divorciados, viúvos e também casais que vivem em união estável. As inscrições já estão abertas e devem ser realizadas na Unidade II da Defensoria Pública em Belo Horizonte, na Rua Bernardo Guimarães, número 2.731, no Bairro Santo Agostinho, de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h.
.
Os casais devem comparecer ao local com seus documentos pessoais, além da certidão de nascimento e casamento (no caso de viúvos e divorciados) atualizada. Se as pessoas não tiverem condições financeiras de realizar a atuação, a defensoria irá ajudar a regularizar a situação dos documentos. Mas, os noivos devem ficar atentos e procurar a Defensoria Pública o mais rápido possível para que seja realizada a habilitação para o casamento.
.
Ainda segundo a defensora pública-geral, os casamentos civis serão agendados e, na manhã do dia 11 de dezembro, será realizada uma grande cerimônia ecumênica no Ginásio Mineirinho, na Pampulha, onde os noivos comparecerão a caráter. Para mais informações, acesse o site da Defensoria Pública de Minas Gerais.

.

FONTE: Estado de Minas.


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 10/06/2015, 18:20.

16:34

Segundo a assessoria dos rodoviários,  haverá uma reunião com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH)  às 16h nesta quinta-feira (11) para discutir impasse sobre o pagamento do valor integral relativo à Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

16:31

A greve dos rodoviários será suspensa a partir das 00h desta quinta-feira (11), segundo a assessoria dos rodoviários.

.

10/06/2015

07:44

Na Estação São Gabriel, os grevistas não estão deixando os ônibus saírem.

07:40

Estações Barreiro e Diamante estão paralisadas; as linhas do DER operam na parte externa dos terminais.

07:40

Manifestantes impedem a operação das linhas troncais na estação Pampulha. As linhas alimentadoras operam parcialmente e vão até a área central.

07:28

De acordo com a BHTrans, a Estação Venda Nova está paralisada. Os motoristas das linhas alimentadoras orientados a seguir a Vilarinho para que os passageiros consigam seguir para o centro de Belo Horizonte.

07:24

Move metropolitano e outras linhas gerenciadas pelo DER estão operando, mas do lado externo das estações.

07:04

Ainda não há confirmação sobre os números das linhas que não estão rodando em Belo Horizonte nesta quarta-feira.

Greve na quarta-feira pode ter cerca de 1 mil ônibus parados em Belo Horizonte

Nesta terça-feira, pelo menos 50 linhas de ônibus deixaram de circular durante a madrugada. Ao longo do dia, a paralisação perdeu força, e apenas a Estação São Gabriel ainda é afetada pela paralisação

 

Jair Amaral/Em/DA Press

Depois de encontro com a BHTrans, nesta terça-feira, e a manutenção do impasse na negociação com as empresa de ônibus, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários (STTR) pretende entrar em greve com indicativo de que pelo menos 1 mil ônibus deixem de circular em Belo Horizonte na quarta. Com paralisações localizadas, desde a segunda-feira, o protesto atingirá toda categoria. De acordo com o presidente do sindicato, Ronaldo Batista, 470 ônibus deixaram de circular na capital desde do início da manhã e esse número irá mais que dobrar amanhã.  
.

Pela manhã, o presidente da BHTrans, Ramon Victor Cesar, se reuniu com o presidente do STTR para ouvir as reivindicações. O encontro aconteceu às 11h e terminou por volta das 12h30. Segundo Batista, foi uma reunião informal, visto que as negociações trabalhistas acontecem diretamente com as empresas. Cesar ouviu as reivindicações da categoria, que pediu uma intervenção da empresa junto ao sindicato patronal. Também pode haver uma mediação por parte do Tribunal Regional do Trabalho (TRT). 
.
Os trabalhadores protestam contra o não pagamento da Participação nos Lucros e Resultado (PLR). De acordo com o STTR, até o momento não houve nenhuma manifestação do patronal. Já o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) afirma que o pagamento da PLR foi adiado, não cancelado, e que aguarda a definição da BHTrans sobre um relatório enviado na semana passada, onde demonstra, por meio de notas fiscais dos custos de operação do sistema, que as empresas estão operando no vermelho.
.
Linhas voltam a circular
Nesta terça-feira, pelo menos 50 linhas de ônibus deixaram de circular durante a madrugada, o que retirou das ruas mais de 500 veículos. Ao longo do dia, a paralisação perdeu força e, às 16h, as estações Diamante, Barreiro, Venda Nova, Vilarinho e José Cândido já funcionavam normalmente. Apenas a Estação São Gabriel ainda é afetada pela greve, com as linhas 806 e 811 operando parcialmente..
16:05

Novo boletim: a BHTRANS informa que as Estações Diamante, Barreiro, Venda Nova, Vilarinho e José Cândido estão funcionando normalmente. Na Estação São Gabriel, apenas as linhas 806 e 811 operam parcialmente. As demais linhas da Estação São Gabriel operam normalmente. Agentes da BHTRANS estão orientando os usuários e monitorando as estações e o trânsito.

15:52
A BHTRANS emitiu nota no meio da tarde desta terça-feira (9), sobre a reunião realizada na manhã de hoje na sede da Empresa com o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários.
“A BHTRANS informa que, em reunião realizada na manhã de hoje na sede da Empresa, solicitou ao Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários o fim da greve que atinge parte do sistema de transporte coletivo em Belo Horizonte. A BHTrans alega que uma questão interna – o não pagamento aos rodoviários da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de 2014 -, prevista no Acordo Coletivo de Trabalho vigente entre os trabalhadores e as concessionárias, não pode prejudicar os usuários do sistema de transporte urbano, bem como o funcionamento normal das atividades urbanas. Por outro lado, a BHTRANS confirma que recebeu da entidade patronal, o SETRA BH – Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte – estudo técnico que busca demonstrar a necessidade imediata de revisão contratual. Considerando a complexidade dos estudos apresentados, a exigir avaliação aprofundada por parte do órgão regulador, não se justifica condicionar o pagamento da PLR às conclusões da referida avaliação.”
13:10

A reunião entre representantes da BHTrans e os trabalhadores do sistema rodoviário de Belo Horizonte, acabou agora há pouco. Em conversa entre o presidente do sindicato Ronaldo Batista, e o presidente do órgão municipal de trânsito Ramon César, ficou decido que o Tribunal Regional do Trabalho deve realizar uma audiência para intermediar as negociações entre a categoria e os patrões. Segundo a assessoria do sindicato, enquanto não houver uma decisão, a paralisação dos ônibus em Belo Horizonte vai continuar nesta quarta-feira (10).

11:47

Rodoviários querem que as empresas de ônibus paguem o valor referente à Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O presidente do STTRBH está reunido com o presidente da BHTrans para falar sobre a reivindicação da categoria.

10:36

Em nota, a BHTrans informou que o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte (STTRBH), Ronaldo Batista de Morais, será recebido pelo presidente da empresa que gerencia o trânsito na capital, Ramon Victor Cesar, em virtude da mudança de agenda do prefeito Marcio Lacerda. O encontro acontece às 11h e será fechado. “O presidente da BHTrans irá ouvir as motivações dos rodoviários para o movimento de paralisação parcial das linhas municipais”, diz o comunicado.

.

FONTE: Estado de Minas e O Tempo.


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 09/06/2015, 19:40.
SINDICATO MANTÉM GREVE NA TERÇA E QUARTA
VEJA AQUI!
.
09/06/2015
07:26

Na empresa Torres, 138 veículos não saíram. As linhas são:

5503A (Goiânia A), 5503B (Goiânia B), 9105 (Nova Vista/Sion), 9211 (Caetano Furquim/Havaí), 9214 (Caetano Furquim/Havaí via Alto Havaí), 9250 (Caetano Furquim/Nova Cintra via Savassi), 9208 (Taquaril/Conjunto Santa Maria), 8102(União/Carmo Sion), 815 (Estação São Gabriel/Conjunto Paulo VI), 85 (Estação São Gabriel/Centro via Floresta), 83P ((Estação São Gabriel/Centro – Paradora) e 5506A (Ribeiro de Abreu).

07:11

Na Turilessa, há 117 veículos parados. As linhas afetadas são:

9103 (Santa Teresa/Santo Antônio), 9210 (Santa Teresa/Prado), SC04A (Santa Casa/Savassi/Rodoviária A), SC04B (Santa Casa/Rodoviária/Savassi B), SC02B(Savassi/Praça 7 via Santa Casa – Praça da Liberdade), 9209 (Sagrada Família/Gutierrez), 9550 (Casa Branca/São Francisco via Estação José Cândido),9411 (Casa Branca/São José), 8501 (Maria Goretti/Engenho Nogueira via Ouro Preto), 806 (Estação São Gabriel/Vista do Sol via Nazaré), 811 (Estação São Gabriel/Vista do Sol via PUC), 705 (Estação São Gabriel/São Tomaz), 9410(Sagrada Família/Coração Eucarístico), 9501 (São Lucas Jaraguá) e 9204 (Santa Efigênia/Estoril)

06:42

A greve desta terça-feira afeta as garagens das empresas Turilessa, Torres, Sagrada Família e Jardins. De acordo com o STTRBH, 522 ônibus não estão rodando.

06:41

Nessa segunda-feira, 48 linhas foram afetadas pela paralisação.

06:28

O sindicato ainda não informou quais linhas foram afetadas pela paralisação desta terça-feira.

06:25

Na manhã desta terça-feira, três garagens que ficam próximas a Sabará, na região metropolitana de Belo Horizonte, e uma que fica em Venda Nova, estão paradas. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte e região (STTRBH), a paralisação afeta os coletivos que rodam na capital

.
08/06/2015
23:17

Com o retorno dos rodoviários ao trabalho, no início da noite desta segunda-feira (8), a cobertura desse primeiro dia de paralisação é encerrada. Porém, o Sindiato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte e região (STTRBH) informou que a categoria voltará a cruzar os braços no início dessa terça (8).

19:11

O funcionamento das estações do Barreiro e Diamante está normalizando no início da noite desta segunda (8), de acordo com a BHTrans.

17:30

A greve dos rodoviários será mantida nesta terça-feira (9), segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte e região (STTRBH).

17:24

Greve de rodoviários afeta algumas linhas da estação Barreiro e Diamante, de acordo com a Bhtrans.

17:24

As estações Pampulha, São Gabriel, Venda Nova e Vilarinho estão funcionando normalmente na tarde desta segunda-feira (6), segundo a Bhtrans.

16:44

Manifestantes ocupam uma faixa da av. Amazona, próximo ao viaduto Silva Lobo. Ato acontece em protesto à morte de um motorista de ônibus, segundo as informações da Polícia Militar.

15:07

Segue parcial a paralisação dos Rodoviários em Belo Horizonte. Último boletim da BHTrans confirmava a volta das Estações Barreiro e Diamante somente com as linhas do DER

12:55

Linhas 607, 636 e 642 voltam a operar, segundo a BHTrans

12:43

A BHTRANS informa que as estações Venda Nova e Vilarinho estão funcionando normalmente. As Estação Pampulha e São Gabriel estão retomando a operação. As Estações Barreiro e Diamante continuam operando somente com as linhas do DER.

 

.

BH terá greve de ônibus nesta segunda-feira

 .
Os ônibus que prestam transporte coletivo em Belo Horizonte estarão parados nesta segunda-feira. O Sindicato dos Rodoviários confirmou que, à 0h, começa uma greve da categoria sem previsão para acabar. “A ideia é segurar a paralisação até que os patrões efetuem o pagamento da PLR, ou que pelo menos entrem em um acordo para pagar rapidamente”, afirmou Carlos Henrique, diretor de comunicação do sindicato.
.
A razão para a greve é o descumprimento dos patrões de um acordo firmado com os trabalhadores em março. Na época, ficou combinado que o pagamento de Participações nos Lucros e Resultados (PLR) seria pago integralmente até o quinto dia útil de junho. “Porém, o Sindicato foi surpreendido com um ofício do sindicato patronal (Setra-BH) informando o não pagamento do PLR na data prevista na Convenção”, afirma o presidente do STTRBH, Ronaldo Batista. No comunicado, os patrões alegam que não tem condições financeiras de cumprir com o acordo firmado há três meses. 
.
A paralisação incluí todos os ônibus de empresas de Belo Horizonte, inclusive aqueles do Move, mas não os ônibus metropolitanos, já que em boa parte das cidades da Região Metropolitana a PLR foi paga aos funcionários regularmente.
.

BH pode ter greve de ônibus na próxima segunda-feira, diz sindicato

Motivo para a paralisação seria o não pagamento da participação nos lucros aos funcionários por parte das empresas

Usuários do transporte público da capital devem se programar para uma possível paralisação de linhas de ônibus a partir da 0h de segunda-feira (8). O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte e região (STTRBH) informou que algumas empresas não cumpriram com o acordado na convenção da categoria.

“Durante a campanha salarial, foi acertado o pagamento de participações nos lucros e resultados aos trabalhadores de forma integral, até o quinto dia útil do mês de junho. Porém, na última quarta-feira (3), recebemos um ofício do sindicato patronal informando o não pagamento na data prevista”, explicou o presidente do STTRBH, Ronaldo Batista. Hoje haverá uma reunião para definir como será o protesto.

Na convenção realizada no início deste ano ficou acertado que os trabalhadores rodoviários com remuneração acima de R$ 1.188 deveriam receber, até o quinto dia útil de junho e em parcela única, R$ 347,52. Aqueles que recebem menos de R$ 1.188 têm direito a R$ 173,76.

Apesar de ainda não ter a definição de quais linhas ficarão paradas, a diretora da Associação dos Usuários de Transporte Coletivo de Belo Horizonte e região metropolitana, Gislene dos Reis, espera que a população não sofra com o ato. “Entendemos como justa a manifestação, mas esperamos que as pessoas consigam utilizar o transporte público”, defendeu.

A reportagem tentou contato com o sindicato patronal e com a prefeitura da capital, mas nenhuma das assessorias atendeu às ligações.

.

FONTE: O Tempo.


Um dia após aumento, usuários marcam protesto e entram com ação

Coletivo Margarida Alves, que representa judicialmente movimentos populares, entrou com Ação Popular pedindo liminar que suspenda a portaria por vários motivos

Mal foi anunciado o aumento nas passagens de ônibus pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e as primeiras movimentações da população começaram a ocorrer. Neste domingo (28), o coletivo Margarida Alves protocolou na Justiça uma Ação Popular com pedido de liminar contra o reajuste, tido por eles como absurdo. Além disso, duas manifestações diferentes já estão marcadas para a região do Centro da capital para esta segunda-feira (29).

Conforme a página no Facebook do coletivo, que atua na defesa nas esferas judicial e administrativa de movimentos sociais, sindicatos e entidades do terceiro setor, a ação visa a portaria nº 144/2014, que aumenta o valor mais comum da passagem de R$ 2,85 para R$ 3,10. “O Contrato de Concessão de Transporte Público que ora vige define que o valor do reajuste só poderá ser publicado até o dia 26 de dezembro, e a mesma fora publicada em 27 de dezembro”, argumenta o coletivo.

Além disso, ainda conforme a organização sem fins lucrativos, o contrato aponta, ainda, que a autoridade competente para tal seria a Concedente, no caso a PBH, e a portaria publicada foi assinada pelo presidente da BHTrans, Ramon Victor César.

“A portaria ainda ignora princípios da Administração Pública e também viola frontalmente os preceitos da Lei de Acesso à informação. Afinal, a mesma não fornece os dados que motivaram o reajuste tarifário. Não há, em qualquer plataforma de acesso público, disponibilização dos índices utilizados como base de cálculo do aumento, sendo impossível que o reajuste se submeta ao controle social”, finalizava o texto publicado pelo Coletivo Margarida Alves.

CRÉDITO
11
Entenda os aumentos nas passagens

Nesta segunda-feira (29) dois atos públicos estão marcados no Centro de Belo Horizonte. Um deles será o Manifesto Contra o Aumento da Passagem, marcado para 16h na praça Sete. Já o outro, organizado pelo Movimento Tarifa Zero, prevê panfletagem e dialogo com todas as pessoas que utilizarem o Move nas estações da avenida Santos Dumont a partir das 17h.

Juntos, os dois eventos na rede social já contam com mais de 800 pessoas confirmadas. Eles prometem fechar ruas e fazer passeata.

Motivos

A justificativa dada para o aumento de aproximadamente 8,5% pela empresa que administra os transportes e o trânsito em Belo Horizonte (BHTrans), é de que houve variação nos preços dos principais serviços  relacionados aos transporte na capital, como o óleo diesel e o salário de motoristas. Além disso, a empresa também informou que os chamados Contratos de Concessão do Serviço de Transporte Convencional preveem o reajuste anual da passagem.

Além da tarifa tradicional passar de R$ 2,85 para R$ 3,10, a passagem que hoje custa R$ 2,05, passará a custa R$ 2,20, e a tarifa de R$ 2,35 custará R$ 2,50 a partir do dia 29.

Quem tem créditos eletrônicos dos cartões BHBus adquiridos até este domingo (28) poderá utilizá-los até o dia 11 de fevereiro do ano que vem, com manutenção do valor de uso. Isso significa que até lá, o valor da passagem cobrada no cartão continuará sendo de R$ 2,85. A partir do dia 12 de fevereiro, no entanto, o valor debitado a cada vez que a pessoa utilizar o cartão será de R$ 3,10, mesmo que o cartão utilizado tenha sido comprado antes do anúncio do aumento das passagens.

FONTE: O Tempo.


Tarifas de ônibus em Belo Horizonte aumentam a partir desta segunda-feira

Reajuste também atinge os táxis-lotação e pode chegar a mais de 8%. Passagem mais cara aumentou R$0,25 e passa a custar R$3,10.

Na Grande BH, tarifas também sobem na próxima semana

 

Euler Junior/EM/D.A.Press

Usuários do transporte coletivo em Belo Horizonte devem se preparar para pagar mais caro pelo serviço ainda neste fim de ano. O preço das tarifas de ônibus e táxis-lotação sofrerão reajuste de até 8% a partir da zero hora desta segunda-feira, 29. Segundo portaria publicada pela BHTrans no Diário Oficial do Município (DOM), com a mudança, a passagem mais cara – que custava R$ 2,85 – passará para R$ 3,10, um acréscimo de R$0,25. 

Nos ônibus em que a tarifa custava R$2,05, os usuários terão de desembolsar R$0,15 a mais a partir desta segunda. No caso dos coletivos em que vigorava a tarifa de R$2,35, o preço passa para R$2,50. A justificativa para o aumento das tarifas, segundo a BHTrans, é a necessidade de cobrir custos operaçionais e de insumos, como o óleo diesel e o salário dos funcionários das empresas de transporte coletivo da capital. 

Quem utiliza os táxis-lotação que circulam pelas avenidas Afonso Pena e Contorno também sentirão no bolso o peso do reajuste. A passagem, que atualmente custa R$3,15 passará para R$3,40 a partir de segunda-feira. Segundo a portaria da BHTrans, a atualização do preço acompanha as alterações de valores dos ônibus, para “manter o equilíbrio operacional entre os dois serviços”.

Confira as novas tarifas dos ônibus em BH

Ônibus da Grande BH também têm reajuste

As tarifas dos ônibus que atendem 34 municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte terão reajuste de 12,78% a partir desta segunda-feira (29). Segundo a Secretaria de Estado de Transporte e Obras Públicas (Setop), serão afetados os preços das passagens de 745 linhas, que transportam uma média diária de 823 mil passageiros em toda a Grande BH. De acordo com o órgão, também haverá reajuste nas tarifas de táxis metropolitanos, que ficarão 8,21% mais caras.

Segundo comunicado divulgado pela Setop, a atualização dos preços das passagens dos coletivos metropolitanos leva em conta o aumento dos custos no período de novembro de 2013 a outubro de 2014. Entre os fatores que pesaram no reajuste, estão gastos com combustível, custo com pessoal e com a manutenção da frota de veículos.

Do total do reajuste, a secretaria informa que 1,92% corresponde à modernização da frota, que passou a contar com 116 novos ônibus articulados e outros 145 do tipo padron. Outros 2,21% foram acrescidos em função da operação dos Terminais Metropolitanos de Morro Alto, Vilarinho, São Gabriel, Sarzedo e Ibirité; das estações de São Benedito e Justinópolis, das 28 estações de transferência na Av. Antônio Carlos, Av. Cristiano Machado e Av. Pedro I, de duas estações na Av. Paraná e na Av. Santos Dumont, das 7 estações na MG10, 4 na Av. Brasília e 2 na Av. Civilização, uma na Av. Pedro I (Risoleta Neves) e uma na Praça Aarão Reis.

Os ônibus vão circular com cartazes para informar aos passageiros os novos valores das tarifas. Para informações e reclamações os usuários podem utilizar o telefone 155 opção 6 ou o email do DER/MG: atendimento@der.mg.gov.br.

Táxis especiais

Os usuários dos táxis metropolitanos também devem se preparar para pagar mais caro pelas viagens em toda a Grande BH. O custo quilométrico I, passa de R$2,63 para R$2,85 e a bandeirada passa de R$4,78 para R$5,17.

A cobrança do custo quilométrico rodado II será de R$3,42 e será permitida somente em corridas aferidas pelo taxímetro, no horário noturno, no período compreendido de 22 às 6 horas, de segunda a sexta feira. Aos domingos e feriados e aos sábados o início do período é antecipado para às 14 horas. Não poderá haver cobrança de taxa de retorno, de volumes transportados e de transporte por carrinho de supermercado.

Confira o preço de alguns serviços

Preço Mínimo: R$2,60 (16 linhas com esta tarifa)
Preço Médio: R$3,95. (tarifa preponderante do sistema, 30 % das linhas em operação).
No total, o sistema metropolitano possui 57 grupos tarifários.

Algumas linhas metropolitanas:

Igarapé – Nossa Senhora da Paz, Capim Branco – Matozinhos, Ribeirão das Neves – Estação Vilarinho – R$2,60;
Linhas troncais do MOVE Metropolitano (Terminal São Gabriel e Vilarinho e Estações de Justinópolis e São Benedito) – R$ 3,95;
Integração Metrô Ônibus – são oito valores que variam de R$ 3,70 a R$ 5,10;
Aeroporto Internacional Tancredo Neves (Confins) / BH – Centro – R$ 23,70;
Aeroporto Internacional Tancredo Neves (Confins) / Betim – R$ 36,05;
Aeroporto Internacional Tancredo Neves (Confins) / Contagem – R$ 35,00.

FONTE: Estado de Minas.


FIM DE ANO

BHTrans fará alterações no trânsito no entorno da Rodoviária

Mudanças acontecerão entre os dias 19 de dezembro e 5 de janeiro de 2015

mapa bhtrans

Veja o mapa com as alterações que serão feitas
Com objetivo de organizar o trânsito e garantir a fluidez de veículos e pedestres na região central de Belo Horizonte neste fim de ano, a BHTrans realizará entre os dias 19 de dezembro deste ano e 5 de janeiro de 2015 várias intervenções operacionais na região do Terminal Rodoviário Governador Israel Pinheiro, onde comumente é registrado um grande aumento do volume de pessoas trafegando.

O esquema especial será implantado para a chegada e saída das pessoas à rodoviária, além de proporcionar uma área de estocagem para os coletivos rodoviários ao longo da avenida do Contorno, por onde será regulado o acesso ao terminal.

O plano de saída será implantado entre os dias 19 e 31 de dezembro com as seguintes alterações:

– Os cruzamentos das ruas Paulo de Frontim e Saturnino de Brito (Praça Rio Branco), serão fechados para o trânsito de veículos

– Desde o dia 6/12/2013 foi liberado um trecho da avenida Santos Dumont, entre as ruas Curitiba e Saturnino de Brito, facilitando assim o acesso a Rodoviária

– Os passageiros originários das regiões Sul, Norte e Leste acessarão a área de embarque principal por meio da avenida Afonso Pena

– Os passageiros originários das regiões Noroeste e Oeste terão duas opções de acesso à rodoviária. A primeira opção é passando pela avenida do Contorno, rua Tupinambás, avenida Afonso Pena, rua Curitiba,  avenida Santos Dumont e rua Saturnino de Brito; já a segunda será passando pela avenida do Contorno, rua São Paulo, avenida Afonso Pena, rua Curitiba e rua Saturnino de Brito.

– Será permitido o embarque/desembarque de passageiros na rua Paulo de Frontim entre as ruas Acre e dos Guarani

– Na rua Acre será acomodada a fila de táxi

– A rua dos Guaranis, entre Paulo de Frontim e Caetés será viabilizada para a Saída do Estacionamento

– Os condutores devem ficar atentos aos trechos interditados para o tráfego de veículos de passeio na avenida Santos Dumont e Paraná.

Já o plano de chegada será colocado em prática a partir do dia 26 de dezembro, quando os cruzamentos das ruas Paulo de Frontim e Saturnino de Brito (Praça Rio Branco) serão fechados para o trânsito de veículos.

Os desvios serão indicados por faixas de pano e sinalização complementar para orientar os motoristas e garantir segurança aos passageiros, pedestres e condutores. A empresa alerta para a importância dos motoristas redobrarem a atenção à sinalização implantada. Agentes da Unidade Integrada de Trânsito irão operar (monitorar, fiscalizar, interferir e orientar) o tráfego na região e nos principais acessos à rodoviária.

Desvios para o transporte coletivo

– Não haverá alterações nos itinerários e pontos das linhas gerenciadas pela BHTRANS. As linhas do DER que operam na avenida do Contorno (atrás da Rodoviária) serão remanejadas para a avenida do Contorno, entre as ruas 21 de Abril e Curitiba

– O embarque para os ônibus de Sete Lagoas e Betim será pela rua dos Caetés, entre avenida Olegário Maciel e do Contorno.

Terminal de Apoio

Algumas viagens interestaduais que saíam do Terminal Rodoviário foram transferidas pela Prefeitura de Belo Horizonte, desde o dia 1º de dezembro, para a Estação de Integração José Cândido da Silveira

A mudança, que passa a ser permanente até que a nova rodoviária fique pronta, tem o objetivo de garantir mais conforto aos passageiros nas viagens e também minimizar os impactos no trânsito da Área Central.

Para ter acesso a mais informações sobre as alterações, clique AQUI.

Nas rodovias federaisA Polícia Rodoviária Federal inicia no dia 12 de dezembro a Operação Rodovida 2014, que tem o objetivo de reduzir as mortes no trânsito durante as festas de fim de ano e as férias escolares, período de maior movimento nas rodovias e estradas que cortam o país.A operação vai até o dia 31 de janeiro, quando terá uma pausa, e retornará no Carnaval – entre 6 e 22 de fevereiro de 2015.O trabalho realizado estará focado em quatro eixos: fiscalização de motocicletas e ciclomotores, ultrapassagens indevidas, velocidade e embriaguez.

FONTE: O Tempo.



%d blogueiros gostam disto: