Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: como fazer

Cem anos da mais brasileira das bebidas

A caipirinha genuína leva cachaça, limão, açúcar e gelo, mas variações também são permitidas. Conheça sua história e confira algumas dicas para fazer um bom drink

Brasil, 1918. Um remédio é criado no interior de São Paulo para combater um surto de gripe espanhola no país. Sua receita consiste na mistura de limão, alho, mel e um pouco de cachaça para “esquentar o peito”. O sabor ficaria mais agradável, palpitou alguém, se o alho fosse descartado, o mel, substituído pelo açúcar, e o gelo, acrescentado para espantar o calor. De medicamento a drink, surge então a caipirinha, que completa cem anos neste mês.

Essa é a versão mais aceita entre os mixologistas a respeito da origem da mais brasileira das bebidas. Ainda há, porém, quem diga que a caipirinha tenha surgido em festas luxuosas promovidas por latifundiários de Piracicaba (SP) ou nos portos de Paraty (RJ) – nesse caso, a bebida teria 162 anos. Em meio às variadas versões, o mixologista do Tizé, Felipe Brasil, argumenta: “As histórias são tantas que cada uma pode escolher a sua. A caipirinha tem origem popular, e, por isso, a história é contada de geração em geração”.

Independentemente do Estado de origem, certo é que a caipirinha é genuinamente brasileira – em 2003, o governo federal oficializou a informação em decreto –, além de ser produzida a partir de uma bebida tão tupiniquim quanto: a cachaça. O ingrediente, inclusive, é o que demarca o nome da bebida. Drinks semelhantes, feitos com vodca ou saquê, devem ser chamados, respectivamente, de caipivodca (ou caipiroska) e caipisaquê.

Além da cachaça, a receita original da caipirinha leva apenas limão, açúcar e gelo. Esse modo de preparo foi estabelecido em 1994 pela Associação Internacional de Bartenders, conforme explica o mixologista do MeetMe, Cássio Batista. “Em qualquer lugar do mundo, essa é a receita que deve ser seguida, assim como acontece como o dry martini e o mojito”, diz Batista.

A receita original da caipirinha não exige muita técnica, mas alguns cuidados evitam que a bebida se transforme em um desastre. Instrutor de hospitalidade do Senac-MG e criador da caipirinha de cravo com rapadura e gominho de cana-de-açúcar, Maicon de Sá afirma que os limões não devem ser macerados por muito tempo. “As pontas dos limões também devem ser cortadas para não acentuar o amargor. Não é preciso descascar o limão, porque a casca tem mais acidez do que a própria fruta. Deve-se sempre buscar equilíbrio entre a doçura do açúcar e a acidez do limão”, indica. O taiti é o limão mais comum na caipirinha, o que não impede o uso dos tipos siciliano ou capeta.

Quanto ao açúcar, Batista só aconselha não exagerar na dose. “É possível também fazer um xarope, misturando água e açúcar”, reitera. O ideal é usar o refinado, mas outros também são bem-vindos. “O mascavo, porém, tem potencial um pouco menor de adoçar”, diz.

Outra recomendação é que os ingredientes da caipirinha não sejam batidos em coqueteleira ou liquidificador, mas misturados. As cachaças, por sua vez, podem ser tanto as brancas quanto as envelhecidas em carvalho.

Múltiplos sabores. Sem dúvidas, o brasileiro é muito criativo quando vai para a cozinha, e com a caipirinha não é diferente. Contanto que a cachaça seja a bebida-base, não há qualquer problema em misturar diferentes tipos de frutas ou de açúcares no drink. A única ressalva que Felipe Brasil faz é que esteja especificado o nome do ingrediente na carta de bebidas. Se o coquetel levar morango, por exemplo, deve ser chamado de “caipirinha de morango”.

Felipe Brasil criou as caipirinhas de mexerica e carambola para o Tizé. “A combinação dos sabores é harmônica e gostosa”, defende. No MeetMe, as variações também são muitas: drinks feitos com frutas vermelhas, maracujá e lichia. Batista confirma que o brasileiro é adepto de diferentes combinações. “O termômetro para saber se tem estrangeiros no bar é quando os pedidos da caipirinha tradicional aumentam”, detecta o mixologista.

A jabuticaba é a estrela da caipirinha produzida na Horta no Potim. “Como temos um pé que dá fruta o ano inteiro, resolvemos aproveitá-lo para fazer a bebida”, conta a proprietária, Dandara Saraiva. No bar Quermesse, a caipirinha vira Caipilé por dois motivos: é feita com bebidas variadas (além da cachaça, o cliente pode optar por vodca, saquê ou vinho) e um picolé é mergulhado no drink. “As pessoas também podem escolher a fruta, como maracujá, limão, morango e abacaxi, e também o picolé, disponível nos sabores de leite condensado, creme e uva”, conta a proprietária do bar, Fran Rosa.

Para comer. No Experimente Cozinha Food Lab, a mistura de cachaça, limão e açúcar não está na bebida, mas em um bolo desenvolvido para intolerantes a lactose e glúten. “Era uma demanda dessas pessoas, que queriam algo diferente”, conta a criadora do prato, Sabrina Gomide. Para quem não tem restrições alimentares, basta substituir a fécula de batata e a farinha de arroz pela farinha de trigo.

Caipirinha original

Ingredientes:

5 mL de cachaça

1/2 limão-taiti

2 colheres (chá) de açúcar

Modo de preparo:

Macere o limão e o açúcar em um copo. Acrescente gelo. Em seguida, despeje a cachaça

FOTO: Sabrina Gomide/divulgação
d
Bolo de limão com cachaça, do Experimente Cozinha Food Lab

Ingredientes

Bolo:

4 ovos

1 xícara de óleo de girassol

Suco de 2 limões

25 mL de cachaça

1 xícara de farinha de arroz

1 xícara de fécula de batata

1 e 1/2 xícara de açúcar demerara

1 pitada de sal

1 colher (sopa) de raspas de limão

Calda:

3/4 de xícara de açúcar

Suco de 2 limões

10 mL de cachaça

Modo de preparo

Bolo:

Preaqueça o forno em 200°C. Bata os ovos, o açúcar, o suco de limão, a cachaça e o óleo no liquidificador por cinco minutos. Coloque a mistura em um recipiente e acrescente as farinhas e o sal. Mexa com uma espátula. Adicione o fermento e mexa bem. Leve ao forno em forma untada.

Calda:

Leve os ingredientes ao fogo. Mexa até o açúcar dissolver. Jogue sobre o bolo.

 

FOTO: Douglas Magno
f
Caipirinha de cravo com rapadura e gominho de cana-de-açúcar, do chef Maicon de Sá

Ingredientes:

50 mL de cachaça

10 cravos

Raspas de duas rapaduras

Gelo

1 gomo de cana-de-açúcar

Modo de preparo:

Gele a taça e a coqueteleira com gelo moído. Macere o cravo com a rapadura. Acrescente a cachaça, o gelo e bata na coqueteleira. Sirva em copo Old Fashioned. Decore com o gomo de cana-de-açúcar e cravos.

Serviço

Experimente Cozinha Food Lab. Rua Marte, 320 A, Santa Lúcia, (31) 3586-3721

MeetMe. Rua Curitiba, 2.578, Lourdes, (31) 3297-0909

Tizé Bar e Butequim. Rua Curitiba, 2.205, Lourdes, (31) 3654-7412

Horta no Potim. Rua Mármore, 70, Santa Tereza, (31) 4141-0326

Quermesse. Rua Pium-Í, 1.175, Sion, (31) 3284-9683

.

  • caipirinha de jabuticaba
    A caipirinha de jabuticaba é feita com frutas do pomar da Horta no Potim, e a cachaça amarela é da roça. Drink é vendido a R$ 12

FONTE: O Tempo.


TECNOLOGIA
Após 6 anos de testes, Gmail ganha ferramenta para cancelar mensagem

A chance de desfazer um envio de e-mail sempre foi um dos itens mais requisitados por usuários, principalmente por dois motivos

Contas do Gmail podem ter sido invadidas

Para configurar, basta acessar “Configurações” (clicando no canto superior direito), clicar na aba “Geral”, e marcar a opção “Ativar cancelamento de envio”


Após um período de testes de mais de seis anos, o Google anunciou nesta segunda-feira (22) que a opção de “Cancelar envio” no Gmail agora é ferramenta básica do serviço de e-mail. Desde março de 2009 o cancelamento fazia parte do “Google Labs”, espaço do Google para testar novidades.

Para configurar, basta acessar “Configurações” (clicando no canto superior direito), clicar na aba “Geral”, e marcar a opção “Ativar cancelamento de envio”. É possível escolher entre cancelar mensagens após 5, 10, 20 e 30 segundos.

A chance de desfazer um envio de e-mail sempre foi um dos itens mais requisitados por usuários, principalmente por dois motivos. Um mais técnico: mandar a mensagem por engano ou simplesmente se esquecer de incluir uma informação importante. O outro mais comportamental: quando o envio é feito em um “ataque de fúria”. Agora, ao menos por 30 segundos, os internautas têm a chance de não se arrependerem.

Aos usuários interessados em participar dos testes do Google Labs, acesse a aba “Labs” e marcar “Ativar” nas opções disponíveis. No entanto, por se tratar de uma ferramenta experimental, o Google não garante 100% de êxito.

.

Ops… Bateu o remorso?
Google lança serviço de cancelamento de e-mail após envio. No entanto, tempo máximo para voltar atrás é de 30 segundos

Quem nunca mandou um e-mail na correria e só depois de ter clicado no “bendito” botão de enviar se deu conta que chamou o Renato, aquele contato profissional importantíssimo, de Renata e ainda se despediu com um “valeu”? Cadê a função ‘Ctrl + Z’ para voltar tudo e não passar por esse papelão? Pois bem, o Google atendeu o desejo dos milhões de usuários do Gmail e anunciou, nesta semana, que o recurso de cancelamento de e-mail depois do envio passa a ser ativo no serviço. O desanimador é que o sistema vai dar ao usuário míseros 30 segundos para voltar atrás e desfazer a ação. Um tempo, no mínimo, curto demais… mas que pode te salvar de alguns apuros.

A ferramenta vem sendo testada desde 2009, quando foi lançada de forma experimental no laboratório da empresa. Também já estava disponível no aplicativo Inbox do Gmail. Mas só agora o serviço está à disposição de todos, seja na web ou nos sistemas Android e iOS dos dispositivos móveis. “Todos nós precisamos de viajar de volta alguns segundos de vez em quando”, justificou o Google em seu blog oficial.

NA EMPRESA Brincadeiras à parte, há quem realmente já tenha se dado mal por uma mensagem que não deveria (mesmo) ter sido enviada. Se nas relações afetivas ainda é possível fazer manha e apelar para o “não foi isso que eu quis dizer”, no ambiente profissional o problema pode ser irreversível. A especialista em recursos humanos Elaine Andrade dos Santos, diretora de educação da Associação Brasileira de Recursos Humanos, Seção Minas Gerais (ABRH–MG), conta que é muito comum o uso inadequado da ferramenta de comunicação.

“Teve um colaborador de uma equipe que recebeu um feedback que não gostou e resolveu comentar com um colega de trabalho por e-mail. Questionou a competência do seu gestor e difamou sua imagem. Mas na hora de enviar a mensagem, mandou para o chefe”, lembra Elaine. Claro que no desfecho da história o empregado foi penalizado e demitido.

Em outro caso, Elaine conta que uma funcionária encaminhou uma solicitação à gerente, que a respondeu – com cópia para várias pessoas, incluindo o diretor – de forma grosseira. “O que você digitou já foi. A imagem fica negativa. É preciso tomar cuidado com a forma de escrever, porque você não tem o domínio de como vão interpretar”, afirma a especialista. Respirar, reler, ou até esperar o dia seguinte são dicas preciosas que valem para não reagir de forma equivocada.

Se com a novidade do Gmail nem mesmo os 30 segundos livres para o arrependimento o salvaram, fique atento à dica da especialista: reconheça o erro prontamente! “Peça desculpas. Mande outro e-mail ou telefone”, orienta Elaine Santos.

 

#Fikdik

Orientações para o envio de e-mails profissionais

» Evite texto em caixa alta. Parece que você está gritando com seu destinatário
» Evite negrito e palavras em outra cor
» Procure ser objetivo
» Não trate problemas conflituosos por e-mail. É um canal útil para validar decisões, mas não para tomá-las
» Direcione o e-mail só para quem é o interessado no assunto
» Cuidado com erros de português e excessos da linguagem virtual, como as abreviações
» Leia, releia e até espere para responder no dia seguinte se o     conteúdo da mensagem o deixou nervoso. Pode ser que você julgue desnecessária a resposta ou até tome outra atitude mais madura

Fonte: Elaine Andrade dos Santos, diretora de educação da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH- MG) e especialista em recursos humanos

Se, mesmo depois das dicas, você deu ‘mancada’, 
confira o tutorial de como cancelar o envio do e-mail:

1 – Vá em configurações:
2 – Na aba Geral, clique em cancelar envio. Por padrão, a opção de cancelamento do envio fica desativada.
3 – Escolha o tempo limite de cancelamento: 5, 10, 20 ou 30 segundos
4 – Salve sua alteração
5 – Ao enviar um e-mail, aparecerá a opção “desfazer” na parte superior da tela. A ‘mágica’ está feita.

.

FONTE: O Tempo e Estado de Minas.


Saiba como fazer artigo científico, TCC, monografia de pós, dissertação e tese

Compilado traz modelos pré-formatados, orientações passo-a-passo e até videoaulas instrucionais produzidos por algumas das principais instituições do País, como a USP, UFRJ e UFRGS

A produção de trabalhos científicos, com qualidade e relevância, é um dos gargalos nas instituições

 

 

 

 

 

Ainda é um desafio para muitos estudantes brasileiros de graduação e pós-graduação dominar as técnicas de elaboração de um trabalho científico. A redação, com qualidade, de artigos e de estudos de conclusão de curso requer um amplo domínio da metodologia da escrita acadêmica.

O fato é que nem sempre o aluno é bem orientado, ou por vezes, devido à falta de informações adequadas, o planejamento da pesquisa não é feito de forma produtiva. Tudo isso tende a impactar de forma direta na qualidade do material final produzido, que fica propenso a ser pouco inovador ou ter pouca relevância, por exemplo, em congressos ou periódicos científicos, tanto nacional quanto internacionalmente.

Segundo Zago (USP), metodologia científica ainda não é dominada por jovens pesquisadores

 

 

 

 

Esses são alguns dos aspectos que impedem o crescimento ainda maior da qualidade da produção científica das instituições de ensino do Brasil, incluindo até a principal do País, a Universidade de São Paulo (USP).

“A técnica não é dominada amplamente, em especial pelos pesquisadores principiantes e alunos de pós-graduação”, disse o então pró-reitor de pesquisa da USP Marco Antonio Zago, hoje reitor, em reunião com dirigentes da universidade durante evento acadêmico organizado na gestão anterior.

Para a busca da relevância, contudo, o primeiro passo é dominar a estrutura do trabalho científico, algo que requer atenção especial do estudante.

“Por definição, o trabalho de conclusão de curso é sempre a coisa mais difícil que o aluno precisa fazer. É o momento que ele tem que sair da zona de conforto e tentar criar algum tipo de originalidade acadêmica. O domínio da formatação do trabalho é fundamental”, fala o especialista em educação Claudio de Moura Castro, ex-diretor geral da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), agência federal de fomento responsável pela avaliação da produção científica dos programas de pós-graduação no país.

CompiladoAssim, para facilitar o trajeto acadêmico do graduando ou do pós-graduando, o iG Educaçãoresolveu fazer um compilado de materiais de orientação produzidos por algumas das principais universidades do País.

São guias instrucionais, modelos de trabalhos científicos pré-formatados, além de outras dicas e orientações envolvendo as técnicas e os procedimentos metodológicos que devem ser respeitados pelo estudante. Há ainda materiais extras em formado de videoaulas que podem ajudar ainda mais o aluno na elaboração do trabalho científico.

Periodicamente o iG Educação publica guias específicos como estímulo à formação acadêmica

Confira, a seguir, o mapeamento de materiais produzidos por reconhecidas instituições de ensino do País. Todos eles seguem orientações padronizadas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

1. Orientações gerais sobre os mais diversos trabalhos científicos
Guia de normalização para referências e citações (Universidade Estadual de Campinas)
Normas para apresentação de trabalhos científicos (Universidade Federal do Paraná)
Manual de normalização (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri)
Estrutura do trabalho acadêmico (Universidade Estadual Paulista)

2. Artigo científico
Manual de elaboração de projeto, artigo e outras regras básicas (Universidade Federal do Tocantins)
Como elaborar um artigo científico? (Universidade Federal de Santa Catarina)
Orientações sobre artigo de acordo com normas oficiais pela professora Eliana Maria Garcia (Universidade de São Paulo)
Confira um modelo padrão de estrutura de um artigo (Intercom)

Videoaulas: curso sobre escrita científica com o professor Valtencir Zucolotto (Universidade de São Paulo)

3. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e monografia de graduação ou de pós-graduação (especialização ou MBA)
Recomendações para elaboração da monografia (Universidade de São Paulo)
Manual para normalização de TCC (Instituto Federal de Educação do Triângulo Mineiro)
Instruções para elaboração de monografia (Inmetro)
Modelo completo de TCC (Universidade Estadual de Londrina)
Modelo de projeto de monografia (Universidade do Vale do Itajaí)
Videoaula: sobre as partes que compõe a monografia com o professor Fábio Maiomone (Universidade Católica de Santos)
Videoaula: “Aprenda a fazer o seu TCC” com o professor José Carlos Abreu (Fundação Getúlio Vargas)

4. Pré-projeto e projeto de pesquisa para seleção de cursos de pós-graduação
Modelo de projeto de pesquisa para candidatos ao mestrado (Universidade Federal de Santa Maria)
Modelo básico de projeto de pesquisa (Universidade Federal do Rio Grande do Sul)
Como elaborar um projeto de pesquisa (Universidade de São Paulo)
Roteiro para pré-projeto de pesquisa (Universidade Federal do Ceará)

5. Dissertação de mestrado
Diretrizes para apresentação de dissertações (Universidade de São Paulo)
Manual para dissertações (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
Normas para apresentação de dissertações (PUC Rio)

6. Tese de doutorado
Diretrizes para apresentação de teses (Universidade de São Paulo)
Como escrever uma tese e que ferramentas de software usar? (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
Manual para teses (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
Normas para apresentação de teses (PUC Rio)

FONTE: iG.


Fogão a lenha sem fumaça

 

Fogão a lenha sem fumaça-2

Em 1980, na zona rural do estado de Minas Gerais, 96,9% dos fogões domésticos eram a lenha, de tipos variados.

As vantagens desse fogão no meio rural são inúmeras pela facilidade de se obter lenha, por aquecer a casa e reunir a família nas noites frias e, finalmente, por ser atribuído melhor paladar à comida preparada nele.

Por reconhecer essas vantagens e buscando resolver os problemas de construção apontados pelos usuários do fogão a lenha, desenvolvemos esse projeto.

(ILDA DE FÁTIMA e MARCOS OLIVEIRA – UFV)

Projeto detalhado (PDF)


COLEGAS DO 9º PERÍODO FIZERAM NESTE SÁBADO A APRESENTAÇÃO DOS SEUS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO.

 

 

IMG_0331

No corredor, antes de entrar na sala para a apresentação, os colegas retocam os últimos detalhes.

IMG_0335

A banca examinadora, formada pelos senhores professores Carlos Frederico, Márcio Portella e Vítor Kildare.

 

IMG_0336

A colega Sinara Tiago Braga Leibnitz apresentou o trabalho DOS ALIMENTOS GRAVÍDICOS E A RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA DOS SUPOSTOS AVÓS PATERNOS

 

 

IMG_0339

A colega Leda Cecília Costa apresentou o trabalho DANO EXISTENCIAL E O DIREITO DO TRABALHO

IMG_0337

 

IMG_0341

O colega Allan Marcelo de Souza apresentou o trabalho DIREITO DO CONSUMIDOR: COMÉRCIO ELETRÔNICO – DIREITO DE ARREPENDIMENTO – MÍDIA

IMG_0340

 

IMG_0345

A colega Andréa Carla Andrade do Amaral apresentou o trabalho AS NOVAS FAMÍLIAS NO DIREITO BRASILEIRO

IMG_0342

Outros(as) colegas também apresentaram seus trabalhos nesta data, mas não pude assistir a todos (AQUI ESTÁ A RELAÇÃO). Sucesso a todos(as) e parabéns pelas pesquisas, pelos trabalhos e pelas apresentações. Aos senhores professores, agradeço a oportunidade e as considerações feitas durante as apresentações, pois, embora dirigidas aos colegas apresentadores, certamente me serão de grande valia quando chegar a minha hora.

MARCELO O. SOUZA – M1

8º Período

SUPLEMENTO – VOCÊ SABE O QUE É O TCC? VOCÊ SABE COMO FAZER O TCC?

O que é TCC

 Quando um estudante de Ensino Superior chega ao fim do curso precisa fazer o TCC (Trabalho de Conclusão do Curso) para poder garantir a sua formação. Por mais difícil que pareça devemos alertar que pode ser mais simples do que parece. Esse tipo de trabalho surgiu em 1983 na Universidade de Franca e logo se tornou parte da grade curricular de vários cursos superiores pelo Brasil todo.

É importante que o estudante tenha bem claroo que é TCC antes de começar a elaborar o trabalho. Podemos definir como um trabalho que tem um caráter monográfico, porém, com menos exigências e uma pesquisa menos aprofundada de temáticas do que a Monografia.

Um TCC precisa ter um tema definido pelo estudante e aceito pelo professor orientador, este professor é escolhido de acordo com a temática que o aluno deseja pesquisar. Em geral a estrutura de um trabalho desses é composta pelos mesmos elementos que são:

Páginas pré-textuais:

  • Capa – Item Obrigatório
  • Folha de rosto – Item Obrigatório
  • Folha de aprovação – Item Obrigatório
  • Dedicatória – Item Opcional
  • Agradecimentos – Item Opcional
  • Epígrafe – Item Opcional
  • Resumo – Item Obrigatório
  • Sumário – Item Obrigatório
  • Lista de ilustrações – Item Opcional (somente se houver ilustrações em boa parte do trabalho)
  • Listas de abreviaturas e siglas – Item Opcional
  • Listas de notações – Item Opcional

Logo na sequência desses itens vem os elementos textuais:

  • Introdução – Item Obrigatório
  • Desenvolvimento –Item Obrigatório
  • Conclusão ou Considerações finais – Item Obrigatório (É necessário demonstrar que o trabalho de pesquisa chegou a algum lugar).

Também existem os elementos pós-textuais:

  • Referências bibliográficas – Item Obrigatório (as citações retiradas da internet também devem ser referenciadas seguindo a ABNT)
  • Obras consultadas – Item Opcional
  • Apêndices – Item Opcional
  • Anexos – Item Opcional (Acrescenta bastante a qualidade final do trabalho, mas utilize apenas que haja algo realmente relevante para anexar)
  • Glossário – Item Opcional (Trabalhos com termos técnicos como em áreas específicas como as Engenharias ficam mais fáceis de compreender com um bom glossário).

Todo o Trabalho de Conclusão de Curso deve ser formatado dentro dos padrões do ABNT. Provavelmente a sua instituição de ensino possui algum livro ou outro tipo de publicação com essas normas.

Veja as medidas padrão de formatação do TCC:

  • Margem superior: 2,5 cm
  • Margem inferior: 2,5 cm
  • Margem direita: 2,5 cm
  • Margem esquerda: 3,0 cm
  • Citações: 1 cm (justificando à direita em itálico com a Fonte em tamanho10)
  • Entre linhas, o espaço: 2,0 cm
  • Tipo: Times New Roman (Fonte serifada)
  • Fonte (tamanho): 12
  • Formato de papel: A4

 

A professora Caroline Hofmann dá valiosas dicas em seu livro TCC – TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO: A EXCELÊNCIA COMO DIFERENCIAL.

O QUE VOCÊ PRECISA PARA ELABORAR UM TRABALHO CIENTÍFICO?

A primeira etapa envolve a escolha e delimitação do assunto (tema). Ao escolher um tema para seu trabalho de pesquisa, procure algo original. Será considerado original um assunto que, mesmo versando sobre algo já conhecido, aborde-o sob novo ângulo, acrescentando-lhe uma particularidade até então desconhecida. Escolha algo pelo qual você já tenha algum interesse ou que, de alguma forma, seja um desafio para seu pensamento, algo intrigante e instigante para a sua imaginação.

Podem ser boas pistas investigar alguma experiência particular anterior sua, ou a área profissional para a qual você está se encaminhando, ou algum campo da Ciência sobre o qual você tem se interessado ultimamente.

Lembre-se de que você vai ter que se dedicar a este assunto por muitas horas e que, por isso, é importante que ele seja verdadeiramente de seu interesse.

Convém lembrar que o orientador desempenha um papel muito importante na fase da pesquisa bibliográfica, indicando sugestões de textos, discutindo ideias desenvolvidas pelos autores e revisando o material escrito pelo acadêmico. Outra dica importante: não deixe a pesquisa bibliográfica para o final do trabalho. Na maioria das vezes, a bibliografia sobre o tema ajudará bastante no desenvolvimento da pesquisa, na escolha da metodologia de trabalho e na definição das melhores técnicas par atingir os objetivos.

O método de estudo

Gostar e saber estudar são condições básicas para a pesquisa científica. A aquisição das habilidades referentes à leitura crítica, ao fichamento de um texto, à produção de um artigo científico é uma etapa necessária para a formação do pesquisador.

TCC – Trabalho de Conclusão de Curso – a Excelência Como Diferencial

CRUZ, Carla; HOFFMANN, Caroline; RIBEIRO, Uirá

Belo Horizonte: 2006 New Hampton Press Ltda

Pp 56,57, 58

 

Para conhecer o META – Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos CLIQUE AQUI!

E para conhecer o MRPR, clique ali:  Manual de Redação da Presidência da República

 

FONTE: Fazer Monografia, Universo.

 

 


Dizem que é mais fácil que fritar um ovo…

Bem, não é assim, assim, tão fácil, mas difícil não é. Assista!

 

páscoa


UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA – CAMPUS BELO HORIZONTE

Logo Universo-2

O Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos (META) tem por objetivo oferecer subsídios aos estudantes de graduação e de programas de pós-graduação, quanto à elaboração de projetos de pesquisa, relatórios de pesquisa e trabalhos de conclusão de curso, bem como apresentação de trabalhos científicos em eventos.

Para conhecer o META – Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos CLIQUE AQUI!

E para conhecer o MRPR, clique ali:  Manual de Redação da Presidência da República

FONTE: Universo.edu, campus digital e Universo BH.



%d blogueiros gostam disto: