Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: desapropriações

Sinal verde para início das obras da Via 710

 

O taxista Lourival, cujo imóvel é irregular por ter invadido terreno da RFFSA

A licitação das obras para a implantação da Via 710, ligação viária entre as avenidas Cristiano Machado e Andradas, está concluída. A Prefeitura de Belo Horizonte publicou ontem, no Diário Oficial do Município (DOM) a homologação do certame, sinal verde para a assinatura do contrato pelo Consórcio Conata Marins. Segundo a PBH, o início das intervenções que vão interligar as regiões Leste e Nordeste de BH sem a necessidade de passar pelo Centro ou usar ruas de baixa capacidade da região está previsto para daqui a 60 dias. O prazo de obras que consta no edital é de 18 meses, contados a partir da primeira ordem de serviço, e o valor estimado é de R$ 145 milhões, com possibilidade de aumento em virtude das desapropriações que estão na Justiça. A nova avenida estava prevista para ficar pronta antes da Copa do Mundo, mas as dificuldades com as desapropriações e falhas no projeto atrasaram os trabalhos. 

Para que a Via 710 vire realidade, 649 famílias terão que deixar suas casas, sendo 211 desapropriações, caso daqueles que são donos dos lotes, e 438 remoções, exemplo das invasões sem regularização. A reportagem do EM percorreu os bairros Horto e Instituto Agronômico (Leste) e União e Dom Joaquim (Nordeste), que serão cortados pela nova via. O maior esforço se concentrará na Via Arthur de Sá, posicionada atrás do Minas Shopping. Ali estão 291 domicílios que serão removidos pela Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte (Urbel), pois a área é invadida e por isso não há regularização.Na Rua Maíra, Bairro União, já é certo que o conjunto de construções que forma quatro moradias onde reside a família do taxista Lourival de Oliveira, 67 anos, terá que ser demolido para viabilizar a construção viária. Como o terreno não é regularizado, ele será removido pela Urbel. “Desde que fizeram contato comigo, não estou nem dormindo direito. Eles me ofereceram R$ 289 mil, mas acho que para arrumar lugar para todos que moram comigo seria necessário R$ 500 mil”, diz ele. O terreno de cerca de 180 metros quadrados onde está a construção que abriga as 12 pessoas da família de Lourival pertencia à antiga Rede Ferroviária Federal, segundo ele. “Só um lote nessa região é R$ 450 mil. Preciso abrigar meu pessoal, estou muito triste”, lamenta.JUSTIÇA Segundo a Sudecap, das 211 desapropriações, 81 imóveis já estão liberados, 96 estão na Justiça e 34 ainda negociam com a prefeitura. Já o balanço da Urbel dá conta de 60 famílias praticamente acertadas para sair de suas residências e seis já reassentadas, restando ainda 372 moradias a serem removidas. 

Segundo a Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura, a Via 710 terá uma trincheira no encontro com a Avenida Contagem e com as ruas Gustavo da Silveira e Conceição do Pará, um viaduto no entroncamento com a Avenida José Cândido da Silveira, outro elevado na Rua Bolívar sobre a linha do metrô, ciclovia e duas a quatro faixas de rolamento em cada sentido. A extensão será de cerca de quatro quilômetros. Em maio, a prefeitura inaugurou uma ligação semelhante. A Via 210 também faz a conexão entre duas importantes avenidas de regiões diferentes, a Tereza Cristina, no Bairro Vista Alegre (Oeste), e a Via do Minério, no Barreiro.

FONTE: Estado de Minas.


Nova pista do Rodoanel muda paisagens da Grande BH
Rodoanel passará por áreas de fazendas e bairros afastados da Grande BH. Moradores se dividem entre o receio e a esperança por melhorias no transporte e na situação econômica

Rodo Anel

O produtor Argenor Siqueira, de Ravena. 'Alguns parentes e vizinhos que são amigos vão ter de ir embora'  ( Euler Junior/EM/D.A Press)
O produtor Argenor Siqueira, de Ravena. “Alguns parentes e vizinhos que são amigos vão ter de ir embora”

Os 12 mil pés de bananas que dobram o morro da fazenda do produtor rural Argenor Siqueira, de 63 anos, são herança das primeiras formas de produção da região de Casa de Pedra, em Ravena, distrito de Caeté, na Grande BH. Foi o tataravô dele, João Pinduca, um português que chegou ali trazendo mão de obra escrava, quem começou as atividades. Daquela época em diante, a família foi crescendo e dividindo as terras até formar o povoado que leva nome da casa grande que não existe mais. A vida vida simples, típica da roça, vai mudar com a chegada do Rodoanel Metropolitano Norte, que se encontrará com a BR-381 poucos quilômetros depois das terras do senhor Argenor. “A gente já sente um aperto no coração de saber que alguns parentes e vizinhos que são nossos amigos vão ter de ir embora, porque a casa deles está no caminho da rodovia”, conta o fazendeiro. A abertura da via que promete desviar o tráfego do Anel Rodoviário de BH, poupando muitas vítimas de acidentes e trazendo desenvolvimento, divide opiniões de quem mora ao longo do futuro trajeto.

As estacas fincadas na comunidade de Casa de Pedra já vão tirar um sobrinho e um dentista de BH que são vizinhos imediatos do fazendeiro. “As estacas estão lá, bem perto da estradinha de terra, no rumo da casa do meu vizinho, que é dentista”, diz Argenor. Apesar do susto inicial, há a expectativa de uma melhoria nas condições financeiras. “A gente não sabe em qual parte do terreno vai ser aberta a estrada, mas ficamos preocupados com barulho, movimento demais e com crimes”, afirma o produtor. “Mas tem muita gente por aqui pensando em abrir um bar, um restaurante ou uma venda perto do Rodoanel para melhorar um pouco as condições”, acrescenta.
O uso cada vez mais intenso da Lagoa Várzea das Flores como balneário tem mudado as características de “roça pacata” entre Betim e Contagem, onde cresceu o lavrador Geraldo Elias da Costa, de 50. “Vem gente demais para cá. Carros e cavalos ficam estacionados na beira do lago, a gente escuta som alto demais que atravessa até os morros e entra dentro da casa das pessoas que vivem aqui”, conta. Ao saber que parte da mata ciliar que envolve a Várzea das Flores será retirada e que o Rodoanel trará um fluxo estimado em 70 mil veículos, o lavrador se lamenta. “A gente vai desconhecendo o lugar. Vai deixando de ser o que a gente conhecia”, opina. Naquelas terras, onde hoje o trabalhador rural “bate pastos” (capina) e faz pequenas manutenções numa fazenda, Geraldo aprendeu a pescar com os amigos, montava cavalos para ir a vendas e visitar vizinhos. “A gente tem muitas lembranças que vão indo embora, mas que não têm mais volta”, diz.

Transformações Para a auxiliar administrativa Lucinda Maria de Souza, de 48 anos, que vive em Contagem e costuma visitar a irmã no Bairro Colonial, no outro lado da cidade, a construção do Rodoanel pode facilitar seu transporte. “A gente ganha uma forma mais direta de chegar onde precisa, sem ter de passar dentro das ruas dos bairros, principalmente se tiver ônibus”, afirma. Mas, ao olhar adiante, na Avenida das Palmeiras, que segundo o projeto se tornará parte da rodovia, a mulher avistou a sobrinha, Ana Tomás, de 11, empinando uma pipa enquanto corria pelas ruas sem se preocupar com o tráfego quase insignificante. “O que pode acontecer é mudar muito para as crianças. Não vai dar mais para deixar criança pequena solta em beira de rodovia”, prevê.
Para o consultor Paulo Eduardo Borges, doutorando em análise ambiental pela UFMG, o Rodoanel trará benefícios imediatos para a produção econômica, industrial e se tornará uma forma de escoamento produtivo e acesso para cidades como Betim – onde estão instaladas grandes empresas, como Fiat e Petrobras. Mas ele alerta para a necessidade de ações no transporte público.

 

FONTE: Estado de Minas.



%d blogueiros gostam disto: