Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: ECA

BESTSELLER HÁ MAIS DE 20 ANOS, Cavalo de Tróia é o nome de uma operação secreta da Força Aérea dos E.U.A que em 1973 transportou 2 astronautas aos anos 30 e 25 de nossa era.
Cavalo de Troia
Uma viagem ao passado, à Palestina de Jesus de Nazaré, cujo objetivo era conhecer em primeira mão a vida, a obra e o pensamento do Filho do Homem. Os protagonistas desta viagem são Eliseu, o piloto e Jasão, o major, que se torna a testemunha ocular da vida, Paixão, Morte, Ressurreição e “Ascensão” do Galileu.
JJ Benitez
O diário das memórias do major acabaram nas mãos do autor, J.J. Benítez, que traça o perfil mais humano, completo e rigoroso do rabi em 9 volumes (AINDA NÃO CONSEGUI O ÚLTIMO VOLUME).

JERUSALÉM
Operacao Cavalo de Troia I

MASSADA
Operacao Cavalo de Troia II

SAIDAN
Operacao Cavalo de Troia III

NAZARÉ
Operacao Cavalo de Troia IV

CESAREIA
Operacao Cavalo de Troia V

HERMÓN
Operacao Cavalo de Troia VI

NAHUM
Operacao Cavalo de Troia VII

JORDÃO
Operacao Cavalo de Troia VIII

Informamos que por exigência do provedor (abaixo) este link foi removido

We have received a DMCA Takedown Notice (http://automattic.com/dmca/) 
for the following material published on your WordPress.com site:

https://universobh.files.wordpress.com/2013/01/operacao-cavalo-de-troia-viii.pdf

As such, we were legally required to remove the material from our servers.

A REBELIÃO DE LÚCIFER – JJ BENITEZ
http://api.ning.com/files/g2VI7LNGYgY2DW0kJ0zcDhixMPKtni4lKdrSHB9obEj4i0GQXb79Fh0E-DZBoF1SnJhn1HgnvpeqN6N-K8wDHzBn6MEW/JJBenitezARebeliodeLcifer.pdf

O Dia do Relâmpago – J. J. Benitez

O NOME DA ROSA – UMBERTO ECO
O nome da rosa

OS ASTRONAUTAS DE YAVEH – JJ BENITEZ

Clique para acessar o OsAstronautasdeYavehJ.J.Benitez.pdf

A Guerra dos Tronos – George R. R. Martin – As Crônicas de Gelo e Fogo – conhecimentovaleouro.blogspot.com by @viniciusf666

 

Assassinato de Reputacoes – Romeu Tuma – Romeu Tuma Junior

 

O CÓDIGO DA VINCI – DAN BROWN
http://api.ning.com/files/C0I9KbOykT62c5BAFTIPxGjQqW016bV0zVG-1-K8v1pkibWdrWsPJUaakRqgYZNO4dSYifVad3EKlQOM7cOV5PVTeipu/dan_brown__o_codigo_da_vinci.pdf

O CRIME DO PADRE AMARO – EÇA DE QUEIROZ

Clique para acessar o ocrimedopadreamaroph000226.pdf

Piratas do Vale do Silício: Microsoft x Apple (filme):

Pirates of Silicon Valley

A GUERRA DOS TRONOS – George R. R. Martin

A Guerra dos Tronos – George R. R. Martin – As Crônicas de Gelo e Fogo

Queen – Rock in Rio – Completo

Queen – Wembley – Completo

Vips – Histórias Reais de um Mentiroso

VIPs – Histórias Reais de um Mentiroso – Mariana Caltabiano

O Nobre Deputado – Marlon Reis – Relato chocante (e verdadeiro) de como nasce, cresce e se perpetua um corrupto na política brasileira.

 


Decisão | 31.12.2012

“O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), no artigo 243, prevê, expressamente, que constitui crime ‘vender, fornecer ainda que gratuitamente, ministrar ou entregar, de qualquer forma, a criança ou adolescente, sem justa causa, produtos cujos componentes possam causar dependência física ou psíquica, ainda que por utilização indevida’”.

Com base nesse entendimento, o desembargador Silas Rodrigues Vieira, integrante da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), confirmou sentença do juiz da comarca de Carmo do Paranaíba que condenou uma comerciante, D.A.O., a dois anos de detenção, em regime aberto, acrescidos de 10 dias-multa, pelo crime de venda de bebida alcoólica à menor de idade B.R.S. A pena privativa de liberdade foi substituída por duas restritivas de direitos nos termos do artigo 44 do Código Penal Brasileiro.

A comerciante alega que a adolescente tinha aparência de adulta, pois seu tamanho era incompatível com sua idade, motivo pelo qual entende ser descabida a condenação.

Para o relator do recurso, desembargador Silas Rodrigues Vieira, os comerciantes não podem se esquivar das sanções penais e administrativas servindo-se do fato de um adolescente aparentar ser maior de idade. O relator ressalta que, se é verdade que a menor fazia uso de bebida alcoólica na companhia de sua mãe, como alegado pela defesa, a irresponsabilidade da genitora não exclui a responsabilidade da comerciante.

“A proibição da venda de bebidas alcoólicas se dá em virtude da proteção e da fragilidade dos menores, que muitas vezes não possuem o discernimento e a maturidade para conhecer e assumir os riscos do consumo”, explica o desembargador Silas Vieira.

Assessoria de Comunicação Institucional – Ascom
TJMG – Unidade Goiás
(31) 3237-6568
ascom@tjmg.jus.br

recurso n° 1.0143.08.019373-1/001



%d blogueiros gostam disto: