Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: falso

Kim Jong-un usou passaporte brasileiro para viajar por vários países

Reuters publicou a imagem do passaporte do ditador norte-coreano

A agência de notícias Reuters, divulgou nesta terça-feira (27) imagens de passaportes brasileiros utilizados pelo ditador norte-coreano Kim Jong-un e seu pai, Kim Jong-il. Segundo uma fonte da agência, os líderes obtiveram os documentos de maneira fraudulenta para conseguir vistos e viajar por países ocidentais. Isso teria ocorrido durante a década de 1990.

O passaporte de Jong-il foi emitido em nome de Ijong Tchoi, com data de nascimento de 4 de abril de 1940. Ele morreu em 2011. Sua verdadeira data de nascimento foi em 1941. O de Jong-Un tem o nome de Josef Pwag, com data de nascimento de 1° de fevereiro de 1983.

Kim Jong-un foi educado em uma escola internacional em Berna, Suíça, onde fingiu ser filho de um motorista da embaixada.

Ver imagem no TwitterVer imagem no Twitter

EXCLUSIVE: North Korean leaders used Brazilian passports to apply for Western visas in 1990s, sources tell

 Ambos os passaportes têm um selo dizendo “Embaixada do Brasil em Praga”. As fontes de segurança da agência disseram que a tecnologia de reconhecimento facial confirmou que as fotografias eram realmente dos líderes norte-coreanos. Eles indicam que o local de nascimento de ambos é São Paulo.

A embaixada da Coreia do Norte no Brasil se negou a comentar o caso. O Ministério das Relações Exteriores do Brasil disse que estava investigando o caso.

.

FONTE: O Tempo.


Confira a lista de 43 marcas de azeite reprovadas pelo Ministério da Agricultura

O principal problema apresentado é a presença de azeite não refinado e misturado com óleo de soja

 Após análises realizadas no Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro), no Rio Grande do Sul, o Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (Mapa) decidiu retirar do mercado 43 marcas de azeites de oliva consideradas impróprias para o consumo, com indícios de fraude. Foram avaliados 76 produtos de empresas brasileiras. Segundo o Mapa, entre os problemas encontrados, o principal foi a presença de azeite “lampante” (não refinado) e outros óleos, como o de  soja, que não são permitidos pela legislação. Em 311 amostras coletadas em todo o país também havia erros de informação nos rótulos.
De acordo com a auditora fiscal federal agropecuária Fátima Parizzi, coordenadora geral de Qualidade Vegetal do departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal, no período de abril a novembro de 2017 foram fiscalizadas 76 marcas e realizadas 240 ações fiscais em todo o Brasil.
PexelsO Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento avaliou 76 marcas de azeite de todo o Brasil e encontrou problemas em 43 delas, especialmente a presença de óleo não refinado
Das amostras encaminhadas ao Lanagro, laboratório oficial do Mapa, 33 apresentaram resultados dentro dos padrões de qualidade estabelecidos pelo ministério. Para o azeite de oliva, em 43 amostras, os exames laboratoriais resultaram em problemas, por se enquadrarem como “fora do tipo” ou “desclassificado”. O Mapa já proibiu a comercialização e os produtos estão sendo retirados do mercado.

Conforme a auditora fiscal, de outubro de 2016 a fevereiro de 2017, o Brasil importou 650 mil l de “azeite lampante”. A partir de março de 2017, quando se intensificaram as ações de fiscalização e o acompanhamento técnico dos lotes, desde a origem até o processamento, a importação passou para “apenas” 84 mil l.

“Além das medidas punitivas aplicadas pelo Mapa, as informações sobre as empresas fraudadoras foram repassadas aos Ministérios Públicos Estaduais e também ao Federal. Até o momento, foram assinados quatro Termos de Ajustamento de Conduta no Paraná. Processos de investigação estão em andamento em outros estados que, com certeza, demandarão novas ações corretivas e consequentes punições”, esclarece Fátima Parizzi.

Alerta para os consumidores

“Praticamente 100% das marcas envasilhadas no Brasil apresentaram problemas, enquanto que nas marcas envasilhadas no país de origem são mínimos os índices de não conformidade”, comenta a auditora.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento orienta os consumidores a ficarem atentos à denominação de venda do produto descrito no rótulo. O termo “azeite de oliva” pode aparecer em destaque, mas, nas letras miúdas podem constam as expressões “óleo misto ou composto, temperos e molhos”. É preciso atentar para as promoções, pois, um frasco de azeite de oliva contendo 500 ml, raramente, será comercializado com preços inferiores a R$ 10.

As informações relativas à qualidade do azeite de oliva virgem devem constar em área importante do rótulo – pode ser usada a expressão “extra virgem”. Para o azeite descrito como composto, devido à mistura de azeite de oliva virgem com o refinado, é preciso constar a informação “tipo único”.

Aqui estão os azeites reprovados nos testes do Mapa:

  1. Aldeia da Serra
  2. Andaluzia
  3. Anna
  4. Barcelona
  5. Casablanca
  6. Castelo Real
  7. Chef Ávilo Clássico
  8. Conde de Torres
  9. Do Chefe
  10. Dom Gameiro
  11. Donana Premium
  12. Don Léon
  13. Faisão Real
  14. Faisão Real Gourmet
  15. Figueira da Foz
  16. Imperatore
  17. La Española (lote 20616)
  18. Lisboa
  19. Lisboa Premium
  20. Malaguenza
  21. Marisa
  22. O Vira
  23. Olivenza
  24. Paschoeto
  25. Pazze
  26. Porto Valência
  27. Pramesa
  28. Quinta D’Aldeia
  29. Quinta da Boa Vista
  30. Quinta do Cais
  31. Quinta do Fijô
  32. Restelo
  33. Rioliva
  34. San Domingos
  35. Santa Isabel
  36. Serra de Montejunto
  37. Temperatta
  38. Tordesilhas
  39. Torezani Premium
  40. Torres de Mondego
  41. Tradição
  42. Vale Fértil
  43. Vila Verona

Abaixo, a lista das marcas aprovadas nos testes do Mapa:

  1. Andorinha
  2. Báltico
  3. Beirão
  4. Belo Porto
  5. Bom Dia
  6. Borges
  7. Borges Clássico
  8. Carbonell
  9. Castelo
  10. Coccinero
  11. D’Aguirre
  12. De Cecco
  13. Dia %
  14. EA
  15. Felippo Berio
  16. Gallo
  17. Great Value
  18. Herdade do Esporão
  19. La Española
  20. La Violeteira
  21. Maria
  22. Monde
  23. Monini
  24. Nova Oliva
  25. Olitalia
  26. O-Live
  27. Oliveira da Serra Clássico
  28. Serrata
  29. TAEQ
  30. Terrano
  31. Verde Louro – Arbosana
  32. Verdemar
  33. Y Barra

FONTE: Estado de Minas.


Homem preso em Confins por suspeita de racismo não é advogado, diz OAB

Segundo a Ordem dos Advogados do Brasil, ele já teve uma inscrição como estagiário, mas não tem carteira definitiva; Polícia Federal disse que ele se apresentou como advogado no momento da prisão.

Advogado Genesco Alves da Silva, preso por suspeita de racismo no Aeroporto de Confins, paga fiança e é liberado (Foto: Reprodução/TV Globo)

Pseudo advogado Genesco Alves da Silva, preso por suspeita de racismo no Aeroporto de Confins, paga fiança

A Ordem dos Advogados do Brasil em Minas Gerais (OAB) afirmou, neste sábado (5), que o homem preso no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte em Confins por suspeita de injúria racial não é advogado. De acordo com a Ordem, ele já teve uma inscrição como estagiário, mas não tem registro definitivo.

Nesta sexta-feira (4), ele foi denunciado por uma atendente de uma companhia aérea por racismo após entregar para ela uma banana. O comandante do voo foi avisado e solicitou a retirada do passageiro, que foi preso pela Polícia Federal. Ele negou que tenha cometido crime de racismo.

De acordo com a PF, Genesco Alves da Silva se apresentou como advogado e estudante de medicina na Bolívia no momento da abordagem dos agentes, quando ele foi retirado do voo que ia para Corumbá (MS). Como o atendimento da corporação foi preliminar, a informação não foi confirmada no momento.

O caso foi levado para a Delegacia de Vespasiano, onde a atendente registrou boletim de ocorrência, porque o suposto crime não aconteceu na área de segurança do aeroporto. No fim do dia, ele pagou fiança de R$ 3 mil e foi liberado. Um inquérito foi aberto para investigar a denúncia de injúria racial.

Entenda o caso

Advogado é preso ao entregar banana para funcionária de companhia aérea na Grande BH

Câmeras do aeroporto mostram o momento em que, durante o check-in para o voo, o passageiro se abaixa, pega alguma coisa, e entrega à atendente. A atendente Aline Campos contou que chorou após receber a banana. Ela comunicou o fato a gerência, que acionou a polícia.

“Retirou uma banana e me deu, falando que eu tinha esquecido. Aí eu fiquei, na verdade, em estado de choque. Porque, principalmente, no século que nós vivemos, a gente ainda viver, ainda ter que ter esse tipo de situação”, afirmou.

“A interpretação, acho que é óbvia para qualquer um, para qualquer uma pessoa que estivesse recebendo. Ele estava me tratando de uma, ele estava tratando como um racismo. Eu, na verdade, não pedi a ele nada”, completou.

Aline Campos (Foto: Reprodução/TV Globo)Aline Campos (Foto: Reprodução/TV Globo)

Aline Campos

Ele negou o crime e disse que tentou ser “agradável” com a atendente. “Eu não consigo vincular essa história que o policial disse pra mim, entre banana e a cor da pessoa. Eu não tenho essa visão porque eu não moro no Brasil. Tentar ser agradável. Agora, esse é o meu jeito. Eu não vou mudar por causa disso. Eu ofereço às pessoas essas coisas”, se defendeu.

A Polícia Civil abriu um inquérito para investigar o caso. A companhia área informou que está prestando assistência à funcionária e que não vai comentar o caso para não atrapalhar o inquérito policial.

.

FONTE: G1.


Estudante é preso ao se passar por advogado no Fórum Lafayette

Aluno do curso de direito foi detido por exercício ilegal da profissão após uma audiência em que ele defendia um réu na 2ª Vara de Tóxicos

Fórum Lafayette

Um estudante do nono período de direito foi preso em flagrante nesta quinta-feira (27) depois de se passar por advogado em uma audiência na 2ª Vara de Tóxicos no Fórum Lafayette, em Belo Horizonte.

Segundo a Polícia Militar (PM), a juíza responsável pela audiência foi informada ao término da sessão de que o estudante, que representava um réu, não tinha inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Ela deu voz de prisão ao rapaz por exercício ilegal da profissão e chamou a PM.

“Quando chegamos ao fórum, o rapaz se entregou tranquilamente e admitiu o crime”,contou o tenente Jacó, da 5ª Companhia do 1º Batalhão da PM. “Ele disse que já é formado em contabilidade e que fez isso porque é doido para ser advogado”, completou.

A reportagem tentou contato na noite desta quinta com a assessoria de imprensa da OAB e com a faculdade onde estuda o rapaz, mas as ligações não foram atendidas.

.

FONTE: O Tempo.


Mapa identifica 45 marcas de azeite fraudados

Irregularidades são praticadas por envazadoras que misturam óleos vegetais a derivado de azeite impróprio para consumo

Irregularidade mais comum é a mistura de óleos com azeite impróprio para o consumo

Irregularidade mais comum é a mistura de óleos com azeite impróprio para o consumo

 

 O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) identificou irregularidades em 45 marcas de azeite entre 140 coletadas nos últimos dois anos. As amostras foram colhidas em 12 estados e no Distrito Federal, num total de 322.329 litros (dos quais 114.750 litros considerados conformes e 207.579 litros com problemas). A equipe de fiscalização inspecionou 279 amostras de 214 lotes. Do total, 38,7% dos lotes tinham problemas e 79% das irregularidades eram relacionadas a baixa qualidade (produto ruim vendido como bom).

A fraude mais comum praticada por empresas envazadoras é a utilização de óleo vegetal com azeite lampante, que tem cheiro forte e acidez elevada, (extraído de azeitonas deterioradas ou fermentadas) e que não deve ser destinado à alimentação. No Paraná, foram identificadas empresas que vendiam produto como azeite de oliva, mas com composição de 85% de óleo de soja e 15% de lampante. As fraudadoras foram autuadas, multadas em até R$ 532 mil por irregularidade encontrada e os produtos foram apreendidos para descarte. As empresas também foram denunciadas ao Ministério Público. O próximo passo é a abertura de inquérito policial.

Clique nos links abaixo para ver as listas completas.

Entre as  marcas que apresentaram irregularidades estão a Astorga, Carrefour, Almeirim, Conde de Torres, entre outras. E entre as marcas que passaram nos testes, encontram-se Andorinha, Aro, Apolo, Borges, Belo Porto, Carrefour Discount e outras.

O azeite de oliva virgem pode ser classificado em três tipos: o extra virgem (acidez menor que 0,8%), virgem (acidez entre 0,8% e 2%), lampante (acidez maior que 2%). Os dois primeiros podem ser consumidos in natura, mantendo todos os aspectos benéficos ao organismo. O terceiro, tipo lampante, deve ser refinado para ser consumido, quando passa a ser classificado como azeite de oliva refinado. A análise é complexa, exige treinamento e equipamentos sofisticados. As análises também apontaram azeites desclassificados (que podem não ser considerados como azeite) e fora de tipo (não tem boa qualidade).

Os estados onde foram registradas mais irregularidades foram São Paulo, Paraná, Santa Catarina e o Distrito Federal, onde se concentram o maior número de empresas que envazam o produto. Os envazadores, que importam a granel, principalmente da Argentina, foram os que apresentaram maiores irregularidades.

Segundo o secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, Luis Rangel, os resultados obtidos com a fiscalização do azeite de oliva demonstram a eficiência das ações de fiscalização, evitando que esses produtos cheguem à mesa do consumidor”. As análises são realizadas pelos Laboratórios Nacionais Agropecuários (LANAGRO) do Rio Grande do Sul e de Goiás.

O Mapa intensificou a fiscalização de azeite de oliva, desde a semana passada, coletando amostras direcionadas, junto às empresas que apresentaram irregularidades nos últimos dois anos. Os resultados de 2017 serão divulgados posteriormente. Apenas na primeira semana de abril de 2017, foram recolhidos 243 mil litros do produto com suspeita de fraude.

O Brasil é o terceiro maior importador de azeite de oliva do mundo, segundo dados do Comitê Oleícola Internacional (COI). Em 2016, importamos cerca de 50 milhões de toneladas do produto.

Dicas
Para o consumidor evitar ser enganado, a primeira coisa na qual deve prestar atenção é o preço: desconfie se estiver muito abaixo do padrão. Verificar no rótulo o local em que foi envazado, se no país de origem, por exemplo, pode dificultar fraude, como misturas. Além disso, especificações como o termo tempero em letras miúdas e, em destaque, azeite de oliva. Não se trata de azeite adicionado de especiarias, mas de tempero vendido como azeite de oliva. Qualquer adição ou mistura com outros óleos vegetais requer que o produto seja rotulado como “Óleo misto ou composto”, devendo o consumidor ser obrigatoriamente informado sobre os percentuais que compõem a mistura. Também é importante estar atento à data de validade e aos ingredientes contidos.

.

FONTE: MAPA.


Veja o vídeo e leia o texto logo abaixo…

“Ambev, fabricante das cervejas Brahma, Antartica, Skol e outras, moendo cevada em sua principal fábrica em São Paulo. Os pombos são atraídos p/ cevada e acabam moídos junto. Tudo vai na cerveja. Funcionário filmou escondido e disse que não adianta denunciar porque nada é feito contra os gigante das cervejas.
“Tudo é proteína”, dizem os diretores.”

 

.

FONTE: boatos.org


Abrigo Cão Viver foi alvo da prática, mas percebeu ação de criminosos a tempo

Cão Viver

Cão Viver tem atualmente 120 cães e 60 gatos para adoção e faz castração de baixo custo

Quem vive de resgatar animais do abandono sabe que o trabalho é infinito e que toda colaboração é bem-vinda. Mas, em vez de apoio, o abrigo Cão Viver, em Contagem, na região metropolitana da capital, por pouco não caiu em um golpe. Estelionatários simularam um depósito na conta da associação e depois solicitaram devolução de parte do dinheiro, alegando um equívoco na hora de fazer a transação. O objetivo era fazer mais um alvo do “falso depósito”, modalidade que tem se repetido até cinco vezes por semana, segundo agentes de banco.

Embora não tenha dados, a Polícia Civil também conhece a prática e informou que a população deve ficar alerta. O caso da Cão Viver ocorreu na sexta-feira passada, quando um homem ligou para a associação dizendo que queria doar R$ 2.000, mas que o financeiro de sua empresa tinha feito o depósito errado, de R$ 9.800, que era para um fornecedor. O suposto doador conseguiu ainda o celular da presidente da entidade, Mariza Catelli, e ligou para ela de um número com DDD 65, do Mato Grosso (MT).

“Ele disse que seu filho morava em Belo Horizonte, gostava de animais e pediu para ajudar a Cão Viver. Perguntei o nome do filho dele, mas ele desconversou”, contou Mariza. Segundo ela, o homem era cordial e errava muito o português.

Mariza conferiu o extrato e viu que havia realmente um depósito de R$ 9.800 na conta da associação, no Bradesco, ainda a ser confirmado. O gerente alertou que ela esperasse o dinheiro ser liberado antes de devolvê-lo. Nesse meio tempo, entretanto, a presidente da entidade recebeu vários e-mails dos golpistas cobrando a quantia. “Ele chegou a passar uma conta do Itaú para depósito e dizia que precisava do dinheiro para liberar um caminhão de material perecível em sua empresa. Pedia a devolução de ao menos R$ 2.000”, relatou.

Logo se confirmou que o envelope do depósito estava vazio. “O gerente do banco comentou que esse golpe está acontecendo pelo menos cinco vezes por semana e que várias pessoas estão sendo prejudicadas”, completou Mariza. Ela mandou e-mail para várias ONGs e associações sem fins lucrativos alertando sobre o golpe. “A gente custa a se manter financeiramente, aí vem gente tentando tirar o pouco que temos”, concluiu Mariza.

Informações do abrigo Cão Viver em http://www.caoviver.com.br

Atenção

Sinais. Os golpes de falsos depósitos costumam ocorrer às sextas-feiras, já que a pessoa não terá como comprovar a operação bancária no fim de semana. Desconfie de erros de português em mensagens.
Estudante turco fala sobre o que viveu durante tentativa de golpeVacas magrasSites de doação eleitoral buscam crescer no Brasil

Respostas

Bancos. O Bradesco informou que adota uma rigorosa política de segurança e que o comprovante de depósito feito nas máquinas alerta que o valor entregue está sujeito a conferência. Para depósitos em cheques, aparece no extrato do cliente que o “valor está vinculado”. O Itaú não respondeu.

Febraban. A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informou que cada instituição financeira tem sua própria política de ressarcimento e orientou que as pessoas sempre desconfiem de vantagens financeiras, não recebam créditos de desconhecidos e confiram seus extratos.

DELEGADO
População não deve ‘aceitar’ facilidades

Falso sequestro, falso depósito, falso seguro de vida e por aí vai. O que não falta é golpe e nome para cada modalidade, tamanha é a criatividade dos estelionatários. O chefe do Departamento de Operações Especiais da Polícia Civil (Deoesp), Ramon Sandoli, disse que há dificuldade em investigar esse tipo de caso, já que a maioria das ligações parte de outros Estados.

Além disso, não há uma delegacia especializada para o crime de estelionato nem dados específicos para os golpes aplicados por telefone. De janeiro a maio deste ano, foram registradas 2.848 ocorrências de estelionato na capital e 11.665 em Minas, média de 77 por dia no Estado.

“As pessoas têm que parar de querer vantagens, acreditar em facilidades e prêmios”, afirmou Sandoli. Segundo ele, o crime, muitas vezes, é praticado por presidiário e parte de várias regiões do país. “Não façam nenhum depósito sem antes checar muito bem as informações”, alertou o delegado. (LC)

.

FONTE: O Tempo.



%d blogueiros gostam disto: