Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: faz bem

Pesquisas comprovam que azeite reduz a pressão e

evita que a poluição do ar entupa os vasos sanguíneos

 

Duas recentes pesquisas comprovam os benefícios do produto para

o sistema  cardiovascular

Um estudo divulgado na Conferência Internacional de 2014 da Sociedade Torácica Americana mostrou que pessoas que consomem azeite e são expostas à poluição têm a saúde cardiovascular menos afetada do que as que não tomaram o suplemento (Pedro Motta/Esp. EM)

Se a sua justificativa para usar o azeite de oliva nas saladas é que o alimento faz bem, você         acaba de ganhar um argumento capaz de embasar a escolha gastronômica: o bem-estar do   coração.Duas recentes pesquisas comprovam os benefícios do produto para o sistema cardiovascular.

Um estudo divulgado na Conferência Internacional de 2014 da Sociedade Torácica Americana mostrou que pessoas que consomem azeite e são expostas à poluição têm a saúde cardiovascular menos afetada do que as que não tomaram o suplemento

Em uma, estudiosos do Reino Unido comprovaram que, combinado com legumes, o óleo da azeitona gera ácidos graxos que ajudam a estabilizar a pressão sanguínea. E cientistas americanos descobriram que o tempero recorrente na gastronomia mediterrânea evita o entupimento de vasos sanguíneos provocado pela exposição à poluição.

Um estudo divulgado na Conferência Internacional de 2014 da Sociedade Torácica Americana mostrou que pessoas que consomem azeite e são expostas à poluição têm a saúde cardiovascular menos afetada do que as que não tomaram o suplemento. Partículas expiradas em um ambiente poluído podem entupir vasos sanguíneos. A situação gera uma disfunção endotelial, explica Haiyan Tong , membro da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos.

“Nessa condição, o endotélio, que é o revestimento interno dos vasos, não funciona normalmente. Isso gera um fator de risco para eventos cardiovasculares clínicos e para progressão da aterosclerose.” Tong é um dos autores do estudo divulgado na Conferência Internacional                  de 2014          da Sociedade Torácica Americana.

O experimento foi feito com 42 adultos saudáveis, sendo que, durante quatro semanas, parte         deles ingeriu azeite de oliva e outra, óleo de peixe. Os dois produtos são conhecidos por facilitar      o fluxo de sangue nos vasos sanguíneos. Finalizada a dieta, os voluntários                  entraram em uma     cabine em que respiraram ar poluído. Ao analisar a função endotelial dos participantes, os pesquisadores notaram que somente os que consumiram o óleo da azeitona apresentaram marcadores sanguíneos regulares. “Nosso estudo sugere que o uso de suplementos de azeite      pode proteger contra os efeitos vasculares adversos da exposição a partículas de poluição do       ar”, detalha.

Togn acredita que a descoberta possa auxiliar em tratamentos mais específicos. “Se esses resultados forem replicados em outras pesquisas, o uso desses suplementos pode oferecer um     meio seguro, de baixo custo e eficaz de evitar algumas das consequências para a saúde em decorrência da exposição à poluição do ar”, destaca. Valéria Abraão, nutróloga da Sociedade Brasileira de Nutrição Enteral e Parenteral (SBNPE), ressalta que os efeitos antioxidantes do        azeite já são conhecidos, o que pode ter motivado a pesquisa dos cientistas americanos. “Esse produto tem a molécula ômega e vitamina E, que bloqueia o envelhecimento, desitoxicando o      corpo de substâncias agressivas.”

Mecanismo molecular
Apesar da recomendação antiga para que as pessoas consumam azeite, os cientistas ainda não desvendaram por inteiro a engrenagem por trás dos benefícios proporcionados por ele. “Agora, sabemos de um mecanismo molecular que ajuda a explicar por que essa dieta reduz a pressão arterial”, destaca Phil Eaton, professor de bioquímica cardiovascular da Universidade King’s        College London e um dos autores do estudo publicado na revista americana Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas).

Apesar da recomendação antiga para que as pessoas consumam azeite, os cientistas ainda não desvendaram por inteiro a engrenagem por trás dos benefícios proporcionados por ele ( Zuleika de Souza/CB/D.A Press)

Os cientistas desconfiavam de que a união da gordura presente no azeite com nitritos e nitratos encontrados em vegetais resultava em um ácido graxo responsável por abaixar a pressão arterial. Testaram a substância em camundongos modificados geneticamente para ter hipertensão e observaram que, após a ação do ácido graxo, a enzima hidrolas foi bloqueada e, em consequência, houve queda na pressão das cobaias. “Humanos também têm essa enzima. Achamos que o mesmo acontece conosco”, destaca Eaton. O professor acredita que a descoberta poderá auxiliar na prevenção de doenças relacionadas à pressão alta, como o acidente vascular cerebral e os ataques cardíacos.

Para Yara Aguiar, cardiologista do Hospital do Coração do Brasil, a pesquisa é interessante por explorar suspeitas que rondam a dieta mediterrânea, mas o trabalho necessita de mais estudos, pondera. “Na dieta mediterrânea, temos também o pouco uso do sal e a ingestão de alimentos saudáveis além do azeite. Acredito que o trabalho mostra uma suspeita que já tínhamos, mas que deve ser estudada a fundo, pois, com ratos, ainda não podemos transportar os resultados a humanos com total certeza.”

A médica também acredita que, caso confirmada essa suspeita de benefícios do azeite em humanos, a novidade pode auxiliar na prevenção de um problema cardíaco muito comum. “A hipertensão atinge até 30% da        população, mas poucos sabem que têm essa complicação, e somente 15% dos pacientes a controlam. Quanto mais tivermos medidas que agreguem valor ao tratamento, mais positivo será o controle dessa parcela da população”, completa.

 

Problema crônico
Caracterizada pela formação de placas de substâncias gordurosas nos vasos sanguíneos, a aterosclerose é uma doença inflamatória crônica, que aumenta progressivamente e pode levar à obstrução total das artérias. Geralmente é fatal quando acomete as ligadas ao coração e ao cérebro. Dor no peito (tipo facadas), profundas dores de cabeça e dores nos braços e pernas são indícios da existência do problema. Entre os principais fatores de risco, estão a hipertensão, o sedentarismo, o diabetes, a hiperlipidemia (também chamada de colesterol alto), o tabagismo e o alcoolismo. A retirada das placas de gordura nos vasos sanguíneos pode ser feita por cirurgia    (angioplastia a laser ou cateterismo) e/ou pela ingestão de medicamentos.

FONTE: Estado de Minas.

Cerveja pode ajudar o corpo a retardar o envelhecimento

Pesquisa também analisou o café, que teria efeito oposto ao da bebida

Britain Beer

Quantidade. Pesquisa israelense encontrou efeitos após analisar uma xícara de café e uma cerveja média

Se algum dia a sua dúvida for entre tomar uma xícara de café ou um copo de cerveja, talvez seja melhor escolher a segunda opção, de acordo com uma pesquisa feita por cientistas da Universidade de Tel Aviv (TAU), em Israel. Analisando os sinais moleculares do envelhecimento, os pesquisadores descobriram que a cerveja e o café estão em desacordo em termos de longevidade celular. A nova pesquisa sugere que a levedura da cerveja pode prevenir o envelhecimento das células.

Os estudiosos se basearam no DNA de leveduras expostas à bebida. Cada vez que as células do nosso corpo se dividem, elas fazem cópias das pontas dos cromossomos, que são os chamados telômeros, sequências de DNA. A cada divisão, essas estruturas vão ficando cada vez mais curtas. Isso é o que vai acarretando no envelhecimento celular. Nesse ponto, a cerveja é capaz de desacelerar esse processo de “encurtamento”, retardando o envelhecimento.

A equipe, liderada por Martin Kupiec, professor de microbiologia molecular e biotecnologia da TAU, usou células de levedura para explorar como diferentes fatores ambientais podem afetar o nosso DNA.

“Pela primeira vez, nós identificamos alguns fatores ambientais que alteram o comprimento dos telômeros, e nós mostramos como eles fazem isso”, disse Kupiec. “O que nós aprendemos pode um dia contribuir para a prevenção e o tratamento de doenças humanas”, acredita. O estudo foi publicado na “PLoS Genetics”.

Impacto

Os telômeros são proteínas essenciais que garantem que as fitas de DNA sejam copiadas e reparadas adequadamente.

Um estudo de 2004 pela bióloga molecular Elizabeth Blackburn encontrou telômeros que respondem ao estresse emocional e pode gerar radicais livres nas células.

A equipe TAU ampliou essa investigação, expondo as células de levedura a fatores ambientais causadores de estresse, como temperatura e pH, e mudanças de produtos químicos específicos. Enquanto a maioria desses fatores não teve impacto sobre o comprimento dos telômeros, apenas a quantidade de cafeína em uma xícara de café expresso os encurtou, enquanto uma cerveja média os alongou.

Entretanto, especialistas seguem alertando para os malefícios do consumo excessivo de álcool.

“O que nós aprendemos pode um dia contribuir para a prevenção e o tratamento de doenças humanas”

Alerta

Por outro lado, o excesso de álcool é responsável por uma série de problemas de saúde, como cânceres do sistema digestivo e cirrose.

FONTE: O Tempo.



%d blogueiros gostam disto: