Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: floração

Ipês-brancos já encantam em BH

Flores na Praça da Liberdade: espetáculo dura pouco tempo (Leandro Couri/EM/D.A.Press)

Moradores de Belo Horizonte que já andavam encantados com os ipês-rosas e amarelos se deparam agora com a beleza dos ipês-brancos. A exemplo do que ocorreu com os “primos”, a floração dos ipês-brancos se antecipou este ano, permitindo que diferentes espécies sejam vistas ao mesmo tempo nas ruas da capital.
.
O ipê-branco, como a maioria das outras espécies, é uma árvore típica das estações secas. Nessa época, perde folhas e floresce. A bióloga Maria Guadalupe Carvalho Fernandes, da Fundação Zoobotânica de Belo Horizonte, diz que, normalmente, a floração ocorre do final de agosto até outubro. “Este ano, a floração dos ipês-brancos se adiantou”, diz.
.
A árvore, que chega a 15m de altura, tem copa em formato piramidal e é comum em áreas urbanas por se adaptar bem ao ambiente. O clima de Belo Horizonte é propício à floração. “É uma árvore linda. Deixa a cidade mais enfeitada e alegre. Para mim, o amarelo é o mais bonito, mas todos os outros são maravilhosos”, disse a auxiliar de serviços gerais Andrea Oliveira, de 41 anos.
.
Especialistas, porém, fazem um alerta: moradores têm pouco tempo para apreciar a beleza dos ipês-brancos. “A floração é bastante efêmera. Geralmente, as flores de um exemplar acabam em uma semana”, explica a bióloga Maria Guadalupe Fernandes. A operadora de caixa Siranice da Silva Xistro, de 55 anos, lamenta a rapidez com que as flores brancas caem. “É uma árvore muito grande e bonita, queria que durasse mais”, disse.

.

FONTE: Estado de Minas.


Temporada começa mais cedo e ipês-amarelos já dividem espaço com os rosas

Falta de chuva forte antecipou floração, afirma especialista da UFMG

 
FOTOS: CRISTINA HORTA/EM/D.A PRESS

.
Agosto só chega no sábado, abrindo a temporada anual dos ipês-amarelos, mas em muitas ruas de Belo Horizonte a árvore símbolo do Brasil, em flor, já dá o ar da sua graça. No Bairro Sagrada Família, na Região Leste, e no São Luís, na Pampulha, há exemplares que reluzem feito ouro e enchem de orgulho os moradores, cientes da importância da flora urbana para humanizar a cidade, reduzir o estresse e colorir o dia a dia. Com a falta de chuvas fortes há meses, a expectativa é que de a floração seja mais intensa este ano, prevê o professor João Renato Stehmann, do Departamento de Botânica da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

.
Residente há 30 anos na Rua Henrique Cabral, no São Luís, a enfermeira Catarina Bicalho Modesto Aliprandi, casada, mãe de três filhos e se preparando para ser vovó, diz que a família inteira é apaixonada pelo ipê- amarelo. Em frente à residência há dois deles, e Catarina revela o início da admiração pela árvore. “Tudo começou no início do século 20. Meu avô, Luiz dos Santos Bicalho, falecido em 1950, era fazendeiro no distrito de Viçoso, em Santa Cruz do Escalvado, na Zona da Mata. Era o que se pode chamar de ‘barão do café’, um homem também muito severo.”
.
Naqueles tempos distantes, conta Catarina, a disputa pelas terras era um fato que poderia virar guerra no meio rural. “Mas no caso do meu avô, foi por causa de um ipê frondoso localizado bem na divisa da propriedade com o vizinho. Quando ele estava florido, de tão bonito que era, o vizinho mudava a cerca de lugar, como se fosse dele; meu avô, muito bravo, não aceitava e então voltava com o arame para o limite anterior. E assim iam brigando, sem maiores consequências, felizmente. A história passou de geração a geração e tomamos muito amor pelos ipês-amarelos.”

.
No quintal da casa, Catarina guarda uma muda de bom tamanho, pronta para ir para o chão. Mas são as duas árvores do passeio que chamam a atenção. “A maior tem 32 anos, pois me lembro de que, quando a plantei, ela estava com uns dois anos. A outra, menor, nasceu com a semente da primeira. Pena que cortaram uma que havia bem ali”, aponta Catarina para o outro lado da rua. Sempre de olho nas copas, a enfermeira afirma que as flores chegaram mais cedo este ano. “Acredito que foi a falta de chuvas, embora não seja indicado molhar muito o ipê, só de vez em quando”.
.
SINCRONIA O botânico João Renato Stehmann explica que o florescimento dos ipês está sincronizado com o clima. “Se o outono não tem chuvas, ocorre uma antecipação das flores, como ocorre agora. Se há muita chuva, elas vêm mais tarde”, afirma. Em Minas, há 20 espécies diferentes, com incidência de cinco em Belo Horizonte (dois amarelos, rosa, branco e roxo) e vale destacar, segundo o botânico, que a floração dos ipês-amarelos se dá numa época em que as demais árvores estão com a copa verde, só com as folhas. “Ipês-amarelos são nativos da mata atlântica e do cerrado e Belo Horizonte está numa área de transição”, diz o professor, lembrando que, na sequência, virão o jacarandá-mimoso e a sibipiruna para colorir BH.


i

.
Quem passa na Rua Nancy de Vasconcelos Gomes, na Sagrada Família, não deixa de admirar o ipê que se tornou referência na região. Refletido no parabrisa dos automóveis, salpicando os arbustos de flores que giram no ar ao cair ou formando tapetes no asfalto, a árvore só merece elogios do engenheiro José Oscar de Almeida, morador há 12 anos do bairro. “Sou de Itabira (na Região Central), então sempre admirei muito os ipês. Para mim, as árvores representam a vida e devemos preservá-las a qualquer custo.”
.
Na tarde de ontem, José Oscar não se cansava de admirar a bela moldura da rua onde mora. “Que seria de nós se não houvesse árvores assim? Uma vez, cortaram um ipê num lote vago logo ali. Foi triste. Ainda que retiraram uma palmeira-imperial e a transplantaram”, disse o engenheiro, com alívio.
.
“Semana que vem, o meu ipê estará maravilhoso. Estou na maior espera”, aguarda com ansiedade a dona de confecção Vera Vieira, moradora da Rua Anhanguera, no Bairro Santa Tereza, também na Região Leste. Para compensar, ela descansa os olhos, quando sai para trabalhar, nas buganvílias que se debruçam sobre o muro do vizinho. Quem cuida é Jorge Lopes dos Santos, natural de Santa Maria do Suaçuí, na Região do Rio Doce. “Não sou jardineiro, só empregado da casa e gosto muito de cuidar da natureza”, explica..

Enquanto isso…

…’Tapetes’ de pétalas rosas

.

Os ipês no tom rosa se despendem da capital, mas muitos ainda tingem as ruas, num belo espetáculo. De lembrança, deixam nos asfalto tapetes formados pelas pétalas que caem bem devagarinho dos galhos. Quem passa na Rua Marechal Deodoro, no Bairro Floresta, na Região Leste, pode admirar a nova paisagem. Mas é bom andar depressa e ter sorte, pois os garis têm que fazer o seu serviço e deixar as vias públicas limpas.

.

FONTE: Estado de Minas.


Ipês-rosa florescem antes e encantam moradores de BH

Floração do ipê-rosa, que encanta moradores de BH, veio mais cedo neste ano, enchendo de cor as principais vias da capital. Pena que as flores vivam só uma semana e depois caem

Jair Amaral/EM/D.A Press

Uma cidade mais colorida neste começo de inverno de manhãs e tardes iluminadas. A floração do ipê-rosa, planta usada na arborização de muitas ruas, avenidas e praças da capital, veio mais cedo e tem atraído os olhares dos belo-horizontinos, que não se cansam de admirar e fotografar as árvores floridas. As imagens são compartilhadas nas redes sociais, em especial o Instagram.
.
Segundo a professora Rosy Mary dos Santos Isaias, do Departamento de Botânica da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), normalmente a floração da planta, típica do inverno e início da primavera, ocorre com maior intensidade em agosto e setembro, se prolongando até meados de outubro, mas, desta vez, o rosa intenso das flores se antecipou.
.
A beleza da planta faz com que ela seja comum nas áreas urbanas, mas o ipê-rosa tem outra função importante: ajudar na recomposição das matas ciliares. Para quem se encanta com as flores do ipê-rosa, a professora Rosy Mary deixa um alerta: “Desfrute a beleza das árvores o quanto antes, pois as flores duram no máximo uma semana e depois caem”.

 

 

Jair Amaral/EM/D.A Press

.

FONTE: Estado de Minas.



%d blogueiros gostam disto: