Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: furtos

Vítimas de roubo pagam resgate para reaver bens

O iPhone de Ramiro Cruz Filho chegou pelo Sedex após ele desembolsar R$ 340

Imagine a revolta: você compra um objeto com o dinheiro do seu trabalho, tem esse bem furtado e depois é contatado pelo próprio criminoso tentando lhe vender o que já era seu. Atitudes ousadas como essa se repetem, garantindo a liquidez do “negócio” para bandidos e dando às vítimas a sensação de impotência.

O estudante Ramiro Cruz Filho, de 23 anos, passou por essa experiência. Morador de Conselheiro Lafaiete, na região Central de Minas, ele teve o iPhone furtado numa micareta em Ouro Branco em 22 de novembro.
Na mesma noite, o pai do estudante enviou uma mensagem de texto para o número, avisando que o celular estava perdido e que quem o encontrasse fizesse a gentileza de devolver.

“Ficamos muito chateados porque, além da perda material (o aparelho custou quase R$ 3 mil), havia fotos de família e documentos pessoais armazenados no telefone”, relata o pai.

Semana passada, mais de quatro meses depois do sumiço do iPhone, o SMS foi respondido com uma ligação do Rio de Janeiro.

Do outro lado da linha, um homem disse que comprou o celular e que teria ficado sensibilizado ao ler a mensagem deixada por Ramiro.

Eles combinaram o envio do aparelho por Sedex. O pai “comprou” o celular de volta por R$ 340, incluindo os custos da postagem. O remetente nunca informou como ou de quem conseguiu o aparelho.
Situação semelhante passou a estudante de comunicação L.V., de 26 anos, que prefere não se identificar por medo de represálias.

No ano passado, ela teve um HD externo furtado na região Noroeste de Belo Horizonte e, dias depois, recebeu a ligação da pessoa que estava com ele. Era o dono de uma loja de suprimentos de informática.

“Ele disse que o comprou por R$ 50 para ajudar uma criança usuária de drogas e que queria o valor de volta”.

Apesar de ter o boletim de ocorrência em mãos, L.V. preferiu não acionar a polícia, afinal, o homem estava com milhares de fotos de família e documentos pessoais, incluindo o currículo dela, com endereço e contatos.

FONTE: Hoje Em Dia.


Esse tipo de ocorrência representa 73% dos casos no Aeroporto Internacional Tancredo Neves. Só os de bagagens aumentaram 47% entre 2012 e 2013. Extravios e danos cresceram também

 

ATENÇÃO, SENHORES PASSAGEIROS »Ladrões à solta em Confins

Aeroporto registrou 2.423 ocorrências policiais no ano passado, 1.776 delas (73%) por furto

A quantidade de furtos de bagagem ou de seu conteúdo foi a que mais subiu, 47%, saltando de 72 em 2012 para 106 em 2013. O número real de casos, porém, deve ser bem maior, já que muita gente só descobre que foi roubada ao abrir a mala em casa e não dá queixa, enquanto outros reclamam apenas com a companhia aérea. As polícias Civil e Federal informaram ter intensificado investigações, inclusive nas áreas internas do terminal, onde se suspeita da ação de um grupo especializado. Um problema é que 3 mil pessoas circulam por locais próximos ao trânsito de bagagens. Outro são as conexões, que dificultam saber onde as malas foram violadas.

O celular ao ouvido e os movimentos contidos ajudam a disfarçar a aproximação do alvo. Sem ser notado, o homem de boné e camisa laranja, aparentando 60 anos, chega ao lado da fila do check-in do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Grande BH, e num golpe rápido pega a bolsa que uma passageira que despachava  bagagem deixou dependurada no carrinho. Ao fugir, ele ainda troca de roupa. O ladrão fugiu com cartões de crédito e débito, dois celulares, óculos e dinheiro. A cena, de uma filmagem da Polícia Civil, foi gravada em julho e tem sido constante. No meio da confusão das obras de ampliação do terminal e das longas filas de quem chega ou parte, os passageiros de Confins se tornaram vítimas de criminosos. As ocorrências aumentaram 3% entre 2012 e o ano passado, de 2.345 para 2.423. Só em 2013 foram 1.776 (73% do total de crimes) casos de furtos.

Apesar de todas as restrições de acesso às esteiras, repartições e transporte por onde passam as bagagens despachadas ou que chegam ao aeroporto, o furto de bagagens aumentou 47%, passando de 72 casos em 2012 para 106 no último ano. Devido ao aumento vertiginoso, as polícias Civil e Federal intensificaram ações e investigam suspeitos que aparecem em imagens das câmeras de segurança estudando o comportamento dos passageiros e funcionários dos aeroportos. Só os policiais civis abrirão mais 10 inquéritos para apurar a ação desses bandidos.

O delegado responsável pela unidade da Polícia Civil no aeroporto de Confins, Jonas Tomazi, afirma que fora do saguão é muito difícil apurar os furtos de bagagens. “Depois do check- in há o tempo para a mala chegar ao avião. Nesse caso, os furtos são praticados essencialmente por funcionários de empresas aéreas”, afirmou.

Um dos métodos dos ladrões para levar pertences de dentro das malas é o uso de caneta para abrir o fecho e puxar o lacre, durante o despacho, sem que ninguém perceba o crime. Ocorrências em conexões também são comuns. “Nesse caso, fica difícil saber o local do fato, pois muitas malas já chegam violadas a Confins..
Segundo o delegado chefe do Núcleo de Polícia Aeroportuária da Polícia Federal, Flávio Hélcio Braga, as reclamações de furtos de bagagem aumentaram na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e na Infraero no fim do ano passado, o que motivou levantamentos paralelos do setor de inteligência da PF para tentar descobrir grupos especializados em furtar malas, mesmo o crime não sendo atribuição da corporação.

O delegado chama a atenção para o fato de cerca de 3 mil pessoas transitarem 24 horas por dia pela área onde as malas aguardam a chegada das aeronaves. São mecânicos, comissários, carregadores, entre outros. “Na última reunião de segurança com a Infraero e as empresas, solicitamos que as companhias voltem a usar o fiscal de mala, mas elas resistem”, afirmou o delegado.

Não é difícil encontrar quem foi vítima dos ladrões. O adolescente Bernardo Caldas de Medeiros, de 13 anos, resolveu averiguar sua mala logo depois de chegar a Confins, vindo de Natal (RN). O jovem ficou sem reação ao ver que suas roupas e as camadas de papel usadas para embalar o perfume favorito estavam reviradas e o vidro de cosmético havia desaparecido. “Demorei a entender que tinha sido roubado. Reclamei com a companhia e com o aeroporto. Pegaram meu e-mail e até hoje não fui ressarcido”, lamentou. “A gente se sente impotente e insegura, porque só descobre que foi roubada em casa, quando abre a mala”, afirmou a avó de Bernado, Marisa Rotheia Medeiros, de 71.
Ao retornar do Marrocos, em dezembro, o engenheiro civil Frederico Sena, de 43, percebeu que sua mala havia sido alvo de tentativa de furto. O bolso superior externo tinha um grande corte por onde ele diz acreditar que funcionários de um dos aeroportos por onde passou (Marrakesh, São Paulo ou Confins) tenha tentado furtar seus pertences. Por isso, agora, ele só viaja com as bagagens embaladas em filme protetor. “Além de (as companhias) tratarem suas malas sem qualquer cuidado, não temos segurança também”, destacou.

NÃO FIQUE “VOANDO” NO AEROPORTO

Dicas para tentar evitar furtos e outros problemas

» Fique atento à sua bagagem, nunca fique de costas enquanto as carrega ou durante a fila do check-in

» Feche bem as malas antes de despachar pela companhia aérea. Passe fita adesiva, ponha cadeado e verifique o interior da bagagem assim que a retirar da esteira

» Evite despachar objetos eletrônicos, joias, câmeras fotográficas ou objetos de valor na bagagem

» Quando usar as dependências do aeroporto fique atento aos seus pertences, como celulares, malas e computadores

» Se observar qualquer irregularidade, denuncie anonimamente pelo telefone 181

FONTE: Estado de Minas.


Sem fiscalização, entorno de universidades que têm cursos noturnos em BH é tomado pelo caos. Faltam ônibus e segurança; sobram infrações e transtorno para comunidade acadêmica e vizinhos

Sinal verde para o transtorno: mistura de vans escolares, coletivos e carros particulares no horário de saída dos cursos é garantia de trânsito travado em bairros como o Buritis (Marcos Vieira/EM/D.A Press)
Sinal verde para o transtorno: mistura de vans escolares, coletivos e carros particulares no horário de saída dos cursos é garantia de trânsito travado em bairros como o Buritis

O relógio aponta 22h30 em Belo Horizonte, um horário que, na teoria, deveria ser marcado pela calmaria nas ruas. Mas não é bem o que acontece na prática em regiões da capital que têm uma característica em comum: abrigar universidades que oferecem cursos noturnos. A um sinal que indica o fim das aulas, a tranquilidade desaparece como por encanto. Em horários específicos entre as 22h e as 23h, na falta de intervenção do poder público, entram em cena o trânsito travado, o estacionamento de qualquer jeito, os furtos e roubos de veículos, o buzinaço, as discussões, os pontos de ônibus lotados e outros tipos de transtornos. Foi a situação comprovada pelo Estado de Minas no entorno de grandes faculdades da cidade nos bairros Buritis e Estoril, na Região Oeste, e Coração Eucarístico e Caiçara, na Noroeste. A falta de organização e de segurança nesses locais faz com que alunos, professores, funcionários e moradores sofram diariamente em um horário que o restante da cidade normalmente se prepara para dormir.

Marcado por um problema crônico de mobilidade, o Bairro Buritis, na Região Oeste da capital, é um dos que mais sofrem com o tumulto causado pela saída de alunos de cursos universitários noturnos. No coração do bairro está o UniBH. Nos limites com o Estoril, bairro vizinho, fica um câmpus da Newton Paiva. Já na Avenida Raja Gabaglia, também no Estoril, há um câmpus da UNA. A soma dessa concentração é um efeito cascata, que começa na Avenida Professor Mário Werneck, onde fica o UniBH, passa pela Rua Paulo Piedade Campos, localização da Newton, e alcança a Raja Gabaglia. “A saída é um inferno. A Mário Werneck fica simplesmente intransitável”, diz o estudante de engenharia civil do UniBH Lucas Ramires, de 22 anos. “Qualquer lugar é lugar para estacionar, não importa onde seja”, critica Marcus Santiago, de 23, que faz engenharia química na UNA.

Para a maioria das pessoas, as vans de transporte universitário estão entre os maiores vilãos do caos que se instala no entorno de grandes centros de ensino noturno. Na falta de local adequado para estacionar – e de fiscalização –, é comum vê-las paradas na fila dupla, em cima de passeios e em outros lugares proibidos. Moradora da Rua Paulo Piedade Campos, no Estoril, em frente à Newton Paiva, a bióloga Lúcia Vasconcellos de Miranda, de 44, já perdeu as contas das vezes que ficou parada à espera de uma oportunidade de chegar em casa depois das 22h. “É simplesmente um caos. Não há nenhuma ordem nem ninguém para ordenar. E a faculdade também não se mostra interessada em resolver o problema”, diz ela. No Coração Eucarístico, onde está localizado o maior câmpus da Pontíficia Universidade Católica (PUC Minas), os moradores também sofrem. O engenheiro Alyson Albuquerque, de 30, já encontrou mais de uma vez carros estacionados na porta de sua garagem. “Costuma travar tudo por aqui. O transtorno é causado pela soma do movimento da escola e dos bares do entorno”, diz ele.

ÔNIBUS Outro problema comum é a lotação dos pontos e dos de ônibus que atendem as comunidades após as 22h. A principal reclamação é a quantidade insuficiente de coletivos para dar conta da demanda de estudantes. Aluno de engenharia de alimentos do UniBH, Demétrius Dias, de 24, afirma que é comum os veículos ficarem até 10 minutos parados esperando todos entrarem. “A gente estuda no período noturno para poder trabalhar e acaba enfrentando a falta de estrutura para desenvolver nossas atividades”, diz ele.

Laís Soares é aluna da UNA da Raja Gabaglia e conta que os coletivos já chegam lotados aos pontos. “Os ônibus passam antes em Nova Lima e nas demais escolas do Buritis. Imagine como estão quando alcançam a Raja”, reclama. Como se não bastasse o problema no transporte coletivo, não é difícil se deparar com uma fila de veículos de passageiros aguardando para chegar aos pontos, o que também complica o tráfego.

O superintendente de Operações da BHTrans, Fernando de Oliveira Pessoa, admite que não há estrutura para fiscalizar o trânsito após as aulas da noite em todos os locais onde há faculdades. Mas afirma que há uma escala para fiscalizar os locais, com a presença de agentes da Guarda Municipal e da Polícia Militar, seguindo um rodízio nas faculdades. Na prática, ele diz que os agentes costumam visitar os endereços uma vez por semana. Nas falta de maior estrutura, sobram críticas para a população. “Gostaríamos que as pessoas tivessem mais consciência e lembrassem que, quando cometem uma infração, elas atrapalham várias outras”, diz.

Sobre a situação dos ônibus, a empresa informou por nota que acompanha o crescimento da demanda gerada pelas instituições de ensino e que são 10 linhas só para a região do Bairro Buritis – onde, aliás, fica a sede da empresa municipal. Mas não explicou o motivo da redução drástica nos horários da maioria das linhas, o que contribui para o caos no sistema na saída de alunos.

Ainda segundo o texto, duas linhas foram criadas no Buritis devido a essa demanda: 205 (Metrô Calafate-Buritis) e SE02, executiva que faz o trajeto até a Savassi. De acordo com o site da BHTrans, os coletivos da linha 205 rodam apenas de 20 em 20 minutos depois das 21h. Já os executivos param após as 19h30.

 

Personagem da notícia

Thiago Mafra Lara
24 anos, universitário

Piora sensível
em seis anos

Já formado em ciências contábeis pelo UniBH, Câmpus Buritis, onde passou quatro anos da vida acadêmica, Thiago resolveu voltar à faculdade para cursar administração. Claramente, ele vê a piora da situação nas vias do entorno, especialmente a Rua Líbero Leone e a Avenida Professor Mário Werneck. Segundo ele, é comum ficar parado até mesmo dentro do estacionamento da instituição por muitos minutos, coisa que não acontecia no início de seu primeiro curso, em 2007. Do lado de fora, o contador afirma que quando os agentes de trânsito da Polícia Militar e da BHTrans estão presentes, a situação é bem melhor. “Quando vem polícia, o trânsito costuma fluir. O problema
é que eles vêm poucas vezes e aí sempre enfrentamos problemas. Sem fiscalização, todo mundo faz o que quer”, afirma.

Saiba mais…
FONTE: Estado de Minas.


%d blogueiros gostam disto: