Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: galo

Desafios de Atlético e Cruzeiro restritos a apenas 1% de chance
Vitória corintiana praticamente selou hexacampeonato, enquanto empate celeste com o Avaí deixou Raposa muito distante do G4
Galo e Cruzeiro 3Willian e Leonardo Silva Rivais mineiros não tiveram boa sorte na 33ª rodada do Brasileiro

.
O Campeonato Brasileiro tem virtualmente um campeão após a 33ª rodada. Só mesmo uma catástrofe para tirar o título das mãos do Corinthians, que venceu o vice-líder Atlético neste domingo, no Independência, por 3 a 0, e abriu 11 pontos de frente. Necessitando de apenas uma vitória e uma simples derrota do Galo na próxima rodada para comemorar o hexa, o Timão chegou a 99% de chances de erguer a taça, segundo análise do administrador esportivo Alexandre Siqueira.
.

O Atlético, por sua vez, tem irrisório 1%. A luta da equipe alvinegra agora se concentra na Libertadores. Restando cinco rodadas para o fim, o clube possui 99% de chances de classificação ao torneio já que a diferença para o Santos, quarto colocado é de nove pontos.
.

O Grêmio, terceiro colocado, e a três pontos do Galo, aparece com 94% de chances de selar sua vaga na competição internacional.
.

A briga segue quente mesmo é pela quarta vaga. A probabilidade do Peixe é de 44%, seguido pelo São Paulo, com 30%; Internacional, com 11%; Ponte Preta, com 8%; Sport, com 6%; Palmeiras, com 4% e o Cruzeiro, com 1%, dados segundo o site ‘Infobola’.
.

Na parte de baixo da tabela, o lanterna Vasco está a um passo da queda, com uma chance de descenso calculada em 98,7%. A lista segue com o Joinville, vice lanterna, com 94,1%; Coritiba, 77,1%; Goiás, 44,9%; Avaí, 64,4%; Figueirense, 19,3; Chapecoense, 1,4% e Atlético-PR, com 0,01%, de acordo com números do site “Chance de Gol”.

.

FONTE: O Tempo.


Galo e Cruzeiro 2

Sim, ainda é possível. Mostrando toda a gana e toda a raça de um time que almeja o título, o Atlético bateu o forte Internacional, no Horto, por 2 a 1, diminuindo para dois pontos a diferença para o líder Corinthians. Nunca o Goiás, adversário do time paulista, nesta quinta, no Itaquerão, contará com tanta torcida a favor.

.

O triunfo alvinegro fez o Galo saltar para os 59 pontos. O Timão tem 61 e, no máximo, vai retomar a diferença para os anteriores cinco pontos. Restam oito rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro, reserva um Atlético e Corinthians, no Independência, dia 1º de novembro.

.

Há quase um mês, o Galo não jogava no Horto. O torcedor estava com saudade e já tratou de gritar o famoso “eu acredito” assim que os jogadores pisaram no gramado. Era para pilhar a equipe. E funcionou. A pressão inicial lembrou a velha máxima de caldeirão do estádio. Só mesmo uma certa afogação atrapalhava o time.

.

Bola no chão e tranquilidade eram a fórmula. Numa dessas, Rodrigo Dourado se atrapalhou e cortou a bola com a mão na área. Pênalti e arremate perfeito de Lucas Pratto, seu 12º gol no campeonato, o 22º na temporada, o terceiro seguido em cobrança de penalidade.

.

Com prejuízo no placar, o Colorado teve que sair para o jogo, mas o Galo manteve a toada. Impressionou a disposição dos atleticanos para se atirar nos carrinhos e nas divididas. Em um desses lances de raça, Giovanni Augusto recebeu na área, limpou o marcador e perdeu um daqueles gols incríveis.

.

O jogo parecia controlado, o goleiro Victor não tinha feito sequer uma defesa. Mas na cobrança de escanteio, Paulão pregou uma cabeçada certeira para empatar no fim da primeira etapa. Erro de posicionamento, um vacilo. “Jogo como esse, não se pode dar ao luxo de perder tantas chances”, resumiu o camisa 1 alvinegro.

.

Para o segundo tempo, o Atlético se mandou para cima sob a batuta da Massa. Mas, novamente, a ansiedade atrapalhava. Em lances de paciência, os jogadores do Galo preferiam o disparo de longe, sem rumo. Por causa da baixa margem de erros com relação a briga pelo título, o relógio também se tornava um inimigo.

.

Mas o time estava bem, era intenso, acuava o time gaúcho. Para dar nova movimentação, Levir colocou Patric em campo. Correria também pode ser sinônimo de qualidade. E foi pelo lado esquerdo, após arremate de Douglas Santos e rebote de Muriel, Marcos Rocha desempatou. Ufa!

.

Daí para o fim, o Inter precisou avançar mais, abrindo o jogo para os contra-golpes do Galo. Numa delas, Muriel evitou o primeiro gol de Cárdenas pelo Galo. Em outra, Patric se embolou com a bola. E em mais outra, o colombiano perderia na marca do pênalti. O Colorado ainda assustaria, como na bela defesa de falta de Victor. Mas prevaleceu quem correu mais, quem tem objetivos maiores.
.
ATLÉTICO 2 x 1 INTERNACIONAL
.
Estádio: Independência, em Belo Horizonte
Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Gols: Lucas Pratto e Marcos Rocha (A); Paulão (I)
Cartões amarelos: Leandro Donizete e Luan (A); Rodrigo Dourado, Alex Vitinho (I)
Público: 19.023 pagantes
Renda: R$ 866.390
.
Atlético
Victor, Marcos Rocha, Edcarlos, Jemerson e Douglas Santos (Pedro Botelho); Leandro Donizete, Rafael Carioca, Luan, Giovanni Augusto (Cárdenas), Thiago Ribeiro (Patric); Lucas Pratto. Técnico: Levir Culpi

.

Internacional
Muriel, Leo, Réver, Paulão e Ernando; Rodrigo Dourado, Nilton, Anderson (Vitinho) e Alex (Rafael Moura); Valdívia (Alisson Faria) e Lisandro López. Técnico: Argel Fucks

.

CRUZEIRO

Ele voltou endiabrado da seleção uruguaia. Com a Celeste Olímpica na ponta das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo, Arrascaeta era pura motivação quando desembarcou em Curitiba, nesta quarta-feira, pronto para ajudar o Cruzeiro contra o Atlético-PR. E foi graças ao meia-atacante que a Raposa obteve um empate heroico, por 2 a 2, na Arena da Baixada. Por pouco, o time azul não venceu. No entanto, a ótima atuação do gringo pode, enfim, representar o início da volta por cima do atleta.

.

Quando foi confirmado como reforço cruzeirense para a temporada, Arrascaeta chegou com status de um craque a ser lapidado. No entanto, alternou altos e baixo, e perdeu titularidade. O ex-técnico da Raposa, Vanderlei Luxemburgo, disse certa vez, que o uruguaio ‘não era atleta’ para aguentar a bateria de desafios do futebol brasileiro. Porém, o jogador nunca abaixou a cabeça e trabalhou forte para tentar reconquistar seu espaço.

.

Nessa quarta-feira, ele deixou o banco de suplentes para incendiar o confronto. O Atlético-PR vencia por 1 a 0, com gol de Ewandro. Mas o Cruzeiro empatou com Fabrício, de falta. Bruno Pereirinha recolocou o Furacão em vantagem. Só que o destino conspirava para Arrascaeta, que, de tanto insistir, balançou as redes e garantiu o empate em 2 a 2.

.

No domingo, às 11h, no Mineirão, a Raposa encara o Fluminense, pela 31ª rodada do Brasileirão.

.

O jogo
.
Há tempos não se via um primeiro tempo tão insosso por parte do Cruzeiro. Erros de passe, falta de competência na ligação do meio-campo ao ataque e ineficiência nas raras oportunidades para finalizar foram a tônica do time celeste nos 45 minutos iniciais. Para piorar, uma desatenção de todo o sistema defensivo resultou no gol de Ewandro, aos 36 min.

.

Sem inspiração alguma, Marinho deixou o campo de jogo no intervalo para a entrada de Arrascaeta. E o uruguaio deu uma nova dinâmica ao time celeste. Explorando sua velocidade e abusando dos dribles, o meia-atacante criou boas situações de gol aos azuis. De tanto insistir, o Cruzeiro empatou com Fabrício. Bruno Pereirinha recolocou o Furacão em vantagem. Mas Arrascaeta, em noite iluminada, empatou novamente.

.

FONTE: O Tempo.


Galo e Cruzeiro

Em tarde de Dátolo e Victor, Atlético goleia Flamengo e mantém distância para líder Corinthians

Atlético x Flamengo
Há onze jogos para o fim do Campeonato Brasileiro, os três pontos somados na goleada de 4 a 1 contra o Flamengo no Independência foi vital para o Atlético se manter na disputa pelo título e apagar a tragédia, na derrota de 4 a 0 para o Santos, na rodada da semana. Com 52 pontos somados, o Galo está a cinco pontos do líder Corinthians e acumula uma vantagem de quatro pontos sobre o Grêmio que segue na terceira colocação.
.
Num jogo de grande volume o Atlético deu velocidade à partida e total domínio em jogadas aéreas. O Galo se impôs com os lançamento aéreos que foram fatais para o Flamengo, com três gols de cabeça, um contra de Marcelo e dois de Jemmerson. Os  heróis da partida foram o zagueiro Jemmerson que marcou duas vezes de cabeça e o camisa 10, .
.
Datolo, que também fez uma ótima partida, tendo participando dos quatro gols do Galo na partida, e assinando uma verdadeira pintura no segundo tempo.
.
Mérito também para o goleiro Victor, que defendeu um pênalti cobrado por Alan Patrick. Para Luan, a defesa do “Santo”. “Temos que enaltecer o Victor que pegou o pênalti e agradecer ao Datolo que foi fundamental nessa vitória”, disse o atacante ao fim da partida.
.
Protagonista na vitória, Datolo explicou a importância do quarto gol. “O gol serve pra briga pelo campeonato. Hoje jogamos com o coração e agradecemos ao torcedor que compareceu. O time vai lutar até o fim”, aponta o argentino, que também destacou que se sente melhor jogando como meia, que é sua posição de origem.
.
Primeiro tempo
.
O Atlético entrou em campo com a obrigação de reduzir a vantagem de pontos do Corinthians. Com toque de bola rápido, o Galo iniciou a partida pressionando dando trabalho para o goleiro Paulo Victor já nos três primeiros minutos de jogo. Mas quem mostrou melhor futebol foi Flamengo que aos nove minutos Marcelo Cirino entrou sozinho na grande área e sofreu pênalti de Victor. Alan Patrick bateu no canto esquerdo e Victor defendeu. No entanto, nos quinze primeiro minutos chegou quatro vezes ao gol do Galo, com um pênalti perdido e um tiro certeiro de Paulinho.
.
O time do Atlético teve dificuldades para concretizar jogadas com bola no chão, mas soube aproveitar bem as jogadas aéreas. Tanto que o gol que abriu o marcado só saiu num erro de Marcelo que antecipou lançamento de Datolo para Luan e cabeceou para dentro do gol de Paulo Victor, aos 16 minutos.
.
Na metade do primeiro tempo, com o placar igual, o rubro-negro contava seis finalizações, enquanto o Atlético ainda não tinha conseguido bater para o gol. Grande parte do êxito do time carioca deve ser creditado a Guerrero, que fez um excelente jogo e explorando muito bem as os espaços deixados de Douglas Santos na lateral esquerda, que não estava numa tarde inspirada.
.
A sorte do Galo começou a mudar aos 25 minutos, quando Jemmerson recebeu cruzamento de Datolo e bateu de cabeça, ampliando o mercador no Independência. Depois do segundo gol, o Galo voltou a mandar no jogo e aos 29 minutos Marcos Rocha lança para Luan, que com o a mão domina, mas chuta em cima de Paulo Victor.
.
Mesmo em desvantagem o Flamengo continuou apertando a defesa alvinegra. Aos 41 minutos Cirino levou susto para a defesa ao driblar Victor, mas Douglas Santos tirou para escanteio. Quase no finalzinho, o Flamengo subiu em peso para a grande área atleticana e bola ficou ciscando, mas a defesa do Galo conseguiu tirar a bola.
.
O Atlético errou muito e permitiu que o time de Oswaldo de Oliveira tivesse mais facilidade para finalizar e ter maior posse de bola. Foram 20 passes errados do Atlético, contra 13 do Flamengo, que por sua vez finalizou sete vezes, contra quatro do Galo.
.
Segundo tempo
.
Na etapa complementar as duas equipes voltaram sem alterações. O Galo voltou mais atento, e em menos de dois minutos Luan quase marca de cabeça. Com a defesa melhor estruturada o time do Atlético travou o avanço do Flamengo. Aos nove minutos, Datolo cobra escanteio e Jemmerson manda uma cabeçada indefensável para Paulo Victor e amplia, marcando o terceiro do Galo.
.
O time carioca abriu para tentar reduzir a desvantagem, mas teve dificuldades em armar jogadas de ataque. Daí em diante ficou fácil para o Galo administrar a partida. A dupla Datolo e Jemmerson estava impossível. Aos 20 minutos numa cobrança de falta, o argentino lançou para o zagueiro e que chegou mal e mandou para fora.
.
Depois de servir tão bem ao companheiro, Datolo literalmente entorta o zagueiro Pará, passando a bola por debaixo de suas pernas, e solta uma bomba com endereço certo para o desespero de Paulo Victor que só assistiu a redonda morrer no fundo da rede, ao 25 minutos da etapa complementar.
.
Aos 31 minutos, Luan pega a sobra de uma cabeçada de Leo Silva, numa cobrança de escanteio, e bate forte. Paulo Victor estica todo e tira com o pé, evitando o quinto gol do Galo. Daí em diante o Galo, com o jogo liquidado, passou a administrar o restante da partida. o Flamengo continuou pressionando para tentar reduzir o prejuízo.
.
No sábado o Atlético enfrenta o Joinville, às 16 horas na Arena Joinville. Já o Flamengo recebe, no domingo, o Palmeiras, no Maracanã, às 16 horas.
.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO  X  FLAMENGO
ATLÉTICO: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Jemerson e Rafael Carioca; Douglas Santos, Leandro Donizete, Lucas Pratto (Carlos) e Datolo (Josué); Thiago Ribeiro (Patrick) e Luan TÉCNICO: Levir Culpi
FLAMENGO: Paulo Victor; Pará, Marcelo, Samir e Everton; Márcio Araújo, Canteros, Marcelo Cirino (Enderson) e Guerrero (Kayke); Alan Patrick (Almir) e Paulinho TÉCNICO: Oswaldo de Oliveira
GOLS: Marcelo (contra) aos 16’do primeiro tempo, Paulinho (18′), Jemmerson (25′); Jemmerson aos 9′ do segundo tempo, Datolo (25′)
DATA: 20 de setembro 2015
MOTIVO: Jogo válido pela 27ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro
ESTÁDIO: Arena Independência
LOCAL: Belo Horizonte
ÁRBITRO: Sandro Meira Ricci (FIFA-SC)
ÁRBITROS ASSISTENTES:  Emerson Augusto de Carvalho (FIFA-SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (FIFA-SP)
PÚBLICO:  20.203 pagantes
RENDA:  R$ 951.860
CARTÕES AMARELOS: Victor, Luan (ATLÉTICO); Everton, Canteros (FLAMENGO)
.

Cruzeiro bate concorrente direto contra o Z-4 e respira no Brasileirão

Cruzeiro x Chapecoense

.

O Cruzeiro não ficou nem um minuto na zona de rebaixamento e graças a Fabiano, que abriu o marcador para o time celeste aos 11 minutos do primeiro tempo, na vitória de 2 a 0 contra a Chapecoense, na Arena Condá, em Chapecó (SC). Com a vitória, o time de Mano Meneses chegou a 33 pontos e se afastou do Z4 na 13ª posição da tabela, empurrando o time de Chapecó para primeira vaga da zona da degola e encerrou um jejum de três jogos sem vitória.
 .
Apesar do bom resultado, o time da Toca da Raposa não fez um boa partida. O time continuou errando muito e desperdiçando as falhas da equipe catarinense que poderiam definir a partida ainda no primeiro tempo. A sorte do time da Toca da Raposa foi que a Chapecoense também fez um jogo horroroso, com erros de fundamentos, falta de domínio, dentre outras falhas que justificam a entrada do time na zona de rebaixamento e sua incapacidade de vencer em casa, mesmo com o rival jogando com um jogador a menos.
 .
Para Charles, jogar desfalcado, mostrou que o time foi corajoso. “Jogar em Chapecó é sempre é difícil, e com um a menos fica mais complicado. Mas fomos aguerridos e conseguimos garantir a vitória”, comentou
 .
O meia Willian também valorizou a determinação do time em segurar o resultado com apenas dez jogadores em campo. “Valeu a pena o esforço e a entrega de todo mundo. Aqui a pressão é grande e jogar com um a menos é difícil. Mas estávamos bem ajustados e conseguimos suportar a pressão. Agora resta descansar e preparar para a partida contra o Coritiba”, explica o “Bigode”.
 .
Primeiro tempo
 .
Os primeiros 10 minutos de jogo de uma mostra de que a partida não teria grandes emoções, mas aos 11 minutos Fabiano mandou uma pedrada contra o gol de Danilo e abriu o marcador. Dois minutos depois Willian pegou a sobra e bateu forte, de fora da grande área, mas Danilo conseguiu mandar para escanteio.
 .
Com um excesso de erros, tanto pelo lado do Cruzeiro, assim como pelo lado da Chapecoense, aos 23 minutos, Willian numa cobrança de falta, lançou para a pequena área e o zagueiro Rafael Lima, na tentativa de tirar a bola, deslocou Danilo e marcou contra, ampliando para o Cruzeiro.
 .
A partida continuou fraca tecnicamente, com erros constantes de passes, em ambas as equipes. A melhor oportunidade da Chapecoense aconteceu por volta dos 37 minutos, quando Wilian Barbio subiu pela direita e chutou cruzado, quase na linha de fundo. Fábio foi certeiro e impediu que o escrete catarinense reduzisse a desvantagem.
 .
Nos acréscimos, Bruno Silva manda um bicicleta, na pequena área, e bate na trave para o alívio de Fábio, que não tinha conseguido chegar na bola. A jogada deu fôlego para a Chapeconse que manteve a pressão próximo à meta cruzeirense até o árbitro encerrar o primeiro tempo aos 49 minutos.
 .
Segundo tempo
 .
A etapa final somente a Chapecoense voltou com alterações. Guto Ferreira sacou Gil e Tiago Luis, para a entrada de Camilo e Wagner, na ordem. O jogo manteve o nível técnico fraco, com um Cruzeiro com postura descompromissada, com Willians cometendo erros excessivos e, inclusive ter sido o primeiro a levar Cartão Amarelo, por indisciplina ao jogar a bola para fora após o árbitro dar lateral para a Chapecoense. Já os donos da casa não conseguiam armar jogadas, com um toque de bola morno, como se estivessem vencendo e gastado tempo.
 .
Sem conseguir finalizar, o Cruzeiro continuou apostando em chutes de fora da área, como fez Charles, por volta dos 15 minutos, mas sem resultado.
 .
Aos 23 minutos Willians, que fez uma partida lastimável, puxa a perna de Camilo e é expulso. Na sequência Uillian Correia fez sua estreia, entrando no lugar de Ariel, que sentiu a perna. Com a vantagem de ter um homem a mais, a Chapecoense iniciou uma ofensiva para tentar reverter o quadro.
 .
Os catarinenses assumiram o controle do jogo, com domínio quase pleno da bola. No entanto, sem conseguir espaço para finalizar.
 .
Por volta  dos 30 minutos, Alisson cai em campo e pede para sair. Guto Ferreira reclamou aos berros que Mano Menezes tinha mandado o jogador desabar em campo, para o Cruzeiro gastar tempo. O técnico cruzeirense retrocou e reclamou com o quarto árbitro que o colega estava falando o que não devia. Passado o bate-boca, Marquinho substitui Alisson, que saiu de maca.
 .
A estratégia cruzeirense para manter o resultado foi se arrastando até os final do jogo, com jogadores caindo em campo a cada contato físico.
 .
O melhor lance da etapa final foi com garoto Marcos Vinícius, que numa jogada individual se livrou de dois marcadores e bateu, mas a bola foi desviada pela defesa, saindo em linha de fundo.
 .
No domingo o Cruzeiro enfrenta do Coritiba em Curitiba, às 18h30, na chamada partida de seis pontos, já que os dois clubes estão empatados em número de pontos, mas o time celeste leva vantagem de de contabilizar uma vitória a mais.
 .
FICHA TÉCNICA
 .
CHAPECOENSE  X  CRUZEIRO
 .
CHAPECOENSE: Danilo; Caramelo, Rafael Lima, Thiego e Dener Assunção; Elicarlos (Cleber Santana), Bruno Silva, Gil (Camilo) e Tiago Luis (Wagner); Wiliam Barbio e Bruno RAngel TÉCNICO: Guto Ferreira
 .
CRUZEIRO: Fábio; Fabiano, Manoel, Paulo André e Fabrício; Willians, Charles, Ariel Cabral (Uillian Correia) e Alisson (Marquinhos); Allano (Marcos Vinícius) e Willian TÉCNICO: Mano Meneses
 .
GOLS: Fabiano aos 11′ do primeiro tempo, Rafael Lima (contra) (23′)
DATA: 20 de setembro 2015
MOTIVO: Jogo válido pela 27ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro
ESTÁDIO: Arena Condá
LOCAL: Chapecó
ÁRBITRO: Wagner do Nascimento Magalhães (CBF-RJ)
ÁRBITROS ASSISTENTES:  Rodrigo Henrique Correa (FIFA-RJ) e Luiz Cláudio Regazone (CBF-RJ)
CARTÕES AMARELOS: Wagner, Willian Barbio (CHAPECOENSE); Willians (CRUZEIRO)
CARTÃO VERMELHO: Willians
PÚBLICO: 5.915 pagantes
RENDA: R$ 61.695
.
FONTE: Hoje Em Dia.

Tudo igual, até na emoção

Clássico entre Cruzeiro e Atlético termina empatado por 1 a 1, com duelo à parte entre o atacante Willian, autor do gol celeste, e o goleiro Victor, que defendeu um pênalti do cruzeirense

Rapogalo

Cruzeiro saiu na frente (acima), mas sofreu o empate (abaixo) e resultado igual permaneceu atÉ o final da partida (Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Cruzeiro saiu na frente (acima), mas sofreu o empate (abaixo) e resultado igual permaneceu até o final da partida
Clássico termina empatado por 1 a 1, com duelo à parte entre o atacante Willian, autor do gol celeste, e o goleiro Victor, que defendeu um pênalti do cruzeirense (Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Clássico termina empatado por 1 a 1, com duelo à parte entre o atacante Willian, autor do gol celeste, e o goleiro Victor, que defendeu um pênalti do cruzeirense

A história dos clássicos é feita de heróis e vilões. O empate de ontem por 1 a 1, no Mineirão, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro, teve os mesmos personagens exercendo os dois papéis. No primeiro tempo, no gol do Cruzeiro, Willian foi o herói, e o goleiro Victor, que falhou feio, o vilão. Na reta final da partida, houve a inversão: o goleiro atleticano defendeu pênalti batido pelo atacante celeste e garantiu o empate.
.
O clássico foi bem disputado e teve dois tempos distintos. No primeiro, a equipe de Mano Menezes foi superior, teve um pênalti não marcado e conseguiu abrir o placar. Na etapa final, com a expulsão do lateral Mena logo no início, o time de Levir Culpi mandou no jogo, empatou no fim e garantiu um ponto com o pênalti defendido por Victor.
.
O jogo começou com o Cruzeiro tomando a iniciativa, buscando mais o gol adversário e com seus jogadores mostrando mais disposição nas disputas de bola. Mas numa indecisão de Bruno Rodrigo, Lucas Pratto penetrou sozinho na área e finalizou em cima de Fábio. Na sequência, a falha foi de Jemerson. Willian roubou a bola e passou para Alisson chutar para fora. Aos 14min, o árbitro Leandro Pedro Vuaden deixou de marcar pênalti a favor do Cruzeiro, quando Leonardo Silva levantou o braço e tocou na bola, após cabeçada de Manoel.
.
Numa das poucas vezes em que achou espaço na defesa celeste, o Atlético quase abriu o placar aos 29min. Marcos Rocha levantou a bola na área. Pratto se esticou e tocou por cima do gol de Fábio. A Raposa abriu o placar aos 37min. Depois de disputa de bola na área entre Alisson e Jemerson, Willian foi mais rápido que Leonardo Silva e tocou em cima do goleiro Victor, que deixou a bola passar por baixo de seu corpo.
.
O segundo tempo foi completamente diferente. O Atlético voltou com mais disposição em busca do empate e, logo aos 7min, forçou a expulsão do chileno Mena, que recebeu o segundo cartão amarelo depois de derrubar Giovanni Augusto na ponta direita. No minuto seguinte, no entanto, foi a equipe celeste que quase ampliou num contra-ataque. Em vez de passar para Willian, Alisson preferiu chutar no canto e Victor desviou para fora.
.
Enquanto Mano Menezes teve de mexer para recompor a defesa, Levir Culpi procurou dar mais força ofensiva à sua equipe, que partiu para cima do adversário. Com apoio total da torcida e muita determinação, o Cruzeiro se fechou muito bem. Com mais posse de bola, o Atlético tinha dificuldade de criar chances claras de gol. Aos 30min, Lucas Pratto chutou de fora da área para fora. No minuto seguinte, Jemerson tentou de cabeça.
.
A equipe celeste tentava ampliar nos contra-ataques, como aos 34min com Willians e aos 42min numa finalização de Charles. Já aos 43min, o Galo conseguiu o gol de empate. Dátolo bateu escanteio na esquerda e Carlos subiu para cabecear forte no canto direito de Fábio.
.
O clássico, no entanto, poderia ter tido um final diferente. Na saída de bola, Willian foi derrubado por Jemerson fora da área, mas Leandro Vuaden marcou pênalti. Willian foi  para a cobrança, e Victor defendeu no canto direito. O empate se manteve e, apesar de fazer justiça ao que as duas equipes mostraram em campo, não foi bom para ninguém dentro do objetivo de cada clube no Brasileiro.

.

FONTE: Estado de Minas.


BH tem esquema especial de transporte para clássico de domingo

Cruzeiro e Atlético-MG se enfrentam no Mineirão, na Região da Pampulha.
Linha 55 do Move não irá operar, de acordo com a BHTrans.

Galo-2

Um esquema de transporte para o clássico de domingo (13) entre Cruzeiro e Atlético-MG foi divulgado pela Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) nesta sexta-feira (11). De acordo com a autarquia, um serviço executivo e um serviço especial vão atender torcedores que irão ao Mineirão.

Os bilhetes para o serviço executivo são vendidos até as 17h desta sexta-feira, no Posto Transfácil, na Rua Professor Morais, 216, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. O valor é R$ 17,80 (ida e volta).

Já para o serviço especial, o preço é R$ 3,40 e nesse caso o pagamento é feito no local de embarque. Treze ônibus sairão das regiões de Venda Nova, do Barreiro e do Centro a partir das 13h.

Segundo a BHTrans, nas duas opções especiais de transporte, torcedores cruzeirenses e atleticanos terão locais de embarque e desembarque distintos. Confira os endereços no site da empresa.

A BHTrans informou que, por recomendação da Polícia Militar (PM), a linha 55 do Move (Mineirão) não irá operar no domingo.

Para chegar ao estádio, os torcedores contam ainda com as linhas regulares 51, 52, 63, 64, 67, 68, 5250, 5550, 6350, 5106 e 5401 do Move; os circulares 503, 504 e 506; e os suplementares 51, 53 e 54.

 

 

FONTE: G1.


Árbitros dos jogos de Atlético, Cruzeiro e Corinthians são afastados após erros na rodada

CBF justifica que foi constatado um desempenho abaixo do padrão estabelecido

Mauro Horita/Light Press/Cruzeiro

.

Depois de uma série de polêmicas sobre a arbitragem na 22ª rodada do Campeonato Brasileiro, a CBF anunciou, nesta quinta-feira, que afastará seis árbitros. Sem esclarecer quais erros levaram às punições, a entidade divulgou que ficarão na “geladeira” árbitros e assistentes dos jogos que envolveram Atlético, Cruzeiro, Corinthians e Palmeiras.

Bruno Cantini/Atlético MG

.

Da partida entre Atlético e Atlético-PR, vencida pelo Furacão por 1 a 0, foram asfatados os assistentes Elan Vieira e Marlon Rafael. Após a partida, a diretoria do Galo protestou contra impedimentos mal marcados. Também alvo de protestos, o árbitro Marcelo de Lima Henrique não será afastado pela CBF.
.
Responsável por assinalar um impedimento equivocado na vitória do Corinthians sobre o Fluminense, por 2 a 0, o assistente Fábio Ferreira também ficará “encostado”. O erro dele resultou num gol mal anulado de Cícero, do Tricolor Carioca.
.
Já na vitória do Cruzeiro sobre a Ponte Preta, por 2 a 1, o árbitro Emerson Luiz Sobral e o assistente Bruno Cesar foram punidos. A equipe de Campinas reclamou de um gol mal anulado de Borges, por impedimento marcado equivocadamente, e de um pênalti que não teria sido assinalado do zagueiro Manoel no centroavante da Macaca.
.
Outro clube paulista que se queixou sobre a arbitragem da última rodada foi o Palmeiras. Depois de protestos contra um gol mal anulado do atacante paraguaio Lucas Barrios, o assistente Marcelo Barison é mais um que foi punido.
.
Segundo a CBF, foi constatado um desempenho abaixo do padrão estabelecido. Os árbitros afastados das próximas rodadas do Campeonato Brasileiro terão de passar por treinamentos teóricos e práticos na Escola Nacional de Arbitragem.
.

Nas mãos de outros juízes

Depois dos protestos contra a arbitragem na derrota para o Furacão e do lançamento de copos e tênis em campo, Atlético prepara defesa para evitar punição pesada no STJD

.
Dentro das quatro linhas, a tentativa do bicampeonato brasileiro ficou mais difícil para o Atlético, já que a distância para o líder, Corinthians, aumentou para sete pontos, a maior estabelecida nesta competição. Fora dos gramados, o Galo prepara sua defesa para evitar a perda de mando de campo na competição. Na derrota para o Atlético-PR por 1 a 0, no Independência, o árbitro Marcelo de Lima Henrique relatou na súmula os dois copos de água e um pé de tênis arremessados, além da ofensa de um jornalista credenciado, depois da partida. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) deve indiciar o clube pelos incidentes nos próximos dias e marcará o julgamento no Rio.
.
Marcelo de Lima também avisou que processará o ex-presidente Alexandre Kalil pelas fortes acusações no Twitter, já que foi tachado de safado e ladrão. “Esse cidadão já atacou outros árbitros, presidentes de outros clubes e juízes federais. Vou tomar medidas cabíveis, e a Justiça decidirá o que será feito. Já estou em contato com a Associação Nacional dos Árbitros e com nossos advogados. Isso tem de acabar logo. Por conta dessas palavras que acontecem algumas tragédias.”
.
Kalil, o presidente Daniel Nepomuceno e os jogadores reclamaram muito da atuação do árbitro carioca contra o Furacão. Ontem, a CBF anunciou o afastamento dos assistentes Elan Vieira e Marlon Rafael, ambos de Pernambuco, mas manteve Marcelo de Lima sem punição. A diretoria alvinegra promete ir ao Rio posteriormente para exigir maior critério e escolha dos árbitros nos jogos alvinegros. Nepomuceno pediu imediatamente o afastamento do presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, Sérgio Corrêa.
.
Diante do Furacão, os erros de arbitragem não foram somente contra o Galo. Houve dois lances que também irritaram os adversários: o suposto pênalti de Donizete em Nikão e uma falta de Jemerson, passível de expulsão. Curiosamente, nesta temporada, o Atlético foi beneficiado por erros dos juízes, sobretudo na decisão do Campeonato Mineiro, em que Jô fez um gol irregular, assegurando o título no duelo com a Caldense.
.
Enquanto a equipe já mira o próximo duelo, diante do Vasco, amanhã, no Rio, o advogado Lucas Ottoni prepara a estratégia para tentar livrar o time de punição rigorosa pelos incidentes contra o Furacão. O departamento jurídico se baseará no Boletim de Ocorrência da Polícia Militar, que nomeou os torcedores que atiraram os copos de água e o tênis. Como eles foram identificados, o clube tentará se livrar da culpa.
.
FOCO NO VASCO
Os jogadores tentam se blindar das polêmicas extracampo e se concentrar somente no desafio de tirar a diferença em relação ao Corinthians. O goleiro Victor entende que o Galo perdeu ótima chance de se manter próximo ao Timão. “Esses pontos podem custar caro. É uma decisão de título e a gente ficou triste. Tentamos fazer o nosso papel da melhor forma. São jogos em que se repetem as mesmas coisas. Ainda temos 16 partidas, e, se a gente conseguir voltar ao que fizemos no primeiro turno, podemos chegar aonde queremos. São sete pontos, e não acho muito para 16 jogos. Podemos conseguir.”
.
Com as suspensões do lateral-direito Marcos Rocha, do zagueiro Jemerson e do atacante Luan, Levir será obrigado a mexer em praticamente todos os setores. Na direita, as opções são Carlos César e Patric; na retaguarda, o favorito a ocupar a vaga é Edcarlos. No setor ofensivo, Cárdenas, Dodô ou mesmo Patric disputam um lugar ao lado de Thiago Ribeiro e do argentino Lucas Pratto.
.
DO QUE RECLAMA O GALO
Atlético 0 x 2 Grêmio

Não marcação de pênalti após a bola atingir o braço suspenso de zagueiro gremista, quando a partida estava 0 a 0.

Chapecoense 2 x 1 Atlético
Expulsão de Leonardo Silva após falta que não foi considerada violenta e em que não havia situação clara de gol para o adversário
Gol de Apodi em que o lateral ajeita a bola claramente com a mão e desempata o jogo

.

Atlético 0 x 1 Atlético-PR
Marcação de pelo menos três impedimentos inexistentes que poderiam resultar em gol. Num deles, o atacante ficaria cara a cara com o goleiro
Rigor na expulsão de Marcos Rocha, que já havia levado cartão amarelo questionável e reclamou (sem ofender o árbitro, conforme a súmula) de falta não marcada
Marcação de pênalti questionável de Victor sobre Ewandro em jogada de contra-ataque em que foi ignorada falta em Giovanni Augusto
.
ENQUANTO ISSO…
Alívio no tribunal

Se perdeu três atletas por suspensão contra o Vasco, o Atlético pelo menos se saiu vitorioso nos julgamentos de ontem à tarde no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O zagueiro Leonardo Silva, os volantes Rafael Carioca e Josué, além do lateral Marcos Rocha e do diretor de futebol Eduardo Maluf, foram absolvidos na 5ª comissão disciplinar. Com exceção do capitão, expulso na derrota para a Chapecoense (2 a 1), no fim do turno, os demais foram julgados por causa das entrevistas depois da partida. Eles ficaram livres de serem enquadrados no artigo 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) – desrespeitar os membros da equipe de arbitragem ou reclamar desrespeitosamente contra suas decisões. Leonardo Silva, Rafael Carioca e Josué estão liberados para jogar amanhã, no Rio, enquanto Marcos Rocha cumprirá dois jogos de suspensão pela expulsão contra o Atlético-PR.

.

FONTE: Estado de Minas.


Cruzeiro decepciona, leva três gols no primeiro tempo e é eliminado pelo Palmeiras nas oitavas

Atlético sofre na bola aérea, leva virada do Figueirense e está eliminado da Copa do Brasil

Raposa chega a esboçar reação, mas paulistas vencem por 3 a 2 e avançam às quartas

 

Rodrigo Clemente/EM/D.A Press

.
Uma atuação vexatória no primeiro tempo da partida contra o Palmeiras determinou a eliminação do Cruzeiro nas oitavas de final da Copa do Brasil. Com pouco mais de meia hora de jogo no Mineirão, o clube celeste levou três gols – dois de Gabriel Jesus e um de Lucas Barrios – e viu sua situação na competição ficar praticamente irreversível, já que o Verdão havia vencido o confronto de ida por 2 a 1 no Allianz Parque, em São Paulo. Vinícius Araújo, ainda na etapa inicial, e Alisson, na segunda parte, diminuíram o fracasso celeste na noite desta quarta-feira, em Belo Horizonte, decretando o placar de 3 a 2 favorável aos paulistas.
.
Com a nona derrota em 18 jogos, Vanderlei Luxemburgo vê seu cargo cada vez mais ameaçado no clube. O treinador ganhou apenas seis partidas, além de ter conquistado três empates. O aproveitamento é de 38,8%. Os quase 17 mil cruzeirenses que prestigiaram a equipe no Mineirão também protestaram contra o trabalho do diretor de futebol Isaías Tinoco, que está na Toca da Raposa II há pouco mais de um mês.
.
Eliminado da Copa do Brasil, o Cruzeiro passa a se concentrar exclusivamente no Campeonato Brasileiro, competição na qual se encontra em situação muito ruim – é o 15º colocado, com 22 pontos. O próximo adversário será o Santos, domingo que vem, às 18h30, no Mineirão. Já o Palmeiras, que aguarda sorteio da CBF para conhecer seu adversário nas quartas de final do torneio de mata-mata, recebe o Joinville às 16h no Allianz Parque. Os dois compromissos valem pela 21ª rodada da Série A.
.
Antes do jogo, Vanderlei Luxemburgo fez mistério e não divulgou quem seria o substituto de Mayke na lateral direita do Cruzeiro. A princípio, Fabiano era o mais cotado, porém Ceará, que recentemente se recuperou de lesão muscular na coxa e voltou a treinar na segunda-feira, apareceu entre os titulares. Outra mudança ocorreu na defesa: mal na derrota por 3 a 0 para o Corinthians, Manoel deu lugar a Bruno Rodrigo, ausente há quase dois meses por causa de uma entorse no joelho direito. A esperança da Raposa era garantir ao menos um simples 1 a 0, mas quem esteve no Mineirão nesta quarta-feira viveu uma noite de pânico.
.
O sonho da classificação celeste começou a ser destruído aos 8min, quando Lucas Barrios recebeu toque de calcanhar de Gabriel Jesus e bateu no canto do goleiro Fábio: 1 a 0. O lance chamou a atenção pela facilidade que o Palmeiras teve para trocar passes dentro da área celeste. Aos 24min, um duro golpe para Vanderlei Luxemburgo, que, depois de ver sua equipe chegar duas vezes com perigo em finalizações de Fabrício e Leandro Damião, perdeu por expulsão o zagueiro Bruno Rodrigo. No lance, o camisa 4 da Raposa derrubou Gabriel Jesus dentro da meia lua e acabou advertido pelo árbitro Anderson Daronco. Na cobrança de falta, Egídio acertou o travessão e por pouco não fez o segundo.
.
A torcida palmeirense presente no Gigante da Pampulha não teve motivos para lamentar a bola na trave. Isso porque aos 27min, Egídio foi à linha de fundo e deu cruzamento certeiro para Gabriel Jesus, que balançou a rede: 2 a 0. Mas tinha mais. E novamente com Gabriel Jesus. Numa linda jogada individual, o jovem de apenas 18 anos deixou o goleiro Fábio no chão ao driblá-lo duas vezes e chutou rasteiro, com muita frieza: 3 a 0. Tudo isso com pouco mais de meia hora de jogo. O placar poderia ser maior, porém Lucas Barrios se atrapalhou ao bater da marca do pênalti e parou em Fábio. Num lance isolado, aos 38min, Vinícius Araújo precisou de duas tentativas para tentar amenizar o vexame celeste: 3 a 1. Foi o primeiro gol do atacante desde o seu retorno à Toca da Raposa II, em junho.
.
Na volta para o segundo tempo, Luxemburgo colocou Manoel no lugar de Ceará e De Arrascaeta na vaga de Vinícius Araújo. Contudo, em desvantagem numérica de jogadores, era difícil de a equipe esboçar qualquer tipo de reação, ainda mais necessitando de cinco gols para se classificar. Somente aos 30min é que o Cruzeiro conseguiu algo, quando De Arrascaeta foi derrubado por João Pedro dentro da área. Pênalti. Na cobrança, Alisson bateu rasteiro no canto esquerdo e diminuiu a contagem: 3 a 2. Nos minutos finais, gritos de “adeus Luxa!” ecoaram das cadeiras do Mineirão, prova de que a torcida não está nada satisfeita com o trabalho do atual comandante.
.
CRUZEIRO 2X3 PALMEIRAS
.
CRUZEIRO
Fábio; Ceará (Manoel, no intervalo), Bruno Rodrigo, Paulo André e Mena; Charles, Henrique e Fabrício; Vinícius Araújo (De Arrascaeta, no intervalo), Leandro Damião (Allano, aos 24min do 2ºT) e Alisson
Técnico: Vanderlei Luxemburgo
.
PALMEIRAS
Fernando Prass; João Pedro, Jackson, Vitor Hugo e Egídio; Amaral (Andrei Girotto, no intervalo), Robinho e Zé Roberto (Mouche, aos 33min do 2ºT); Gabriel Jesus, Lucas Barrios (Leandro Pereira, aos 20min do 2ºT) e Dudu
Técnico: Marcelo Oliveira
.
Gol: Vinícius Araújo, aos 38min do 1ºT; Alisson, aos 30min do 2ºT (CRU); Lucas Barrios, aos 8min, Gabriel Jesus, aos 27 e 33min do 1ºT (PAL)
Cartões amarelos: Amaral, aos 17min do 1ºT; Zé Roberto, aos 11min, João Pedro, aos 29min, Robinho, aos 40min do 2ºT (PAL)
Cartão vermelho: Bruno Rodrigo, aos 24min do 1ºT (CRU)
Motivo: jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil
Estádio: Mineirão
Data: 26 de agosto de 2015
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Auxiliares: Marcelo Bertanha Barison (RS) e Rafael da Silva Alves (RS)
Público: 16.972 pagantes
Renda: R$ 533.825,00

.

Galo jogou com um a menos em grande parte do jogo e está fora do torneio nacional

.
O Atlético está fora da Copa do Brasil. Depois de empatar o primeiro jogo no Independência, o Galo saiu na frente do Figueirense, mesmo com um jogador a menos, mas levou a virada com dois gols que surgiram após cobrança de escanteio. Com a derrota por 2 a 1, o time alvinegro não vai conseguir se tornar o primeiro bicampeão consecutivo da competição nacional.
.
O jogo foi muito equilibrado no primeiro tempo. O Galo precisava de marcar um gol para se classificar e teve a missão dificultada com a expulsão de Leonardo Silva. Mesmo assim, abriu o placar com Edcarlos, no fim do primeiro tempo. Na segunda etapa, o time catarinense pressionou e chegou à virada com gols de dois ex-jogadores do América: Leandro Silva e Marcão.
.
Eliminado, o Atlético volta as atenções para o Campeonato Brasileiro. No domingo, às 16h, o Galo visita o Fluminense, no Maracanã, em jogo válido pela 21ª rodada da Série A. Já o Figueirense joga no sábado, às 18h30, também no Maracanã. Os catarinenses enfrentam o Vasco.
.
Expulsão duvidosa ‘se transforma’ em gol
.
Precisando da vitória para avançar, o Atlético saiu para o jogo em Santa Catarina. O alvinegro mineiro pressionou na saída de bola e evitou as jogadas rápidas do ataque do Figueirense. Mas a primeira chance aconteceu com os donos da casa, quando Bruno Alves apareceu livre após cobrança de falta e exigiu grande defesa de Victor. O Galo respondeu com Luan, que aproveitou passe de peito de Pratto e finalizou de Bico. Alex Muralha salvou o Figueira.
.
O jogo seguiu equilibrado, com muita marcação no meio-campo e abuso das bolas cruzadas na área. A história da partida começou a mudar aos 35 minutos. Jemerson escorregou e Clayton avançou, mas foi derrubado na intermediária por Leonardo Silva. O árbitro Vinícius Furlan expulsou o capitão alvinegro, em lance considerado exagerado pelos atleticanos.
.
Com um a menos, Levir Culpi sacou o ‘ponta’ Patric e colocou Edcarlos em campo. E o iluminado defensor, crucial na Copa do Brasil do ano passado, fez a torcida atleticana explodir no Orlando Scarpelli. Após cobrança de falta de Giovanni Augusto, o zagueiro subiu livre e desviou a bola para o fundo das redes de Alex Muralha: 0 a 1.
.
Galo sofre na bola aérea e está eliminado

.
O Figueirense voltou para o segundo tempo com mais um jogador no ataque e partiu com tudo para a pressão. Logo aos 6 minutos, Clayton recebeu na área, driblou Edcarlos e bateu rasteiro. A bola passou raspando a trave de Victor. O time catarinense foi para cima do Galo e quase empatou aos 15, quando teve duas chances após bate-rebate na área atleticana. Dois minutos depois, João Vitor recebeu livre na entrada da área, bateu colocado e a bola passou raspando a trave do goleiro do Galo.
.
De tanto insistir, o Figueirense chegou ao empate. Yago cobrou falta e Victor espalmou para escanteio. Na cobrança, Marcão ajeitou e Leandro Silva completou para o fundo das redes do Atlético: 1 a 1.
.
O time catarinense seguiu na pressão, conseguiu vários escanteios e chegou ao gol da classificação aos 44 minutos da etapa final. Após cobrança de escanteio do lado esquerdo, Marcão subiu livre, virou o jogo e eliminou o Galo da Copa do Brasil: 2 a 1.

.

FIGUEIRENSE 2 X 1 ATLÉTICO
.
Figueirense

Alex Muralha; Leandro Silva, Bruno Alves, Saimon e Marquinhos Pedroso; Dener, Fabinho (Yago), João Vitor e Rafael Bastos (Marcão); Clayton e Thiago Santana (Alemão).

Técnico: Renê Simões

.
Atlético

Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Jemerson e Douglas Santos; Leandro Donizete, Rafael Carioca, Luan, Giovanni Augusto (Eduardo) e Patric (Edcarlos); Lucas Pratto.

Técnico: Levir Culpi

.

Motivo: Oitavas de final da Copa do Brasil

Estádio: Orlando Scarpelli, Florianópolis-SC

Data: 26/08/15, às 19h30

.

Gols: Edcarlos (ATL), aos 43 minutos do primeiro tempo; Leandro Silva (FIG), aos 27 minutos, e Marcão (FIG), aos 44 minutos do segundo tempo

Cartões amarelos: Fabinho, Leandro Silva (Figueirense); Luan (Atlético)

Cartão vermelho: Leonardo Silva (Atlético

 


Galo perde a liderança, Cruzeiro despenca na tabela

Atlético decepciona torcida, perde para Grêmio e deixa liderança escapar dentro do Mineirão

Galo não conseguiu criar, levou gols em contra-ataques e perdeu por 2 a 0

Rodrigo Clemente/EM/D.A Press

.
Sem criatividade, força ofensiva e marcação firme. Assim foi o Atlético diante do Grêmio no Mineirão. O apoio da torcida não foi suficiente para o Galo recuperar a liderança do Campeonato Brasileiro. Apostando no contra-ataque, o time Gaúcho aproveitou os espaços vazios no lado direito da defesa alvinegra para vencer por 2 a 0 e entrar de vez na briga pelo título da Série A.
.
O Grêmio se aproveitou das falhas de marcação do Atlético em campo. Retrancado em boa parte do jogo, o time tricolor conseguiu enxergar espaços nas costas de Marcos Rocha (local onde os gols saíram). No ataque, o Galo até criou boas oportunidades, principalmente na reta final do segundo tempo, mas não conseguiu furar a meta defendida por Marcelo Grohe.
.
A derrota manteve o Atlético na vice-liderança do Campeonato Brasileiro, com 36 pontos, um a menos que o Corinthians, novo líder da competição. O Grêmio está logo atrás, com 33.
.
Na próxima rodada, a última do primeiro turno, o Atlético visita a Chapecoense, na Arena Condá, domingo, às 18h30. No mesmo horário, na Arena do Grêmio, o Tricolor Gaúcho recebe o Joinville.

.

Cruzeiro joga mal, é goleado pelo Joinville e perde posições na tabela de classificação

Clube celeste deu vexame em Santa Catarina e foi dominado pelo time da casa

GERALDO BUBNIAK/AGB/ESTADAO CONTEUDO

.
Uma noite para ser esquecida pela torcida do Cruzeiro e muito analisada pela comissão técnica de Vanderlei Luxemburgo. Em uma de suas piores atuações na temporada, o clube celeste deu vexame em Santa Catarina e sofreu uma goleada por 3 a 0 para o modesto Joinville. O resultado poderia ter sido ainda mais elástico, se o árbitro Leandro Pedro Vuaden não tivesse anulado um gol do time da casa no fim do primeiro tempo, em um lance duvidoso.
.
Com a derrota acachapante no Sul, o Cruzeiro segue semconseguir uma boa escalada na tabela de classificação no Brasileiro. O clube celeste se manteve com 21 pontos e agora vê a zona da degola um pouco mais de perto – cinco pontos separam a equipe do pesadelo. No início da rodada, a Raposa ocupava a 11ª posição e, agora, está na 14ª. No próximo domingo, o Cruzeiro buscará a reabilitação contra o Inter, às 16h, no Mineirão.

.

FONTE: Estado de Minas.


1 – Na reestreia de Luxemburgo, Cruzeiro bate o Flamengo no Mineirão e deixa zona da degola

2 – Com ataque envolvente, Galo passa fácil pelo Avaí na Ressacada e entra no G4 do Brasileirão

Com gol do zagueiro Manoel, Raposa vence pela primeira vez no Brasileirão

Rodrigo Clemente/EM/D.A Press

Comandante do Cruzeiro no ano mais vitorioso do clube, Vanderlei Luxemburgo inciou sua segunda passagem pela Toca da Raposa com triunfo. Em atuação que se destacou mais pelo empenho do que pela técnica, a equipe celeste derrotou o Flamengo, por 1 a 0, no Mineirão. O gol foi marcado pelo zagueiro Manoel após cobrança de escanteio.

Com a primeira vitória no Brasileirão, o Cruzeiro deixa a zona de rebaixamento. Agora, Luxemburgo tentará manter o embalo da equipe em clássico contra o Atlético. O principal duelo do futebol mineiro será disputado neste sábado, às 18h30, no Independência.
.

Em sua volta ao Cruzeiro depois de 11 anos, Luxemburgo reestreou sem nem sequer ter treinado a equipe. Contratado para substituir Marcelo Oliveira, Luxa chegou a Belo Horizonte na manhã desta quarta-feira, foi apresentado na Toca da Raposa II e comandou a equipe no Mineirão.
.
Luxemburgo manteve a base utilizada por Marcelo Oliveira, e o início não foi animador. Com muitos erros de passe, o Cruzeiro encontrou dificuldades diante do Flamengo. Porém, o Rubro-negro também pouco ameaçou.
.
O rendimento cruzeirense melhorou a partir da metade final do primeiro tempo. Com chutes de fora da área, Willian e Henrique exigiram defesas de Paulo Victor. O goleiro flamenguista foi decisivo, principalmente, quando Marquinhos aproveitou que Samir escorregou na entrada da área. Na tentativa de drible do camisa 30, o arqueiro conseguiu desarmá-lo e ainda defendeu o rebote de Leandro Damião.
.
Aos 11 minutos da etapa final, Willian teve grande chance para o Cruzeiro, enfim, abrir o placar. Com chute de primeira, dentro da área, o atacante “do bigode” bateu rente à trave direita. Já o Flamengo ameaçou com cabeceio de Samir sobre o travessão e com finalização de Paulinho após giro na grande área.
.
A rede foi balançada aos 32 minutos. Alisson, que havia substituído Gabriel Xavier, cobrou escanteio da direita, Manoel subiu mais alto que a defesa do Flamengo e testou com força: 1 a 0.
.
Fábio ainda evitou que o Rubro-negro conseguisse o empate ao fazer grande defesa em cabeceio de Gabriel.
.
Cruzeiro 1 x 0 Flamengo
.
Cruzeiro
Fábio; Mayke, Bruno Rodrigo, Manoel e Pará; Charles e Henrique; Marquinhos, Gabriel Xavier (Alisson, aos 14′ do 2ºT) e Willian (Allano, aos 23′ do 2ºT); Leandro Damião (Henrique Dourado, aos 26′ do 2ºT)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo
.
Flamengo

Paulo Victor; Pará, Wallace, Samir e Anderson Pico (Luiz Antônio, no intervalo); Jonas, Márcio Araújo e Everton; Marcelo Cirino (Gabriel, aos 22′ do 2ºT), Alecsandro e Paulinho
Técnico: Cristóvão Borges
.
Gol: Manoel, aos 32′ do 2º tempo
.
Motivo: Quinta rodada do Campeonato Brasileiro
Data: 3 de junho (quarta-feira)
Estádio: Mineirão
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Assistentes: Herman Brunel Vani (SP) e Alex Ang Ribeiro (SP) 
Cartão amarelo: Alecsandro (Flamengo); Bruno Rodrigo (Cruzeiro)
.
Pagantes: 12.071
Presentes: 13.309
Renda: R$ 453.633,00
.

Alvinegro aplicou 4 a 1 nos catarinenses pela quinta rodada do campeonato

CRISTIANO ESTRELA/Diario Catarinense

.
A formação ousada de Levir Culpi mais uma vez deu resultado. Com um ataque envolvente, de muita movimentação e troca de passes, o Atlético não teve dificuldades para superar o Avaí na Ressacada, em Florianópolis, pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro. O Galo goleou os catarinenses por 4 a 1, gols de Carlos (2), Antonio Carlos (contra) e Lucas Pratto. André Lima descontou para os donos da casa.
.
O resultado levou o Atlético para o G4 da competição. O time ocupa a terceira colocação, com 10 pontos. Na próxima rodada, o Galo vai receber o arquirrival Cruzeiro no Independência. 
.
O Jogo
.
Sem Dátolo, vetado, o técnico Levir Culpi optou pela entrada de Carlos e manteve a formação com apenas um volante de ofício. O Atlético manteve também a postura agressiva. Frente a uma defesa que ‘bateu-cabeça’ em vários momentos, o Galo construiu uma vitória tranquila na Ressacada.
.
Com a movimentação característica de seu ataque, o Atlético abriu o placar logo aos 12 minutos. Depois do cruzamento de Luan, a bola sobrou para Giovanni Augusto. O meia bateu forte, o goleiro Vagner não segurou e Carlos mandou para as redes: 1 a 0.
.
Onze minutos depois, foi a vez de Thiago Ribeiro participar. Após o escanteio, a bola sobrou para o atacante chutar. Vagner espalmou em cima de Antonio Carlos e foi para o dentro do gol: 2 a 0.
.
O Galo ainda teve duas ótimas oportunidades para ampliar no primeiro tempo. Aos 36 minutos, novo cruzamento de Luan e nova sobra de bola, desta vez, para Giovanni Augusto. De frente para oGOL, o armador concluir por cima do travessão. Quatro minutos depois, Luan lançou Lucas Pratto. O argentino dominou no peito, passou pelo goleiro, mas finalizou na trave.
.
Na etapa final, o ritmo atleticano caiu no começo. O Avaí buscou mais o ataque, porém, pouco ameaçou a meta do goleiro Victor.
.
Já o Galo soube aproveitar a boa jogada criada aos 22 minutos. Depois da troca de passes, Luan achou Patric aberto na direita. O lateral cruzou e Lucas Pratto completou: 3 a 0. O Avaí descontou aos 29 minutos, com André Lima, de cabeça, após escanteio. 
.
Os catarinenses ainda se reorganizavam quando Pratto deixou Patric na cara doGOL. O goleiro Vagner salvou. Na sequência, outra jogada envolvente do ataque alvinegro. Carioca rolou para Maicosuel, que cruzou para o gol de Carlos: 4 a 1.
.
Avaí 1 x 4 Atlético
.
Avaí
Vagner; Nino Paraíba, Jeci, Antonio Carlos e Romário; Eduardo Neto, Renan (André Lima), Pablo e Marquinhos; Anderson Lopes e Hugo (Roberto).
Gilson Kleina
.
Atlético
Victor; Patric, Leonardo Silva, Jemerson e Douglas Santos; Rafael Carioca, Luan (Maicosuel), Giovanni Augusto (Dodô), Carlos e Thiago Ribeiro (Leandro Donizete); Lucas Pratto.
Técnico: Levir Culpi
.
Gols: Carlos, 12min 1ºT; Antonio Carlos, 23min 1ºT (contra); Pratto, 22min 2ºT; André Lima, 29min 2ºT; Carlos, 31min 2ºT
.
Motivo: 5ª rodada do Campeonato Brasileiro
Local: Ressacada, em Florianópolis (SC)
Data: 03/06/2015
.
Árbitro: Pablo dos Santos Alves – PB (ESP-2)
Assistentes: Pablo dos Santos Alves – PB (ESP-2) e Marcio Freire Lopes – PB (CBF-2)
.
Cartão amarelo: Leonardo Silva, Rafael Carioca (ATL); Renan, Antonio Carlos, Anderson Lopes (AVA)
.
Pagantes:
 7.101
Renda: R$ 102.460,00

.
FONTE: Estado de Minas.

Cruzeiro terá caminho complicado se comparado ao Atlético

 

Caminho do Atlético rumo à taça terá adversários menos tradicionais se comparado ao do rival
Caminho do Atlético rumo à taça terá adversários menos tradicionais se comparado ao do rival

.

Se for considerada a tradição na competição, o caminho do Cruzeiro até a final da Copa Libertadores é muito mais complicado que o do rival Atlético.
 .
No chaveamento em que está o time da Toca da Raposa, seis dos oito clubes já venceram a competição. Somando-se todos os títulos, chega-se a 15.
 .
Do lado atleticano, são quatro campeões que, juntos, somam oito títulos.
 .
É praticamente uma inversão do que aconteceu na Copa do Brasil do ano passado, quando a trajetória cruzeirense foi bem mais tranquila que a atleticana. Os dois fizeram a final, e a taça foi para o Atlético.
 .
Agora, o chaveamento prevê o maior clássico mineiro também apenas na decisão da Copa Libertadores. Se eles forem os dois únicos brasileiros (o outro possível é o Corinthians) nas semifinais, terão de se enfrentar, por força de regulamento.
 .
De toda forma, o sonho de um Cruzeiro x Atlético valendo a América segue vivo.
 .
Os chaveamentos da Copa Libertadores
 .
CHAVE 1
 .
Boca Juniors x River Plate
Cruzeiro x São Paulo
Corinthians x Guarani (PAR)
Racing x Montevideo Wanderers
 .
CHAVE 2
 .
Tigres x Universitario de Sucre
Nacional de Medellín x Emelec
Internacional x Atlético
Santa Fe x Estudiantes
.

FONTE: Hoje Em Dia.


 

Atlético tem renda do primeiro jogo da final bloqueada; Kalil esbraveja no Twitter

 

Kalil esbravejou no Twitter e prometeu ir ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ)
Kalil esbravejou no Twitter e prometeu ir ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ)
Mais uma vez o Atlético se vê na mira da Justiça Federal. O juiz da 26ª Vara, André Gonçalves de Oliveira Salce, deferiu o pedido em caráter de urgência da Fazenda Nacional, que requereu, na última sexta-feira (7), o arresto da renda do Atlético no primeiro jogo da decisão da Copa do Brasil, que será disputado nesta quarta-feira (12), no Independência, a partir das 22 horas. O órgão entrou com o pedido devido a uma dívida do clube de R$ 11.891.500,24.
No documento, André Gonçalves de Oliveira Salce destacou as pendências fiscais do Atlético com a Fazenda. Segundo a decisão do Juiz Federal, como as medidas anteriores não obtiveram êxito e o clube não possui bens penhoráveis, ficou decidido pelo arresto dos valores da renda do primeiro jogo da final da Copa do Brasil.
Em outubro, o clube alvinegro havia entrado em acordo com a Fazenda Nacional para quitar seu débito através do Refis (Programa de Recuperação Fiscal).

O que é a Ação Cautelar de Arresto?

É a apreensão judicial dos bens do devedor que podem ser posteriormente reivindicados para o pagamento de uma dívida comprovada.
É uma medida cautelar que visa prevenir o perecimento da coisa, e impedir que o devedor, a fim de eximir-se da obrigação, aliene os bens que possui ou transfira-os para nome de terceiros. Para que seja concedido o arresto é indispensável que o credor apresente prova literal da dívida líquida e certa, bem como prova documental da intenção do devedor em não cumprir com sua obrigação.
Fundamentação:

  • Arts. 813 a 821 do CPC
  • Arts. 136 a 144 do CPP

O ARRESTO é uma medida cautelar típica prevista no artigo 813 e destina-se a assegurar a efetividade de uma execução contra devedor solvente, na medida em que retira bens da esfera de domínio do deve¬dor, impedindo-o de alienar ou desviar os referidos bens

É notório que a garantia do credor é o patrimônio do devedor.

Quando o devedor começa a dilapidar o patrimônio e com isto frustrar o crédito cio credor, é necessário a MEDIDA CAUTELAR DE ARRESTO para evitar o esvaziamento do patrimônio do devedor.

A execução contra devedor solvente pressupõe, necessariamente, uma dívida líquida, certa e vencida, de modo que a ausência de qualquer destes requisitos impede a execução.

O elenco de hipóteses do art. 813, do CPC, é meramente exemplificativo, podendo ser concedido liminarmente o arresto se presente nos autos elementos que induzam o con¬vencimento da insolvência do devedor (TJMG – AI 0302138-3 – 38 C.Cível – Reator Juiz Edílson Femandes – J 22.03.2000)

Aliás, O julgado, só veio consagrar a regra do artigo 798 do CPC, do poder geral cautelar do juiz.

Confira parte da decisão do magistrado:
 .
“Trata-se de execução fiscal proposta pela União em face de Clube Atlético Mineiro, objetivando receber crédito no valor de R$ 11.891.500,24 (onze milhões, oitocentos e noventa e um mil, quinhentos reais e vinte e quatro centavos), atualizado em 07/11/2014.
 .
O clube devedor, como é de notório conhecimento, é réu em várias execuções fiscais nesta Seção Judiciária. Apenas neste juízo, além desta, tramitam as execuções fiscais número 1999.38.00.015081-9, 39748-66.2013.4.01.3800, 56662-74.2014.4.01.3800, cujos valores executados gravitam na ordem de R$ 327.000,00, R$ 18.000.000,00 e R$ R$107.000.000,00, respectivamente.
 .
No bojo da execução n. 39748-66.2013.4.01.3800, ficou constatada a ausência de bens penhoráveis do executado, razão pela qual foi deferido o arresto de valores da venda do jogador Bernard Anício Caldeira Duarte. No entanto, até o presente momento, a medida não logrou êxito, uma vez que grande parte dos valores oriundos da venda do atleta fora bloqueada em outras execuções ficais que tramitam em outras varas de execução fiscal, e, da mesma sorte, a quantia remanescente foi transferida pelo clube para terceiros, após sua internalização.
 .
Nesse contexto, sendo certa a ausência de bens penhoráveis do executado, e ante a possibilidade de haver dinheiro depositado em contas bancárias do clube, impõe-se aplicar a medida cautelar de arresto de valores, pelo sistema Bacenjud.
 .
Defiro o arresto dos valores arrecadados pelo devedor com a venda de ingressos em bilheterias para o primeiro jogo da final da Copa do Brasil.”
 .
Presidente reclama no Twitter
 .
André Gonçalves de Oliveira Salce ficou marcado por outras decisões recentes que envolviam o clube alvinegro, o que gerou a revolta de torcedores que o acusam de perseguição. Através do Twitter, o presidente do Atlético, Alexandre Kalil, sem citar nomes, prometeu ir ao Conselho Nacional de Justiça para “levantar a vida” do magistrado.
 .
O mandatário alvinegro aproveitou para elogiar a torcida atleticana que esgotou os ingressos para a decisão.
 .

O departamento jurídico do Atlético só se pronunciará oficialmente sobre a decisão na próxima quinta-feira (13), uma vez que o clube está mobilizado para a decisão da Copa do Brasil.

 

.

FONTE: Hoje Em Dia.


Copa do Brasil
DECISÃO HISTÓRICA
Unidos pela alegria (pelo menos por um dia)
Felicidade pela classificação às finais da competição leva atleticanos e cruzeirenses a deixar por enquanto a rivalidade de lado para saborear o momento mágico

 

 

A classificação às finais da Copa do Brasil uniu atleticanos e cruzeirenses numa só comemoração. Pelo menos por enquanto. Exultantes em ver os times de outros estados, principalmente paulistas e cariocas, de fora da festa, os grandes rivais mineiros festejaram em harmonia o grande momento do futebol de Minas, por meio das redes sociais e nas coloridas ruas de Belo Horizonte. No dia seguinte à confirmação de Galo e Raposa na decisão, a capital mineira se vestiu de azul, preto e branco.

O alvinegro assegurou a vaga de forma heroica. Depois de perder por 2 a 0 no Rio, conseguiu virada histórica sobre o Flamengo, no Mineirão, eliminando o time de Vanderlei Luxemburgo com o mesmo placar (4 a 1) imposto ao Corinthians nas quartas de final. A Raposa, que havia vencido o jogo de ida contra o Santos por 1 a 0, no Mineirão, viu a equipe de Enderson Moreira inaugurar o marcador na Vila Belmiro, no primeiro minuto, sofrer o empate em seguida, mas chegar a 3 a 1 e se aproximar da classificação. Nos minutos finais, porém, igualmente na raça, os celestes buscaram o empate e se garantiram na decisão. Os jogos serão na quarta-feira, no Independência, e duas semanas depois, no Mineirão.
Copa do Brasil 3
PELA PAZ Irmanados na alegria, torcedores dos dois times dividiram a alegria por ver o futebol do país se render aos mineiros. Companheiros de trabalho numa loja da Savassi, a atleticana Gleice Aparecida de Moura e o cruzeirense Lucas de Paula posaram juntos e sorridentes para fotos.

O atleticano Gílson Lopes Bastos, de 51 anos, define o momento como mágico e destaca o bom trabalho das divisões de base de ambos os clubes, mas confessou não saber até quando o clima de festa recíproco persistirá. “É muito preocupante, porque esse respeito vai durar pouco. É sempre assim em clássicos, infelizmente. Os torcedores precisam aprender que violência não faz parte do bom futebol. Um momento como este merece um comportamento digno do torcedor.”

O cruzeirense Bruno Diniz Andrade, de 18 anos, concorda e espera que a rivalidade histórica seja alimentada pelo respeito mútuo. “Essa alegria, essa cumplicidade, a gente sabe que vai até o dia do jogo. Depois, é só rivalidade. Mas os torcedores precisam entender que violência não combina com esporte. Tem de haver respeito.”

Melhores amigos, o atleticano Rodrigo Rachid, de 38, e a cruzeirense Raquel Delage, de 27, são exemplo de convivência saudável. Eles conversavam na Praça da Savassi sobre o bom momento da dupla mineira no cenário nacional. E torciam pelo retorno dos jogos sem torcedores de apenas um time. “A final teria de ser histórica em todos os sentidos, com as duas torcidas em campo”, salientou Raquel. “A maioria não pode pagar pelos erros de uma minoria. Os órgãos competentes têm a obrigação da segurança. Seria lindo com as duas torcidas, como a festa pede”, emendou Rodrigo.


“O futebol mineiro vive um momento especial, tem os melhores centros esportivos e a melhor administração. BH é a capital do futebol e vamos nos manter na paz até o fim”

Weslei Danilo dos Santos, 31 anos, atleticano

“Foram fundamentais para o futebol mineiro as duas conquistas. Agora, só tende a melhorar. Ganhamos o respeito. Foi muito bom”
Pablo Henrique, 20 anos, atleticano

“Mostramos que não precisamos da mídia do eixo Rio-São Paulo. Bastou acreditar. Agora, precisamos ter tranquilidade para não estragar a festa”
Geórgia Cortes, 18 anos, atleticana

“Foi uma classificação magnífica, mas o que me preocupa daqui para a frente é a rivalidade, como os torcedores vão administrá-la”

Aline Sandler, 23 anos, cruzeirense

“Minas é o melhor lugar para se viver, né? Está aí o segredo do sucesso. Vamos deixar que essa rivalidade só exista dentro de campo”
Rodrigo Alves, 31 anos, cruzeirense

“Acho que o fator casa também contribuiu muito para o sucesso do futebol mineiro. Agora, temos de comemorar. Brigar por causa de futebol é besteira”

Guilherme Maia Silva, 18 anos, cruzeirense

FONTE: Estado de Minas.


Cruzeiro e Atlético vão fazer a inédita final da Copa do Brasil, depois de eliminarem Flamengo e Santos.
Primeiro duelo será na quarta. Mando de campo terá sorteio hoje

Brasileiro

 

Os olhos do Brasil estão voltados para Minas Gerais. Atlético e Cruzeiro são os grandes protagonistas da Copa do Brasil, e, pela primeira vez na história, decidirão o título do torneio. A classificação da dupla mineira veio em dois jogos emocionantes – o Galo conseguiu mais uma goleada milagrosa no Mineirão, desta vez sobre o Flamengo ( 4 a 1); já a Raposa despachou o Santos com o empate por 3 a 3, depois de ficar atrás no placar duas vezes, na Vila Belmiro. A primeira partida da final será na quarta-feira, e a ordem dos mandos de campo será definida em sorteio hoje, a partir das 14h, na sede da CBF, no Rio.

Brasileiro 2

Brasileiro 3Vitória de virada por 4 a 1 sobre o Flamengo, no Mineirão, levou os jogadores e os torcedores atleticanos à loucura

Brasileiro 4O Cruzeiro esteve atrás no placar duas vezes e, para a festa da torcida, reagiu com um gol de Marcelo Moreno e dois de Willian

FONTE: Hoje Em Dia e Estado de Minas.


CAMPEONATO MINEIRO 2014

Cruzeiro e Atlético definem quem será o campeão na centésima edição do Mineiro

Com elencos fortes, clubes prometem confronto equilibrado no Gigante da Pampulha

 

Capitães de Atlético e Cruzeiro vivem dia de decisão e um deles terá a honra de levantar o troféu (Arte/Soraia Piva)
Capitães de Atlético e Cruzeiro vivem dia de decisão e um deles terá a honra de levantar o troféu


Quem vai levantar a taça de campeão mineiro? Cruzeiro e Atlético escrevem o último capítulo da decisão neste domingo, às 16h, no Mineirão. De um lado, o goleiro Fábio carrega a faixa de capitão celeste e pode quebrar a hegemonia do Galo nos últimos dois anos se não levar gol. Pelo Atlético, Leonardo Silva pode ter a honra de erguer o troféu pela primeira vez, pois Réver foi o capitão alvinegro nas últimas temporadas e agora está se recuperando de lesão. 

De olho na final estadual, os arquirrivais têm pela frente outras decisões. Ambos estão classificados às oitavas de final da Copa Libertadores e, caso cheguem à semifinal, vão realizar um confronto histórico no torneio. Na fase atual, o Cruzeiro encara o Cerro Porteño e o Galo tem o Nacional de Medellín como adversário.

Vantagem celeste

Atacante Dagoberto é uma das esperanças do time celeste (Rodrigo Clemente/EM/D.A Press.)
Atacante Dagoberto é uma das esperanças do time celeste

O primeiro duelo terminou empatado por 0 a 0, no Independência, e a Raposa tem a vantagem do empate por ter feito a melhor campanha. O técnico Marcelo Oliveira terá força máxima à disposição e já adiantou os titulares. Os laterais Ceará e Samudio voltam ao time para a decisão. Outro aspecto que valoriza a disputa é porque se trata da centésima edição do Estadual em Minas Gerais. 

A escalação do Cruzeiro será formada por Fábio; Ceará, Dedé, Bruno Rodrigo e Samudio; Lucas Silva, Henrique; Everton Ribeiro, Ricardo Goulart e Dagoberto; Júlio Baptista. Além da formação titular, peças como Willian, Mayke e Borges estarão à disposição entre os reservas. 

Pelo discurso do comandante celeste, a vantagem de ser campeão com a igualdade no placar só será utilizada em circunstâncias específicas. “Espero o Cruzeiro equilibrado. Um time que possa defender bem, porque adversário é envolvente, mas nunca fugindo da característica de pressionar bastante. A vantagem é importante, mas não pode ser usada no início do jogo. Tem de ser usada de acordo com circunstâncias dos jogos”, disse Marcelo Oliveira. 

O Mineirão estará predominantemente azul. Da carga colocada à venda, 90% foi reservada para cruzeirenses e 10% para os atleticanos. No primeiro clássico, a diretoria celeste abriu mão de sua parte no Horto por causa dos últimos incidentes no estádio. 

Em busca do tri

 

Ronaldinho volta ao Galo para a decisão contra o arquirrival (Juarez Rodrigues/EM/D.A Press. )
Ronaldinho volta ao Galo para a decisão contra o arquirrival

Campeão em 2012 e 2013, o Atlético tenta neste domingo um terceiro título consecutivo do Estadual que não conquista desde 1980, quando o time comandado por Reinaldo alcançou ainda o hexa do torneio.
 
Para emplacar o tri, o Galo precisa superar a barreira de ainda não ter vencido o arquirrival no novo Mineirão. Em três jogos, o Alvinegro sofreu três derrotas. Por outro lado, o clube já festejou dois títulos no estádio da Pampulha após a reinauguração, no ano passado.
 
Ganhou o Estadual justamente em cima do Cruzeiro, mesmo derrotado por 2 a 1 no Mineirão (venceu o jogo de ida, no Independência, por 3 a 0) e sagrou-se campeão da Libertadores ao superar o Olimpia.
 
Neste domingo, o Atlético tem reforços importantes. O goleiro Victor e o armador Ronaldinho, vetados no jogo contra o Zamora, quinta-feira passada, pela Libertadores, estão recuperados. O desfalque é o lateral Marcos Rocha.
 
“Podemos esperar um grande jogo. Se não forem as duas melhores equipes do futebol brasileiro, estão entre as melhores”, analisa Victor. “É jogo decidido em detalhes, de poucas oportunidades que têm que ser aproveitadas.”

Cruzeiro x Atlético

Cruzeiro

Fábio; Ceará, Dedé, Bruno Rodrigo e Samudio; Lucas Silva, Henrique; Everton Ribeiro, Ricardo Goulart e Dagoberto; Júlio Baptista. Técnico: Marcelo Oliveira

Atlético

Victor; Michel, Leonardo Silva, Otamendi e Alex Silva; Pierre, Leandro Donizete, Ronaldinho Gaúcho e Guilherme; Diego Tardelli e Jô. Técnico: Paulo Autuori

Motivo:
 Final do Campeonato Mineiro
Estádio:
 Mineirão
Data:
 13 de abril de 2014, às 16h
Árbitro:
 Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: 
 Fábio Pereira (TO) e Alessandro Rocha de Matos (BA)

FONTE: Estado de Minas.

Presidente do Cruzeiro anuncia que vai disputar vaga na Assembleia de Minas, o do Atlético quer ser senador
Gilvan Tavares falou sobre o assunto nesta sexta-feira na sede do clube – Kalil desde o ano passado
gilvan_tavares_kalil

O presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares, anunciou nesta sexta-feira que vai concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa de Minas Gerais em outubro. Segundo o dirigente, o que lhe motivou a disputar o pleito foi a sua percepção de que os clubes de futebol devem ter representação no Legislativo. “ Realmente me filiei a um partido político, penso em me candidatar. Nunca tinha pensado nisso antes. Nunca havia pensado em me filiar e me candidatar. Depois que eu me tornei presidente, percebi que há necessidade de clubes se fortalecerem nesse aspecto”, revelou. Gilvan já havia se filiado ao PV em setembro do ano passado.

Mesmo após ter se integrado ao quadro do Partido Verde, o dirigente cruzeirense chegou a negar que iria disputar as eleições deste ano, mas acabou optando por concorrer. Ele contou que chegou a receber conselhos para que não entrar na vida pública para não prejudicar o trabalho no clube. “Pediram para eu não me candidatar, porque o Cruzeiro precisa do meu trabalho aqui. Eu optei por me candidatar a deputado estadual. Se eleito, vou continuar em Belo Horizonte, e permanecer trabalhando no Cruzeiro”, ponderou.Kalil na disputaQuem também se filiou e é cotado para disputar as eleições deste ano é o presidente do Atlético, Alexandre Kalil. Durante sua filiação no PSB, em outubro do ano passado, o atleticano foi recebido no partido em evento, realizado em Belo Horizonte, que contou até com a presença do presidente nacional da legenda, Eduardo Campos. Na época, Kalil afirmou que estava “à disposição do partido”. O dirigente é cotado para disputar uma vaga ao Senado. A candidatura do presidente do Atlético é uma estratégia do PSB nacional para reforçar o palanque em Minas.
FONTE: Estado de Minas.

EspanholO espanhol, pelo menos se depender das seleções que estarão concentradas na Grande BH e em Sete Lagoas – Argentina, Chile e Uruguai -, será a língua oficial da Copa do Mundo na capital. Ou será o portunhol? Só a embaixada dos hermanos portenhos prevê que 20 mil argentinos desembarcarão em Belo Horizonte este ano. Gustavo Román, que nasceu na Patagônia argentina e mora em BH desde 2003, prevê dificuldades. “Aqui falam mais rápido, cortam as palavras. Falam pela metade, tudo mais curto, reduzido. Em vez de você dizem cê”. Também terão jogos em Belo Horizonte a Colômbia e Costa Rica. Tudo isso sem contar que Atlético e Cruzeiro, pela primeira vez, disputarão juntos a Copa Libertadores. Haja portunhol.

Para testar o portunhol

BH terá desafio de receber milhares de torcedores de seleções latino-americanas que passarão pela capital e cidades próximas na Copa e de times adversários de Galo e Cruzeiro na Libertadores. Estrangeiros que vivem em Minas elogiam hospitalidade, mas preveem problemas de comunicação

Espanhol2

Argentinos, uruguaios, chilenos, colombianos… Em 2014, o futebol fará Belo Horizonte ser invadida por torcedores de vários países latino-americanos. Eles começam a chegar no próximo mês, quando Atlético e Cruzeiro iniciam a disputa da Copa Libertadores. E o número de estrangeiros aumentará em junho e julho, durante a Copa do Mundo: BH e cidades próximas foram escolhidas para ser locais de concentração das seleções de Argentina, Chile e Uruguai, e o Mineirão será palco de três partidas com equipes de língua espanhola. Com tantas pessoas falando castelhano, autoridades admitem que será um desafio para a cidade fazer do espanhol uma espécie de segunda língua. Sul-americanos que vivem em BH concordam. Para eles, compatriotas vão apreciar a hospitalidade mineira, mas podem estranhar hábitos e ter dificuldade para se comunicar – mesmo em pontos turísticos, não é fácil achar atendentes fluentes no idioma e nem sempre o portunhol resolve.
Na primeira fase da Libertadores, o Atlético enfrentará Nacional (Paraguai) e Zamora (Venezuela). O terceiro adversário, ainda indefinido, será mexicano ou colombiano. Já o Cruzeiro jogará contra Defensor (Uruguai), Real Garcilaso (Peru) e um concorrente chileno ou paraguaio. Mais adiante, no Mundial, a seleção comandada pelo atacante Lionel Messi se concentrará na Cidade do Galo, em Vespasiano, Região Metropolitana de BH. O Uruguai ficará em Sete Lagoas, também na Grande BH, e o Chile treinará na Toca da Raposa II, na Pampulha. Na fase de grupos do torneio, em junho, o Mineirão terá três partidas com times latino-americanos: Colômbia x Grécia, no dia 14; Argentina x Irã (21); e Costa Rica contra Inglaterra (24).
Durante a Copa, a embaixada argentina no Brasil acredita que BH receba 20 mil visitantes do país, quase cinco vezes mais que o total de argentinos que pousaram em 2012, no Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins: 4.158. Segundo a Secretaria de Estado de Turismo (Setur), durante todo aquele ano desembarcaram em BH 10.119 turistas de vizinhos latino-americanos. A nação de Maradona lidera o ranking, seguida por Venezuela (987), Colômbia (925), México (904), Uruguai (879), Equador (552), Peru (494) e Chile (483). “No Mundial, uruguaios e chilenos virão em menor número que argentinos, mas também haverá muitos. BH será a cidade-sede latino-americana”, prevê o secretário municipal extraordinário para a Copa, Camillo Fraga.
Sul-americanos que vivem em BH estão animados com a perspectiva de ver de perto as seleções de seus países e encontrar vários compatriotas, mas alertam: há problemas por aqui. O EM convidou três deles para falar sobre a capital mineira e testar o castelhano dos belo-horizontinos. Gustavo Román, de 45 anos, nasceu na cidade de Neuquen, na Patagônia argentina. Mudou-se para o Brasil em 2000 e, depois de morar no litoral baiano e em São Paulo, fixou-se em BH em 2003. Ele é dono da Pizza Sur e do Restaurante Parrilla Los Hermanitos. O uruguaio Jesus Orlando Ribero Lopez, de 58, nasceu em Rivera, na fronteira com o Rio Grande do Sul, e chegou a Minas em 2006. Hoje, é gerente do restaurante Parrilla Del Patio. Já o professor de Karatê e defesa pessoal Antinio Fan Bastias, de 61, é natural de Santiago, capital chilena, e veio para Belo Horizonte em 1986.

Problemas Em um passeio na tarde de quinta-feira, a primeira parada foi o Museu das Minas e do Metal, na Praça da Liberdade, Região Centro-Sul. Jesus se aproximou da atendente e questionou: “Qué ofrece el museo para el turista?”. (O que o museu oferece ao turista?). A moça não entendeu: “O quê?”. O outro repetiu a pergunta. Insegura, sem querer prolongar a conversa, a moça se limitou a dizer, em português: “São várias salas sobre Minas Gerais. Está tudo neste livreto”. E entregou um panfleto com textos em espanhol. O uruguaio saiu frustrado: “Ela deveria ter tentado um diálogo em vez de se liberar dando o livreto”.
O endereço seguinte foi o Centro de Atendimento ao Turista (CAT), instalado ao lado do Parque Municipal Américo Renê Giannetti, no Centro. Assim que se apresentaram, os estrangeiros foram informados da ausência do atendente que fala espanhol. Antinio não se desanimou e perguntou a um rapaz: “Si hablo rápido, no me entiendes. Pero si hablo despacio, me entiendes?”. (Se eu falar rapidamente você não me entende. Mas se eu falar devagar, me entende?). O outro disse que sim. Enquanto isso, Jesus recebeu informações de uma moça que tampouco sabia o idioma estrangeiro, mas conseguiu se virar diante da complacência do uruguaio, que falou pausadamente. A jovem teve o esforço elogiado por seu interlocutor: “Ela foi muito legal. Falou com calma”.
Depois da caminhada, os companheiros sentiram fome e foram a uma pastelaria ali perto, na Avenida Afonso Pena. O chileno pediu à atendente de caixa: “Quiero un juguito de piña y una cosa que tenga pollo”. (Quero um suquinho de abacaxi e algo que tenha frango). A mulher contestou, franca: “Ih, não entendi nada”. Foi a vez de o uruguaio tentar, usando outra palavra para abacaxi mais comum em seu país: “Yo quiero un jugo de ananá”. (Quero um suco de abacaxi). A outra perguntou: “Guaraná?”. Jesus repetiu o pedido e ela desistiu, contradizendo o cardápio: “Não tem”. Para a salvação dos estrangeiros, eles foram acudidos pela empresária Sandra Vogel, de 40, que estava no balcão comendo pastel, percebeu o aperto e serviu de intérprete. “Já tive aulas de espanhol”, explicou. “Se não fosse ela, passaríamos fome”, constatou Antinio.

FONTE: Estado de Minas.


Besiktas divulga nota oficial desmentindo a contratação de Ronaldinho

Diante da repercussão da informação divulgada pela imprensa da Turquia de que Ronaldinho Gaúcho teria acertado sua transferência para o Besiktas, o clube turco veio a público rapidamente para desmentir o acordo. Em nota oficial, a diretoria confirmou o encontro com o empresário e irmão do armador, Roberto Assis, em Istambul, mas afirmou que se tratava somente de uma visita de cortesia.

O clube ainda negou qualquer tipo de negociação com Ronaldinho, classificando as informações divulgadas na imprensa turca como exageradas.

Nessa terça-feira, o jornal Gazete Vatan noticiou que Assis teria se reunido com dirigentes do Besiktas e ficou acertado que o contrato de Ronaldinho com os turcos seria de dois anos.

Até valores do acordo foram detalhados pelo periódico. Segundo a reportagem, o jogador receberia 6 milhões de euros por ano (cerca de R$ 19 milhões por temporada), sendo quatro milhões pagos pelo Besiktas e outros dois milhões pelo patrocinador.

Ainda de acordo com o jornal, a negociação será oficializada após uma reunião do conselho deliberativo do Besiktas, que precisa aprovar os valores. O encontro será nesta quinta-feira.

O contrato de Ronaldinho com o Atlético terminou nessa terça-feira (31) e uma reunião entre o presidente Alexandre Kalil e Assis deve acontecer depois do dia 3 de janeiro, quando o mandatário alvinegro retorna das férias.

FONTE: Itatiaia.


Libertadores começa bem para mineiros

No sorteio dos grupos para 2014, em que o presidente do Atlético, Alexandre Kalil, ganhou troféu em homenagem ao título deste ano, nem o Galo nem o Cruzeiro tiveram adversários considerados difíceis destinados às suas chaves na 1ª fase.

Sem medo do bicho-papão

Sorteio na sede da Conmebol define grupos da primeira fase e afasta dos times mineiros adversários de maior tradição. Galo pode voltar ao México e Cruzeiro escapa de argentinos

Atual campeão, o Atlético vai encabeçar o Grupo 4, com paraguaios, venezuelanos e adversário a ser definido (Norberto Duarte/AFP)
Atual campeão, o Atlético vai encabeçar o Grupo 4, com paraguaios, venezuelanos e adversário a ser definido

Muitas homenagens e discursos arrastados no início e sorteio rápido e um tanto quanto confuso no fim. Assim foi a cerimônia que definiu os grupos da Copa Libertadores de 2014, que entra para a história como a primeira a reunir Atlético e Cruzeiro. Os tradicionais rivais foram cabeças de chaves e vão pegar adversários teoricamente mais fáceis no início da caminhada.

O Galo terá pela frente o Nacional-PAR, Zamora-VEN e o vencedor do confronto entre Monarcas Morelia-MEX e Independiente Santa Fé-COL. O time colombiano, por sinal, se apresenta como o mais complicado, uma vez que foi semifinalista do torneio deste ano, no qual foi eliminado pelo Olimpia-PAR, que perdeu a final para o alvinegro, no Mineirão.

Já o time celeste, que retorna à competição continental depois de dois anos, tem ainda vantagem de ter de viajar menos: pegará Defensor Sporting-URU, o segundo representante peruano, que será Real Garcilaso ou Universitário, e o vencedor na disputa entre o terceiro representante chileno 3 e o Guarani-PAR.

Entre os brasileiros, a situação mais complicada parece ser a do Grêmio, que está no Grupo 6. Além do Newell’s Old Boys, semifinalista este ano, e Atlético Nacional, de Medellín (Colômbia), campeão de 1989, terá que encarar o vencedor do confronto entre Nacional-URU e Oriente Petrolero-BOL.

Muito da posição confortável dos brasileiros foi o fato de o sorteio ser dirigido. Além disso, a partir deste ano, a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) decidiu que nenhum dos cabeças de chave poderia enfrentar times de seu país se eles estivessem como mandantes dos jogos de volta da Pré-Libertadores.

Homenagem Antes das definições, porém, foi necessário assistir a quase duas horas de discursos, homenagens e também apresentações musicais, como do cantor argentino Axel. Tentando dar pompa ao sorteio do principal torneio entre clubes das Américas, a Conmebol gastou a paciência dos presentes e também dos telespectadores, que tiveram de esperar cerca de duas horas antes de as bolinhas com os nomes dos times começarem a serem abertas.

Um dos poucos pontos interessantes da cerimônia foi a homenagem ao Atlético. O presidente Alexandre Kalil recebeu réplica da Taça da Libertadores, que ficará em posse do clube pela conquista de 2013.

Antes do início oficial, ele anunciou que salários e 13º dos jogadores foram colocados em dia. Por outro lado, surgiu a notícia de que o técnico Cuca poderia deixar o clube depois do Mundial de Clubes, no Marrocos, seduzido por proposta milionário de um clube chinês.

LIBERTADORES’2014

GRUPO 1

Vélez Sarsfield-ARG

Bolívia 2

Peru 1 (Real Garcilaso-PER ou Universitario-PER)

G1

GRUPO 2

Unión Española-CHI

Argentina 3

Independiente José Terán-EQU

G2

GRUPO 3

Cerro Porteño-PAR

O’Higgins-CHI

Deportivo Cali-COL

G4

GRUPO 4

Atlético

Nacional-PAR

Zamora-VEN

G5

GRUPO 5

Cruzeiro

Defensor Sporting-URU

Peru 2 (Real Garcilaso-PER ou Universitario-PER)

G3

GRUPO 6

Newell’s Old Boys-ARG

Grêmio

Atlético Nacional-COL

G6

GRUPO 7

Bolívar-BOL

Flamengo

Emelec-EQU

León-MEX

GRUPO 8

Peñarol-URU

Arsenal-ARG

Deportivo Anzoátegui-VEN

Santos Laguna-MEX

FASE PRELIMINAR

Sporting Cristal-PER x Atlético-PR (G1)

Deportivo Quito-EQU x Botafogo (G2)

Chile 3 x Guarani-PAR (G3)

Caracas-VEN x Argentina 5 (G4)

Monarcas Morelia-MEX x Independiente Santa Fé-COL (G5)

Oriente Petrolero-BOL x Nacional-URU (G6

FONTE: Estado de Minas.


Galo forte vencedor

Libertadores

Tinha de ser sofrido. Com muitas doses de drama e mais de duas horas de emoção, o Atlético conquistou nas primeiras horas de hoje o maior título da sua história: o da Copa Libertadores de 2013, ao vencer o Olimpia por 4 a 3 nos pênaltis, depois de devolver no tempo regulamentar o placar de 2 a 0 da derrota em Assunção e de 0 a 0 na prorrogação. Os gols do alívio só saíram no segundo tempo, com Jô (artilheiro da competição) a 1min e Leonardo Silva aos 42min. Nos pênaltis, o Galo converteu suas quatro cobranças, enquanto Victor defendeu a primeira dos paraguaios e viu a quarta carimbar o alto da trave. Fim da longa espera e início de uma madrugada que Belo Horizonte e inúmeras cidades mineiras não esquecerão tão cedo.
“Campeão da América!” Preso na garganta havia mais de 40 anos, o grito atleticano enfim tomou conta do Mineirão: quase 60 mil pessoas testemunharam a conquista inédita da Libertadores. Mas não seria uma façanha do Galo se não fosse dramática, sofrida, de testar corações e nervos. No início e no fim do segundo tempo, os gols de Jô e Leonardo Silva fizeram a massa delirar, mas a vitória por 2 a 0 no Olimpia não era o suficiente. O Galo precisava de mais: sem gols na prorrogação, teve que decidir nos pênaltis. E quando São Victor, com as asas de pássaro da célebre oração de Roberto Drummond, defendeu a primeira cobrança, estava aberto o caminho do desafogo, que calou os paraguaios e incendiou BH. Agora, o time de Cuca segue rumo ao Mundial Interclubes, em dezembro, no Marrocos, em busca do título de melhor do planeta. Enquanto isso, o torcedor festeja a realização do sonho. Sim, atleticano, você pode gritar. O seu grito não é apenas uma comemoração: é um grito de libertação.
Liber-4
Liber-1
Liber-2
Liber-3
Liber-5
FONTE: Estado de Minas.

Danos morais e materiais
Irmão de Ronaldinho Gaúcho pagará quase R$ 500 mil a vizinhos no RS

Roberto e o irmão famosoRoberto e o irmão famoso

O TJ/RS negou recurso de Roberto de Assis Moreira, irmão do jogador Ronaldinho Gaúcho, mantendo sentença que o condenou, junto com a esposa e irmã, a indenizar vizinhos em Porto Alegre em quase R$ 500 mil.

Roberto construiu um muro nos fundos de sua propriedade que desabou, provocando a queda também de um aterro em direção ao terreno e à casa dos autores da ação. A queda do muro destruiu as paredes da residência dos vizinhos, além de esquadrias, vidros, telhado, calçada e outros danos ocasionados.

Na sentença de novembro de 2012, do juiz Alex Gonzalez Custódio, consta que Assis tentou esquivar-se das intimações, de modo que foi designado um defensor público para a defesa da família. “Com relação à postura e conduta do Sr. Roberto de Assis Moreira: é pessoa tão comum quanto um gari que recolhe os dejetos na frente do Fórum! Não é sua condição financeira que determina quando e como ele possa ser citado, intimado ou notificado. Necessariamente os réus terão que efetuar pagamento de honorários para o Fundo de Reaparelhamento da Defensoria Pública, porque é falta de vergonha ser defendido por um órgão destinado a defender pobres, enquanto o Sr. Roberto de Assis Moreira exige para seu irmão uma indenização no valor de R$ 40 milhões junto ao Flamengo, efetivamente com honorários dele incidentes sobre esse valor“, diz o magistrado.

O magistrado condenou os réus a indenizarem por danos materiais no valor de R$ 85.182 e por danos morais R$ 186.600 para cada autor totalizando R$ 373.200.

FONTE: Migalhas.


Defesa histórica classifica o Galo às semifinais da Copa Libertadores. Não importa o que aconteça daqui para frente. A noite de 30 de maio de 2013 ficará marcada para sempre entre os atleticanos como aquela em que o goleiro pegou com o pé um pênalti nos acréscimos e manteve vivo o sonho da conquista da competição continental. Agora faltam apenas quatro jogos. Quase foi uma noite de pânico. E não foi por causa das máscaras de terror que a torcida usou. O Tijuana não se amedrontou, fez 1 a 0, mas acabou sofrendo o empate num gol de Réver. No entanto, os mexicanos tiveram duas outras chances claras para vencer, a última no pênalti já depois do tempo regulamentar. Aí brilhou a estrela de Victor, para delírio e lágrimas da massa. Ufa!!

pé

víctor

 


Time faz 4 a 1 no Tricolor e confirma a classificação às quartas da Libertadores

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press

Ronaldinho e cia divertiram a massa na noite desta quarta-feira. O Atlético atropelou o São Paulo no Independência. Aplicou 4 a 1 no Tricolor e sacramentou a classificação às quartas de final da Copa Libertadores. Jô, marcando três vezes, e Tardelli despacharam o São Paulo do torneio.

O Alvinegro aguarda a definição do confronto entre Palmeiras e Tijuana-MEX para conhecer o próximo adversário. O jogo de ida, no México, ficou 0 a 0.

Antes, o Galo volta as atenções para a decisão do Campeonato Mineiro. No domingo, o time inicia a disputa contra o arquirrival Cruzeiro.

Rodrigo Clemente/EM/D.A Press

No embalo da massa

O caldeirão ferveu. Nas arquibancadas do Independência, a torcida ditou o ritmo. No campo, o time do Atlético seguiu o tom. Os primeiro minutos de jogo foram minutos de abafa. O São Paulo caía no Horto.

Assim que o árbitro uruguaio Roberto Silveira autorizou o início da partida, o Galo mostrou o cartão de visitas. Depois do tradicional lançamento para o ataque, o Alvinegro trocou passes e Jô finalizou por cima do gol. No lance seguinte, Ronaldinho sofreu falta na entrada da área. O camisa 10 cobrou e carimbou o travessão tricolor.

A explosão da torcida foi aos 17 minutos. Diego Tardelli tocou para Bernard, a bola sobrou para Jô, que fuzilou o goleiro Rogério Ceni: 1 a 0.

Depois do gol, o Atlético deixou o ritmo cair. O time passou a trocar mais passes. O São Paulo criou suas chances. Na melhor delas, aos 25 minutos, o goleiro Victor dividiu com Ganso e evitou o empate paulista.

O Galo voltou a tirar o sono da defesa são-paulina. Aos 30 minutos, Ronaldinho levantou a bola na área, Jô desviou e Ceni salvou. Quatro minutos depois, uma oportunidade incrível foi desperdiçada. Leandro Donizete cruzou e Tardelli, livre, cabeceou para fora. Aos 36, Jô tocou para trás, Bernard dominou, chutou e Rafael Toloi salvou em cima da linha.

Na etapa final, o pesadelo tricolor teve seu pior momento. Depois de Jô acertar o travessão, Bernard errar o chute de frente para o gol e Ronaldinho quase marcar de falta, Jô voltou a balançar as redes aos 17 minutos, depois de linda assistência de Bernard.

O São Paulo se perdeu em campo. No minuto seguinte, Réver deu o chutão, Toloi e Ceni vacilaram e Tardelli fez 3 a 0. Já aos 24, Ronaldinho invadiu a área, olhou para um lado, tocou para outro e Jô não perdoou: 4 a 0.

O tricolor marcou o gol de honra aos 30 minutos. Carleto chutou forte, o goleiro Victor espalmou, a bola bateu na cabeça de Luis Fabiano e entrou.

O Atlético quase ampliou aos 35 minutos. Ronaldinho Gaúcho lançou Tardelli, que finalizou e Ceni defendeu. No minuto seguinte, o craque alvinegro por pouco não fez um golaço. R10 esbanjou categoria, fez fila na defesa do São Paulo e chutou rente à trave. Foi a diversão final.

Já no fim da partida, Rosinei se desentendeu com Carleto e ambos acabaram expulsos.

ATLÉTICO 4 X 1 SÃO PAULO

ATLÉTICO
Victor; Marcos Rocha, Gilberto Silva, Réver e Richarlyson; Pierre, Leandro Donizete (Josué), Diego Tardelli (Rosinei), Ronaldinho e Bernard (Luan); Jô. Técnico: Cuca.

SÃO PAULO

Rogério Ceni; Paulo Miranda (Silvinho), Rafael Toloi, Edson Silva e Carleto; Wellington, Denilson (Ademilson), Ganso e Jadson (Maicon); Douglas e Luis Fabiano. Técnico: Ney Franco.

Motivo: Jogo de volta das oitavas de final da Libertadores
Estádio: Independência, em Belo Horizonte
Data: 8 de maio de 2013

Gols: Jô, 17min 1ºT, 17min e 24min 2ºT; Tardelli, 18min 2ºT; Luis Fabiano, 30min 2ºT

Árbitro: Roberto Silveira (URU)
Assistentes: Carlos Pastorino e Gabriel Popovits (URU)

Cartão amarelo: 
Denílson, Jadson (SAO); Donizete, Tardelli, Ronaldinho (ATL)
Cartão vermelho: Carleto (SAO); Rosinei (ATL)

Cruzeiro goleou no primeiro e se garantiu na final com triunfo por 1 a 0 no Mineirão

Ramon Lisboa/EM/D.A Press

O Cruzeiro entrou em campo sem sete titulares e o time formado praticamente por reservas demorou para engrenar contra o Villa Nova, no Mineirão. Mesmo assim, a equipe mostrou mais disposição para buscar o campo de ataque do que o adversário, que precisava golear para sonhar com uma vaga na final do Mineiro. A vantagem de 4 a 0, conquistada no duelo em Nova Lima, fez com que o time celeste dominasse as ações, apesar de apresentar uma intensidade menor em relação a outras ocasiões.

Depois de um primeiro tempo apagado, o Cruzeiro fez o gol da vitória na parte final. Em bela cobrança de falta, Egídio acertou o ângulo de William Nobre e garantiu a vitória celeste por 1 a 0. Jogadores como Dagoberto, Everton Ribeiro e Nilton fizeram falta ao esquema de Marcelo Oliveira. Eles, além de Ceará, Leo, Everton e Fábio foram poupados por causa da final do Estadual.

A missão complicada do Leão do Bonfim poderia ser compensada com outros atrativos. Uma vitória por diferença mínima, mesmo sem garantir uma vaga na final, valia para a equipe o título simbólico de campeão do interior, além de uma vaga na Copa do Brasil de 2014. Porém, com o resultado, o Tombense foi o beneficiado.

As finais do Campeonato Mineiro estão marcadas para os dias 12 e 19 de maio. O primeiro jogo será no Independência, com apenas 10% dos ingressos reservados para a torcida celeste. O duelo final será no Mineirão, mas com a inversão do mando de campo são os torcedores do Galo que ficam com o percentual menor de presentes. O Cruzeiro tem a vantagem de jogar por dois resultados iguais por ter feito a melhor campanha da primeira fase.

Primeiro tempo

Apesar da vantagem de quatro gols, o Cruzeiro começou a partida com vontade de balançar as redes. A primeira ameaça ao gol de Nobre veio de Lucas Silva, aos três minutos, em lance que obrigou o goleiro a espalmar para escanteio. O Villa levou perigo em jogada de linha de fundo, mas a defesa atrapalhou a finalização.

Aos oito minutos, o Leão foi obrigado a mexer na defesa. Com a lesão sentida por Evaldo, o jogador João Paulo entrou em seu lugar. Com isso, Cléber Monteiro foi deslocado para a defesa.

Depois de alguns minutos de jogo morno, o Cruzeiro quase abriu o placar após troca de passes. O lateral Egídio recebeu passe, na medida, e o arremate passou ao lado da trave de William Nobre.

Com sete titulares poupados e larga vantagem no placar agregado, a equipe celeste não demonstrava o mesmo ímpeto de outros jogos. Em jogada pela direita, Goulart quase alcança cruzamento de Tinga. Em outro lance de perigo, o atacante Borges mostrou disposição para roubar a bola do zagueiro, mas o passe foi interceptado.

A necessidade de golear o adversário para conseguir uma vaga na decisão não foi condizente com a postura do Villa Nova nos 30 primeiros minutos. Preso a marcação celeste, o time de Nova Lima chegou poucas vezes ao gol de Rafael.

O meia Diego Souza chegou a marcar para os donos da casa, aos 33, mas o auxiliar marcou impedimento. O gol anulado ‘nasceu’ após jogada de bola parada, em cruzamento que veio da direita. Na sequência, a torcida quase viu o primeiro gol do jogo. Borges aproveitou o erro de passe na saída de bola e finalizou, mas acertou trave.

O Leão do Bonfim deixou para atacar, pela segunda vez no duelo, no fim do primeiro tempo. Maurim tocou para o meio, e Eraldo girou, mas a bola foi para fora.

Segundo tempo

A expectativa do público presente no Mineirão é que a postura das equipes fosse mais agressiva na segunda etapa. O Cruzeiro começou marcando no campo de ataque e o Villa teve dificuldade para sair jogando.

O Cruzeiro tentou ser mais efetivo, mas apresentou erros nos passes finais. O Villa respondeu com um chute de longa distância, mas sem problemas para Rafael. Os visitantes perderam outro jogador por lesão. O lateral Maurim sentiu e entrou Renan Rodrigues.

Aos 14, o técnico Marcelo Oliveira decidiu sacar dois dos titulares remanescentes na equipe. Diego Souza e Guerreiro saíram para as entradas de Ananias e Élber. O gol celeste foi por meio de bola parada. O lateral Egídio cobrou com precisão e abriu o placar: 1 a 0. O jogador foi um dos reservas que ganhou a chance de jogar nesta quarta-feira.

O único titular do Cruzeiro mantido no segundo tempo foi Bruno Rodrigo. Os demais que entraram, foram substituídos pelo técnico. Egídio quase marcou em outro lance de falta, mas o goleiro salvou.

Cruzeiro 1 x 0 Villa Nova

Cruzeiro:
Rafael, Mayke, Bruno Rodrigo, Paulão e Egídio; Leandro Guerreiro (Ananias), Lucas Silva, Tinga e Diego Souza (Élber); Ricardo Goulart e Borges (Anselmo Ramon).
Técnico: Marcelo Oliveira

Villa Nova:
William Nobre; Rodrigo Rocha, Heitor, Evaldo (João Paulo) e Maurim (Renan Rodrigues); Cléber Monteiro, Marcelo Rosa, Max Carrasco e Tchô; Rafael Gomes e Eraldo
Técnico: Alexandre Barroso

Motivo: 2º jogo da semifinal do Campeonato Mineiro
Estádio: Mineirão, em Belo Horizonte
Data: 8 de maio de 2013, às 20h30
Gols: Egídio, aos 24 minutos
Árbitro: Wanderson Alves de Souza (MG)
Assistentes: Frederico Soares Vilarinho (MG) e Luiz Antônio Barbosa (MG)
Cartão amarelo: Rafael Gomes, João Paulo e Max Carrasco (Villa Nova)
Cartão vermelho:
Pagantes:10.965
Renda:R$ 427.755,00

FONTE: Estado de Minas.

horto

Atlético x São Paulo: serviço especial de transporte coletivo

A BHTRANS implanta nesta quarta-feira, 8/5, serviço especial de transporte coletivo para o jogo Atlético x São Paulo, que será realizado no Independência. O serviço da linha 9033 (Arena Independência/Centro) começa a operar a partir das 20h40h. O intervalo de viagens será de 20 minutos ou de acordo com a demanda de passageiros.

Em virtude dos dois jogos, Cruzeiro x Vila Nova às 20h30 no Mineirão e Atlético x São Paulo às 22h no Independência, a BHTRANS orienta aos torcedores que dirijam-se aos estádios mais cedo e deem preferência ao transporte coletivo.

 Clique para saber como chegar na Arena Independência

O serviço contará com ônibus que partem da Rua dos Tamoios 873, entre Rua Rio Grande do Sul e Avenida Olegário Maciel, duas horas antes do início do jogo. O preço da passagem é de R$ 2,80.  Para a volta à Área Central, a primeira viagem será 10 minutos antes do final do jogo, e a última, uma hora após o encerramento da partida.

Pontos de Embarque da linha 9033:
– Rua dos Tamoios, 873 (entre Rua Rio Grande do Sul e Avenida Olegário Maciel);
– Rua Santa Catarina, 201 (entre Avenida Augusto de Lima e Avenida Amazonas);
– Avenida Amazonas, 709 (entre Rua Tupis e Rua São Paulo);
– Rua Tamoios, 33 (entre Avenida Afonso Pena e Rua da Bahia);
– Avenida Assis Chateaubriand, 499 (próximo ao Teatro Alterosa).

 

Cruzeiro x Vila Nova: serviço especial de transporte para jogo
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A BHTRANS implanta nesta quarta-feira, 8/5, serviço especial de transporte coletivo para o jogo Cruzeiro X Vila Nova, que será realizado no Mineirão. O serviço especial de transporte coletivo contará com uma frota de 3 ônibus que saem da Área Central, a partir das 18h. Os veículos da Rua Rio Grande do Sul, entre ruas dos Tamoios e dos Tupis.

Em virtude dos dois jogos, Cruzeiro x Vila Nova às 20h30 no Mineirão e Atlético x São Paulo às 22h no Independência, a BHTRANS orienta aos torcedores que dirijam-se aos estádios mais cedo e deem preferência ao transporte coletivo.

O preço da passagem dos ônibus da Área Central é de R$ 2,80. Vale lembrar que o Cartão BHBUS não pode ser utilizado nas viagens do transporte especial para os jogos no Mineirão. Por razões de segurança, os validadores da bilhetagem eletrônica são retirados dos ônibus.

Agentes da Unidade Integrada de Trânsito irão operar o tráfego na região e nos principais corredores de acesso ao estádio.

A BHTRANS orienta que os torcedores utilizem, preferencialmente, o transporte coletivo. Além do serviço especial, as seguintes linhas do transporte coletivo também atendem ao Mineirão:

– 2004 (Bandeirantes /Pilar via Olhos D’água);
– 5401 (São Luiz /Dom Cabral);
– 64 (Estação Venda Nova /Santo Agostinho via Carlos Luz );
– Circulares 503 e 504 (Santa Rosa /Aparecida /São Luís);
– Suplementares 51 e 52 (Circular Pampulha), 53 (Confisco /Pampulha /São Gabriel), 54 A e 54 B (Dom Bosco /Shopping Del Rey );

ESTACIONAMENTO NAS VIAS NO ENTORNO – O entorno do Mineirão terá área de estacionamento para os torcedores. As pistas externas das avenidas Abraão Caram, Cel. Oscar Paschoal, Carlos Luz e C estarão disponíveis para estacionamento, porém alguns trechos serão reservados para vagas para transporte coletivo especial, pontos de táxi e veículos de imprensa.  Não será possível estacionar nas pistas internas que são dedicadas ao acesso/saída do estacionamento do estádio. Desta maneira, os torcedores devem ficar atentos e respeitar a sinalização de trânsito.

FONTE: BHTrans.


Depois do fiasco no Mineirão – https://universobh.wordpress.com/2013/02/08/mineirao-reduziram-o-nosso-bom-e-velho-tropeirao-a-farinha-e-feijao-x/ – parece que ressuscitaram o nosso velho e bom tropeiro. Qualquer dia vou lá conferir…

 

Torcida do Atlético aprova o novo Tropeiro
Torcedores aprovaram o ‘novo’ tropeiro

“Tem tropeiro”, gritavam, na noite de quinta-feira (8), durante a partida contra o The Strongest, 2 a 1, os torcedores alvinegros, no espaço reservado aos sócios do programa Galo na Veia, no Independência.

E os atleticanos formaram fila para experimentar o tradicional prato. Diferente do criticado tropeiro do Mineirão, a iguaria servida no Independência lembrava o antigo prato do Gigante da Pampulha, servido com arroz, feijão preto, carne, ovo e couve. O preço de R$ 11 foi considerado salgado pela Massa, mas o sabor foi aprovado com louvor. Nos próximos jogos do Atlético no Gigante do Horto, o tropeiro estará disponível em todo os setores do estádio.

 



%d blogueiros gostam disto: