Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: horto

Galo e Cruzeiro 2

Sim, ainda é possível. Mostrando toda a gana e toda a raça de um time que almeja o título, o Atlético bateu o forte Internacional, no Horto, por 2 a 1, diminuindo para dois pontos a diferença para o líder Corinthians. Nunca o Goiás, adversário do time paulista, nesta quinta, no Itaquerão, contará com tanta torcida a favor.

.

O triunfo alvinegro fez o Galo saltar para os 59 pontos. O Timão tem 61 e, no máximo, vai retomar a diferença para os anteriores cinco pontos. Restam oito rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro, reserva um Atlético e Corinthians, no Independência, dia 1º de novembro.

.

Há quase um mês, o Galo não jogava no Horto. O torcedor estava com saudade e já tratou de gritar o famoso “eu acredito” assim que os jogadores pisaram no gramado. Era para pilhar a equipe. E funcionou. A pressão inicial lembrou a velha máxima de caldeirão do estádio. Só mesmo uma certa afogação atrapalhava o time.

.

Bola no chão e tranquilidade eram a fórmula. Numa dessas, Rodrigo Dourado se atrapalhou e cortou a bola com a mão na área. Pênalti e arremate perfeito de Lucas Pratto, seu 12º gol no campeonato, o 22º na temporada, o terceiro seguido em cobrança de penalidade.

.

Com prejuízo no placar, o Colorado teve que sair para o jogo, mas o Galo manteve a toada. Impressionou a disposição dos atleticanos para se atirar nos carrinhos e nas divididas. Em um desses lances de raça, Giovanni Augusto recebeu na área, limpou o marcador e perdeu um daqueles gols incríveis.

.

O jogo parecia controlado, o goleiro Victor não tinha feito sequer uma defesa. Mas na cobrança de escanteio, Paulão pregou uma cabeçada certeira para empatar no fim da primeira etapa. Erro de posicionamento, um vacilo. “Jogo como esse, não se pode dar ao luxo de perder tantas chances”, resumiu o camisa 1 alvinegro.

.

Para o segundo tempo, o Atlético se mandou para cima sob a batuta da Massa. Mas, novamente, a ansiedade atrapalhava. Em lances de paciência, os jogadores do Galo preferiam o disparo de longe, sem rumo. Por causa da baixa margem de erros com relação a briga pelo título, o relógio também se tornava um inimigo.

.

Mas o time estava bem, era intenso, acuava o time gaúcho. Para dar nova movimentação, Levir colocou Patric em campo. Correria também pode ser sinônimo de qualidade. E foi pelo lado esquerdo, após arremate de Douglas Santos e rebote de Muriel, Marcos Rocha desempatou. Ufa!

.

Daí para o fim, o Inter precisou avançar mais, abrindo o jogo para os contra-golpes do Galo. Numa delas, Muriel evitou o primeiro gol de Cárdenas pelo Galo. Em outra, Patric se embolou com a bola. E em mais outra, o colombiano perderia na marca do pênalti. O Colorado ainda assustaria, como na bela defesa de falta de Victor. Mas prevaleceu quem correu mais, quem tem objetivos maiores.
.
ATLÉTICO 2 x 1 INTERNACIONAL
.
Estádio: Independência, em Belo Horizonte
Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Gols: Lucas Pratto e Marcos Rocha (A); Paulão (I)
Cartões amarelos: Leandro Donizete e Luan (A); Rodrigo Dourado, Alex Vitinho (I)
Público: 19.023 pagantes
Renda: R$ 866.390
.
Atlético
Victor, Marcos Rocha, Edcarlos, Jemerson e Douglas Santos (Pedro Botelho); Leandro Donizete, Rafael Carioca, Luan, Giovanni Augusto (Cárdenas), Thiago Ribeiro (Patric); Lucas Pratto. Técnico: Levir Culpi

.

Internacional
Muriel, Leo, Réver, Paulão e Ernando; Rodrigo Dourado, Nilton, Anderson (Vitinho) e Alex (Rafael Moura); Valdívia (Alisson Faria) e Lisandro López. Técnico: Argel Fucks

.

CRUZEIRO

Ele voltou endiabrado da seleção uruguaia. Com a Celeste Olímpica na ponta das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo, Arrascaeta era pura motivação quando desembarcou em Curitiba, nesta quarta-feira, pronto para ajudar o Cruzeiro contra o Atlético-PR. E foi graças ao meia-atacante que a Raposa obteve um empate heroico, por 2 a 2, na Arena da Baixada. Por pouco, o time azul não venceu. No entanto, a ótima atuação do gringo pode, enfim, representar o início da volta por cima do atleta.

.

Quando foi confirmado como reforço cruzeirense para a temporada, Arrascaeta chegou com status de um craque a ser lapidado. No entanto, alternou altos e baixo, e perdeu titularidade. O ex-técnico da Raposa, Vanderlei Luxemburgo, disse certa vez, que o uruguaio ‘não era atleta’ para aguentar a bateria de desafios do futebol brasileiro. Porém, o jogador nunca abaixou a cabeça e trabalhou forte para tentar reconquistar seu espaço.

.

Nessa quarta-feira, ele deixou o banco de suplentes para incendiar o confronto. O Atlético-PR vencia por 1 a 0, com gol de Ewandro. Mas o Cruzeiro empatou com Fabrício, de falta. Bruno Pereirinha recolocou o Furacão em vantagem. Só que o destino conspirava para Arrascaeta, que, de tanto insistir, balançou as redes e garantiu o empate em 2 a 2.

.

No domingo, às 11h, no Mineirão, a Raposa encara o Fluminense, pela 31ª rodada do Brasileirão.

.

O jogo
.
Há tempos não se via um primeiro tempo tão insosso por parte do Cruzeiro. Erros de passe, falta de competência na ligação do meio-campo ao ataque e ineficiência nas raras oportunidades para finalizar foram a tônica do time celeste nos 45 minutos iniciais. Para piorar, uma desatenção de todo o sistema defensivo resultou no gol de Ewandro, aos 36 min.

.

Sem inspiração alguma, Marinho deixou o campo de jogo no intervalo para a entrada de Arrascaeta. E o uruguaio deu uma nova dinâmica ao time celeste. Explorando sua velocidade e abusando dos dribles, o meia-atacante criou boas situações de gol aos azuis. De tanto insistir, o Cruzeiro empatou com Fabrício. Bruno Pereirinha recolocou o Furacão em vantagem. Mas Arrascaeta, em noite iluminada, empatou novamente.

.

FONTE: O Tempo.


Clássico entre Atlético-MG e Cruzeiro terá esquema especial de trânsito

BHTrans orienta torcedores a utilizar transporte público nesta quarta (12).

Várias vias no entorno do Estádio Independência serão interditadas.

 

A Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) vai implantar nesta quarta-feira (12) um esquema especial de trânsito para atender aos torcedores que forem ao Estádio Independência, no bairro Horto, Região Leste de Belo Horizonte.

Atlético-MG e Cruzeiro se enfrentam no primeiro jogo da final da Copa do Brasil.

Segundo a BHTrans, o transporte coletivo é a melhor opção. A linha 9033 (Arena Independência/ Centro) começa a operar a partir das 20h30. O intervalo de viagens será de 20 minutos ou de acordo com a demanda de passageiros.

Pontos de embarque da linha 9033:

– Rua dos Tamoios, 873 (entre Rua Rio Grande do Sul e Avenida Olegário Maciel);
– Rua Santa Catarina, 201 (entre Avenida Augusto de Lima e Avenida Amazonas);
– Avenida Amazonas, 709 (entre Rua Tupis e Rua São Paulo);
– Rua Tamoios, 33 (entre Avenida Afonso Pena e Rua da Bahia);
– Avenida Assis Chateaubriand, 499 (próximo ao Teatro Alterosa);
– Rua Pitangui, 2.756, entre ruas Santa Marta e Barão de Cocais.

Além do transporte especial, as linhas 4802A (Pindorama/ Boa Vista), 8001A (Santa Inês/ BH Shopping), 9105 (Nova Vista/ Sion), 9205 (Nova Vista/ Nova Cintra), 9402 (Santa Inês/ Santo André), 9405 (Instituto Agronômico/ Monsenhor Messias) e 9414 (Santa Inês/ João Pinheiro) também atendem à região do estádio.

Interdição
Torcedores também devem ficar atentos às alterações no trânsito. As vias abaixo serão interditadas, com exceção ao tráfego de moradores:

– Rua Pitangui, trecho entre a Rua Nancy de Vasconcellos Gomes e Rua Conselheiro Rocha;- – Rua Ismênia Tunes;
– Rua Marciolina Montijo;
– Rua Alexandre Tourinho;
– Rua Mario de Andrade Gomes;
– Rua Manoel Cailaux;
– Rua Córrego da Mata, trecho entre Rua Nancy de Vasconcelos Gomes e Rua Ismênia Tunes;
– Rua São Felipe, trecho entre a Rua Pitangui e Rua Genoveva de Souza;
– Rua Santa Clara, trecho entre a Rua Pitangui e Rua Genoveva de Souza;
– Rua João Carlos, trecho entre a Rua Pitangui e Rua Genoveva de Souza.

Trânsito será alterado no entorno do Estádio IndependênciaTrânsito será alterado no entorno do Estádio Independência

Estacionamento
Motoristas também não vão poder estacionar nas vias abaixo:
– Rua Alabastro, entre Rua Pitangui e Avenida Silviano Brandão;
– Rua Nancy de Vasconcelos, entre Rua Pitangui e Avenida Silviano Brandão;
– Rua Vicentina de Souza, entre Rua Jacques Luciano e Rua João Carlos
– Rua Genoveva de Souza, entre Rua Jacques Luciano e Rua João Carlos
– Rua João Carlos, entre Rua Jacques Luciano e Rua Santa Clara
– Rua Santa Clara, entre Rua João Carlos e Rua Vicentina de Souza
– Rua São Felipe, entre Rua João Carlos e Rua Santíssima Trindade
– Rua Santíssima Trindade, entre Rua Volta Grande e Rua Jacques Luciano

Agentes da BHTrans vão monitorar o tráfego no local.

 

FONTE: G1.


Sinal verde para início das obras da Via 710

 

O taxista Lourival, cujo imóvel é irregular por ter invadido terreno da RFFSA

A licitação das obras para a implantação da Via 710, ligação viária entre as avenidas Cristiano Machado e Andradas, está concluída. A Prefeitura de Belo Horizonte publicou ontem, no Diário Oficial do Município (DOM) a homologação do certame, sinal verde para a assinatura do contrato pelo Consórcio Conata Marins. Segundo a PBH, o início das intervenções que vão interligar as regiões Leste e Nordeste de BH sem a necessidade de passar pelo Centro ou usar ruas de baixa capacidade da região está previsto para daqui a 60 dias. O prazo de obras que consta no edital é de 18 meses, contados a partir da primeira ordem de serviço, e o valor estimado é de R$ 145 milhões, com possibilidade de aumento em virtude das desapropriações que estão na Justiça. A nova avenida estava prevista para ficar pronta antes da Copa do Mundo, mas as dificuldades com as desapropriações e falhas no projeto atrasaram os trabalhos. 

Para que a Via 710 vire realidade, 649 famílias terão que deixar suas casas, sendo 211 desapropriações, caso daqueles que são donos dos lotes, e 438 remoções, exemplo das invasões sem regularização. A reportagem do EM percorreu os bairros Horto e Instituto Agronômico (Leste) e União e Dom Joaquim (Nordeste), que serão cortados pela nova via. O maior esforço se concentrará na Via Arthur de Sá, posicionada atrás do Minas Shopping. Ali estão 291 domicílios que serão removidos pela Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte (Urbel), pois a área é invadida e por isso não há regularização.Na Rua Maíra, Bairro União, já é certo que o conjunto de construções que forma quatro moradias onde reside a família do taxista Lourival de Oliveira, 67 anos, terá que ser demolido para viabilizar a construção viária. Como o terreno não é regularizado, ele será removido pela Urbel. “Desde que fizeram contato comigo, não estou nem dormindo direito. Eles me ofereceram R$ 289 mil, mas acho que para arrumar lugar para todos que moram comigo seria necessário R$ 500 mil”, diz ele. O terreno de cerca de 180 metros quadrados onde está a construção que abriga as 12 pessoas da família de Lourival pertencia à antiga Rede Ferroviária Federal, segundo ele. “Só um lote nessa região é R$ 450 mil. Preciso abrigar meu pessoal, estou muito triste”, lamenta.JUSTIÇA Segundo a Sudecap, das 211 desapropriações, 81 imóveis já estão liberados, 96 estão na Justiça e 34 ainda negociam com a prefeitura. Já o balanço da Urbel dá conta de 60 famílias praticamente acertadas para sair de suas residências e seis já reassentadas, restando ainda 372 moradias a serem removidas. 

Segundo a Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura, a Via 710 terá uma trincheira no encontro com a Avenida Contagem e com as ruas Gustavo da Silveira e Conceição do Pará, um viaduto no entroncamento com a Avenida José Cândido da Silveira, outro elevado na Rua Bolívar sobre a linha do metrô, ciclovia e duas a quatro faixas de rolamento em cada sentido. A extensão será de cerca de quatro quilômetros. Em maio, a prefeitura inaugurou uma ligação semelhante. A Via 210 também faz a conexão entre duas importantes avenidas de regiões diferentes, a Tereza Cristina, no Bairro Vista Alegre (Oeste), e a Via do Minério, no Barreiro.

FONTE: Estado de Minas.


Galo forte vencedor

Libertadores

Tinha de ser sofrido. Com muitas doses de drama e mais de duas horas de emoção, o Atlético conquistou nas primeiras horas de hoje o maior título da sua história: o da Copa Libertadores de 2013, ao vencer o Olimpia por 4 a 3 nos pênaltis, depois de devolver no tempo regulamentar o placar de 2 a 0 da derrota em Assunção e de 0 a 0 na prorrogação. Os gols do alívio só saíram no segundo tempo, com Jô (artilheiro da competição) a 1min e Leonardo Silva aos 42min. Nos pênaltis, o Galo converteu suas quatro cobranças, enquanto Victor defendeu a primeira dos paraguaios e viu a quarta carimbar o alto da trave. Fim da longa espera e início de uma madrugada que Belo Horizonte e inúmeras cidades mineiras não esquecerão tão cedo.
“Campeão da América!” Preso na garganta havia mais de 40 anos, o grito atleticano enfim tomou conta do Mineirão: quase 60 mil pessoas testemunharam a conquista inédita da Libertadores. Mas não seria uma façanha do Galo se não fosse dramática, sofrida, de testar corações e nervos. No início e no fim do segundo tempo, os gols de Jô e Leonardo Silva fizeram a massa delirar, mas a vitória por 2 a 0 no Olimpia não era o suficiente. O Galo precisava de mais: sem gols na prorrogação, teve que decidir nos pênaltis. E quando São Victor, com as asas de pássaro da célebre oração de Roberto Drummond, defendeu a primeira cobrança, estava aberto o caminho do desafogo, que calou os paraguaios e incendiou BH. Agora, o time de Cuca segue rumo ao Mundial Interclubes, em dezembro, no Marrocos, em busca do título de melhor do planeta. Enquanto isso, o torcedor festeja a realização do sonho. Sim, atleticano, você pode gritar. O seu grito não é apenas uma comemoração: é um grito de libertação.
Liber-4
Liber-1
Liber-2
Liber-3
Liber-5
FONTE: Estado de Minas.

Defesa histórica classifica o Galo às semifinais da Copa Libertadores. Não importa o que aconteça daqui para frente. A noite de 30 de maio de 2013 ficará marcada para sempre entre os atleticanos como aquela em que o goleiro pegou com o pé um pênalti nos acréscimos e manteve vivo o sonho da conquista da competição continental. Agora faltam apenas quatro jogos. Quase foi uma noite de pânico. E não foi por causa das máscaras de terror que a torcida usou. O Tijuana não se amedrontou, fez 1 a 0, mas acabou sofrendo o empate num gol de Réver. No entanto, os mexicanos tiveram duas outras chances claras para vencer, a última no pênalti já depois do tempo regulamentar. Aí brilhou a estrela de Victor, para delírio e lágrimas da massa. Ufa!!

pé

víctor

 


Time faz 4 a 1 no Tricolor e confirma a classificação às quartas da Libertadores

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press

Ronaldinho e cia divertiram a massa na noite desta quarta-feira. O Atlético atropelou o São Paulo no Independência. Aplicou 4 a 1 no Tricolor e sacramentou a classificação às quartas de final da Copa Libertadores. Jô, marcando três vezes, e Tardelli despacharam o São Paulo do torneio.

O Alvinegro aguarda a definição do confronto entre Palmeiras e Tijuana-MEX para conhecer o próximo adversário. O jogo de ida, no México, ficou 0 a 0.

Antes, o Galo volta as atenções para a decisão do Campeonato Mineiro. No domingo, o time inicia a disputa contra o arquirrival Cruzeiro.

Rodrigo Clemente/EM/D.A Press

No embalo da massa

O caldeirão ferveu. Nas arquibancadas do Independência, a torcida ditou o ritmo. No campo, o time do Atlético seguiu o tom. Os primeiro minutos de jogo foram minutos de abafa. O São Paulo caía no Horto.

Assim que o árbitro uruguaio Roberto Silveira autorizou o início da partida, o Galo mostrou o cartão de visitas. Depois do tradicional lançamento para o ataque, o Alvinegro trocou passes e Jô finalizou por cima do gol. No lance seguinte, Ronaldinho sofreu falta na entrada da área. O camisa 10 cobrou e carimbou o travessão tricolor.

A explosão da torcida foi aos 17 minutos. Diego Tardelli tocou para Bernard, a bola sobrou para Jô, que fuzilou o goleiro Rogério Ceni: 1 a 0.

Depois do gol, o Atlético deixou o ritmo cair. O time passou a trocar mais passes. O São Paulo criou suas chances. Na melhor delas, aos 25 minutos, o goleiro Victor dividiu com Ganso e evitou o empate paulista.

O Galo voltou a tirar o sono da defesa são-paulina. Aos 30 minutos, Ronaldinho levantou a bola na área, Jô desviou e Ceni salvou. Quatro minutos depois, uma oportunidade incrível foi desperdiçada. Leandro Donizete cruzou e Tardelli, livre, cabeceou para fora. Aos 36, Jô tocou para trás, Bernard dominou, chutou e Rafael Toloi salvou em cima da linha.

Na etapa final, o pesadelo tricolor teve seu pior momento. Depois de Jô acertar o travessão, Bernard errar o chute de frente para o gol e Ronaldinho quase marcar de falta, Jô voltou a balançar as redes aos 17 minutos, depois de linda assistência de Bernard.

O São Paulo se perdeu em campo. No minuto seguinte, Réver deu o chutão, Toloi e Ceni vacilaram e Tardelli fez 3 a 0. Já aos 24, Ronaldinho invadiu a área, olhou para um lado, tocou para outro e Jô não perdoou: 4 a 0.

O tricolor marcou o gol de honra aos 30 minutos. Carleto chutou forte, o goleiro Victor espalmou, a bola bateu na cabeça de Luis Fabiano e entrou.

O Atlético quase ampliou aos 35 minutos. Ronaldinho Gaúcho lançou Tardelli, que finalizou e Ceni defendeu. No minuto seguinte, o craque alvinegro por pouco não fez um golaço. R10 esbanjou categoria, fez fila na defesa do São Paulo e chutou rente à trave. Foi a diversão final.

Já no fim da partida, Rosinei se desentendeu com Carleto e ambos acabaram expulsos.

ATLÉTICO 4 X 1 SÃO PAULO

ATLÉTICO
Victor; Marcos Rocha, Gilberto Silva, Réver e Richarlyson; Pierre, Leandro Donizete (Josué), Diego Tardelli (Rosinei), Ronaldinho e Bernard (Luan); Jô. Técnico: Cuca.

SÃO PAULO

Rogério Ceni; Paulo Miranda (Silvinho), Rafael Toloi, Edson Silva e Carleto; Wellington, Denilson (Ademilson), Ganso e Jadson (Maicon); Douglas e Luis Fabiano. Técnico: Ney Franco.

Motivo: Jogo de volta das oitavas de final da Libertadores
Estádio: Independência, em Belo Horizonte
Data: 8 de maio de 2013

Gols: Jô, 17min 1ºT, 17min e 24min 2ºT; Tardelli, 18min 2ºT; Luis Fabiano, 30min 2ºT

Árbitro: Roberto Silveira (URU)
Assistentes: Carlos Pastorino e Gabriel Popovits (URU)

Cartão amarelo: 
Denílson, Jadson (SAO); Donizete, Tardelli, Ronaldinho (ATL)
Cartão vermelho: Carleto (SAO); Rosinei (ATL)

Cruzeiro goleou no primeiro e se garantiu na final com triunfo por 1 a 0 no Mineirão

Ramon Lisboa/EM/D.A Press

O Cruzeiro entrou em campo sem sete titulares e o time formado praticamente por reservas demorou para engrenar contra o Villa Nova, no Mineirão. Mesmo assim, a equipe mostrou mais disposição para buscar o campo de ataque do que o adversário, que precisava golear para sonhar com uma vaga na final do Mineiro. A vantagem de 4 a 0, conquistada no duelo em Nova Lima, fez com que o time celeste dominasse as ações, apesar de apresentar uma intensidade menor em relação a outras ocasiões.

Depois de um primeiro tempo apagado, o Cruzeiro fez o gol da vitória na parte final. Em bela cobrança de falta, Egídio acertou o ângulo de William Nobre e garantiu a vitória celeste por 1 a 0. Jogadores como Dagoberto, Everton Ribeiro e Nilton fizeram falta ao esquema de Marcelo Oliveira. Eles, além de Ceará, Leo, Everton e Fábio foram poupados por causa da final do Estadual.

A missão complicada do Leão do Bonfim poderia ser compensada com outros atrativos. Uma vitória por diferença mínima, mesmo sem garantir uma vaga na final, valia para a equipe o título simbólico de campeão do interior, além de uma vaga na Copa do Brasil de 2014. Porém, com o resultado, o Tombense foi o beneficiado.

As finais do Campeonato Mineiro estão marcadas para os dias 12 e 19 de maio. O primeiro jogo será no Independência, com apenas 10% dos ingressos reservados para a torcida celeste. O duelo final será no Mineirão, mas com a inversão do mando de campo são os torcedores do Galo que ficam com o percentual menor de presentes. O Cruzeiro tem a vantagem de jogar por dois resultados iguais por ter feito a melhor campanha da primeira fase.

Primeiro tempo

Apesar da vantagem de quatro gols, o Cruzeiro começou a partida com vontade de balançar as redes. A primeira ameaça ao gol de Nobre veio de Lucas Silva, aos três minutos, em lance que obrigou o goleiro a espalmar para escanteio. O Villa levou perigo em jogada de linha de fundo, mas a defesa atrapalhou a finalização.

Aos oito minutos, o Leão foi obrigado a mexer na defesa. Com a lesão sentida por Evaldo, o jogador João Paulo entrou em seu lugar. Com isso, Cléber Monteiro foi deslocado para a defesa.

Depois de alguns minutos de jogo morno, o Cruzeiro quase abriu o placar após troca de passes. O lateral Egídio recebeu passe, na medida, e o arremate passou ao lado da trave de William Nobre.

Com sete titulares poupados e larga vantagem no placar agregado, a equipe celeste não demonstrava o mesmo ímpeto de outros jogos. Em jogada pela direita, Goulart quase alcança cruzamento de Tinga. Em outro lance de perigo, o atacante Borges mostrou disposição para roubar a bola do zagueiro, mas o passe foi interceptado.

A necessidade de golear o adversário para conseguir uma vaga na decisão não foi condizente com a postura do Villa Nova nos 30 primeiros minutos. Preso a marcação celeste, o time de Nova Lima chegou poucas vezes ao gol de Rafael.

O meia Diego Souza chegou a marcar para os donos da casa, aos 33, mas o auxiliar marcou impedimento. O gol anulado ‘nasceu’ após jogada de bola parada, em cruzamento que veio da direita. Na sequência, a torcida quase viu o primeiro gol do jogo. Borges aproveitou o erro de passe na saída de bola e finalizou, mas acertou trave.

O Leão do Bonfim deixou para atacar, pela segunda vez no duelo, no fim do primeiro tempo. Maurim tocou para o meio, e Eraldo girou, mas a bola foi para fora.

Segundo tempo

A expectativa do público presente no Mineirão é que a postura das equipes fosse mais agressiva na segunda etapa. O Cruzeiro começou marcando no campo de ataque e o Villa teve dificuldade para sair jogando.

O Cruzeiro tentou ser mais efetivo, mas apresentou erros nos passes finais. O Villa respondeu com um chute de longa distância, mas sem problemas para Rafael. Os visitantes perderam outro jogador por lesão. O lateral Maurim sentiu e entrou Renan Rodrigues.

Aos 14, o técnico Marcelo Oliveira decidiu sacar dois dos titulares remanescentes na equipe. Diego Souza e Guerreiro saíram para as entradas de Ananias e Élber. O gol celeste foi por meio de bola parada. O lateral Egídio cobrou com precisão e abriu o placar: 1 a 0. O jogador foi um dos reservas que ganhou a chance de jogar nesta quarta-feira.

O único titular do Cruzeiro mantido no segundo tempo foi Bruno Rodrigo. Os demais que entraram, foram substituídos pelo técnico. Egídio quase marcou em outro lance de falta, mas o goleiro salvou.

Cruzeiro 1 x 0 Villa Nova

Cruzeiro:
Rafael, Mayke, Bruno Rodrigo, Paulão e Egídio; Leandro Guerreiro (Ananias), Lucas Silva, Tinga e Diego Souza (Élber); Ricardo Goulart e Borges (Anselmo Ramon).
Técnico: Marcelo Oliveira

Villa Nova:
William Nobre; Rodrigo Rocha, Heitor, Evaldo (João Paulo) e Maurim (Renan Rodrigues); Cléber Monteiro, Marcelo Rosa, Max Carrasco e Tchô; Rafael Gomes e Eraldo
Técnico: Alexandre Barroso

Motivo: 2º jogo da semifinal do Campeonato Mineiro
Estádio: Mineirão, em Belo Horizonte
Data: 8 de maio de 2013, às 20h30
Gols: Egídio, aos 24 minutos
Árbitro: Wanderson Alves de Souza (MG)
Assistentes: Frederico Soares Vilarinho (MG) e Luiz Antônio Barbosa (MG)
Cartão amarelo: Rafael Gomes, João Paulo e Max Carrasco (Villa Nova)
Cartão vermelho:
Pagantes:10.965
Renda:R$ 427.755,00

FONTE: Estado de Minas.


%d blogueiros gostam disto: