Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: intenso

Temperatura pode cair a 10 graus em BH amanhã, com sensação térmica de 6, devido a rajadas de vento, diz Defesa Civil

Bruna Santoro, e a cadela Lola

 

 

Duas calças, uma camisa, duas blusas de lã, um guarda-pó e uma touca protegendo a cabeça e as orelhas. Otacílio Rosa da Paixão, de 69 anos, saiu de casa ontem preparado para o frio na Praça do Papa, no Bairro Mangabeiras, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, onde trabalha há 31 anos vendendo cachorro-quente, às vezes, até por volta da meia-noite. E ele se prepara para tirar mais agasalhos do armário. A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) emitiu alerta de que a temperatura mínima na capital deve chegar a 10 graus até amanhã, podendo gerar sensação térmica de 6 graus por causa de rajadas de vento. “Já passei frio de 4 graus aqui no alto da Avenida Afonso Pena. A minha mão fica gelada, mas preciso preparar cachorro-quente e não tenho como usar luvas”, reclama Otacílio, que recorre aos bolsos do agasalho para aquecer as mãos.

DIAS GELADOS…

A presença de uma massa de ar frio sobre o Sudeste mantém as temperaturas baixas em Minas, principalmente à noite e de madrugada. Até sexta-feira, BH pode registrar a menor temperatura mínima do ano. Em 12 de julho, a capital registrou 11,8 graus. Em 26 de junho, os termômetros marcaram 12,1 graus. Em 13 de maio, chegou a 10,8 graus. “A queda acentuada da temperatura mínima ocorrerá mais entre as 5h e as 7h, mas durante o dia ficará em torno de 24 graus, quinta e sexta-feira”, informa o meteorologista do Clima Tempo, Ruibran dos Reis.

O frio na Praça do Papa era tanto na tarde de ontem que a professora Bruna Santoro, de 32, também agasalhou Lola, sua vira-lata. Bruna usava calça de tecido grosso, botas, agasalho e touca. “Lola treme toda de frio, coitadinha. Preciso ficar cobrindo ela o tempo todo no sofá”, conta a professora, que gosta de frio para tomar vinho e comer massas. 

Na Praça da Liberdade, no Bairro Funcionários, Região Centro-Sul, o frio pegou muita gente de surpresa. Um grupo de estudantes de letras de Belém (PA), acostumado ao calor intenso da cidade onde mora, participa de um evento em BH. Todos saíram desprevenidos. Izabela Lima, de 20, estava de saia e reclamou de muito frio nas pernas. “O sol saiu de manhã e ficamos animados, mas o frio só foi apertando. Estou passando mal. Lá em Belém é muito quente. Sempre saio de short, saia e chinelo”, afirma a estudante.

CALDO QUENTE Frio é bom para namorar, concordam os estudantes Karina Souza Moraes, de 24, e Luiz Felipe Botelho, de 21. “Quanto mais agarradinho, melhor. Bom para ver um filme, tomar um vinho e um caldo quente” , conta a jovem, abraçada ao namorado em um banco da Praça da Liberdade. Para Luiz Felipe, o frio não é incômodo, nem quando sai de casa pela manhã. “O que me incomoda é chuva”, disse. Karina acha roupas de inverno elegantes e as pessoas ficam mais bonitas. “A gente nem precisa de maquiagem. A cara já fica rosadinha”, brinca.

Para quem trabalha o tempo todo na rua, como o soldado da Polícia Militar Neimar Vieira de Souza, de 27, tem sempre que ter um agasalho nesta época do ano. “Quando tenho que trabalhar à noite, em jogos no Mineirão ou no Independência, sinto mais frio ainda.”, disse o militar.

A psicóloga Maria Auxiliadora Morais, de 52, saiu de casa “empacotada” ontem. “Com o frio que estão dizendo que vem por aí, vou ter que tirar mais roupa do armário”, brincou. “Gosto do frio, mas o vento me incomoda às vezes”, disse. Para dormir, a psicóloga conta que tem recorrido a vários edredons, pijama bem quentinho e meias. 

A microempresária Marise Neli, de 54, disse detestar frio. “Se continuar assim, vou ter que comprar mais roupas quentes. Espero que as previsões estejam erradas”, comentou. A auxiliar administrativa Érika Nascimento, de 36, disse que ontem a sua vontade era de ficar na cama o dia todo. “Para dormir, edredon, edredon, edredon. Mas eu só que fico pensando nas pessoas que dormem nas ruas”, comentou. A Secretaria Municipal de Políticas Sociais informou que os abrigos recebem um número maior de pessoas nesta época do ano e que a rede está preparada para atender a demanda, fornecendo alimentação e pernoite para os interessados.

FONTE: Estado de Minas.



%d blogueiros gostam disto: