Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: livro

Uma lenda viva na internet
Série de reportagens exclusivas do EM sobre a vida da mulher que inspirou o romance e a série de TV segue repercutindo nas redes sociais, inclusive de personalidades e jornalistas

 

 

Hilda Furacão, de 83 anos, vive em um asilo em Buenos Aires (IVAN DRUMMOND/EM/D.A PRESS)
Hilda Furacão, de 83 anos, vive em um asilo em Buenos Aires

Uma semana depois da publicação da reportagem exclusiva do Estado de Minas sobre a descoberta, em um asilo de Buenos Aires, de Hilda Maia Valentim, a mulher que inspirou o romance Hilda Furacão, do escritor mineiro Roberto Drummond (1933-2002),  o assunto segue repercutindo como um dos mais comentados nas redes sociais. 

VEJA A PRIMEIRA REPORTAGEM AQUI!

Além dos leitores, personalidades e outros veículos de comunicação tuitaram e compartilharam os textos. Até ontem, quase 10 mil compartilhamentos diretos foram feitos no Facebook e mais de 400 tuítes registrados, todos a partir da página do Divirta-se na internet. Na quarta-feira, depois de ler a entrevista que concedeu ao EM sobre Hilda Valentim, a novelista Glória Perez, responsável pela adaptação do romance para a TV, retuitou a reportagem. 

Ela publicou em seu perfil, com 1,5 milhão de seguidores, a foto em que aparece ao lado de Drummond, da atriz Ana Paula Arósio, que interpretou Hilda, e do diretor Wolf Maia. A legenda diz: “Bom lembrar (…) bastidores de Hilda Furacão”. Desde domingo passado, Glória Perez usa seus perfis no Twitter e no Facebook para comentar sua surpresa a respeito de Hilda Valentim. 

O jornalista Luis Nassif está entre as personalidades que repercutiram a reportagem nas redes sociais. Famoso na Argentina, o jornalista Diego Fucks (Chavo) tuitou: “Hilda Furacão foi estrela em BH nos anos 50 e esposa de Paulo Valentim (…) vive hoje em um asilo em Buenos Aires”. Hugo Gloss, conhecido no universo das celebridades, registrou: “Hilda Furacão está viva! Maravilhosa”. 

Entre os leitores, a surpresa do reencontro foi bastante comentada. “Ótima leitura a história de Hilda Furacão. Personagem lendária da BH dos anos 50”, disse Bruno Azevedo.

ESPECIAL O EM preparou edições especiais sobre a história da mulher que inspirou Hilda Furacão. A versão eletrônica para assinantes, edição específica para tablets, smartphones e desktops, traz todas as reportagens sobre Hilda Valentim, com diagramação especial e fotos inéditas.

FONTE: Estado de Minas.


Ana Paula Arósio, no papel de Hilda

Ana Paula Arósio, no papel de Hilda

 HILDA FURACÃO MORREU HOJE, 29/12/2014!
Hilda
Hilda 2
Outono de um mito
Hilda Furacão, personagem do romance de Roberto Drummond, vive num asilo em Buenos Aires.
Aos 83 anos, ela relembra seu relacionamento com o marido, o jogador de futebol Paulo Valentim.

 

Hilda e Paulo, nos bons tempos do craque, que jogou no Atlético e Botafogo e foi ídolo no Boca Juniors (Fotos e reproduções: Ivan Drummond/EM/D.A Press)
Hilda e Paulo, nos bons tempos do craque, que jogou no Atlético e Botafogo e foi ídolo no Boca Juniors

Buenos Aires – “A Hilda Furacão, onde ela estiver…”.

Essa é a última das muitas dedicatórias que Roberto Drummond (1939-2002) faz no livro Hilda Furacão (1991, Geração Editorial). Pois a verdadeira personagem, viúva do jogador de futebol Paulo Valentim, ídolo do Atlético, Botafogo, Boca Juniors – jogou ainda no Atlante (México) –, batizada Hilda Maia Valentim, está viva, com 83 anos. Solitária, mora em um asilo, o Hogar Guillermo Rawson, no Bairro Jujuy, em Buenos Aires. Quem paga as despesas é o município portenho. Não há mais o glamour e o luxo dos tempos dourados na capital argentina, nem resquícios da vida na zona boêmia de Belo Horizonte, que a tornou famosa nos anos 1950. A realidade da mulher, que na obra de ficção de um dos maiores escritores mineiros se chamava Hilda Gualtieri von Echveger, é outra, completamente diferente da personagem da literatura.
 .
Ela, aliás, nunca frequentou o Minas Tênis Clube. Nem sequer sabe onde fica.Da cama para a cadeira de rodas. Empurrada por enfermeiros, rumo a uma sala-refeitório onde há uma TV. Lá ela passa a manhã e almoça. À tarde, lanche. À noite, jantar. No avançar das horas, a volta para a cama. Na cabeceira, sobre uma espécie de criado-mudo – um pequeno armário do tipo comum a hospitais –, um velho caderno grande, preto, de capa dura. Dentro, recortes da vida passada, do grande amor, o atacante e goleador Paulo Valentim. Vez ou outra, antes de dormir, ela dá uma folheada. Relembra os bons tempos, os momentos românticos.
 .
Essa é a rotina diária da octogenária Hilda Furacão ou Hilda Maia Valentim, revelada com exclusividade pelo Estado de Minas.Pode-se dizer que foi um lance de sorte Hilda ver, de repente, em seu caminho, uma brasileira, a capixaba Marisa Barcellos, de 59 anos, assistente social do Hogar Dr. Guillermo Rawson, que antes trabalhou na rua ajudando os sem-teto. Um dia, Marisa recebeu o relato de que uma mulher estava se recuperando de uma queda, num hospital municipal, sem apoio e sem ter para onde ir. Entrou em ação a assistente social. Foi à paciente e recolheu os documentos que estavam à mão para começar a ajudá-la: uma carteira de identidade requerida em Recife e uma autorização, em espanhol, que lhe permite viver na Argentina. Só.

NOTA DO EDITOR: HILDA EXISTIU OU NÃO?

O próprio Roberto Drummond se dizia “refém de Hilda”, porque ninguém aceitava o fato de ela não haver existido, portanto, o autor do romance negou a existência da personagem (ou seja, aquela Hilda deslumbrante, de família rica, frequentadora do Minas Tênis, de sobrenome chique, é fantasia). Mas é preciso entender que, se ele atribui a ficção ao romance, claro está que se inspirou em pessoas e fatos reais para desenvolvê-lo. O próprio autor é personagem da obra, assim como Frei Beto e o playboy Antônio Luciano. Certamente nem todos os fatos, pessoas e situações ocorreram exatamente como descritos no livro e retratados na minissérie, mas é perfeitamente factível que a dona Hilda de hoje tenha vivido algumas das histórias contadas (inclusive o apelido e a sua mudança para a Argentina). Ao final, link para download do livro (PDF).

A assistente chegou à história de Hilda e se surpreendeu com o passado da mulher, que foi famosa em Buenos Aires, personagem de reportagens em jornais e revistas. Era tratada como primeira-dama do Boca Juniors, mulher de um dos maiores astros do clube, apontado como um dos principais responsáveis pelos títulos de campeão argentino nos anos de 1962 e 1964. Uma dama que conheceu o luxo vive agora na miséria, de favores. Antes de ser recolhida ao asilo, Hilda morava com a ex-companheira de um dos filhos que teve com Valentim, Ulisses, que morreu no ano passado.

.

VEJA AQUI A REPERCUSSÃO DA REPORTAGEM NA INTERNET!

.

CONTINUA A REPERCUSSÃO, AGORA SE REVELA A BELA B!

.

A LENDA HILDA FURACÃO!

.

É na sala de TV e refeições que Hilda recebe o Estado de Minas para, em um dos momentos de lucidez, contar que viveu uma vida de luxo, falar de venturas e desventuras. “Com o Paulo, conheci 25 países. Onde o Boca jogava eu estava. Ele era o único que tinha permissão para levar a mulher. Eu ia a todos os lugares. O Jose Armando foi presidente do Boca e gostava muito do Paulinho (Paulo Valentim) e por isso eu era a única a viajar.” 

Casamento em Barra do Piraí teve João Saldanha (destaque) como padrinho  (Arquivo Pessoal)
Casamento em Barra do Piraí teve João Saldanha (destaque) como padrinho

Hilda força a memória e volta aos tempos de adolescência e a Belo Horizonte. Conta que chegou muito nova à capital mineira com o pai, José, a mãe, Joana Silva, e quatro irmãos. Isso, no entanto, não é possível confirmar, pois nesse momento ela parece confusa. Volta a falar da união com Valentim. Vê uma foto dela, tirada logo depois do casamento com o jogador, e diz: “Estava embarazada (grávida)”.

A foto pertencia ao falecido jornalista mineiro Jáder de Oliveira, que chegou a morar em Buenos Aires, vizinho do casal. Foi feita no apartamento onde Hilda e Paulinho moravam. O comentário de Hilda surpreende, pois na época o casal já tinha um filho: Ulisses. Seria, então, o segundo filho. Uma foto confirma que eles tiveram dois e o mais novo teria morrido e foi enterrado na capital argentina. Desde então, ela evita tocar no assunto. Quando percebe que falou o que não pretendia, disfarça.

Na verdade, Hilda criou algumas fantasias que a ajudam a esconder o que considera ruim na vida, como a história do segundo filho. A outra fantasia é para esconder a vida que levava em BH. Os tempos da zona boêmia, do Hotel Maravilhoso, na Rua Guaicurus, não existem na memória dela. “O meu apelido, de Furacão, é antigo, porque eu era brigona. Se mexessem comigo estourava, discutia, queria bater. Sou assim desde pequena.”

De repente, entra na sala de TV e refeitório Jose Francisco Lallane, de 80 anos, um torcedor do Boca, que também vive no Hogar Dr. Guillermo Rawson. Ela está sentada onde gosta: bem perto da telinha. Da porta, avista Hilda e grita: “Tim, Tim, Tim, gol de Valentim”. Esse era o canto da torcida para reverenciar o ídolo dos anos 1960. Jose caminha em direção a Hilda, ainda cantando. Ela sorri. Ele pega a mão dela e a beija. Então, começa a falar de Valentim. “Era um craque. Era demais. Não passava jogo sem fazer gol. Uma vez, o Carrizo, goleiro do River Plate, já havia levado um gol de falta dele. Então, houve uma segunda falta e, antes que ele batesse e fizesse o segundo gol, Carrizo fingiu estar machucado e pediu substituição.” Hilda sorri, está feliz porque falam do marido, um dos orgulhos de sua vida.

 

Paixão que atravessou o tempo
Hilda Valentim se lembra pouco da BH de seu tempo e alimenta mágoa da família do marido, que teria sido responsável pela ruína do casal. Ela sonha em recuperar um baú cheio de tesouros

 

 

Hilda Valentim (Ivan Drummond/EM/D.A Press)
Hilda Valentim

Buenos Aires – José Francisco Lallane, o velho torcedor do Boca, deixa a sala do asilo e Hilda passa a falar da vida de casada, de como conheceu o grande amor. Diz que a família do ex-marido a ajudou muito e que o conhecia desde garota, quando tinha 13 anos e ele, 21. Outro devaneio. Na verdade, Valentim era um ano mais novo que ela. O que importa é que Hilda se apaixonou. Uniram-se e começaram a correr mundo, até chegarem à cidade-residência que ela considera definitiva: Buenos Aires.

“O pai do Paulo, seu Joaquim, nos ajudava. Minha mãe, Joana, estava muito doente e eu tinha de sair para trabalhar e ajudar em casa. Ele sempre me arrumou empregos em casas de família. Muito tempo depois, o Paulo me procurou e começamos a namorar.” Isso é o que Hilda conta sobre o início da vida com o jogador. De Belo Horizonte, são poucos os lugares que ainda tem na memória. “Eu me lembro muito bem da Praça Sete, do Brasil Palace Hotel, do Cine Brasil e da Igreja de São José, onde costumava assistir a missas aos domingos pela manhã.”

É o pouco que consegue recordar da cidade. Não cita nenhum lugar relacionado ao passado verdadeiro. Conta que nos tempos de empregada doméstica aprendeu a cozinhar, a fazer comidas gostosas sempre para os patrões. O que só terminaria quando se uniu a Valentim. “A gente se casou em Barra do Piraí (RJ), onde estava toda a família do Paulo. Um dos nossos padrinhos foi o João Saldanha, que era técnico do Botafogo e um grande amigo do meu marido. Ele sempre ajudava. Fomos para o Rio, pois o Paulo jogava no Botafogo”, diz, mostrando um sorriso.

Depois, fala da Seleção Brasileira. “Ele jogava com o Garrincha, o Didi e o Zagallo, no Botafogo. Foi para a Seleção e lá jogou com o Pelé, que era o maior da época. E foi por causa da Seleção que viemos para Buenos Aires. O Boca, do José Armando, comprou o passe dele e nos mudamos. Viemos para um lugar que nos acolheu, como se fôssemos daqui.”

Hilda muda de assunto. Fala da vida do casal. Acusa a família de Valentim de ter arruinado a vida dela, de ter gastado todo o seu dinheiro. “Um irmão dele, o Valdir, montou um armazém em Barra do Piraí. O Paulo pagou. Mas o Valdir perdeu tudo. Deu dinheiro para o pai, para a mãe. Uma irmã, Wanda, ficou com um apartamento em Brasília.”

E garante ter provas. “Uma vez, fui ao Banco Nacional da Argentina e uma amiga – diz sem lembrar o nome da mulher – me contou que todos os meses o Paulo mandava dinheiro para um monte de gente no Brasil, todos com o sobrenome dele. É mentira que ele bebia e que jogava. Gastou o dinheiro com a família.”

Moedas Conta-se no Brasil e na Argentina que Hilda teria herdado um baú grande, cheio de notas e moedas. Valentim teria como mania jogar dinheiro dentro do baú, que sempre os acompanhava. “Eu tenho dois baús. Uma mulher ficou com eles e quer que eu pague para buscá-los. Não tenho dinheiro. Sei onde ela mora e qualquer dia vou lá buscar, na marra”, diz, brava, mostrando um pouco do que a levou, talvez, a ganhar o apelido de Furacão.

Nas parcas reminiscências, ela vai ao México, mas antes passa por São Paulo. “O Paulo foi jogar no São Paulo. Mas ficou lá pouco tempo, pois surgiu uma proposta do Atlante. Gostava muito do México. Tratavam-no bem. Ficamos lá uns dois anos e voltamos para a Argentina. Aí, o Paulo foi treinar o time dos meninos do Boca.”

Quem ouve Hilda revirar o que lhe resta de memória no refeitório do asilo pensa que tudo esteve sempre às mil maravilhas com ela. Mas não foi assim. Na volta a Buenos Aires, o casal passou a viver de aluguel ou de favor. “A gente morou em muitas casas e apartamentos que o Boca cedia, como parte do contrato, ou arrumados pelo Armando, que gostava muito do Paulo.”

 

Um repórter encontra sua história

 

 

Drummond levava a vida para o jornal (Arquivo em)
Drummond levava a vida para o jornal

A narrativa de Roberto Drummond no livro Hilda Furacão começa quando ele chegou ao extinto jornal Folha de Minas, no ano de 1953. Ele entrou na redação para pedir a publicação de uma nota sobre o movimento estudantil da época, do qual fazia parte. Foi recebido pelo jornalista Felippe Drummond, que, depois de anotar os dados da notícia – uma passeata que ocorreria no dia seguinte –, se surpreendeu com o sobrenome do escritor. “Então você é meu primo. Sabe bater máquina? Quer trabalhar aqui?’’ Diante das respostas afirmativas, no dia seguinte Roberto se tornou jornalista.

Naquele tempo, a zona boêmia era sempre foco de notícias na Folha de Minas, principalmente pelos fatos policiais. Eram brigas, golpes e prisões.  Os jornalistas, em geral, tinham por hábito frequentar os bares do chamado Polo Norte e o Montanhês Dancing. Lá, Roberto tomou conhecimento de Hilda Furacão, um nome que guardou na memória. Quando do casamento dela com Paulo Valentim, a curiosidade do escritor aumentou. Era ingrediente para um texto especial. E guardou a história que considerava fantástica.

Quando começou a escrever o livro, anos mais tarde, falava de Hilda Furacão como se fosse ela uma personalidade rara. Sabia que não poderia falar de uma mulher pobre. Isso não atrairia leitura. Fantasiou, então, a personagem, que teria saído da alta sociedade, frequentadora do Minas Tênis Clube. A isso, acrescentou outros ingredientes, como a Tradicional Família Mineira (TFM), os movimentos políticos que precederam o golpe militar de 1964. 

Muitos dos personagens do livro, como a própria Hilda, são reais, assim como alguns fatos, como a compra de retirantes nordestinos por Roberto Drummond, em reportagem para mostrar a condição miserável dos sertanejos, que lhe valeu o Prêmio Esso.

Hilda Furacao – Roberto Drummond

 

 

FONTE: Estado de Minas.


Rei do Mocotó completa meio século e tem história registrada em livro

Nonô do Mocotó
A fortificante e gelatinosa sopinha extraída da pata do boi é receita típica brasileira
Parar na avenida Amazonas ou na rua Tupis e pedir, do balcão mesmo, um caldo de mocotó quente com dois ovinhos de codorna estalados no fundo. Pão crocante acompanha. Cebolinha fresca picadinha para o acabamento. Há 50 anos, este “cerimonial sem cerimônia” é repetido em BH pelos fregueses de um dos estabelecimentos mais tradicionais do Centro. Parte de uma história contada pelo livro “Nonô: O Rei do Caldo de Mocotó: 50 Anos de Tradição” (Escritório de Histórias), que será lançado nesta quinta-feira (13), a partir das 19 horas, na Academia Mineira de Letras (rua da Bahia, 1.466).
A fome, ali, é saciada por cerca de R$ 7. No fundo da caneca de cerâmica, os clientes aproveitam os pedacinhos bem cozidos de “barranquinho”, “trupico”, “melequinha”, ou melhor, do colágeno das cartilagens do boi. “É a ‘sustança’”, passa a sua versão de “nome do alimento”, o pintor Elder Elias Rosa, 45 anos, acompanhado da esposa e companheira de caneca, a auxiliar de serviços Elaine Cristina Gomes, 42. Há 20 anos Elias está no rol dos clientes assíduos.
O ritual popular acontece de segunda a sábado, 24 horas por dia. Alguns habitués, mais animados, depois do “calorão” promovido pelo caldo, pedem para descer a cerveja preta gelada para rebater. Pelo menos 4.800 latinhas são consumidas por mês. Um dos maiores vendedores de cerveja preta do Brasil.
Mas o forte do boteco é a fortificante e gelatinosa sopinha extraída da pata do boi. São 900 porções por dia. No frio, passa de 1.300/dia. Só de Cebolinha são 500 molhos por semana. E os proprietários ainda contam com uma “picadora” e “higienizadora” de cebolinha terceirizada. É coisa para encardir.
A receita típica da culinária brasileira, da época dos escravos, foi aprimorada pelo fundador do bar juntamente com a mulher dele. Trata-se do comerciante Raimundo de Assis Corrêa, o “Nonô”, que morreu em 1973. Hoje, cinco dos dez filhos do casal – os chamados “cinco Nonôs” – tocam o empreendimento.
Cubículo
No corredor de pouco mais de 40 metros quadrados tudo é milimetricamente distribuído. Aproveitamento de espaço de dar inveja a arquiteto japonês. A escadinha para subir para a cozinha do segundo andar, igualmente pequena, vai para um lado e para o outro, conforme a necessidade dos funcionários. O vendedor de loteria passa por ali.
O hippie com um gigante mostruário forrado de pano preto cravejado de pulseirinhas de couro também marca presença. “Não tem problema”, diz um dos “Nonôs”, o filho caçula, Dênio Gabriel Corrêa, 47 anos.
Lá em cima, tudo é apertadinho também, mas organizado. Grandes panelas de pressão a mil por hora cozinham os mocotós, as línguas de boi – outra iguaria – e os caldos propriamente ditos. Mais “sustança” para o povo.
Livro não entrega a receita, mas tem história de vida
Mas e a tal receita do famoso caldo de mocotó? “O mocotó é cozido, depois, adicionam-se os temperos no caldo. Aí, não posso falar mais”, desconversa o caçula Dênio Corrêa, rindo. “Eu sei fazer caldo de mocotó. Mas igual a este não fica. Queria saber, mas eles não dão a senha”, lamenta, por sua vez, o pintor Elder Elias Rosa. Ao leitor, um aviso: o livro que será lançado nesta quinta-feira (13) também não revela o segredo.
Mas proporciona o conhecimento de uma bela história de vida de um empreendedor mineiro, ex-funcionário da Mina de Morro Velho, em Raposos, quando esta ainda era distrito de Nova Lima.
Nonô, juntamente com a esposa Alaydes Corrêa, focou num produto e fez fama com ele. “Ela (Alaydes) era a responsável por limpar e cortar o pé do boi para que ele pudesse ser cozido”, rememora o livro.
Nonô, então já na região do Barreiro, e sempre com a família, comercializava alimentos para operários da Companhia Siderúrgica Mannesmann, atual Vallourec.
O “pulo do gato” aconteceu em 1963. Na época, Nonô relatou seu trabalho informal a um ex-prefeito de Belo Horizonte, que lhe concedeu autorização para que utilizasse uma pequena área, de quatro metros quadrados, próxima à portaria da siderúrgica, para fixar seu comércio.
A dica para comercializar o caldo de mocotó surgiu no ano seguinte, por meio de um cliente.
“Nonô gostou da ideia e, como um alquimista que prepara sua porção mágica, cozinhou várias vezes até considerar que estava no ponto ideal para ser servido aos fregueses”, relata o livro.
Estava adaptada a “sustança” aos operários da siderúrgica. Um prato que até hoje faz sucesso – agora, para os funcionários públicos, pintores, jornalistas, faxineiras, torcedores de times de futebol antes do jogo, hippies e vendedores de loterias do Centro de BH.
FONTE: Hoje Em Dia.

Sistema Fecomércio MG, Sesc, Senac e Sindicatos realiza o Livro de Graça na Praça
Criado em Terça, 17 Setembro 2013 12:43 O evento acontecerá na Praça da Liberdade e mais de 20 mil livros e cordéis serão distribuídos gratuitamente

livro-2

BELO HORIZONTE (17/09/13) – O Sistema Fecomércio MG, Sesc, Senac e Sindicatos promove neste domingo (22/09), o Livro de Graça na Praça. O evento ocorre das 9h às 13h, na Praça da Liberdade, região central de Belo Horizonte. A entrada para a participação no evento é gratuita. Haverá distribuição gratuita de livros e os vencedores do concurso literário serão apresentados e, também, autografarão as publicações. Além disso, o Sesc realizará a Rua de Lazer, com oficinas de livro lúdico, pintura facial, camas elásticas, além de outras atividades. O BiblioSesc proporciona ao público a oportunidade de leitura gratuita. Já o SenacMóvel, oferecerá quick massagem, com inscrições feitas na hora.

De acordo com o idealizador do projeto, José Mauro Lourenço da Costa, uma das novidades da edição deste ano é a parceria com a Imprensa Oficial. A iniciativa permitirá a distribuição de livros infantis. Serão 10 mil livros, de 25 autores, além de três mil cordéis do poeta cearense Geraldo Amâncio, em comemoração aos seus 50 anos de carreira. “No total, serão mais de 20 mil livros, a maior quantidade já distribuída até hoje em uma edição do evento”, comenta José Mauro.

O CONCURSO LITERÁRIO
O tema deste ano foi O começo e o fim e os escritores enviaram contos que não foram publicados ou divulgados anteriormente. O material foi analisado por profissionais ligados à literatura, com apoio da Academia Mineira de Letras, observando os critérios de objetividade, clareza e originalidade. Os três vencedores desta edição foram: Cláudia Cristina Guelfi Faga (São Paulo/ SP), com o conto E o meio? Eles não sabem que o meio é fundamental no conto e no sanduiche?; Fabiano A. Salim (Ilhéus/ BA), que concorreu com o conto O Visitante; e Éder Rodrigues da Silva (Belo Horizonte/ MG), que participou com o conto Poslúdio para acalantar o último poente. Além de participarem do evento, os vencedores terão os seus contos publicados na edição 2013 do Livro de Graça na Praça.

SOBRE O LIVRO DE GRAÇA NA PRAÇA

LIVRO

O objetivo do projeto, realizado há mais de dez anos em Belo Horizonte, é incentivar a produção literária e promover a aproximação do público leitor com os escritores mineiros, além de proporcionar a distribuição gratuita de livros em praça pública. A iniciativa é do autor José Mauro Lourenço da Costa e é mantida com o apoio de empresas privadas e entidades, como é o caso do Sistema Fecomércio MG, Sesc, Senac e Sindicatos.

SERVIÇO

Evento: Livro de Graça na Praça
Data e horário: 22/09, das 9h às 13h
Local: Praça da Liberdade
Entrada gratuita


Tipo de crime cometido não é levado em conta para beneficiar condenados – repórter Mônica Miranda – Itatiaia

Detentos que trabalham ou estudam nas penitenciárias brasileiras recebem o benefício de redução penal. Os que leem livros também podem ganhar liberdade antes do previsto. Em Minas, 13 mil presos, ou 23% do total de 55 mil, trabalham em setores como construção civil, fabricação de móveis e artesanato.
População Carcerária MG
O presidente da Comissão de Assuntos Penitenciários da OAB, Adílson Rocha, explica os critérios usados para a redução penal. De acordo com ele, a cada três dias trabalhados, o preso tem um dia da pena descontado. O mesmo vale para cada 12h de estudo em três dias.
“Se o preso frequentar a escola três horas por dia e trabalhar nesses três dias, terá dois dias descontados. Se ele receber o certificado de conclusão do ensino fundamental ou de curso superior, ganha remissão de um terço da pena”.
Uma portaria do Departamento Penitenciário Nacional autoriza a diminuição de quatro dias da pena a cada livro lido pelo detento, explica Rocha. “Ele pode ler até 12 livros por ano. Essa portaria não é lei, ela orienta os juízes de execução penal nesse sentido e vale para os presídios da União”, ressalta.
O direito penal brasileiro também adota o sistema progressivo de penas, que estabelece três regimes de cumprimento: o fechado, cumprido em estabelecimento de segurança máxima ou média; o semiaberto, cumprido em colônia agrícola ou similar; e o aberto, cumprido em casa de albergado ou estabelecimento adequado.
“O condenado por crime hediondo, sendo ele primário, terá que cumprir dois quintos do total da pena em regime fechado. Se o crime não for hediondo, cumprirá um sexto da pena no mesmo regime”, afirma Adílson Rocha.

FONTE: Itatiaia.


O TJ/SP, por meio da Corregedoria Geral da Justiça, instituiu a remição de pena pela leitura. A minuta foi aprovada pelo corregedor-Geral, desembargador José Renato Nalini, que adotou os fundamentos apresentados pelos juízes assessores da CGJ, Durval Augusto Rezende Filho, Jayme Garcia dos Santos Júnior e Paulo Eduardo de Almeida Sorci.

preso

O documento apresentado pelos magistrados afirma que após a mudança do artigo 126 da lei 7.210/84, a remição de pena, que antes era possível somente pelo trabalho, possa ser adotada também pelo estudo.

A iniciativa visa a estimular os juízes de Execução Criminal, respeitados o livre convencimento e a independência no exercício da jurisdição, a conceder remição de pena pela leitura.

A contagem de tempo para fins de remição será feita à razão de 4 dias de pena para cada 30 dias de leitura, conforme critérios estabelecidos na portaria conjunta 276, do Departamento Penitenciário Nacional (Depen). Serão formadas oficinas de leitura, na qual os cientificará da necessidade de alcançar os objetivos propostos para que haja a concessão da remição de pena. O juízo, após a oitiva do Ministério Público e da defesa, decidirá sobre o aproveitamento do participante e a correspondente remição.

A minuta, com detalhes e condições do procedimento, está disponível no site, no tópico Minuta de Portaria – Remição pela leitura.

FONTE: Migalhas.


BESTSELLER HÁ MAIS DE 20 ANOS, Cavalo de Tróia é o nome de uma operação secreta da Força Aérea dos E.U.A que em 1973 transportou 2 astronautas aos anos 30 e 25 de nossa era.
Cavalo de Troia
Uma viagem ao passado, à Palestina de Jesus de Nazaré, cujo objetivo era conhecer em primeira mão a vida, a obra e o pensamento do Filho do Homem. Os protagonistas desta viagem são Eliseu, o piloto e Jasão, o major, que se torna a testemunha ocular da vida, Paixão, Morte, Ressurreição e “Ascensão” do Galileu.
JJ Benitez
O diário das memórias do major acabaram nas mãos do autor, J.J. Benítez, que traça o perfil mais humano, completo e rigoroso do rabi em 9 volumes (AINDA NÃO CONSEGUI O ÚLTIMO VOLUME).

JERUSALÉM
Operacao Cavalo de Troia I

MASSADA
Operacao Cavalo de Troia II

SAIDAN
Operacao Cavalo de Troia III

NAZARÉ
Operacao Cavalo de Troia IV

CESAREIA
Operacao Cavalo de Troia V

HERMÓN
Operacao Cavalo de Troia VI

NAHUM
Operacao Cavalo de Troia VII

JORDÃO
Operacao Cavalo de Troia VIII

Informamos que por exigência do provedor (abaixo) este link foi removido

We have received a DMCA Takedown Notice (http://automattic.com/dmca/) 
for the following material published on your WordPress.com site:

https://universobh.files.wordpress.com/2013/01/operacao-cavalo-de-troia-viii.pdf

As such, we were legally required to remove the material from our servers.

A REBELIÃO DE LÚCIFER – JJ BENITEZ
http://api.ning.com/files/g2VI7LNGYgY2DW0kJ0zcDhixMPKtni4lKdrSHB9obEj4i0GQXb79Fh0E-DZBoF1SnJhn1HgnvpeqN6N-K8wDHzBn6MEW/JJBenitezARebeliodeLcifer.pdf

O Dia do Relâmpago – J. J. Benitez

O NOME DA ROSA – UMBERTO ECO
O nome da rosa

OS ASTRONAUTAS DE YAVEH – JJ BENITEZ
http://api.ning.com/files/9nN9zZFjy5Q1p1uiq33cPOQoFDXUsPAgBrGJODdSw25*0tC9JlYKjTtbGGLanOKp5mIcTZofvCzDLo9ywdH3Y3CdwknF3okl/OsAstronautasdeYavehJ.J.Benitez.pdf

A Guerra dos Tronos – George R. R. Martin – As Crônicas de Gelo e Fogo – conhecimentovaleouro.blogspot.com by @viniciusf666

 

Assassinato de Reputacoes – Romeu Tuma – Romeu Tuma Junior

 

O CÓDIGO DA VINCI – DAN BROWN
http://api.ning.com/files/C0I9KbOykT62c5BAFTIPxGjQqW016bV0zVG-1-K8v1pkibWdrWsPJUaakRqgYZNO4dSYifVad3EKlQOM7cOV5PVTeipu/dan_brown__o_codigo_da_vinci.pdf

O CRIME DO PADRE AMARO – EÇA DE QUEIROZ
http://api.ning.com/files/g0a4rWtVpeuL1k0grgeKDMutcKW-gXe729kHKthgzqfe9nYhOTWovBc-KB9ucu7LOvUX6NHdZ0iY5gmA6EOilUGQRriTmMo5/ocrimedopadreamaroph000226.pdf

Piratas do Vale do Silício: Microsoft x Apple (filme):

Pirates of Silicon Valley

A GUERRA DOS TRONOS – George R. R. Martin

A Guerra dos Tronos – George R. R. Martin – As Crônicas de Gelo e Fogo

Queen – Rock in Rio – Completo

Queen – Wembley – Completo

Vips – Histórias Reais de um Mentiroso

VIPs – Histórias Reais de um Mentiroso – Mariana Caltabiano

O Nobre Deputado – Marlon Reis – Relato chocante (e verdadeiro) de como nasce, cresce e se perpetua um corrupto na política brasileira.

 



%d blogueiros gostam disto: