Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: mínima

Muito frio até para eles
Mesmo habituados a invernos rigorosos, moradores de Ouro Preto se impressionam com semana de temperaturas baixas e neblina intensa.
Clima é atrativo para muitos turistas

Frio

Ouro Preto – O turístico distrito de Lavras Novas, em Ouro Preto, na Região Central, foi o local escolhido pelo casal Breno Botelho e Adelina de Deus, de João Monlevade, no Vale do Aço, para passar a lua de mel. Fascinados por natureza e montanhistas por vocação, eles tiveram um atrativo a mais para curtir os primeiros dias depois do casamento: o frio e a intensa neblina que, desde o fim de semana, dominam a paisagem formada pelo casario colonial e matas. “Estamos hospedados num chalé e bem preparados para as baixas temperaturas”, contou o empresário Breno, de 35 anos, que, a exemplo da mulher, trouxe na bagagem gorros, casacos e muita disposição. Pela manhã, o termômetro marcou 8 graus em Lavras Novas.

Os meteorologistas preveem mais dois dias com baixas temperaturas em Belo Horizonte e no interior. “O fim de semana será um pouco quente, com a mínima entre 14 e 15 graus, mas hoje ainda vai estar na casa de 11 graus”, explicou Ruibran dos Reis, do Climatempo. Para a capital, a previsão é de que o sol voltará a firmar sábado e domingo. “Em agosto, as temperaturas vão variar e somente no fim do mês e início de setembro é que serão mais elevadas”, disse o meteorologista. A friagem de agora resulta de massa de ar polar que já está se dissipando.Em Lavras Novas, por enquanto, é tempo de luvas, cachecol e até mantas nas costas, como pode se ver nas ruas. O casal Breno e Adelina pretendia viajar para Machu Picchu, no Peru, mas achou melhor ficar em Minas. Na manhã de ontem, por volta das 8h30, enquanto muita gente dormia imersa numa “bolha de bruma”, o casal fazia a sua caminhada matinal, depois de já ter comprado sucos e pão – sempre com gorro à moda dos povos andinos. 
No distrito distante 21 quilômetros da Praça Tiradentes, em Ouro Preto, não há outro assunto. “Desta vez, o frio veio mais forte. Há muitos anos não tínhamos esse inverno prolongado”, observou o aposentado Carlos Correia Maia, de 67 anos, que foi tropeiro na juventude e mantém alguns animais na propriedade – burros, mulas e uma égua. “Sou do tempo em que, para proteger da geada, tínhamos que pôr a mão perto do ‘bafo’ do animal para esquentar”, contou. Arrumando tocos de lenha e levando no carrinho de mão para a cozinha, o aposentado ensina a receita para enfrentar baixas temperaturas: “Muita coberta”.

FRIO DO CÃO…

Os mais jovens seguem esse caminho. Às 6h45, passando em direção à Escola Municipal de Lavras Novas, na qual cursa o oitavo período, a adolescente Carolina Kume, de 14 anos, confessou, sorrindo, que dorme com “seis cobertores” nas noites de julho. Protegida pelo casaco com capuz forrado de pele, Carolina revelou que gosta da atual estação, pois é boa para o descanso. “Depois da aulas, chego em casa e dou uma dormidinha”, disse a jovem bem-humorada, que caminhava ao lado da amiga Maria Eduarda Azevedo, de 13, aluna do sétimo período. Como Lavras Novas fica numa região serrana, o ar muito frio da madrugada associado à intensa umidade provoca o nevoeiro. “Na verdade, o distrito, nesses dias, ficou dentro de uma nuvem muito baixa”, disse Ruibran.

‘Manto branco’ Eram 6h e o céu de Lavras Novas ainda estava meio escuro. Com a neblina, a Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres, na Praça Pedro Fernandes Marins, estava envolta num “manto branco” e dava para notar apenas a silhueta de um ou outro morador seguindo em direção ao trabalho. Às 6h20, Robson Gomes Peruce, de 26, casado e pai de um menino de nove, abriu o portão e acelerou o passo em direção à sede do município, onde trabalha na Universidade federal de Ouro Preto (Ufop). “Nesta friagem, só mesmo ficando em casa”, resumiu.

Até 8h, eram poucos os moradores e turistas que se arriscavam a pôr os pés na rua. Na Pousada Carumbé, a recepcionista Elisângela Bispo mostrava mesa de café pronta à espera dos hóspedes. “O pessoal acorda sempre mais tarde. Ontem (terça-feira), tiramos a mesa por volta das 12h30”, contou Elisângela. 

Há quatro meses em Lavras Novas, o belo-horizontino Layferson Dhiorgi Matarelli, garçom da Pousada Carumbé,  comenta: “Frio assim, nunca vi”. Com um gorro e protetores nas orelhas, ele aproveitou o calor do fogão a lenha, na sala, para esquentar as mãos. Certo de que o frio é chamariz, o dono do restaurante Vista Real, Paulo Magalhães, oferece um cardápio de dar água na boca: carne de panela, língua ao molho de vinho, moela e outros acepipes. 

Tomando café numa padaria, o pedreiro Fernando Alves de Azevedo, de 42, nascido e criado em Lavras Novas, brincou sobre o fenômeno. “Neblina é chuva de molhar bobo. O sol até queria sair, mas ficou sem força.” Ele e outros moradores estão impressionados com a duração do nevoeiro, que tem se prolongado de manhã até a noite. “A gente abre a janela e até a cadeira da sala está molhada pela umidade.”

 

 

 

Enquanto isso…

…bh tem menor temperatura 

Belo Horizonte registrou ontem temperatura de 9,8 graus no Bairro Mangabeiras, na Região Centro-Sul, a menor em 2014. O frio também foi recorde no estado: 2,4 graus no distrito de Monte Verde, em Camanducaia, na Região Sul de Minas. As medições foram feitas por estações meteorológicas às 7h. Segundo o meteorologista Davan Diniz, do Tempo Clima PUC Minas, a sensação térmica no Mangabeiras, em BH, chegou perto de 6 graus por causa do vento.

FONTE: Estado de Minas.


Idade no banco dos réus
Proposta que define 30 anos como exigência para ocupar cargos na magistratura, no Ministério Público e nas polícias Federal e Civil gera debates acalorados entre juristas e parlamentares
A PEC 399, em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça, prevê que juízes e promotores tenham maior experiência forense

Uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que estabelece uma idade mínima para ingresso nas carreiras da magistratura, Ministério Público e polícias Federal e Civil, em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, já está gerando grande polêmica no meio jurídico. A PEC 399/14 define a idade mínima de 30 anos para os candidatos aos cargos, pelo menos três anos de experiência forense – e não jurídica, como é hoje – e, ainda, a exigência de realização de exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para os aposentados dessas carreiras, caso queiram advogar ao deixar os quadros da instituição.


O autor da PEC, deputado federal Rubens Moreira Mendes Filho (PSD-RO), sabe que o tema é polêmico e gera debates acalorados. Ele justifica a iniciativa em razão da “ausência de um ordenamento jurídico consolidado” que discipline a entrada nessas carreiras. Moreira Mendes acredita que, hoje, cada vez mais recém-formados buscam essas instituições e, muitas vezes, não têm a vivência necessária para o exercício dessas atividades de suma importância para toda a sociedade. Para alteração da exigência da prática jurídica para a prática forense, ele diz que, atualmente, para comprovar experiência, são considerados até mesmo estágios da época de faculdade e que é preciso “encostar a barriga nos balcões dos cartórios” dos tribunais para adquirir maior bagagem, indispensável para o exercício dos cargos.

 “Ouvi várias pessoas que foram unânimes em afirmar que a entrada precoce nessas carreiras tem acarretado problemas em razão da falta de vivência. Então, fiz a proposta que estabelece isonomia de tratamento para a magistratura, Ministério Público e polícias”, justifica Moreira Mendes. E ele vai mais longe: “Aos 21 anos, alguns jovens quando deixam a faculdade estão preparados intelectualmente, mas veem à vida a partir do ar-condicionado dos edifícios do Rio e de São Paulo e não têm consciência que a tinta de suas canetas é importantíssima”. Moreira Mendes explica que apenas na carreira de juiz o ingresso é melhor regulamentado, enquanto nas polícias não existe qualquer restrição. “A mudança não é para retirar qualquer prerrogativa dessas atividades, mas para estabelecer critérios isonômicos”, conclui.

INCONSTITUCIONAL Uma reação contrária à PEC partiu da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), que considera a proposta inconstitucional. Mesmo reconhecendo que a juventude é uma característica da carreira de procurador, o presidente da ANPR, Alexandre Camanho, disse que estabelecer idade mínima para ingresso é um critério apenas discricionário e o que qualifica um jovem para o exercício da função é a aprovação em um “concurso público duríssimo”.

“Hoje, temos jovens servindo ao país em todos os cantos, e isso não significa obstrução ao bom desempenho. Aos 30 anos, muitos já estão com suas vidas definidas e não terão disponibilidade para servir em locais mais distantes, como Tabatinga (AM). A juventude tem ajudado e jamais pesou”, garante Camanho, que é como a grande maioria do quadro de base da Procuradoria da República. Com 21 anos de exercício da função, ele ingressou na carreira aos 27 anos. E não está sozinho. A opinião contrária à idade mínima encontra apoio em seus colegas.

ANÁLISE Por sua vez, a Associação dos Magistrados do Brasil (AMB) informa que não tem uma posição sobre a proposta de mudança da Constituição porque ainda está em fase de análise. Segundo a instituição, o texto da PEC é muito extenso e requer uma discussão mais aprofundada com outras associações de magistrados, como os juízes federais, do Trabalho, entre outros. A Ordem dos Advogados do Brasil segue na mesma linha e disse que o tema não foi analisado pelo Conselho Federal e nem mesmo está em análise.

Mas alguns juízes eleitorais, reunidos em Belo Horizonte, não escondem o descontentamento com a exigência da idade mínima de 30 anos. A juíza de direito de Caeté, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Marcela Maria Pereira Amaral Morais, de 34 anos, não concorda com mudanças. “Acho que os três anos de experiência são suficientes. O que importa são os estágios e a experiência de trabalho”, ressalta a magistrada, que passou em 1º lugar no certame aos 27 anos. Na bagagem, ela já tinha acumulado estágios no Ministério Público, Defensoria Pública, além de trabalho como assessora jurídica. “No primeiro concurso que fiz, não fui aprovada porque estavam faltando 45 dias para completar o tempo mínimo de três anos de experiência”, conta.

Em vez da exigência de idade mínima, o juiz da 1ª Vara Criminal de Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, Gustavo Henrique Moreira do Valle, de 34, defende tempo maior de experiência para iniciar a magistratura. Atualmente, é obrigatório o cumprimento de três anos de atividade jurídica. Ele começou a carreira aos 28 anos e, antes, exerceu o cargo de procurador em Belo Horizonte, mas acredita que mais tempo no mercado teria sido importante. “Entrei muito novo e tive que ter experiência a fórceps. Para um juiz, o mais importante é ter uma experiência efetiva. O problema é que muitos cumprem apenas pró-forma, pois basta a apresentação de documentos”, afirma.

Vivência profissional

A Proposta de Emenda à Constituição 399, que promove a maior alteração para a carreira de delegados da Polícia Federal e Civil – já que atualmente não é exigido nem mesmo o tempo mínimo de atividade jurídica para participar de concurso público –, agrada, em parte, à Associação dos Delegados da Polícia Federal (ADPF). O presidente da entidade, delegado Marcos Leôncio, disse que, em abril, durante um congresso da categoria, foi aprovada uma diretriz para reformulação das regras do processo seletivo para a carreira, incluindo a exigência de um período de prática jurídica. No entanto, a entidade rechaça a idade mínima. “A idade não é sinônimo de maturidade profissional. O importante é a prática. É preciso que o cargo de grande responsabilidade não seja o primeiro emprego”, defende.

 Marcos Leôncio também confirma que a base da Polícia Federal hoje é formada por jovens e diz que é importante “agregar conhecimento” por meio de prática profissional, antes do ingresso na carreira. “Eu mesmo, antes de ocupar o cargo de delegado federal, me dediquei à advocacia e exerci o cargo de analista do Ministério Público Federal, o que me trouxe uma vivência maior. Para o exercício da função, é necessário que o profissional enxergue as posições dos advogados, juízes e representantes do Ministério Público e, para isso, é necessário vivenciar essa experiência”, afirma.


CONSULTA Com relação à exigência do exame da OAB para que delegados aposentados exerçam a advocacia, Leôncio diz que a entidade fez uma consulta à OAB para que o benefício seja estendido a todos os inativos. “O exame da autarquia foi instituído em 1994, portanto, aqueles que ingressaram antes dessa data nos quadros da PF não precisam fazer a prova. No entanto, defendo que isso seja ampliado, já que os delegados têm prática jurídica e não há razão para que não possam advogar. Segundo o presidente, a OAB ainda não respondeu ao questionamento.

O próprio deputado Moreira Mendes, autor da proposta, admite que essa questão precisa ser debatida amplamente antes da aprovação. Segundo ele, caso a PEC seja aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que analisa apenas a constitucionalidade do tema, será formada uma comissão especial multipartidária para uma discussão ampla, com realização de audiências públicas que reunirão representantes das mais diversas entidades. “Tenho certeza de que não há inconstitucionalidade no texto, que será aprovado na CCJ. E, caso a PEC seja aprovada também na comissão especial, vai a plenário, mas terá que entrar numa grande fila de espera para ser votada”, explica o parlamentar.

O que muda

» A PEC 399 altera os artigos 93, 129 e 144 da Constituição

» Estabelece idade de 30 anos para ingressos na carreia de juiz, Ministério Público e as polícias Federal e Civil

» Exige a prática forense, ou seja, efetivo exercício da advocacia, de no mínimo três anos para ingresso nas carreiras

» Exige a realização de exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para aposentados das carreiras para exercício da advocacia após deixarem suas funções públicas

Como é

» Não existe exigência de idade mínima para se submeter a concurso público para as carreiras

» Para o cargo de juiz e de representantes do Ministério Público, é necessário o exercício de prática jurídica comprovada, e não forense, de pelo menos três anos. Hoje, são consideradas práticas jurídicas até mesmo estágios durante a faculdade. Para os delegados, não há qualquer restrição

» Juízes, promotores e procuradores, além de delegados aposentados não precisam se submeter à prova da OAB para exercício da advocacia após deixarem o cargo

FONTE: Estado de Minas.


Calendário de Inclusão e Exclusão – 2º semestre 2013

Fique atento ao calendário de Inclusão e Exclusão de matérias- 2º semestre 2013

1 de agosto – 9º e 10º períodos
2 de agosto – 7º e 8 períodos
5 de agosto – 5º e 6º períodos
6 de agosto – 3º e 4º períodos
7 de agosto – 1º e 2º períodos
8 a 30 de agosto – inclusão e exclusão para as disciplinas que permanecerem com vagas ociosas.

Horário de atendimento:
9h às 21h – Entrega dos planos de estudos de inclusão e exclusão na Recepção do campus
9h às 20h – Laboratório de Informática

Veja aqui as últimas notícias:

Atenção:
A partir do segundo semestre de 2013 a frequência mínima para aprovação é de 75%, conforme regimento.
Calendário de 2013
Calendário Acadêmico: Download FONTE: Universo Belo Horizonte.


%d blogueiros gostam disto: