Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: nono

Implantação do 9º dígito faz créditos da Vivo virarem pó com cobrança indevida

Implantação do 9º dígito faz créditos da Vivo virarem pó com cobrança indevida
LILIANE ALVES: “Tentei ligar para o meu enteado, mas uma ligação dizia não haver saldo suficiente”

.

Uma pane no sistema da operadora de telefone Vivo no dia da implantação do nono dígito, no domingo (11), deixou muitos clientes sem fala. Literalmente. Na data, houve uma espécie de desconfiguração no ramal que atende aos clientes que fizeram portabilidade no passado. Dessa forma, a telefônica parou de reconhecer os números portados como próprios e cobrou indevidamente pelas ligações de Vivo para Vivo, que deveriam ser gratuitas. Como reflexo, os créditos dos consumidores dos planos pré-pago e controle viraram poeira.

.

“Eu tentei ligar para o meu enteado, mas ouvia uma ligação dizendo que eu não possuía saldo suficiente. Meu marido também não conseguiu falar com ele. Eu percebi na hora que havia uma coisa errada, pois as ligações para qualquer número da Vivo estão incluídas no meu plano”, lamenta a empresária Liliane Alves.

.

Ela afirma que o problema foi aparentemente solucionado, já que consegue efetuar ligações normalmente. Mas não sabe se tem algum crédito a ser estornado. “Ainda não sei se houve ressarcimento, mas vou ligar para a operadora para saber”, comenta. Segundo a Vivo, o ressarcimento será realizado por meio da próxima conta..

.

Reembolso

.

Segundo o coordenador-geral do Procon Assembleia, Marcelo Barbosa, entrar em contato com a operadora para saber se algum crédito foi consumido e como será o reembolso é o primeiro passo de quem foi lesado.

.

Caso seja confirmada a cobrança indevida, ou seja, se a pessoa já tiver pago pelos créditos que foram consumidos, Marcelo Barbosa alerta que o artigo 42, parágrafo único, do Código de Defesa do Consumidor (CDC) diz que o reembolso deva ser em dobro. A resolução 632 da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) também dispõe sobre o ressarcimento em duas vezes o valor da cobrança.

.

“O ideal é que a operadora faça o ressarcimento em dobro sem que haja um pedido do cliente. Porém, como isso costuma não acontecer, o consumidor deve entrar em contato com a empresa e solicitar o reembolso que lhe é de direito”, comenta.
.

Anatel

.

Se ainda assim a operadora não arcar com a obrigação, Marcelo Barbosa alerta que o cliente deve acionar a Anatel e, posteriormente, o Procon para fazer valer seus direitos. Para isso, é necessário ter o número do protocolo que comprove o contato do consumidor com a operadora e a conta, que mostre a cobrança indevida.

.

Segundo o coordenador-geral do Procon, o erro também fere o artigo 14 do CDC, que garante ao consumidor uma boa prestação de serviços. “Se alguém teve algum prejuízo nesse período em decorrência de não conseguir fazer ligações, essa pessoa deve ser indenizada”, afirma.

.

A Vivo informou que já regularizou o sistema de telefonia. Em nota, a operadora garantiu que “os clientes impactados por essa ocorrência técnica, que realizaram chamadas a partir das 7h30 do domingo (11), estão sendo identificados para aplicação do devido ressarcimento”, diz o texto.

.

FONTE: Hoje Em Dia.


Celulares de Minas Gerais terão mais um dígito a partir de outubro
Na fase de implantação, as ligações serão completadas normalmente e o usuário irá ouvir uma mensagem orientando as próximas ligações
celular

Os números de todos os telefones móveis do estado de Minas Gerais serão alterados para o formato de nove dígitos, com a inclusão do 9 antes do número, a partir do dia 11 de outubro. A medida cumpre a resolução da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) n° 553, de 14 de dezembro de 2010.

Na primeira fase de implantação, as chamadas para telefones celulares realizadas com apenas oito dígitos ainda serão completadas, mas o usuário ouvirá uma mensagem orientando sobre o novo formato. Após o período de transição, as discagens com oito dígitos não serão mais completadas.

O nono dígito na telefonia móvel será implementado em todo o Brasil até o fim de 2016 e já funciona nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará e Roraima. Com a medida, a Anatel busca aumentar a disponibilidade de números na telefonia celular e dar continuidade ao processo de padronização da marcação das chamadas.

Segundo o cronograma, no dia 11 de outubro deste ano, juntamente com Minas Gerais, os estados de Sergipe e Bahia também adotarão o formato.

A alteração no formato do número telefônico se aplica somente ao Serviço Móvel Pessoal (SMP). Os números de telefones do serviço fixo comutado (números iniciados com os algarismos 2, 3, 4, 5 ou 6), e do serviço móvel especializado (números iniciados com 7) permanecem no atual formato de oito dígitos.

 

FONTE: O Tempo.


Confira guia com 20 opções de pratos para saborear no inverno

Pedida para a estação são pratos que ‘aconchegam’ principalmente nas noites mais frias

Clássico da estação, o fondue tem seis diferentes versões no Paladino (MARCOS VIEIRA/EM/D. A. PRESS)

Clássico da estação, o fondue tem seis diferentes versões no Paladino

Cremosos risotos, massas gratinadas, filés submersos em molho, cortes bovinos e suínos cheios de “personalidade”. E tome queijos, mandioca, ovo mole e molhos encorpados com vinho tinto. Isso para não falar das pedidas mais manjadas: caldos, fondues, nhoque, panhoca recheada e ensopados de todo tipo, até à moda japonesa. Com o início do inverno, está a aberta a temporada da comida que “abraça”, ideal para as noites frias. ODivirta-se garimpou 20 opções para diferentes gostos e bolsos em Belo Horizonte.

Bobó de camarão
(R$ 159,90, para duas pessoas)

ONDE: Alguidares. Rua Pium-I, 1.037, Sion. (31) 3221-8877. Aberto segunda, das 19h à 0h; de terça a sexta, das 12h às 15h e das 19h à 0h; sábado, das 12h à 0h; domingo, das 12h às 18h.

OK, a Bahia pode remeter ao verão, mas não há como negar que um denso bobó de camarão seja um prato bastante indicado para um dia frio. No restaurante da baiana Deusa Prado, que traz os frutos do mar de Recife, ele é servido num alguidar de barro e guarnecido com arroz e farofa.

Caldo
(R$ 24 por pessoa)

ONDE: Emporium. Afonso Pena, 4.034, Cruzeiro. (31) 3281-1277. Aberto terça e quarta, das 17h30 à 0h; quinta, das 17h30 à 0h30; sexta e sábado, das 17h30 à 1h.

Todo inverno a casa promove festival de caldos. Desta vez são 15 variedades para comer à vontade. Entre os destaques, dobradinha, mocotó, batata baroa, bobó de camarão, caldo verde, canja, mingau de milho verde e canjiquinha. Todos expostos sobre fogão a lenha, que fica no salão.

Chic-Ló
(R$ 28,50, para duas pessoas)

ONDE: Köbes. Rua Professor Raimundo Nonato, 31A, Horto. (31) 3467-6661. Aberto de terça a sexta, das 18h à 0h; sábado, das 12h à 0h; domingo e feriado, das 12h às 17h.

Em 2010, o bar faturou o terceiro lugar do concurso Comida di Buteco com este petisco, composto por jiló à parmegiana sobre purê de batata e guisado de paleta de vitelo. O cardápio conta com outras receitas indicadas para o frio, como o pato ao arroz mole, espécie de “galinhada de pato”, servida molhadinha com batata cozida.

Costelinha ao molho de goiaba
(R$ 69,90, para duas pessoas)

ONDE: Café Viena. Avenida do Contorno, 3.968, Santa Efigênia. (31) 3221-9555. Aberto de segunda a quinta, das 12h à 1h; sexta e sábado, das 12h às 2h.

Ciente de que variar é bom, a cozinha da casa prepara um molho de goiaba para destoar do onipresente barbecue na hora de dar sabor extra à costelinha. Assado em parrilla, o corte suíno é servido com mandioca cozida e manteiga de garrafa. Carta de cervejas com 1.150 rótulos.

Desmanchado de ossobuco perfumado à Guimarães
(R$ 36,90, para três pessoas)

ONDE: Agosto. Rua Esmeralda, 298, Prado. (31) 3337-6825. Aberto de terça a sexta, das 18h à 0h; sábado, das 16h à 0h.

Lucas Brandão, proprietário do bar, explica que primeiro a carne é cozida até ficar com aspecto de ragu. Colocada numa panela de barro, é coberta com angu mole bem quente e, antes de ir à mesa, o petisco recebe uma camada de requeijão de raspa e cubinhos de carne de sol. Outra pedida que “abraça”.

Delizie Dona Derna
(R$ 45, individual)

ONDE: Dona Derna. Rua Tomé de Souza, 1.331, Savassi, (31) 3223-6954. Aberto de terça a sábado, das 12h à 0h; domingo, das 12h às 17h.

Os puristas podem torcer o nariz, mas tem seu lugar a receita com quê caseiro criada pela mãe do chef e proprietário, o italiano Memmo Biadi. Nada mais é que um rocambole de massa recheado com frango, presunto cozido, ricota e espinafre, gratinado com molho branco e finalizado com pingos de molho de tomate. Funciona.

Fondue
(Entre R$ 76 e R$ 116, para duas pessoas)

ONDE: Paladino. Avenida Gildo Macedo Lacerda, 300, Braúnas/Pampulha. (31) 3447-6604. Aberto quarta e quinta, das 19h à 0h; sexta e sábado, das 19h à 1h.

É o prato “oficial” do inverno. Na casa, está disponível em seis versões, de queijo (R$ 88) a chocolate (R$ 76), passando por doce de leite (R$ 76) e frutos do mar (R$ 116) – todas servem duas pessoas. A área verde ao redor tem ajudado a deixar as noites por ali cerca de quatro graus abaixo da média da cidade.

Filé à parmegiana
(R$ 71,50, para duas pessoas)

ONDE: Pizzarella. Avenida Olegário Maciel, 2.280, Lourdes. (31) 3292-3000. Aberto de domingo a quinta, das 11h à 1h; sexta e sábado, das 11h às 2h.

Poucos pratos têm tanto poder de “conforto” quanto este. Feito à moda antiga nesta pizzaria, ele é coberto com molho de tomate e queijo, cercado por purê de batata e levado para gratinar – acompanha arroz. Para completar, é servido por garçons que dominam a técnica das duas colheres na mesma mão.

Ossobuco com risoto preparado pelo chef Leo Mendes, opção para o inverno do Ah! Bon a R$ 62 (MARCOS VIEIRA/EM/D. A. PRESS)

Ossobuco com risoto preparado pelo chef Leo Mendes, opção para o inverno do Ah! Bon a R$ 62

Fusilli com braciola
(R$ 59, individual)

ONDE: Provincia di Salerno. Rua Maranhão, 18, Santa Efigênia. (31) 3241-2205. Aberto de terça a sexta, das 12h às 15h e das 19h à 1h30; sábado, das 12h às 16h e das 19h à 1h30; domingo, das 12h às 17h.

Não é aquela massa em formato de parafuso que vem no pacote, mas uma bem diferente. Enrolada à mão, seguindo a tradição do Sul da Itália, de onde vem a família do chef e proprietário, Remo Peluso, é servida com braciola (pernil enrolado com bacon, passas, parmesão e ervas) ao molho de tomate.

Joelho de porco
(R$ 60, para duas pessoas)

ONDE: Krug Bier. Rua Major Lopes, 172, São Pedro. (31) 2535-1122. Aberto de segunda a sexta, das 16h à 1h; sábado, das 12h às 2h; domingo, das 13h às 18h.

Frito e acompanhado por chucrute e batata sauté, esse é um clássico da culinária alemã. Na casa, é possível testar a melhor harmonização para ele com um dos seis chopes de produção própria (a partir de
R$ 5,80, cada). Outra pedida germânica é a porção de salsichões com mostarda.

Mãozinha de porco
(R$ 14 o par)

ONDE: Bar do Xumba. Rua Salinas, 1.173, Santa Tereza. (31) 3481-3128. Aberto de terça a sexta, das 16h à 0h; sábado, das 11h às 20h.

Onde mais comer mãozinha de porco em BH? E mais: onde comprá-las como “par”?. Nesse bar simples e correto, os membros suínos dianteiros levam a melhor sobre o conhecido pezinho porque o cozinheiro, Paulo Casitta, crê que têm “mais carne e sabor diferente”. Apenas farinha e pimenta para guarnecer.

Moranga recheada com carne seca
(R$ 116, para três pessoas)

ONDE: Xapuri. Rua Mandacaru, 260, Pampulha. (31) 3496-6198. Aberto de terça a sábado, das 12h às 23h; domingo e feriado, das 12h às 18h.

Os frangos ensopados podem ser a primeira opção em dias frios no restaurante. Entretanto, há no cardápio essa outra pedida, que é tão apropriada quanto. Vai ao forno com requeijão e chega à mesa com arroz, feijão e couve.

Nhoque com queijo brie
(R$ 60, individual)

ONDE: Villa Roberti. Avenida Celso Porfírio Machado, 1.520, Belvedere. (31) 2534-7714. Aberto terça e quarta, das 12h à 0h; quinta a sábado, das 12h à 1h; domingo, das 12h às 19h.

Feito com batata, o nhoque aceita vários tipos de molho. Na receita do chef Lucas d’El Peloso, ele tem no queijo brie seu ingrediente principal. Vinho tinto e tiras de filé completam o prato. Novidade por ali que tem cara de inverno é o ravióli de galinha-d’angola ao próprio molho com cogumelo e orapronóbis.

Ossobuco à milanesa
(R$ 62, individual)

ONDE: Ah! Bon. Rua Fernandes Tourinho, 801, Lourdes. (31) 3281-6260. Aberto de segunda a quinta, das 12h à 0h; sexta e sábado, das 12h à 1h30; domingo, das 12h às 22h.

Clássico italiano, consiste num corte da perna bovina escoltado por risoto de açafrão. Além de envolver a carne com molho de vinho, o chef Leo Mendes serve o prato com colherzinha, para que se coma o tutano guardado no interior do osso.

Panhoca recheada
(R$ 35, para duas pessoas)

ONDE: Salumeria. Rua Sapucaí, 527, Floresta. (31) 2552-0154. Aberto de segunda a sexta, das 11h30 às 15h e das 18h à 0h; sábado, das 12h às 17h e das 18h à 1h; domingo, das 12h às 17h.

Sócia e chef do restaurante desde novembro, Ana Motta acaba de colocar no cardápio pedidas próprias para os dias frios, a exemplo desta, cujo conteúdo é um creme feito com os queijos pecorino, gorgonzola e grana padano. Massas, queijos e embutidos continuam como atrativos principais por lá.

Polenta ao molho de cogumelos
(R$ 29, individual)

ONDE: La Palma. Rua Professor Jerson Martins, 146, Bairro Aeroporto/Pampulha. (31) 3441-4455. Aberto de terça a quinta, das 11h30 à 0h; sexta e sábado, das 11h30 à 1h; domingo, das 11h30 às 18h.

Na segunda casa do chef Ivo Faria, essa polenta, que leva um pouco de parmesão, não pode ser gratinada além da conta. A gema colocada no meio precisa ficar mole para conferir textura sedosa ao conjunto. Há outro prato com polenta por lá, a canela de porco braseada.

A vaca atolada do Chic Tácio chega à mesa fumegante, em panela de pedra (MARCOS VIEIRA/EM/D. A. PRESS)

A vaca atolada do Chic Tácio chega à mesa fumegante, em panela de pedra

Risoto de cabernet sauvignon com filé e castanha-do-pará
(R$ 52, individual)

ONDE: Piacenza. Rua Aimorés, 2.422, Lourdes. (31) 2515-6092. Aberto de terça a sexta, das 11h30 às 15h e das 19h à 0h; sábado, das 11h30 às 17h e das 19h à 0h.

O vinho tinto da uva mais popular do mundo confere cor e sabor a esse risoto, cuja base é o queijo parmesão. A casa do chef Américo Piacenza também conta com massas lisas e recheadas produzidas pela família dele, a exemplo da usada na lasanha à bolonhesa.

Sopa de cebola
(R$ 28, individual)

ONDE: Borracharia Gastropub. Avenida Afonso Pena, 4.321, loja 15 (dentro do posto Ipiranga), Serra. (31) 2127-4321. Aberto de terça a sexta, das 12h às 15h e das 18h à 0h; sábado, das 12h às 23h; domingo, das 12h às 17h30.

Não é uma sopa qualquer: é a tradicional versão francesa, gratinada
com uma fatia de pão e queijo canastra pelo chef e proprietário Jaime Solares, que já trabalhou em cozinhas do país europeu. Além dela, o cardápio lista porções individuais de tira-gostos “aconchegantes”, como carne de panela, almôndega e pé de porco.

Sukiyaki
(R$ 75, para duas pessoas)

ONDE: Kabuto. Rua Pium-I, 736, Sion.
(31) 3225-3522. Aberto terça e quarta, das 18h à 0h; quinta e sexta, das 18h à 1h; sábado, domingo e feriado, das 12h à 0h.

Eis uma pedida de inverno longe do lugar-comum. Trata-se de um cozido nipônico levado à mesa em panela de ferro, sobre pequeno fogareiro. Além de filé em lâminas, leva tofu, cogumelos, legumes, verduras, cebolinha e broto de feijão. Os ovos crus cozinham na hora, no calor do ensopado.

Vaca atolada
(R$ 20, para duas pessoas)

ONDE: Chic Tácio. Rua Itamaracá, 25, Colégio Batista. (31) 3421-3363. Aberto de segunda a quinta, das 15h30 às 23h; sexta, das 15h30 às 23h30; sábado, das 9h às 18h.

Tem costela de boi e pedaços de mandioca cozidos juntos até que tudo fique macio e se forme caldo encorpado. Neste bar quase cinquentão, o proprietário, Tácio de Paula, serve o petisco com uma pitada de cebolinha e numa panela de pedra. Borbulhando.

.
FONTE: Estado de Minas.

 

Arte

.

FONTE: Hoje Em Dia.


Saiba como foram criadas as receitas mais típicas de Belo Horizonte e como sua história se relaciona com a da cidade
Pratos típicos

GastronomiaUm feijão-tropeiro modificado por truques de uma cozinheira de pensão. Um caldo de mocotó que faz flanelinhas e desembargadores dividirem o mesmo balcão. Uma refeição como outras tantas na cidade e que virou a matadora de fome oficial da madrugada. A comida de funcionário que ganhou apelido e virou o prato feito mais famoso da cidade. A improvável mistura de fígado de boi e jiló que não era para ser mais do que um petisco de feirantes. Eis as cinco receitas mais típicas de Belo Horizonte, que, despretensiosamente, ajudam a contar a história da capital mineira e a formar sua identidade cultural.

“Minha tia Lola tinha uma pensão onde ela mesma cozinhava. Quando foi convidada para ter um bar no Mineirão, no fim dos anos 1960, ela incrementou o tropeiro com o molho de tomate e o ovo frito inteiro, em vez de mexido. As pessoas pediam assim na pensão, como complemento da carne”, lembra Eliane Assis, que foi permissionária de bares (o de número 13 tornou-se o mais famoso) que serviram o prato no estádio até a reforma de 2010. Prevendo as mudanças que vieram em seguida, ela abriu o restaurante Tropeiro do 13 em 2005, no Bairro Planalto. Tudo para não deixar morrer a tradição, o que inclui o molho de tomate.

Tropeirão

Afinal, por que colocá-lo sobre o tropeiro, já que é um ingrediente sem qualquer relação com esse prato clássico mineiro? “Esse molho minha tia já fazia na pensão e era bem aceito. Como não havia como refogar couve para milhares de tropeiros no mesmo dia, ela punha o molho por cima da verdura crua para melhorar o sabor da couve”, revela Eliane. E com um detalhe: a chapa funcionava apenas para fritar os bifes de lombo, e Lola a raspava o tempo inteiro, acrescentando essas crostas saborosas ao molho. “O sabor era apurado ao longo do dia”, completa ela. Com a transferência para o Planalto essa técnica se perdeu. Quem comeu, comeu.

 Bolão se afastou do comando da cozinha e lamenta mudanças na receita de seu espaguete, que é parte do Rochedão, refeição que pesa 800g (ALEXANDRE GUZANSHE/em/d.a press)

Bolão se afastou do comando da cozinha e lamenta mudanças na receita de seu espaguete, que é parte do Rochedão, refeição que pesa 800g

LATINHA “Lá no Mineirão tinha alegria, contato com o torcedor. Quando o time virava o jogo, mudava o astral, mudava tudo. Era uma coisa doida, uma magia”, lembra Eliane, que ficava no caixa, enquanto a mãe, Vina, comandava a cozinha. Essa mágica tinha a ver também com o volume de trabalho: chegar às 5h para começar a vender tropeiro às 10h era comum. O recorde foi de 4,3 mil pratos servidos no mesmo dia, ocasião em que havia cerca de 90 mil torcedores no estádio. Mesmo com a considerável diminuição de fregueses, uma coisa não mudou: ainda vale como medida da farinha de mandioca a amassada e arranhada lata de castanha de caju dos anos 1970.

A sequência de preparo é: gordura de porco na panela, alho batido com sal, linguiça calabresa, torresmo sem pele frito, feijão carioquinha cozido (com um pouco do próprio caldo), deixa ferver, apaga o fogo, mistura a farinha, põe a cebola crua cortada fininha e a cebolinha e mexe tudo. “Mas com jeitinho, com o garfo, senão vira tutu”, ensina ela. E arremata: “Nosso tropeiro é mais molhado, vai com um pouco mais de caldo. Não que aquele mais seco seja ruim, mas aqui não vende, pois o pessoal gosta dele mais molhado”.

Você pode, querendo, experimentar a receita do blog AQUI!

CANECA DE MOCOTÓ  “A receita é a mesma, não mudamos praticamente nada”, garante Dênio Corrêa, o caçula dos cinco irmãos que se revezam há anos no preparo do caldo mais popular da cidade, o de mocotó do Nonô, com 51 anos de existência. Ele começou a ser servido no Barreiro, na época em que a instalação da siderúrgica Mannesmann ajudou a desenvolver a região. Era só uma barraquinha, mas a grande aceitação entre os operários encorajou Raimundo de Assis Corrêa, o Nonô, a abrir um bar ali perto, no Clube Colina, e, depois, no Centro, onde funciona até hoje.

É das poucas casas da cidade que funcionam 24 horas: abre segunda, às 6h, e só fecha sábado, à 0h. Três turmas de funcionários passam pela casa ao longo do dia. O caldo é feito até quatro vezes por dia, de acordo com a demanda. Faça frio ou calor, sempre há fregueses encostados no balcão para tomá-lo. “Está meio quente, então estamos usando 1,2 tonelada de mocotó para esta semana. Quando esfria, vendemos uns 60% a mais”, conta Corrêa. A cerveja preta Caracu é o acompanhamento tradicional, sendo que o bar é o maior vendedor da marca no país – são cerca de 5 mil latas por mês.

Sobre o caldo, é importante dizer que mocotó não é simplesmente mocotó. Na cozinha do local, esse corte bovino é separado de acordo com três categorias: unha, canela e panturrilha. Cada caneca leva um pouco de cada (esses pedacinhos são chamados de “barranco”) e cebolinha picada por cima. “Se a gente cozinhasse tudo direto, o gosto ficaria muito forte. Por isso fritamos o mocotó antes, o que elimina parte da própria gordura. O pessoal da roça não come assim, mas o da cidade não tem estômago para isso”, explica ele. A versão completa ainda leva dois ovos de codorna crus, que cozinham no calor do caldo.

TÁXI Refeições fartas, com arroz, feijão, batata frita, ovo, bife e macarrão existem aos montes pela cidade. Por que, então, a versão do Bolão, em Santa Tereza, tornou-se tão famosa? “Os taxistas foram os primeiros a comer isso e pode saber que lugar em que vai muito taxista é bom. Eles é que foram fazendo o boca a boca. Ficou famoso por causa disso e por funcionar de madrugada, apesar de hoje a casa fechar mais cedo. A gente acompanhava o funcionamento do cinema, que ficava do outro lado da praça, e fomos esticando o horário”, conta o fundador da casa, José Maria Rocha, o Bolão.

Ele é criador do Rochedão, servido desde o início dos anos 1980. Tudo começou com o espaguete. “Aqui no bairro tinha um bar que servia espaguete e, quando fechou, os fregueses pediram para que eu fizesse. Já era servido assim, com o molho separado da massa”, lembra. Com o crescimento da casa, o cardápio passou a ter, além de petiscos, refeição, que sempre chegou à mesa com a massa à parte. As batatas fritas (nunca das congeladas) foram o último item a ser acrescentado a um prato que totaliza cerca de 800g.

Atualmente afastado da direção do bar por problemas de saúde, Bolão se queixa das mudanças que a receita do espaguete sofreu com o tempo. O principal problema, diz, foi a troca da massa com ovos pela de grano duro: “Gosto dela mais macia, e hoje ela é mais firme. Além disso, o molho não gruda nela direito”. Também lamenta que o molho não seja mais feito da forma como o concebeu: sem tomate fresco (só o extrato enlatado), com “tempero normal” (alho batido com sal) e acém moído. Mesmo assim, ele ainda gosta de ficar sentado na porta do restaurante cumprimentando clientes praticamente sem parar.

Operário-padrão
Pratos improvisados para atender os funcionários do café palhares (Kaol) e feirantes do Mercado central (Fígado com Jiló) acabaram se tornando clássicos da cidade
O boteco Valadarense, no Mercado Central, que serve fígado com jiló há mais de 40 anos. Receita surgiu para atender trabalhadores do local (Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
O boteco Valadarense, no Mercado Central, que serve fígado com jiló há mais de 40 anos. Receita surgiu para atender trabalhadores do local

Nenhum dos pratos tipicamente belo-horizontinos é resultado de uma ação premeditada ou uma grande ideia que de repente foi colocada em prática na cozinha. Nesse sentido, chamam a atenção as origens de dois deles, o Kaol, do Café Palhares, e o fígado de boi com jiló do Mercado Central. Definitivamente, não era para se tornarem as duas mais emblemáticas receitas da cidade, mas quis o destino (e a freguesia) que fosse assim. A primeira surgiu como comida de funcionários; a segunda, um petisco improvisado de feirantes.

“Nos anos 1960 e 1970, o mercado era o principal centro abastecedor da cidade, com um abatedouro em funcionamento. Abria cedo e não havia restaurantes no entorno. Os feirantes pegavam os miúdos e levavam para os bares”, conta José Agostinho Oliveira Quadros, presidente do Mercado Central e comerciante por lá há 50 anos. O jiló, diz ele, provavelmente entrou no petisco por ser dos ingredientes mais baratos na época. Assim, tornou-se o tira-gosto mais famoso da capital mineira, servido por praticamente todos os bares do local.

Já Ronaldo Marques, gerente do bar Fortaleza, um dos vários balcões onde se pode comer essa combinação de sucesso, conta versão um pouco diferente. “A história que sei é que dois açougueiros do mercado chegaram num dos bares com jiló e pediram para prepará-la com carne de porco. O fígado foi sacada do dono do bar, com certeza, por ser mais barato que a carne de porco. Era um prato de açougueiro para açougueiro”, relata ele, que já vendeu de quase tudo no local e há 15 anos comanda a chapa em que é preparado o petisco.

KAOL O fato de ter sido batizado pelo jornalista e compositor Rômulo Paes confere pompa ao Kaol, o prato feito que ajudou a construir a fama do Café Palhares, inaugurado em 1938, no Centro. Entretanto, originalmente, ele era a comida dos empregados que trabalhavam no bar à noite, na década de 1950. “De madrugada, eles faziam um prato com arroz, ovo e linguiça. Como o bar era pequeno, comiam por perto e todo mundo via. Os fregueses começaram a querer também e foi assim que começou”, conta João Lúcio Ferreira, um dos proprietários.

Funcionário do Palhares prepara o Kaol, que inclui arroz, farofa de feijão, couve, ovo, linguiça, torresmo e molho (Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

Funcionário do Palhares prepara o Kaol, que inclui arroz, farofa de feijão, couve, ovo, linguiça, torresmo e molho

Inicialmente, o prato era servido só à noite. Na década seguinte, passou a ser oferecido também no almoço. “Nessa época, era servido num prato de papelão e o pessoal sentava no meio-fio para comer. Aqui só foi ter lugar para sentar depois da reforma, nos anos 1970”, lembra ele. O público boêmio aprovou a receita, frequentemente pedindo cachaça para acompanhar. Por motivo que segue desconhecido por Ferreira, o “c” virou “k” na hora de usar as iniciais dos ingredientes para batizar o prato. Ele aproveita para esclarecer que, na verdade, esse apelido foi criado com a participação de seu pai, João.Hoje, são nada menos que 400 pratos servidos por dia. Com o tempo, outras guarnições pedidas por fregueses foram adicionadas definitivamente ao prato, como couve, farofa de feijão, torresmo e molho de tomate. O molho da casa não leva tomate fresco, mas extrato enlatado, e ajuda a deixar o prato menos seco, a exemplo do que é feito também em outro clássico da cidade, o feijão-tropeiro do Tropeiro do 13.

“A gente colocava um tomate por cima do prato e depois resolveu trocar por esse molho. Na época, servíamos muito sanduíche de pernil e de linguiça, sempre com esse mesmo molho. Já o tínhamos pronto na casa. Muita gente disse que não tinha nada a ver, mas que tinha ficado gostoso”, resume Ferreira. O orgulho maior da casa é a linguiça, produzida diariamente na sobreloja, desde a década de 1970, e que faz com que um certo freguês pague a conta, dê uma volta no quarteirão e volte para sentar-se na outra ponta do balcão para comer um segundo Kaol, tentando não se passar por guloso diante dos garçons.

FONTE: Estado de Minas.


Telefones celulares de Minas Gerais terão mais um dígito a partir de outubro

Na fase de implantação as ligações serão completadas normalmente e o usuário irá ouvir uma mensagem orientando as próximas ligações

nono_digito

Os números de telefones móveis de Minas Gerais serão alterados para o formato de nove dígitos, com a inclusão do 9 antes do número, a partir do dia 11 de outubro. A medida cumpre a resolução da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) n° 553, de 14 de dezembro de 2010. 

Segundo o cronograma, no dia 11 de outubro deste ano, juntamente com Minas, os estados de Sergipe e Bahia também adotarão o formato. Antes disso, em 31 de maio, a medida será aplicada em outros seis estados: Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte.

.
O nono dígito na telefonia móvel será implementado em todo o Brasil até o fim de 2016 e já funciona nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará e Roraima. Com a medida, a Anatel busca aumentar a disponibilidade de números na telefonia celular e dar continuidade ao processo de padronização da marcação das chamadas.
.
Na primeira fase de implantação as chamadas para telefones celulares realizadas com apenas oito dígitos ainda serão completadas, mas o usuário ouvirá uma mensagem orientando sobre o novo formato. Depois do período de transição, as discagens com oito dígitos não serão mais completadas.
.
A alteração no formato do número telefônico se aplica somente ao Serviço Móvel Pessoal (SMP). Os números de telefones do serviço fixo comutado – números iniciados com os algarismos 2, 3, 4, 5 ou 6 -, e do serviço móvel especializado – números iniciados com 7 – permanecem no atual formato de oito dígitos.

.

FONTE: Estado de Minas.


Rei do Mocotó completa meio século e tem história registrada em livro

Nonô do Mocotó
A fortificante e gelatinosa sopinha extraída da pata do boi é receita típica brasileira
Parar na avenida Amazonas ou na rua Tupis e pedir, do balcão mesmo, um caldo de mocotó quente com dois ovinhos de codorna estalados no fundo. Pão crocante acompanha. Cebolinha fresca picadinha para o acabamento. Há 50 anos, este “cerimonial sem cerimônia” é repetido em BH pelos fregueses de um dos estabelecimentos mais tradicionais do Centro. Parte de uma história contada pelo livro “Nonô: O Rei do Caldo de Mocotó: 50 Anos de Tradição” (Escritório de Histórias), que será lançado nesta quinta-feira (13), a partir das 19 horas, na Academia Mineira de Letras (rua da Bahia, 1.466).
A fome, ali, é saciada por cerca de R$ 7. No fundo da caneca de cerâmica, os clientes aproveitam os pedacinhos bem cozidos de “barranquinho”, “trupico”, “melequinha”, ou melhor, do colágeno das cartilagens do boi. “É a ‘sustança’”, passa a sua versão de “nome do alimento”, o pintor Elder Elias Rosa, 45 anos, acompanhado da esposa e companheira de caneca, a auxiliar de serviços Elaine Cristina Gomes, 42. Há 20 anos Elias está no rol dos clientes assíduos.
O ritual popular acontece de segunda a sábado, 24 horas por dia. Alguns habitués, mais animados, depois do “calorão” promovido pelo caldo, pedem para descer a cerveja preta gelada para rebater. Pelo menos 4.800 latinhas são consumidas por mês. Um dos maiores vendedores de cerveja preta do Brasil.
Mas o forte do boteco é a fortificante e gelatinosa sopinha extraída da pata do boi. São 900 porções por dia. No frio, passa de 1.300/dia. Só de Cebolinha são 500 molhos por semana. E os proprietários ainda contam com uma “picadora” e “higienizadora” de cebolinha terceirizada. É coisa para encardir.
A receita típica da culinária brasileira, da época dos escravos, foi aprimorada pelo fundador do bar juntamente com a mulher dele. Trata-se do comerciante Raimundo de Assis Corrêa, o “Nonô”, que morreu em 1973. Hoje, cinco dos dez filhos do casal – os chamados “cinco Nonôs” – tocam o empreendimento.
Cubículo
No corredor de pouco mais de 40 metros quadrados tudo é milimetricamente distribuído. Aproveitamento de espaço de dar inveja a arquiteto japonês. A escadinha para subir para a cozinha do segundo andar, igualmente pequena, vai para um lado e para o outro, conforme a necessidade dos funcionários. O vendedor de loteria passa por ali.
O hippie com um gigante mostruário forrado de pano preto cravejado de pulseirinhas de couro também marca presença. “Não tem problema”, diz um dos “Nonôs”, o filho caçula, Dênio Gabriel Corrêa, 47 anos.
Lá em cima, tudo é apertadinho também, mas organizado. Grandes panelas de pressão a mil por hora cozinham os mocotós, as línguas de boi – outra iguaria – e os caldos propriamente ditos. Mais “sustança” para o povo.
Livro não entrega a receita, mas tem história de vida
Mas e a tal receita do famoso caldo de mocotó? “O mocotó é cozido, depois, adicionam-se os temperos no caldo. Aí, não posso falar mais”, desconversa o caçula Dênio Corrêa, rindo. “Eu sei fazer caldo de mocotó. Mas igual a este não fica. Queria saber, mas eles não dão a senha”, lamenta, por sua vez, o pintor Elder Elias Rosa. Ao leitor, um aviso: o livro que será lançado nesta quinta-feira (13) também não revela o segredo.
Mas proporciona o conhecimento de uma bela história de vida de um empreendedor mineiro, ex-funcionário da Mina de Morro Velho, em Raposos, quando esta ainda era distrito de Nova Lima.
Nonô, juntamente com a esposa Alaydes Corrêa, focou num produto e fez fama com ele. “Ela (Alaydes) era a responsável por limpar e cortar o pé do boi para que ele pudesse ser cozido”, rememora o livro.
Nonô, então já na região do Barreiro, e sempre com a família, comercializava alimentos para operários da Companhia Siderúrgica Mannesmann, atual Vallourec.
O “pulo do gato” aconteceu em 1963. Na época, Nonô relatou seu trabalho informal a um ex-prefeito de Belo Horizonte, que lhe concedeu autorização para que utilizasse uma pequena área, de quatro metros quadrados, próxima à portaria da siderúrgica, para fixar seu comércio.
A dica para comercializar o caldo de mocotó surgiu no ano seguinte, por meio de um cliente.
“Nonô gostou da ideia e, como um alquimista que prepara sua porção mágica, cozinhou várias vezes até considerar que estava no ponto ideal para ser servido aos fregueses”, relata o livro.
Estava adaptada a “sustança” aos operários da siderúrgica. Um prato que até hoje faz sucesso – agora, para os funcionários públicos, pintores, jornalistas, faxineiras, torcedores de times de futebol antes do jogo, hippies e vendedores de loterias do Centro de BH.
FONTE: Hoje Em Dia.


%d blogueiros gostam disto: