Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: norte

Polícia prende traficantes que ostentavam poder e luxo em BH

Nove pessoas foram apresentadas nesta segunda-feira, na capital, e três estão foragidos. Grupo era investigado há cinco meses

 

Paulo Filgueiras/EM/D.A Press
.
Uma quadrilha suspeita de comandar o tráfico de drogas na Região Norte de Belo Horizonte desafiava as autoridades e demonstrava poder, com carros de luxo, armas e dinheiro. O grupo, formado por 12 pessoas, agia nos bairros Jardim Europa, Jardim dos Comerciários, Mantiqueira e Novo Letícia. 
.
Nove suspeitos foram presos e apresentados na manhã desta segunda-feira, enquanto três seguem foragidos. A quadrilha era investigada há cerca de cinco meses e, em 10 de junho, nove mandados de prisão e 18 de busca e apreensão foram cumpridos, conforme a delegada Flávia Portes, da 1ª Delegacia de Venda Nova. 
.
Segundo as investigações, Rafael Almeida Penha, de 30 anos, e Leandro Alexandre de Souza Teixeira, de 27, eram os responsáveis por coordenar as ações do grupo. O polícia descobriu ainda que cada integrante da quadrilha atuava de forma organizada, com funções estabelecidas. 
.
As drogas e o armamento eram comprados no Paraguai e criminosos associados à quadrilha faziam o transporte. O grupo movimentava cerca de R$ 100 mil por mês com o comércio de entorpecentes. 
.
Com a organização criminosa, a Polícia Civil apreendeu um Chevrolet Camaro, um Hyundai Santa Fe, um Honda City, um Vectra, uma moto Honda Hornet e um Fiat Palio. Este último veículo tinha um compartimento no teto que era usado pelos investigados para transportar a droga. Além dos carros, foram apreendidos também pistolas semiautomáticas, revólveres e maconha. 
.
De acordo ainda com a polícia, apenas um dos investigados não tinha ficha criminal. Já os demais têm ligação com os crimes de homicídio, tráfico, estelionato e porte ilegal de arma.
.

Paulo Filgueiras/EM/D.A Press

.

FONTE: Estado de Minas.


 

Servidor do INSS em Espinosa usava carro de sindicato para aliciar novos 'aposentados' de Monte Azul
Servidor do INSS em Espinosa usava carro de sindicato para aliciar novos ‘aposentados’ de Monte Azul
Relatório final de inteligência da operação “Curinga” da Polícia Federal (PF) em Minas Gerais revela o funcionamento de outro braço financeiro que irrigou o caixa do esquema de compra de votos no Norte de Minas em prol de candidatos do PT.
Além de desviar verbas de Monte Azul, as lideranças petistas da cidade exigiam contribuições mensais pagas por pessoas que conseguiram se aposentar com auxílio da quadrilha.
Controlado pelo vice-prefeito, Toninho da Barraca (PT), e pelos vereadores Geraldo Ladim (PT) e Marineide do Sindicato (PT), presidente da Câmara Municipal, a estrutura do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Monte Azul foi usada no esquema, conforme a Polícia Federal, na concessão de benefícios previdenciários em troca de vantagem indevida.
De acordo com o relatório, esse esquema de arrecadação acabou “criando um círculo vicioso”, uma “engrenagem perniciosa e gravíssima, pois implica no fortalecimento de uma entidade criminosa”.
Conforme o viés eleitoral das investigações, Toninho, Ladim e Marineide atuaram como cabos eleitorais dos deputados petistas Paulo Guedes e Reginaldo Lopes, os mais votados do partido no Estado.
Não há evidências do envolvimento dos parlamentares com a fraude nas aposentadorias, mas todas as provas colhidas até agora reforçam que a campanha deles foi favorecida pelas irregularidades.
Conforme o Hoje em Dia mostrou durante a semana, a partir de grampos telefônicos autorizados pelo juiz federal Henrique Gouveia da Cunha, benefícios previdenciários, transporte para eleitores no dia da eleição, material de construção, combustível, além de cadastros do Bolsa-Família, financiamentos do Seguro Safra e até dentaduras foram negociados em troca de voto. A maioria dos beneficiados são pessoas de baixa renda.
INFLUÊNCIA
Em um dos grampos, o vereador Ladim foi flagrado intermediando a concessão de aposentadoria rural para E.F.B.M. No entanto, a pessoa tem como endereço fixo o bairro Industrial, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Na gravação, o petista orienta a mulher a fazer carteira da associação dos trabalhadores rurais de Monte Azul, transferir o título eleitoral e participar de reunião em comunidade rural.
Numa outra conversa gravada, o vereador avisa a um interlocutor que o nome dele foi incluído na relação de beneficiários com a Garantia Safra. Por meio do Ministério de Desenvolvimento Agrário, o governo federal indeniza produtores atingidos pela seca. O pagamento se dá em cinco parcelas de R$ 175 cada uma.
No fim do diálogo, em meio a risadas, o petista afirma que vai cobrar R$ 20 de cada beneficiado.
Nas interceptações, a Polícia identificou a participação do servidor do INSS de Espinosa Ronaldo de Medeiros Boeira e do advogado Waldiney Carlos Fonseca.
Segundo a PF, Boeira colaborava com o sindicato passando informações sobre os processos e fornecendo assessoria para sanar eventuais dúvidas na tramitação da papelada. Fonseca dava consultoria jurídica.
No mês de outubro, o servidor do INSS foi filmado por agentes federais saindo de casa, em Espinosa, rumo a Monte Azul, para entrevistar pessoas interessadas em se aposentar. Na filmagem, Boeira se desloca no carro da Associação dos Trabalhadores rurais, um Corsa Sedã prata, ornado com panfletagem dos candidatos da coligação do PT.
O veículo é guiado por Nilton Rodrigues Nunes, secretário do sindicato. Ele quem apontava as pessoas que deveriam ser entrevistadas por Boeira.
“Desta forma verifica-se que o acesso ao servidor Ronaldo Boeira é de grande importância para os membros da organização criminosa. Esse estreitamento de laços possibilita êxito nos pedidos e a execução de maior número de atendimentos por parte do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Monte Azul”, diz o documento.
Transporte gratuito para fidelizar eleitor
Conforme o relatório da Polícia Federal (PF), o vice-prefeito de Monte Azul, Toninho da Barraca (PT), auxiliava pessoas que queriam se deslocar até o escritório do INSS de Espinosa, local onde as fraudes contra a Previdência Social eram sacramentadas.
Após a concessão das aposentadorias, o sindicato cobrava mensalmente as contribuições. Além de vice-prefeito e secretário de Obras, Toninho exercia a função de tesoureiro do sindicato.
Em 8 de setembro deste ano, por exemplo, o petista foi flagrado em grampo articulando o transporte de uma mulher identificada como Nikita. Em outra conversa, os federais descobriram que o transporte foi executado.
Presidente da Câmara Municipal, Marineide do Sindicato (PT) também requeria benefícios previdenciários para pessoas atendidas pelo sindicato. Grampeada pela PF, a petista fala com Toninho sobre a necessidade de levar a filha de uma moradora até Espinosa.
“Esse áudio demonstra os esforços envidados pelos investigados para o constante transporte de moradores, a fim de mantê-los compromissados com o pleito eleitoral”, acusa a PF.
Os áudios revelam o quanto a estrutura do sindicato é usada para render dividendos políticos para a quadrilha. Em diálogo, Toninho indaga a Marineide se ela está conversando com o povo que é atendido na entidade. A vereadora responde positivamente. “Hoje estava lotado de gente, igual formiga”.
Diligências da Polícia Federal na porta do sindicato revelaram o grande movimento de pessoas na porta do sindicato.
Detidos são liberados e advogados se calam 
Por determinação da Justiça, todos os detidos na operação “Curinga” da Polícia Federal (PF) foram liberados para responder ao inquérito em liberdade.
Ao todo, foram cumpridos 19 mandados na terça-feira (18), entre eles de prisão temporária, condução coercitiva e busca e apreensão.
Durante a ação policial, a prefeitura e a Câmara Municipal de Monte Azul, cidade do Norte de Minas com cerca de 22 mil habitantes, foi vasculhada pelos investigadores.
Além do vice-prefeito e três vereadores, três secretários da prefeitura estão entre os suspeitos. Outra operação não está descartada.
Na sexta-feira (21), o Hoje em Dia tentou, em várias oportunidades, estabelecer contato com os advogados dos investigados. Nenhum deles quis conceder entrevista.
O defensor Murilo de Oliveira até atendeu o telefone da reportagem, mas quando soube do teor da conversa encerrou a ligação. Oliveira alegou não se tratar de um “assunto importante”.
Os advogados Saulo Gabriel, Petrônio Fernandes e Ualicem Rocha, representantes do vereador Geraldo Ladim, do vice-prefeito Toninho da Barraca e do advogado Waldiney Carlos Fonseca, respectivamente, não atenderam a reportagem ou não retornaram aos pedidos de entrevista até o fechamento desta edição.
Já os advogados do servidor do INSS Ronaldo de Medeiros Boeira e dos sindicalistas Antônio Fernandes Tolintino e Nilton Rodrigues Nunes não foram localizados.
Os deputados Paulo Guedes e Reginaldo Lopes alegam que não são investigados e defendem punição para os envolvidos caso a Justiça entenda dessa maneira.

FONTE: Hoje Em Dia.


Dezenas de funcionários do Hospital Risoleta Neves estão com intoxicação alimentar

 

hospital risoleta neves
Hospital é a principal unidade de referência hospitalar do Vetor Norte
Cerca de 50 funcionários do Hospital Risoleta Tolentino Neves, na região de Venda Nova de Belo Horizonte, relataram ter tido intoxicação alimentar, na manhã desta sexta-feira (24). De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, a suspeita é que algum alimento ingerido na noite dessa quinta-feira (23) tenha feito mal aos funcionários. A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar da instituição irá investigar o caso.
Conforme o hospital, os sintomas são brandos, sendo que a maioria apresentou diarreia.
A assessoria informou também que as pessoas que apresentaram intoxicação procuraram a Medicina do Trabalho do local. Após responder a um questionário, os funcionários receberam orientações sobre hidratação e foi avaliado se têm condições de retornar às funções. “A maioria está aqui ainda, mas quem não está bem para continuar no trabalho está sendo liberado”, afirmou a assessoria.
O hospital informou que, somente após a conclusão da investigação, será possível saber qual alimento provocou o surto. Segundo a instituição, durante o expediente, são oferecidas refeições como almoço, lanche e janta.

FONTE: Hoje Em Dia.


 

 

CLIQUE PARA AMPLIAR!Eleições5

Eleições6Muito parecido com a votação no Brasil…

 

FONTE: G1.


 

Mapa-Brasil-Estados1.jpgO ESTUDO E OS DADOS SÃO DE 2009, 05 ANOS ATRÁS, MAS, MAIS ATUAL QUE NUNCA…

A tabela a seguir mostra quanto cada estado pagou de impostos federais em 2009 e quanto cada estado recebeu do governo federal a título de transferência de recursos (dinheiro destinado ao governo do estado e aos municípios desse estado) também em 2009.

 

Os impostos federais calculados são: imposto sobre exportação, imposto sobre importação, IPI, IRPF, IRPJ, IRRF (retido na fonte), IOF, ITR, CPMF, COFINS, PIS/PASEP, CSLL, CIDE-combustíveis, contribuições para o FUNDAF e outras receitas administradas.

 

O resultado final para cada estado aparece na coluna da direita.  Os resultados em azul indicam que o estado é recebedor líquido de impostos federais.  Os resultados em vermelhos indicam que o estado é um pagador de líquido de impostos federais.

 

Cada um tire suas próprias conclusões, MAS… ESTÁ CLARO QUE OS ESTADOS EM VERMELHO SUSTENTAM A SI E AOS DEMAIS, E OS ESTADOS EM AZUL RECEBEM MAIS DO QUE PRODUZEM.

 

(Os estados foram elencados por região. Começa com a região Norte, depois Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e, finalmente, Sul).

 

 

 

Quanto paga ao governo federal

Quanto recebe do governo federal

Resultado final

Acre

244.750.128,94

2.656.845.240,92

2.412.095.111,98

Amazonas

6.283.046.181,11

3.918.321.477,20

— 2.364.724.703,91

Amapá

225.847.873,82

2.061.977.040,18

1.836.129.166,36

Pará

2.544.116.965,09

9.101.282.246,80

6.557.165.281,71

Rondônia

686.396.463,36

2.488.438.619,93

1.802.042.156,57

Roraima

200.919.261,72

1.822.752.349,69

1.621.833.087,97

Tocantins

482.297.969,89

3.687.285.166,85

3.204.987.196,96

Alagoas

937.683.021,32

5.034.000.986,56

4.096.317.965,24

Bahia

9.830.083.697,06

17.275.802.516,78

7.445.718.819,72

Ceará

4.845.815.126,84

10.819.258.581,80

5.973.443.454,96

Maranhão

1.886.861.994,84

9.831.790.540,24

7.944.928.545,4

Paraíba

1.353.784.216,43

5.993.161.190,25

4.639.376.973,82

Pernambuco

7.228.568.170,86

11.035.453.757,64

3.806.885.586,78

Piauí

843.698.017,31

5.346.494.154,99

4.502.796.137,68

Rio Grande do Norte

1.423.354.052,68

5.094.159.612,85

3.670.805.560,17

Sergipe

1.025.382.562,89

3.884.995.979,60

2.859.613.416,71

Goiás

5.397.629.534,72

5.574.250.551,47

176.621.016,75

Mato Grosso

2.080.530.300,55

3.864.040.162,26

1.783.509.861,71

Mato Grosso do Sul

1.540.859.248,86

2.804.306.811,00

1.263.447.562,14

Espírito Santo

8.054.204.123,9

3.639.995.935,80

— 4.414.208.188,1

Minas Gerais

26.555.017.384,87

17.075.765.819,42

— 9.479.251.565,45

Rio de Janeiro

101.964.282.067,55

16.005.043.354,79

— 85.959.238.712,76

São Paulo

204.151.379.293,05

22.737.265.406,96

— 181.414.113.886,09

Paraná

21.686.569.501,93

9.219.952.959,85

— 12.466.616.542,08

Rio Grande do Sul

21.978.881.644,52

9.199.070.108,62

— 12.779.811.535,9

Santa Catarina

13.479.633.690,29

5.239.089.364,89

— 8.240.544.325,4

 

Atualização: o Distrito Federal, por pura displicência deste que vos escreve, ficou de fora da lista.  Eis os dados:

 

Quanto paga ao governo federal: 50.454.719.368,50

 

Quanto recebe do governo federal: 7.356.318.744,45

 

O que dá um déficit de — 43.098.400.624,05

 

O resultado parece estranho?  Mas não é.  Trata-se de uma enorme distorção.  O DF, como é sabido, possui a maior concentração de funcionários públicos federais — incluindo-se aí os nobres membros do congresso e dos ministérios — por quilômetro quadrado.  Quando o dinheiro do salário deles (que vem de todo o Brasil) cai em suas contas bancárias, o imposto de renda retido na fonte é contabilizado como arrecadação federal.  O mesmo é válido para o imposto de renda pago por todas as estatais, inclusive BB e CEF, que possuem sede em Brasília.

 

Ou seja, o dinheiro que é espoliado de todo o resto do Brasil vai para o DF, cai na conta dos funcionários públicos e políticos e, em decorrência do IR que estes pagam, uma parte desse mesmo dinheiro é contabilizada como carga tributária que o DF paga ao governo federal.  Bonito.

Ainda assim, os repasses federais para o governo do DF são vultosos (maiores que os de Santa Catarina, por exemplo), o que mostra o quão privilegiada é a região.

 

 

FONTE: Mises.


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 11/08/2014.
Justiça veta demolição da alça norte do Viaduto Batalha dos Guararapes
O juiz determinou que a prefeitura de Belo Horizonte discuta com a população atingida a forma do enfrentamento do problema, resguardada a segurança de toda a comunidade local
O drama de moradores e motoristas que moram ou passam pela Avenida Pedro I, no Bairro São João Batista, em Venda Nova, deve continuar por um longo tempo. O juiz da 4ª Vara da Fazenda Municipal de Belo Horizonte, Renato Luís Dresch, concedeu liminar ao Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), e determinou que a alça note do viaduto Batalha dos Guararapes não seja demolida. A decisão foi proferida na tarde desta segunda-feira. A Prefeitura de Belo Horizonte informou que não tem conhecimento de ação ou decisão referente ao elevado. 

O pedido de liminar foi feito pelo MP na última terça-feira diante de reclamações passadas por moradores dos edifícios Antares e Savana, que ficam próximo ao local onde parte do elevado caiu matando duas pessoas e ferindo outras 23. Conforme a ação da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público, os prédios tiveram a estruturas comprometidas, “apresentando fissuras nas paredes, além da probabilidade de desabamento”. 

Outro questionamento feito pelo órgão, é sobre a retirada dos moradores depois que o laudo da empresa responsável pela obra apontou o risco de queda da alça norte. O estudo indicou que a estrutura foi feita com um décimo da ferragem necessária e, por isso, sugeriu a demolição do elevado. Conforme o MP, mesmo a prefeitura prometendo remoções rápidas e encaminhando as famílias para hotéis, a saída dos moradores foi feita de forma espontânea. Porém, eles “ainda têm livre acesso às suas casas e às imediações. O que lhe permite concluir que o local não foi formalmente interditado”. 

Em vistoria, os promotores constataram que algumas famílias, dos blocos 01 ao 07 do Edifício Antares, e dos blocos 01 e 02 do Edifício Savana, seguem nos apartamentos. O MP questiona o motivo da não retirada desses moradores, pois “estão na mesma situação fática de riscos. Tal situação causa aos moradores do local desgastante expectativa, sendo que os únicos benefícios recebidos foram alguns ‘tapa ouvidos’”.

Decisão do juiz

Ao analisar o pedido do MP, o juiz observou que a interdição dos prédios não é efetiva, pois não há restrição de acesso aos proprietários das unidades. Ele concluiu também que os afetados pelo desabamento estão desinformados sobre as providências que estão sendo adotadas. O juiz considerou que o Município pode e deve adotar todas as medidas de segurança para garantir a integridade da população, inclusive a interdição de imóveis, e é “imperioso que isso se realize com o mínimo de impacto possível”.

O magistrado determinou que o Município se abstenha de demolir a alça norte do Viaduto Batalha dos Guararapes ou faça qualquer outra movimentação de terras decorrentes da queda da alça sul do viaduto, até que se discuta com a população imediatamente atingida a forma do enfrentamento do problema. A prefeitura terá que apresentar um plano de demolição da alça norte e de remoção dos destroços. Também terá que custear a locação de imóveis para todas as famílias residentes nos condomínios apontados. 

Também determinou a exibição diária do monitoramento do viaduto ameaçado de queda aos síndicos dos condomínios envolvidos; assegurar o cadastramento socioeconômico de todos os habitantes das unidades residenciais envolvidas, por meio de Programa Polos de Cidadania. Em 72 horas, o município terá que prestar assistência aos condôminos dos edifícios com uma equipe de assistente social, psicólogo, engenheiro, arquitetos. Os profissionais devem ficar de prontidão durante 24 horas.

DESVIOS DE EMERGÊNCIA
Indefinição do prazo para demolição de alça do elevado e liberação da Avenida Pedro I obriga a prefeitura a criar rotas alternativas no entorno da via para aliviar transtornos

A esquina das vias Doutor Álvaro Camargos e Eugênio Volpi está sendo alargada para facilitar a conversão dos ônibus do BRT

 

Diante da indefinição de quanto tempo mais a Avenida Pedro I ainda deve ficar interditada – mesmo depois de mais de um mês do desabamento da alça sul do Viaduto Batalha dos Guararapes –, a BHTrans prepara novos desvios emergenciais no entorno da avenida. As mudanças no tráfego devem ser implantadas nos próximos dias e estão previstas para ruas do Bairro São João Batista, em Venda Nova. É mais uma tentativa de melhorar a circulação de carros e do transporte público, inclusive do BRT, que teve quatro estações desativadas na via. Em pronunciamento durante a inauguração do Comitê Metropolitano da Coligação Todos por Minas, o prefeito Marcio Lacerda deixou clara sua preferência pela demolição da alça norte, sob risco de desabamento, segundo a Cowan, empresa responsável pela obra. Lacerda pôs em xeque a possibilidade de recuperação do viaduto, obra que pode demorar um semestre e causar mais transtornos e insegurança. 

VEJA AQUI A COBERTURA COMPLETA SOBRE A TRAGÉDIA!

“As obras de recuperação podem levar até seis meses e a população não pode conviver com esse medo. O trânsito também não pode conviver com o transtorno que existe hoje no local”, afirmou o prefeito. Mas Lacerda pretende bater o martelo apenas depois da divulgação da perícia técnica da polícia, que está em andamento. “Estamos preparando a demolição do viaduto e isso vai acontecer quando a polícia técnica liberar o local”, adiantou. 

Uma fonte ligada a Lacerda confirmou que ele não quer esperar um semestre para liberar a avenida, mas precisa do aval para ter amparo legal de que nenhuma prova foi destruída. Ainda segundo a fonte, o prefeito ouviu muitos especialistas e peritos que dizem ser possível recuperar a alça norte. Mas, para isso, o prazo de seis meses seria o mínimo para elaboração de nova licitação, novo projeto e o próprio tempo da obra. 

Há cerca de duas semanas, a Cowan apresentou laudo que atribui o desabamento a erros de cálculo do projeto executivo, feito pela Consol Engenheiros Consultores. O laudo afirma que o bloco que caiu foi projetado como rígido, o que fez a quantidade de aço calculada para sua composição ser inferior ao ideal. A construtora alega que o bloco deveria ter sido flexível, o que exigiria mais ferragens para evitar que a estrutura se flexionasse, torcesse ou rompesse sob o peso do pilar. Segundo a Cowan, o bloco confirma que o bloco foi concebido como rígido, mas, por enquanto, não tem condições de avaliar se essa foi uma escolha errada.

alternativa Enquanto a decisão não é tomada, a população que mora, trabalha ou passa pelo entorno da Pedro I sofre com trânsito congestionado e com riscos nas travessias. A BHTrans confirma que está analisando novos desvios, mas não adiantou quais. A reportagem do Estado de Minas apurou junto a funcionários de uma empresa contratada pela Cowan que as ruas Eugênio Volpini e Doutor Américo Gasparini serão usadas como alternativa para sair da Rua Doutor Álvaro Camargos e acessar a Avenida Pedro I, no sentido bairro. Na direção oposta, com destino ao Centro, a opção é sair da Pedro I,  entrar na Rua Professor Aimoré Dutra até a Rua Doutor Álvaro Camargos e seguir pela Rua São Pedro do Avaí até a Pedro I.

Moradora do Bairro Santa Mônica, em Venda Nova, a diarista Rosilene Moreno, de 50 anos, diz evitar a região, onde só passa quando é realmente necessário. “O trânsito aqui era intenso, mas muito diferente de hoje. Está perigoso, por causa do grande volume de carros, ônibus normais, do BRT e caminhões. A gente tem que atravessar na marra, porque a sinalização está péssima”, reclama.

Funcionária de uma loja na Rua Doutor Álvaro Camargos, vendedora Rosália Macedo, de 48, reclama dos transtornos: “É muito barulho e confusão o dia inteiro. Vários batidas já ocorreram e o risco de atropelamento é grande”, afirma. 

Para o motoboy André Magalhães, de 35, que passa pelas vias que receberam o tráfego da Pedro I, a situação é perigosa: “É um trânsito muito intenso que veio para vias que não comportam tantos carros. A prefeitura precisa adotar uma solução urgente.”

Por meio de nota, a BHTrans informou que os desvios prevêem a liberação de um trecho maior da Pedro I, para melhorar a fluidez e priorizar a segurança dos motoristas e pedestres. Atualmente, a interdição é da Pedro I entre o Viaduto João Samara e a Avenida Cristiano Guimarães – uma extensão de cerca de 10 quarteirões. 

A BHTRANS informou ainda que, para garantir mais segurança à travessia de pedestres, as ruas que tiveram aumento do fluxo de veículos têm recebido reforço da presença de agentes que fazem o monitoramento e a sinalização com cones, com o objetivo de reduzir a velocidade dos veículos. Informou também que uma operação diária é realizada pelos agentes de trânsito com acompanhamento da entrada e saída dos alunos do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix, na região.

FONTE: Estado de Minas.


Sinal verde para início das obras da Via 710

 

O taxista Lourival, cujo imóvel é irregular por ter invadido terreno da RFFSA

A licitação das obras para a implantação da Via 710, ligação viária entre as avenidas Cristiano Machado e Andradas, está concluída. A Prefeitura de Belo Horizonte publicou ontem, no Diário Oficial do Município (DOM) a homologação do certame, sinal verde para a assinatura do contrato pelo Consórcio Conata Marins. Segundo a PBH, o início das intervenções que vão interligar as regiões Leste e Nordeste de BH sem a necessidade de passar pelo Centro ou usar ruas de baixa capacidade da região está previsto para daqui a 60 dias. O prazo de obras que consta no edital é de 18 meses, contados a partir da primeira ordem de serviço, e o valor estimado é de R$ 145 milhões, com possibilidade de aumento em virtude das desapropriações que estão na Justiça. A nova avenida estava prevista para ficar pronta antes da Copa do Mundo, mas as dificuldades com as desapropriações e falhas no projeto atrasaram os trabalhos. 

Para que a Via 710 vire realidade, 649 famílias terão que deixar suas casas, sendo 211 desapropriações, caso daqueles que são donos dos lotes, e 438 remoções, exemplo das invasões sem regularização. A reportagem do EM percorreu os bairros Horto e Instituto Agronômico (Leste) e União e Dom Joaquim (Nordeste), que serão cortados pela nova via. O maior esforço se concentrará na Via Arthur de Sá, posicionada atrás do Minas Shopping. Ali estão 291 domicílios que serão removidos pela Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte (Urbel), pois a área é invadida e por isso não há regularização.Na Rua Maíra, Bairro União, já é certo que o conjunto de construções que forma quatro moradias onde reside a família do taxista Lourival de Oliveira, 67 anos, terá que ser demolido para viabilizar a construção viária. Como o terreno não é regularizado, ele será removido pela Urbel. “Desde que fizeram contato comigo, não estou nem dormindo direito. Eles me ofereceram R$ 289 mil, mas acho que para arrumar lugar para todos que moram comigo seria necessário R$ 500 mil”, diz ele. O terreno de cerca de 180 metros quadrados onde está a construção que abriga as 12 pessoas da família de Lourival pertencia à antiga Rede Ferroviária Federal, segundo ele. “Só um lote nessa região é R$ 450 mil. Preciso abrigar meu pessoal, estou muito triste”, lamenta.JUSTIÇA Segundo a Sudecap, das 211 desapropriações, 81 imóveis já estão liberados, 96 estão na Justiça e 34 ainda negociam com a prefeitura. Já o balanço da Urbel dá conta de 60 famílias praticamente acertadas para sair de suas residências e seis já reassentadas, restando ainda 372 moradias a serem removidas. 

Segundo a Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura, a Via 710 terá uma trincheira no encontro com a Avenida Contagem e com as ruas Gustavo da Silveira e Conceição do Pará, um viaduto no entroncamento com a Avenida José Cândido da Silveira, outro elevado na Rua Bolívar sobre a linha do metrô, ciclovia e duas a quatro faixas de rolamento em cada sentido. A extensão será de cerca de quatro quilômetros. Em maio, a prefeitura inaugurou uma ligação semelhante. A Via 210 também faz a conexão entre duas importantes avenidas de regiões diferentes, a Tereza Cristina, no Bairro Vista Alegre (Oeste), e a Via do Minério, no Barreiro.

FONTE: Estado de Minas.



%d blogueiros gostam disto: