Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: polícia

Cadelinha se entrega à polícia junto ao dono que foi preso por tráfico

Quando o animal viu seu dono se jogar no chão para se render aos agentes, a cadela, se entregou à polícia junto com ele

Dois homens foram presos por tráfico de drogas em um distrito de Campo Grande, no Mato Grosso. Porém, uma cadelinha roubou a cena na hora do flagrante, ocorrido na última sexta-feira (15).

De acordo com a Polícia Militar (PM), quando o animal viu seu dono se jogar no chão para se render aos agentes, a cadela, com pouco mais de dois meses, “se entregou” à polícia junto com ele. A cena logo viralizou na internet.

O oficial que atendeu a ocorrência informou que a foto foi tirada no instante que ela estava deitada, de barriga para cima, o que deu a impressão de que ela estava realmente se entregando.

A dupla foi presa com 11 quilos de maconha e foram encaminhados para a delegacia de Deodápolis. Os nomes dos suspeitos não foram divulgados.

Reprodução redes sociais

.

FONTE: O Tempo.


Celulares roubados em Minas poderão ser inutilizados em 24h com nova central de bloqueios

Quem tiver o celular roubado ou furtado em Minas Gerais terá mais chances de recuperá-lo. O governo do Estado lançou nesta sexta-feira (6) uma central de bloqueio dos aparelhos. Com isso, será possível inutilizar o dispositivo em 24 horas informando apenas o número da linha e o registro do boletim de ocorrência.

Caso a Polícia Militar (PM) recupere o aparelho em alguma ocorrência, o dono será comunicado e poderá buscar o celular na unidade policial em que ele se encontra. Nos quatro primeiros meses de 2018, um celular foi levado em 56,6% dos roubos em Minas. Segundo o Estado, as principais vítimas são mulheres jovens, entre 18 e 24 anos.

 

O serviço está disponível no site da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp). A vítima deve informar dados pessoais, o registro de roubo ou furto na PM e o número do celular. O boletim de ocorrência deve ser registrado em até 48 horas antes da solicitação de bloqueio.

Antes, a única forma de inutilizar os dispositivos para evitar acesso de criminosos aos dados pessoais era fornecendo a Identificação Internacional de Equipamento Móvel (Imei), número que fica na caixa do aparelho e que muitas pessoas não têm acesso mais.

A expectativa das forças de segurança é que a medida possa diminuir o comércio de celulares roubados. “Vai reduzir um crime que está incomodando muito a população. Não é um crime de grande impacto, mas incomoda demais. nós vamos oferecer também a possibilidade de ter o aparelho de volta, se ele for apreendido em alguma operação policial a pessoa poderá recuperá-lo com muita rapidez e facilidade”, afirma o governador.

Central de Bloqueio de Celular (CBLOC) é destinado à redução do número de roubos e receptação de celulares

Central de Bloqueio de Celular (CBLOC) é destinado à redução do número de roubos e receptação de celulares

.

FONTE: Hoje Em Dia.


Ex-presidente da Câmara de BH e mais sete são alvos de mandado de prisão

Até o momento, foram cumpridos mandados contra Wellington Magalhães e a mulher dele, Kelly Magalhães, na Operação Sordidum Publicae

O ex-presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte Wellington Magalhães (PSDC) foi preso na manhã desta segunda-feira (18) após deflagração da operação Sordidum Publicae, da Polícia Civil e do Ministério Público de Minas Gerais. Além do vereador, outras sete pessoas receberam mandado de prisão preventiva – até o momento só o parlamentar e sua esposa, Kelly Magalhães, foram presos.

Também há um mandado para o ex-diretor de comunicação da Câmara, Márcio Fagundes, e para os empresários Marcus Vinicius Ribeiro, Rodrigo Dutra de Oliveira, Christiane de Castro Melo Cabral Ribeiro, Frederico Ribeiro Guedes, Paulo Victor Damasceno Ribeiro.

A operação decorre a partir da Santo de Casa, que em dezembro de 2016 apontou uma série de irregularidades em licitações e contratos de publicidade da Câmara. Magalhães, segundo o MPMG, seria o líder de um esquema que teria desviado R$ 30 milhões a partir destes repasses irregulares.

Santo de Casa

No dia 6 de dezembro de 2016, o então presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte, Wellington Magalhães (PSDC), teve o mandato suspenso durante a investigação pelos crimes de peculato, corrupção passiva, fraudes em licitações e lavagem de dinheiro.

No mesmo dia, a casa de Magalhães e a Câmara Municipal de Belo Horizonte foram alvos da operação “Santo de Casa”, organizada pelo Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Minas Gerais. Além do MP, participaram da investigação, a Polícia Civil, o Ministério Público de Contas Estadual e a Receita Estadual.

Magalhães tornou-se alvo após apresentar um patrimônio não condizente com o valor do seu vencimento como vereador de Belo Horizonte.

De acordo com o Ministério Público, há indícios de simulações de contratos de licitações fictícios com empresas de sua confiança para a prática de lavagem de dinheiro.

A concorrência investigada selecionou a Feeling Comunicação, que terceirizou os trabalhos para outras empresas, entre elas, a Santo de Casa Produções Ltda. Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), tratava-se de uma empresa fantasma que emitia notas fiscais falsas para justificar gastos não comprovados.

Segundo a investigação, as fraudes envolvendo a contratação de serviços de publicidade acarretaram um aumento de mais de 100% das despesas da Câmara somente no exercício de 2015, saltando de cerca de R$7,5 milhões nos exercícios de 2013/2014 para mais de R$18 milhões somente em 2015.

Dentre os vários indícios apurados, foram encontradas evidências de pagamentos a empresas de fachada para prestação de serviços fictícios de publicidade.

Wellington Magalhães

Magalhães deve retornar à Câmara na próxima segunda-feira

.

FONTE: O Tempo.


PM apreende cerca de 50 celulares em ação para recuperar aparelhos furtados no carnaval

Os aparelhos estavam em uma banca instalada em um shopping popular de Belo Horizonte. Corporação afirma que já identificou alguns celulares de vítimas de furto durante a folia na capital


O furto e roubo de celular foram as ocorrências mais registradas durante o carnaval. Para tentar recuperar aparelhos que foram levados dos foliões, a Polícia Militar (PM) realiza uma operação em Belo Horizonte com o trabalho de inteligência da corporação. Somente em uma ação nesta quinta-feira em um shopping popular da capital mineira foram recuperados aproximadamente 50 telefones. Alguns deles foram identificados como sendo de vítimas durante a festa.
Os trabalhos para tentar encontrar os aparelhos foram iniciados pelo serviço de inteligência da PM. “Já sabemos que durante o carnaval este tipo de crime aumenta. Por isso, já foi feito um trabalho de monitoramento de estabelecimentos, e também de registro dos telefones roubados e e-mails que estavam no aparelho. Desde ontem (quarta-feira), passamos a acompanhar vários aparelhos por meio de aplicativos de localização”, explicou o major Cláudio Henrique Ribeiro Santos, comandante da 6ª Companhia da Polícia Militar.

Com as informações colhidas nas apurações, os policiais conseguiram chegar até um box localizado em um shopping popular de Belo Horizonte. Lá, conseguiram encontrar diversos aparelhos de origem duvidosa. “Abordamos os funcionários da banca e encontramos cerca de 50 aparelhos, a maioria deles iPhone, que tem um valor mais alto no mercado”, afirmou o comandante.

Ao menos uma pessoa que estava no local foi presa. A PM continua os levantamentos para chegar até o dono do estabelecimento. Ainda está sendo apurado como os aparelhos chegaram até o shopping popular. “Os funcionários deram algumas informações, mas não chegamos a uma lógica. Eles falam que pessoas chegam oferecendo o aparelho, ou na própria rua é feito a triagem. Mas, sabemos que na receptação existe uma grande rede por trás. Não se trabalha sozinho”, comentou Cláudio Santos.

Os aparelhos foram encaminhados para a 6ª Companhia da PM, onde o boletim de ocorrência está sendo confeccionado. A operação vai continuar, segundo o comandante, em vários pontos da cidade.

.

FONTE: Estado de Minas.


Em meio à crise nacional, PM mineira ameaça fazer greve

Militares exigem volta do pagamento integral no quinto dia útil e 20% de reajuste salarial

1

Salários. A remuneração inicial da Polícia Militar mineira é de R$ 4.098, sétima maior do país

Em meio à tensão dos movimentos no Espírito Santo e no Rio de Janeiro, os policiais militares mineiros agora ameaçam cruzar os braços em março caso o governo não ceda a suas reivindicações. Eles exigem a volta do pagamento integral dos salários no quinto dia útil (os vencimentos de todo o funcionalismo estão sendo parcelados desde janeiro de 2016) e 20% de reajuste para compensar perdas inflacionárias dos dois últimos anos.

.

O salário inicial dos PMs de Minas dobrou de 2011 para 2015, chegando a R$ 4.098, o sétimo maior do Brasil. Espírito Santo tem o pior vencimento (R$ 2.646), e o Rio de Janeiro tem valor próximo (R$ 2.992). Além disso, os militares de Minas aposentam com salário integral e recebem benefícios por tempo de serviço.

.

Nessa terça-feira (14), três deputados ligados à categoria e cinco entidades de classe se reuniram e lançaram uma agenda de mobilizações no Estado. A primeira ação prevista é a convocação das mulheres dos PMs para uma reunião na Assembleia Legislativa (ALMG), na sexta-feira. No Espírito Santo, foram elas que fecharam batalhões – já que, pela Constituição, eles não podem fazer greve, com pena inclusive de prisão. A programação inclui ainda o lançamento da campanha “A segurança pública de Minas vai parar porque o governo está descumprindo a lei”. O objetivo é obter o apoio da população em caso de paralisação.

.

A outra ação é uma assembleia da categoria em 7 de março. Se não houver acordo com o governo até lá, haverá greve, segundo o deputado estadual Sargento Rodrigues e o presidente da Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares de Minas Gerais (Aspra), sargento Marco Antônio Bahia.
“Não vamos falar quais foram todas as estratégias deliberadas na reunião, mas vai ter paralisação”, disse o deputado. A reunião teve a presença dos deputados federal subtenente Gonzaga e estadual Coronel Piccinini.

.

Coincidência. Embora o momento coincida com a crise nos Estados vizinhos, os mineiros dizem que não estão se aproveitando do cenário para pressionar o governo. Eles estariam apenas dando continuidade à pauta de reivindicações iniciada em outubro, data-base da categoria.

.

Segundo a Aspra, o governador Fernando Pimentel (PT) tem descumprido duas leis: o artigo 37 da Constituição, que assegura a revisão geral anual a todos os servidores públicos estaduais, e o artigo VII da Lei 19.973, de 2011, que determina a data-base em 1º de outubro. “O governo vem ainda reduzindo drasticamente os recursos da segurança pública, trazendo prejuízos logísticos para as condições de trabalho”, declararam as entidades, em nota.

SAIBA MAIS

Mobilizações. A Aspra informou que fez ao menos cinco mobilizações no ano passado para cobrar o reajuste e o pagamento integral, mas que não houve nenhum sinal de acordo com o governo.

.

Comparação. Sobre o salário dos PMs em Minas ser bem superior ao pago em Estados vizinhos, como o Espírito Santo, o presidente da Aspra, Marco Antônio Bahia, disse que não se pode comparar, pois “cada Estado tem sua economia e seu tamanho”.

.

Campanha. O deputado sargento Rodrigues disse que a campanha de apoio ao movimento dos policiais militares terá panfletos e divulgação também nas redes sociais e na mídia, a partir da próxima semana,

CRISE – Governo descarta reajuste

A Secretaria de Estado de Fazenda informou ontem que “não é possível, no momento, atender às reivindicações referentes às questões salariais”. O motivo é a crise financeira – o governo decretou estado de calamidade financeira – e o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

.O órgão declarou ainda que a atual gestão fez reajustes mesmo sem previsão no orçamento, como os 15% no vencimento básico da PM em abril de 2015. No Sul de Minas, o governador Fernando Pimentel disse que repudia ajustes fiscais feitos às custas dos trabalhadores. “Jamais faremos qualquer ajuste fiscal que fira os direitos dos trabalhadores do setor público até porque, sem trabalhadores do serviço público, não tem serviço público”, destacou. (LC)

“Queremos diálogo com o governo, mas, se não houver, vamos até as últimas consequências, que é a greve. Não se deve duvidar de nossa capacidade de nos revoltarmos.” Marco Antônio Bahia, presidente da Aspra

.

FONTE: O Tempo.


Mineiros estão em pânico com violência no Espírito Santo

Foto enviada via WhatsApp por morador que pediu anonimato mostra cena atípica na Praia do Morro, em Guarapari, na noite de ontem: asfalto e areia desertos

Foto enviada via WhatsApp por morador que pediu anonimato mostra cena atípica na Praia do Morro, em Guarapari, na noite de ontem: asfalto e areia desertos

Mineiros que se programaram para passar o Carnaval no Espírito Santo estão repensando a viagem e os que moram no Estado vizinho seguem desesperados com a onda de violência que emergiu desde a última sexta-feira, quando a Polícia Militar capixaba entrou em greve. Entre o fim de semana esta segunda (6), 52 homicídios foram registrados, ou 17 por dia. Quatro vezes mais que a média.

.

O caos nas ruas devido à ação orquestrada de bandidos, que se aproveitam da falta de policiamento para promover saques e arrastões, levou o governo federal a anunciar o envio de 200 homens da Força Nacional ao Estado. Desde a noite desta segunda, o Exército atua em Vitória e arredores.

.

Devido à violência, a Vale suspendeu as partidas do trem de passageiros de Belo Horizonte para a capital capixaba. Pessoas com viagem marcada para amanhã poderão remarcar o bilhete ou pedir o reembolso.

Sem controle

“Nunca vi nada parecido. As lojas estão sendo saqueadas, não tem mais nada nas vitrines. É tiroteio para todos os lados”, lamenta Mariana Araújo, chefe de enfermagem de um grande hospital em São Mateus, a 213 km de Vitória.

.

Mineira de BH, Mariana conta que baleados não param de chegar à unidade de saúde. “Os assaltantes já trocaram tiros até dentro do hospital. Nossas equipes estão preparadas para o pior”.

.

Vídeos que mostram a ousadia dos criminosos viralizaram. Em um deles, pessoas se trancam em uma loja de departamento de um shopping, enquanto ladrões saqueiam o mall. Em outro, dezenas de motoqueiros se reúnem para um arrastão. Em um terceiro, homens trocam tiros no meio da rua.

Leia mais:
Forças Armadas já estão em Vitória para reforçar policiamento; moradores relatam tensão no Estado
Após onda de violência no ES, Vale suspende circulação do Trem de Passageiros
Militares desembarcam no ES nesta segunda; ministro fala em 51 assassinatos
Prédios invadidos

Uma mineira que mora em Vila Velha e que pediu anonimato afirmou que a cidade está abandonada à própria sorte. “Parece uma cidade fantasma”, diz. “Estamos presos em casa e agora estão invadindo os prédios”. Com medo, moradores foram orientados a não pedir alimentos nem remédios por telefone, para evitar que estranhos entrem nos condomínios.

.

Os pais da universitária Déborah Matos moram em Jacaraípe, praia no município de Serra, a 20 km de Vitória, onde ela costuma passar os feriados. Este ano, porém, pode ser uma exceção.

.

“Meu pai tem um quiosque na praia e não está abrindo o comércio por causa da violência. Ele falou que há muitos assaltos e tiroteios. Se não melhorar, não irei para lá este ano. Estou com medo”.

.

Também preocupada está a empresária Fernanda Lana, que vai passar o Carnaval em Meaípe, próximo a Guarapari. No entanto, ela acredita que tudo se resolverá a tempo do feriado. “Parece que a violência não chegou lá”, diz.

 

.

FONTE: Hoje Em Dia.


Agentes que monitoravam passos de assaltantes surpreendem quadrilha em Mato Verde. Durante ação, oito foram baleados e só um sobreviveu. Três continuam sendo procurados

 

 (Polícia civil/divulgação)

 

Cerco ocorreu diante da agência que seria alvo dos criminosos. Após o tiroteio, foram apreendidos explosivos e armamento pesado que possivelmente seriam usados até mesmo para destruir a caixa-forte (Polícia civil/divulgação)

Policiais mineiros estão à procura de pelo menos três acusados de pertencer à quadrilha que tentou assaltar na madrugada de ontem uma agência do Banco do Brasil no Centro de Mato Verde, no Norte de Minas. Os planos foram frustrados por cerco montado pela Polícia Civil, em ação que mobilizou pelo menos 40 agentes e resultou nas mortes de sete acusados de integrar o bando, deixando um oitavo ferido com quatro tiros. Com ramificações também na Bahia e no Paraná, o bando tinha seu núcleo em São Paulo, de acordo com o delegado-geral João Otacílio da Silva Neto.
.
Segundo o delegado mineiro, o grupo criminoso vinha sendo investigado e monitorado pelas polícias de Minas e do Paraná havia seis meses. Ele afirma que o bando se sofisticou de tal maneira que não se limitava a explodir caixas eletrônicos, como a maioria das quadrilhas: também invadia os prédios e explodia o caixa-forte das agências. Em Mato Verde, os assaltantes, segundo a polícia fortemente armados, foram surprendidos pelo aparato montado previamente pelos agentes, com quem trocaram tiros.
.
Conforme o delegado Renato Nunes Henriques, chefe do 11º Departamento de Polícia Civil de Montes Claros, que comandou a operação, a quadrilha foi responsável por ataques recentes a agências em outras cidades do Norte de Minas, como Monte Azul, São João do Paraíso e Montezuma. Ao monitorar as ações dos criminosos, a corporação descobriu o plano de um novo aassalto ao Banco do Brasil de Mato Verde e preparou a ação surpresa, envolvendo quatro dezenas de policias de Montes Claros e Janaúba.
.
Como estratégia, os agentes ocuparam quartos em um hotel em frente à agência bancária. Atiradores de elite se posicionaram nas janelas de apartamentos no segundo e no terceiro pavimentos do prédio e alguns policiais se abrigaram atrás do muro de uma escola, também em frente à instituição financeira.
.
De acordo com o Renato Henriques, às 3h os ciminosos chegaram diante da agência bancária em uma caminhonete S-10 prata – na cabine e na carroceria do veículo, armados com com fuzis, metralhadoras, carabinas e pistolas. Ainda conforme o relato do delegado, foi dada voz de prisão aos criminosos, que reagiram, fazendo disparos que acertaram a parede do hotel. A troca de tiros durou cerca de cinco minutos. “Como estávamos em vantagem numérica e contávamos com o fator surpresa, alcançamos um bom resultado na ação”, afirma o delegado.
.
Protegidos pelas paredes do hotel e atrás do muro, os agentes não ficaram feridos. Oito acusados foram alvejados e sete deles morreram. O único a sobreviver foi identificado como Wellington Goularte Aguiar, atingido por quatro tiros, nas duas pernas, na virilha e no braço esquerdo. Ele foi socorrido e levado para o Hospital Regional de Janaúba, onde permanece sob escolta. Wellington é natural de Monte Azul, distante 40 quilômetros de Mato Verde, mas estaria morando em São Paulo.
.
Os corpos dos demais alvejados durante a ação também foram encaminhados a Janaúba. Seis dos sete mortos foram identificados e tiveram os nomes divulgados pela Polícia Civil: Reginaldo Vieira Carneiro, Carlos Alexandre de Sá, Leandro de Oliveira Figueiredo, Rafael Duarte Silva, Márcio dos Santos Silva e Sidney Brito Rodrigues. Suspeita-se que os três homens que continuam a ser procurados davam suporte aos assaltantes que agiam na linha de frente.

 

 (Rogério Brasil/Divulgação %u2013 22/2/14)

Memória  –  Choque em Itamonte acabou com 10 mortos

 

O cerco em Mato Verde, no Norte de Minas, não foi o primeiro enfrentamento entre policiais e bandos de assalto a banco a resultar em múltiplas mortes em Minas Gerais. Há cerca de dois anos, em Itamonte, no Sul do estado, ação conjunta entre agentes mineiros e paulistas, com apoio da Polícia Rodoviária Federal, resultou em nove suspeitos mortos, além de um inocente – o professor Silmar Júnior Madeira, morador da cidade que havia sido feito refém e era obrigado a dirigir para os assaltantes. O enfrentamento ocorreu em 22 de fevereiro, quando um grupo apontado como responsável por ataques  a caixas eletrônicos em pelo menos 10 cidades paulistas invadiu o município do Sul mineiro. A quadrilha vinha sendo monitorada pelos policiais, que montaram um forte aparato e trocaram tiros com criminosos que invadiam a cidade. Durante o primeiro enfrentamento, nove pessoas morreram, entre elas o professor. No cerco que se seguiu por dias na região, houve pelo menos seis prisões e mais um acusado, que havia fugido fazendo um taxista refém, foi morto em operação policial. O episódio abalou a cidade, que cancelou os festejos de carnaval e trocou as comemorações por um feriado de apreensão, com reforço de vigilância nas ruas.

.

Operação Mato Verde – Como foi a ação policial que resultou em sete mortes na tentativa de assalto ao Banco do Brasil
.

Na noite de quarta-feira, policiais civis ocupam um hotel em frente ao Banco do Brasil em Mato Verde. Atiradores de elite se posicionam nas janelas, enquanto outros agentes se abrigam atrás do muro de uma escola vizinha

.

Às 3h da madrugada de ontem, assaltantes fortemente armados chegam à porta da agência bancária a bordo de uma caminhonete S-10 prata. Cinco ocupam a cabine e três viajam na carroceria do veiculo

.

Integrantes da quadrilha descem do carro e recebem voz de prisão: “Parados! Polícia”. Dois deles não obedecem e fazem disparos de metralhadora e escopeta em direção ao hotel. Os tiros atingem as paredes do prédio

.

Policiais posicionados no entorno revidam e é iniciada a troca de tiros. O enfrentamento dura em torno de cinco minutos. Sete homens são mortos e um é ferido. A polícia caça três que dariam suporte ao grupo

.

FONTE: Estado de Minas.



%d blogueiros gostam disto: