Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: primavera árabe

Há 5 anos, queda do presidente da Tunísia dava início à Primavera Árabe

Ben Ali fugiu para a Arábia Saudita durante revolta popular.
Transição à democracia na Tunísia é exceção da Primavera Árabe.

Manifestantes enfrentam forças de segurança na Tunísia nesta sexta (14) próximo à cartaz com foto do presidente Zine El Abidine Ben Ali, que deixou o país (Foto: AFP)
Manifestantes enfrentam forças de segurança na Tunísia no dia 14 de janeiro de 2011, próximo a cartaz com foto do presidente Zine El Abidine Ben Ali, que deixou o país

Em 14 de janeiro de 2011, uma multidão protestava pelas ruas de Túnis, capital da Tunísia, contra o regime do presidente Zine El Abidine Ben Ali, o que levou à queda do primeiro líder de um país árabe por conta da pressão popular. Ninguém poderia antecipar que esse movimento seria o epicentro de um terremoto geopolítico que mudou o mundo árabe, a chamada Primavera Árabe.

Naquele dia, depois de 23 anos no poder, Zine El Abidine Ben Ali fugiu em direção à Arábia Saudita enquanto manifestantes tomavam as ruas gritando “Fora Ben Ali”.

A revolta na Tunísia começou com protestos populares após o suicídio de um vendedor ambulante, dia 17 de dezembro de 2010, contra o regime autoritário do presidente. O vendedor de rua Mohamed Bouazizi ateou fogo ao próprio corpo como forma de protesto em Sidi Bouzid, centro de Túniss, dando início à revolta. Bouazizi morreu em 4 de janeiro de 2010.

As manifestações foram duramente reprimidas e, no total, o conflito deixou 338 mortos.

Manoubia Bouazizi, mãe de Mohamed Bouazizi, que passou a ser lembrado como motivador da revolta na Tunísia, segura faixa com uma foto do filho em foto de 15 de novembro de 2011 (Foto: Fetih Belaid/AFP)
Manoubia Bouazizi, mãe de Mohamed Bouazizi, que passou a ser lembrado como motivador da revolta na Tunísia, segura faixa com uma foto do filho em foto de 15 de novembro de 2011
Cinco anos depois, o país é considerado um sobrevivente da Primavera Árabe, uma vez que, apesar da violência e do assassinato de opositores, a Tunísia pode se vangloriar de ter administrado uma transição à democracia após a derrocada de Zine El Abidin Ben Ali.

Em muitos outros países da região que seguiram os passos da Primavera Árabe, pelo contrário, a luta pela democracia e os direitos humanos não se desenvolveu e foi reprimida.

Posteriormente à queda de Ben Ali, seguiram o mesmo destino os regimes de Hosni Mubarak, no Egito, e de Muammar al-Gaddafi, na Líbia, que estavam no poder há 30 e 40 anos, respectivamente. O primeiro abdicou depois de uma revolta que provocaria a morte de 850 pessoas e o segundo foi derrubado após um levante em Benghazi, com a intervenção da Otan.

Imagem de 10 de janeiro de 2011 mostra cadeiras e outro objetos incendiados durante confronto entre manifestantes tunisianos e as forças de segurança da Tunísia em Regueb (Foto: STRINGER / AFP)Imagem de 10 de janeiro de 2011 mostra cadeiras e outro objetos incendiados durante confronto entre manifestantes tunisianos e as forças de segurança da Tunísia em Regueb

Na Síria, o presidente Bashar al-Assad reprimiu duramente os protestos anti-governamentais, gerando uma revolta que se transformaria em uma guerra civil com um total de 260 mil mortos e milhões de deslocados.

Este conflito interno, aproveitado pelos extremistas do grupo Estado Islâmico (EI) para se infiltrarem na Síria, ilustra com crueldade as desilusões da Primavera Árabe.

‘Um momento na história’
“Estes foram dias emocionantes. A febre democrática se propagava”, recordou Hafez Ghanem, vice-presidente do Banco Mundial para o Oriente Médio, em um livro recente sobre o início das revoltas.

“A Primavera Árabe foi um momento na História comparável à queda do Muro de Berlim, no sentido de que houve uma redistribuição das cartas geopolíticas”, explica Michael Ayari, analista do Grupo de Crise Internacional (ICG, na sigla em inglês).

O especialista destacou que as alianças continuam sendo formadas e desfeitas.

Na Primavera Árabe, quatro ditadores já foram depostos ou mortos em revoluções iniciadas pelo povo: Ben Ali, da Tunísia; Hosni Mubarak, do Egito; Muamar Kadafi, da Líbia; e Ali Abdullah Saleh, do Iêmen (Foto: Reprodução/TV Globo)
Na Primavera Árabe, quatro ditadores foram depostos ou mortos em revoluções iniciadas pelo povo: Ben Ali, da Tunísia; Hosni Mubarak, do Egito; Muamar Kadafi, da Líbia; e Ali Abdullah Saleh, do Iêmen

“Não há um padrão de desempenho claro, temos a impressão de que, atualmente, estamos em uma fase de pouca atividade. Mas este processo pode durar várias décadas”, explicou.

Esperanças desapareceram
“Mas seria possível que um país sem tradição democrática e com instituições debilitadas se transformasse em uma democracia eficaz que melhorasse de forma imediata as condições de vida de seus cidadãos? A resposta é manifestamente negativa”, constatou Ghanem, do Banco Mundial.

No Egito, as esperanças desapareceram rapidamente quando o país voltou a ser governado com mão de ferro pelo ex-general Abdel Fata al-Sisi, que executou imediatamente um golpe de Estado contra Mohamed Mursi, primeiro presidente egípcio eleito democraticamente. O governo de Mursi orquestrou uma repressão implacável contra a Irmandade Muçulmana e outros grupos, deixando mais de 1.400 mortos.

Na Líbia, dois governos disputavam o poder desde 2014 e este vazio foi utilizado pelo EI para se instalar na zona.

No Golfo, os conflitos entre facções religiosas persistem, especialmente no Iêmen, onde milícias xiitas controlam a capital e enfrentam o governo apoiado por uma coalizão árabe.

‘A exceção tunisiana’
Ao contrário de outros países, a Tunísia conseguiu que prevalecesse o consenso, especialmente devido ao papel do Quarteto para o diálogo nacional, formado pela Liga Tunisiana de Direitos Humanos (LTDH), o poderoso sindicato União Geral do Trabalho (UGTT), a organização de empregadores Utica e a Ordem Nacional de Advogados. O coletivo que recebeu o prêmio Nobel da Paz em 2015.

Os ganhadores do prêmio Nobel da Paz de 2015, os integrantes Quarteto do Diálogo Nacional da Tunísia, assinam livro no Instituto Nobel em Oslo, na Noruega, nesta quarta-feira (9) (Foto: Haakon Mosvold Larsen/NTB/Reuters)
Os ganhadores do prêmio  Nobel da Paz de 2015, os integrantes Quarteto do Diálogo Nacional da Tunísia, assinam livro no Instituto Nobel em Oslo, na Noruega

“A grande crise política de 2013 foi solucionada e muitos falam da ‘exceção tunisiana’. Trata-se de um pequeno país com uma pequena elite, uma cultura de negociação muito forte e espaços de discussão”, destacou Ayari, do ICG.

No entanto, o especialista afirmou que também há outros fatores em jogo, como as “tensões geopolíticas mais fortes” em outros países. Mas o sucesso da revolução tunisiana ainda é frágil.

Novo começo
O fracasso da Primavera Árabe está ligado ao surgimento de organizações extremistas como o grupo Estado Islâmico que, no ano passado, reivindicou três ataques no país, entre eles o atentado contra o Museu Nacional do Bardo e os disparos contra uma praia turística em Sousse, que afetou um setor essencial à economia do país.

Ante a esta situação, “os tunisianos devem se armar de paciência”, afirmou recentemente o Banco Central.

“Acreditamos que 2016 será um novo começo para a realização das metas da revolução”, afirmou o presidente Béji Caïd Essebsi em sua mensagem de final de ano.

FONTE: G1.



%d blogueiros gostam disto: