Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: radares

Com 106 equipamentos ativos, BH terá mais 6 radares de avanço de sinal
Implantação dos avanços ocorre em função do contrato da Concorrência Pública 04/2013, homologada em outubro 2014, há quase um ano
Radar

Com 106 equipamentos ativos, BH contará com mais seis avanços de sinalCom 106 equipamentos ativos, BH contará com mais seis avanços de sinal

.

Os motoristas belo-horizontinos que gostam de abusar da velocidade devem ficar atentos a partir desta quinta-feira (24). Além dos 106 equipamentos de avanço de semáforo já existentes na capital, outros seis entraram em funcionamento a partir desta quinta.

.

A implantação dos avanços ocorre em função do contrato da Concorrência Pública 04/2013, homologada em outubro 2014, há quase um ano.

.

A BHTrans informou que a escolha dos locais de implantação dos detectores de avanço do sinal vermelho segue critérios de estudos técnicos que consideraram os pontos com maior fluxo de pedestres e potencial para ocorrências de acidentes, entre outros.
.

Multas por invasão de faixa de ônibus sobem quase 5 vezes no semestreEm seis meses, Disque-Denúncia ajudou a prender 106 mil pessoasMotociclista morre após ajudar comparsa a roubar carro no Serra VerdeAudiência pública sobre radares não avança, mas vereador propõe CPIMulher é presa em flagrante por assalto no Move, no centro de BHMinas tem 19 escolas na lista das 100 melhores do país

.

A BHTrans instalou faixas de pano nos trechos para alertando sobre o início da fiscalização.

.

Locais que receberam equipamentos

Avenida Cristiano Machado, esquina com a rua Augito, no sentido Centro.

Rua Jacuí, próximo ao número 1.036, no sentido Concórdia.

Rua Jacuí, oposto ao número 1.138, no sentido Floresta.

Rua Jacuí, entre a rua Wilson Modesto Ribeiro e avenida Cristiano Machado, no sentido União.

Avenida Cristiano Machado, esquina rua Augito, no sentido Centro.

Avenida Cristiano Machado, na altura do número 500, no sentido bairro.

.

FONTE: O Tempo.


Novos 11 radares de detecção de faixa exclusiva de ônibus entram em operação em BH

Motoristas de BH insistem em trafegar nas áreas exclusivas para ônibus
AVENIDA PEDRO II – Pista foi implantada em junho do ano passado

.

Belo Horizonte conta com 11 novos radares de detecção de invasão de faixa exclusiva para ônibus a partir desta terça-feira (15). Os aparelhos estão instalados nas avenidas Vilarinho e Presidente Carlos Luz.
.
Com os novos equipamentos, BH conta agora 25 equipamentos deste tipo. Faixas de pano foram implantadas orientando os motoristas sobre o início da operação dos equipamentos nos locais.
.
Segundo a BHTrans, no 11º equipamento, na avenida Carlos Luz, na altura oposto ao nº 3.514, além da fiscalização de invasão de faixa de ônibus, o aparelho também irá atuar de modo conjugado com um controlador de excesso de velocidade.
.
Os novos equipamentos entram em operação nos locais listados a seguir:

ENDEREÇO

SENTIDO

1 Av. Vilarinho, nº 1.777 Bairro / Centro
2 Av. Vilarinho, nº 1.590 Centro / Bairro
3 Av. Vilarinho, nº 2.223 Bairro / Centro
4 Av. Vilarinho, nº 1.461 Bairro / Centro
5 Av. Vilarinho, nº 2.010 Centro / Bairro
6 Av. Pres. Carlos Luz,  Oposto ao nº 1.155 Centro / Bairro
7 Av. Vilarinho, nº 1.271 Bairro / Centro
8 Av. Vilarinho entre Rua Maçom Ribeiro e Rua Dr. Álvaro Camargo (Pista Interna) Bairro / Centro
9 Av. Vilarinho, nº 1.000 Centro / Bairro
10 Av. Vilarinho, Oposto ao nº 1.030

 

Bairro / Centro
11 Av. Pres. Carlos Luz, Oposto ao nº 3.514 Centro / Bairro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Objetivo
.
Segundo a BHTrans, os equipamentos têm como principal objetivo, garantir a fluidez do transporte público, o tornando mais ágil e atrativo para a população, conforme premissa do Ministério das Cidades.
.
Clique aqui e veja lista dos locais com detectores de invasão de faixa.
.
Acesse aqui as vias com faixas/pistas exclusiva para ônibus na capital.

.

FONTE: Hoje Em Dia.


Veja a localização de todos os aparelhos em Belo Horizonte
Novos equipamentos foram instalados nas avenidas Paraná e Presidente Carlos Luz

Radar

Equipamentos foram colocados em duas avenidas da capital

A Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) informa o início da operação de três novos equipamentos fixos de fiscalização eletrônica de controle de velocidade a partir desta terça-feira (1º). A implantação dos equipamentos ocorre em função do contrato da Concorrência Pública 04/2013, homologada em 10/2014.

.

Assim, o município passará a contar com 87 equipamentos do tipo “Controlador Fixo de Velocidade”. Segundo a BHTrans, estes equipamentos se consolidaram como um importante instrumento para o aumento das condições de segurança na circulação dos usuários das vias da capital.

.

Os equipamentos foram instalados nos seguintes locais:
.

  • avenida Paraná (entre as ruas dos Tamoios e dos Tupis), no sentido rodoviária/avenida Amazonas;

.

  • avenida Presidente Carlos Luz, entre o Anel Rodoviário e a rua 14, no sentido centro/bairro;

.

  • avenida Presidente Carlos Luz, oposto ao nº 4.845, no sentido bairro/centro.

.

A escolha dos locais para instalação, leva em consideração o número de acidentes com vitimas, fatores técnicos e o potencial risco de novos acidentes. Os locais foram devidamente sinalizados com placas de velocidade máxima permitida conjugadas com placas indicativas de “Fiscalização Eletrônica”. Faixas de pano serão implantadas nos locais informando a população sobre o início da operação dos equipamentos.

.

Na avenida Paraná a velocidade máxima regulamentada é de 30 km/h e na avenida Presidente Carlos Luz é de 60 km/h. Os equipamentos foram verificados e aprovados pelo Instituto de Pesos e Medidas do Estado de MG (IPEM/MG).

.

Confira a lista com a localização dos equipamentos de Fiscalização Eletrônica em Funcionamento (1/9/2015), clicando aqui.

.

FONTE: O Tempo.


Melhor Mobilidade: Faixas exclusivas e preferências para o transporte coletivo

Belo Horizonte possui faixas preferenciais para o transporte coletivo desde a década de 80, na Avenida Amazonas. Após o ano de 2000 outras vias foram capacitadas com faixas/pistas exclusivas, priorizando os usuários de ônibus, seguindo assim as diretrizes do Plano de Mobilidade de Belo Horizonte.

 

Benefícios

As faixas preferenciais/exclusivas privilegiam a circulação do transporte coletivo, criando condições de estímulo ao uso desse meio de transporte. É importante lembrar que o ônibus transporta em torno de 60 pessoas, enquanto o carro transporta uma média de 1,5. Por isso, o transporte coletivo está sendo priorizado em relação ao individual em Belo Horizonte e em grandes centros urbanos do mundo. Além disso, as faixas proporcionam melhorias na operação do embarque e desembarque dos passageiros, diminuição do tempo de viagem e da poluição. Também evitam disputas de espaço entre carros e ônibus.

 

Faixa e pista exclusiva de ônibus: apenas os ônibus podem circular. Na faixa exclusiva, conforme a sinalização regulamentada na via, os demais veículos podem trafegar em um trecho curto da faixa apenas para realizar conversões. Já na pista o trânsito é exclusivo para os ônibus.

 

Faixa preferencial de ônibus: a preferência de circulação é dos ônibus, contudo os veículos particulares podem circular na faixa.

 

Pistas e Faixas Exclusivas de Belo Horizonte

  • Pista exclusiva MOVE da Av. Cristiano Machado, da Estação São Gabriel ao Centro – 7,36 km.

  • Pista exclusiva MOVE,  nas avenidas  Antônio Carlos / Pedro I / Vilarinho, de Venda Nova as Centro – 14,7 km.

  • Pista exclusiva MOVE Área Central, nas avenidas Santos Dumont e Paraná – 1,34 km.

  • Faixas exclusivas MOVE (Rota Hospitalar), nas avenidas Augusto de Lima e Prof. Alfredo Balena, ruas Curitiba, Padre Belchior, Goiás e dos Timbiras – 5,73 km.

– Faixas exclusivas MOVE na Avenida Pedro II, entre o Complexo Lagoinha e o

Anel Rodoviário – 6 km.

 – Faixas exclusivas MOVE na Avenida Carlos Luz, entre as avenidas Pedro II e o Mineirão – 6,6 km.

– Faixa exclusiva MOVE (Cristiano Machado), na Avenida Cristiano Machado, entre a Avenida Vilarinho e Avenida Sebastião de Brito (ambos os sentidos) – 11 km.

  • Faixa exclusiva MOVE (Complexo da Lagoinha), na Avenida Cristiano Machado no Túnel da Lagoinha para o Viaduto Leste – 700 metros.

  • Faixa exclusiva na Av. Nossa Senhora do Carmo, da Avenida do Contorno até Avenida Uruguai (900 metros)

  • Faixa Exclusiva na Estação Ponto, localizado na Avenida Waldyr Soeiro Emrich (Via do Minério), no cruzamento com Rua Alfredina Amaral, bairro Milionários. – 250 metros.

 

Faixa preferenciais de Belo Horizonte

De segunda a sexta das 6h às 9h e das 16h às 20h:

– Rua Tupis, entre Paraná e Rio Grande do Sul
– Avenida Amazonas
– Avenida dos Andradas
– Rua Araguari

 

 

Atenção Motoristas Veículos de passeio, caminhões e motos só podem trafegar na faixa exclusiva para ônibus para realizar conversões. Nas faixas exclusivas os veículos poderão virar à direita, nos locais determinados pela sinalização, mas o acesso deve ser realizado somente nos trechos pintados com linha tracejada (pintura branca). É proibida a entrada na faixa exclusiva nos trechos pintados com uma linha contínua (pintura branca).

 

 

Linha Azul – As faixas exclusivas de ônibus da capital estão identificadas com uma faixa contínua azul pintada no solo. A faixa branca, contínua ou tracejada, permanece sinalizando a via de acordo com o Código Brasileiro de Trânsito.

 

Táxis – Os táxis devem seguir as mesmas regras dos veículos de passeio.

 

Fiscalização eletrônica – Serão implantados detectores de invasão de faixa nas avenidas para garantir a mobilidade do transporte coletivo.

Se um ônibus sair da faixa exclusiva, ele pode ser multado? Pelo Código de Trânsito Brasileiro não há regulamentação que obrigue os ônibus a circularem apenas nas vias segregadas para esse tipo de veículo, ou seja, os ônibus podem trafegar nas demais faixas, desde que a via em questão não tenha sinalização de proibição.

As faixas exclusivas para ônibus também podem ser utilizadas por veículos fretados? Os ônibus na atividade de fretamento não podem circular nas faixas e pistas exclusivas de ônibus, que são destinadas ao transporte público.

Radares Invasão

Infração de Trânsito – Veículo particular flagrado circulando na faixa exclusiva de ônibus está sujeito à autuação de acordo com o artigo 184 do Código de Trânsito Brasileiro.

Art. 184. Transitar com o veículo na faixa ou pista da direita, regulamentada como de circulação exclusiva para determinado tipo de veículo é multa leve, R$ 53,20 e 3 pontos na carteira. Transitar com o veículo na faixa ou pista da esquerda regulamentada como de circulação exclusiva para determinado tipo de veículo já é multa grave (R$ 127,69) e 5 pontos na carteira.

 

FONTE: BHTRANS.


Novos radares podem tornar BHTrans autossuficiente

Novos Radares podem tornar BHTrans autossuficiente
Rota de um dos corredores do Move, avenida Antônio Carlos é uma das vias mais monitoradas

Com um déficit histórico nas receitas de multas para cobrir custos operacionais, a BHTrans tem tudo para reverter o quadro no ano que vem. E graças ao aumento do número de radares nas ruas de Belo Horizonte. A partir de janeiro, a cidade terá 382 equipamentos, 180% a mais que em 2014, período encerrado com um rombo de R$ 56,8 milhões nos gastos com implantação e manutenção da sinalização, operação de tráfego e ações educativas.

Para equilibrar as contas, a autarquia responsável por gerenciar o trânsito na capital recorre a um fundo de transporte alimentado pelo contribuinte. Mas, considerando a média de arrecadação do ano passado, a contabilidade da BHTrans terá um potencial quase três vezes maior de receita só com os novos equipamentos.

A conta é simples. Em 2014, 136 radares geraram um montante de R$ 48,8 milhões, ou R$ 359 mil por aparelho. Com os 382 dispositivos previstos – e considerando essa mesma média –, a cifra pode chegar a R$ 137 milhões.

O valor é 1,4% maior que o total de despesas do ano anterior (R$ 135 milhões). E essa “folga” nas finanças operacionais tende a ser ainda mais ampla, pois a projeção não contempla os R$ 29 milhões referentes às infrações registradas por PM e Guarda Municipal.

Gastos

Nesse mesmo demonstrativo, vários custos são bancados com o dinheiro das multas. Os mais onerosos no ano passado se referiram a pagamento de pessoal (R$ 6,2 milhões) e a contratos com as empresas de fiscalização eletrônica (R$ 14 milhões).

Na outra ponta, ações educativas, unanimemente defendidas por educadores, engenheiros de tráfego, especialistas em trânsito e motoristas, não são contempladas com o mesmo empenho. Dos R$ 78 milhões obtidos com as infrações de trânsito (multas de radar e agentes), menos de 10% (R$ 7,4 milhões) foram investidos em campanhas de conscientização.

O diz a lei

O artigo 320 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) determina que a receita obtida com a cobrança das multas seja aplicada exclusivamente em sinalização, engenharia de tráfego, de campo, policiamento, fiscalização e educação. Além disso, 5% da arrecadação são repassados ao Fundo Nacional de Segurança e Educação no Trânsito (Funset), administrado pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

A falta de clareza sobre a destinação correta dos recursos prejudica ações educativas e gera insatisfação entre a população, diz o mestre em sociologia, escritor e especialista em educação e segurança no trânsito Eduardo Biavati.

“A lei é muito vaga, e os órgãos de trânsito não são eficientes em demonstrar o que está sendo feito. Assim, mesmo que o dinheiro seja aplicado da forma correta, é comum a sensação de indústria da multa”, afirma o especialista, que atua há mais de 18 anos na área.

Avanço da fiscalização eletrônica divide opiniões tanto nas ruas quanto na internet

O crescimento do número de radares em Belo Horizonte repercute nas ruas e viraliza na internet. Opiniões de motoristas e pedestres se dividem quanto à eficácia e à necessidade dos novos aparelhos.

“Sou totalmente contra. A cidade está abarrotada de radares. Fica claro que o objetivo da prefeitura é meramente arrecadar. Dá margem para pensarmos que existe, sim, uma indústria da multa. Temos lugares em que o tráfego vive congestionado e, mesmo assim, lá estão os radares”, disse o taxista Jorge Dias, de 47 anos.

Já outros batem o pé: basta andar na linha. “Nunca tomei uma multa. A fiscalização eletrônica existe para coibir os excessos dos imprudentes. Se a pessoa mantém uma boa e pacífica convivência, ela contribui para um trânsito melhor e ainda não fica no prejuízo financeiro”, afirma a fisioterapeuta Patrícia Vianna, de 28 anos.

Silêncio

A reportagem solicitou à BHTrans um representante para falar sobre o assunto. Porém, as respostas vieram, novamente, por meio da assessoria de imprensa. A empresa não se pronunciou sobre o potencial de arrecadação previsto a partir de janeiro de 2016. Em nota, o órgão de trânsito municipal deixa claro que o objetivo da ampliação dos radares é aumentar a segurança na cidade.

A utilização da fiscalização eletrônica, segundo a BHTrans, “é o meio mais eficaz e confiável para redução do número de acidentes e do grau de severidade”. Conforme o órgão, os acidentes graves com pedestres envolveram automóveis em velocidades inapropriadas.

Redução das mortes

Estudos feitos pela empresa demonstram que a utilização dos dispositivos de controle de velocidade preservam, em média, 180 vidas por ano em Belo Horizonte, desde a implantação, em 2000.

913 mil notificações de multas de trânsito foram emitidas pela prefeitura da capital em 2014

78 milhões de reais foram arrecados com multas, sendo R$ 48 milhões via radares e R$ 29 milhões a partir de agentes

O salto no número de radares em BH será debatido na Câmara Municipal, na segunda-feira, durante audiência pública

Nesta quinta-feira, o Hoje em Dia mostrou que BH supera São Paulo na proporção de aparelhos e caminha para ser a capital nacional dos radares

.

FONTE: Hoje Em Dia.


Fiscalização eletrônica de invasão de faixa exclusiva começa a operar
Os equipamentos entraram em funcionamento nesta quinta-feira (23); a multa para o condutor que invade pista exclusiva de ônibus é de R$53,20, segundo o Código de Trânsito Brasileiro

Dois pontos da Avenida Cristiano Machado terão fiscalização eletrônica de invasão de faixa exclusiva para ônibus. Os equipamentos começaram a operar nesta quinta-feira (23), segundo a BHTrans. De acordo com o Artigo 184 do Código de Trânsito Brasileiro, a multa considerada de natureza leve é de R$53,20 e 3 pontos na carteira do condutor que cometer este tipo de infração.

Carros invadem faixa exclusiva de ônibus
Os radares fazem parte de licitação aberta em Setembro de 2009, mas estão mudando de local. De acordo com a BHTrans, o município conta com 14 equipamentos deste tipo.

Os dois equipamentos que começaram a operar na via, nesta quinta, estão instalados na Av. Cristiano Machado, esquina com Rua Sônia no sentido Centro/Bairro e na Av. Cristiano Machado, esquina com Av. Sebastião de Brito no sentido Bairro/Centro.

FONTE: O Tempo.


Novos radares começam a funcionar em 12 locais da capital nesta sexta

Eles vão operar nas Regiões Nordeste, Oeste e Pampulha, diz BHTrans.
Objetivo é diminuir o número de acidentes de trânsito nestes locais.

 

Doze radares vão começar a operar a partir desta sexta-feira (26) na capital mineira, de acordo com a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans). Eles vão funcionar nas avenidas Cristiano Machado, Silviano Brandão, Barão Homem de Melo, Antônio Carlos e Marechal Esperidião Rosa, nas Regiões Nordeste, Oeste e Pampulha.

Segundo a BHTrans, os radares possuem detectores de avanço de semáforo. Os locais onde eles serão instalados foram escolhidos por terem maior incidência de acidentes e grande fluxo de pedestres.

Com estes novos equipamentos, Belo Horizonte terá 69 radares com detectores de avanço de semáforo.

Veja abaixo os endereços onde os radares passarão a funcionar:
– Avenida Cristiano Machado com Avenida Silviano Brandão – três radares
– Avenida Cristiano Machado, 2.150
– Avenida Cristiano Machado, 2.273
– Avenida Cristiano Machado, 11.660
– Avenida Barão Homem de Melo esq. Av. Silva Lobo
– Avenida Antônio Carlos com Rua Estoril
– Avenida Antônio Carlos com Rua Padre Leopoldo Mertens
– Avenida Antônio Carlos com Avenida Marechal Esperidião Rosa – dois radares
– Avenida Antônio Carlos, 4.157

Outras informações no site da BHTrans.

Segundo a BHTrans, a instalação de radares provocou a queda no número de acidentes em Belo Horizonte. Em 2013, foi registrado 1,08 mortes para cada 10 mil  veículos. Em 1999, ano anteriores à instalação dos primeiros equipamentos, o número era 5,98 mortes para cada 10 mil veículos.

Controladores de velocidade
Além dos 12 detectores de avanço de semáforo, seis dispositivos que controlam a velocidade serão instalados em Belo Horizonte.

Os locais são os seguintes:
Avenida Cristiano Machado, 3.300
Avenida Cristiano Machado, 4.001
Avenida Antônio Carlos, 1.880
Avenida Antônio Carlos, 6450
Avenida Raja Gabaglia, 2222
Avenida Juscelino Kubistchek, 2187

FONTE: G1.



%d blogueiros gostam disto: