Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: redação

Novo CPC

Prezado aluno Marcelo
Segue como sugestão para o Blog.
Atenciosamente
Prof.Inês Campolina
Gestora do Curso de Direito
——————————————

Universo Campus-BH
Email:inescampolina@bh.universo.edu.br Telefone: (31) 2138-9053

 

Prezados, boa noite
 
Enquanto estou aqui entre um hospital e outro com a minha filha, recebi este link de palestras de uma amiga que estuda na UFJF e achei fantástico.
 
Vale à pena divulgar para colegas e alunos. Dentre os palestrantes está o Prof. Humberto Theodoro Jr.
Basta acessar o link http://cpcnovo.com.br/ (se quiser, pode digitá-lo, caso seu Firewall não permita clicar no link), cadastrar o e-mail e aguardar as instruções. Já assisti 3 hoje e amanhã tem outras tantas. O ciclo de palestras, promovido pelo Instituto de Direito Contemporâneo, começou hoje e vai até dia 26/08. Tem até uma página dedicada para quem quiser comprar o material depois gravado (vídeo, transcrição das palestras, etc.)
Espero que esta informação seja útil. Acrescentei os endereços de e-mail cujos colegas e professores tenho aqui comigo no intuito de divulgar para o máximo esta oportunidade.
Abraços a todos.
Lyane – M1 (6º Período – BH)
Lyane Pires
Traduções Técnicas
Tels.: +55 (32) 9925-9000 / (32) 8847-0434 / (31) 9889-0100
l

COLEGAS DO 9º PERÍODO FIZERAM NESTE SÁBADO A APRESENTAÇÃO DOS SEUS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO.

 

 

IMG_0331

No corredor, antes de entrar na sala para a apresentação, os colegas retocam os últimos detalhes.

IMG_0335

A banca examinadora, formada pelos senhores professores Carlos Frederico, Márcio Portella e Vítor Kildare.

 

IMG_0336

A colega Sinara Tiago Braga Leibnitz apresentou o trabalho DOS ALIMENTOS GRAVÍDICOS E A RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA DOS SUPOSTOS AVÓS PATERNOS

 

 

IMG_0339

A colega Leda Cecília Costa apresentou o trabalho DANO EXISTENCIAL E O DIREITO DO TRABALHO

IMG_0337

 

IMG_0341

O colega Allan Marcelo de Souza apresentou o trabalho DIREITO DO CONSUMIDOR: COMÉRCIO ELETRÔNICO – DIREITO DE ARREPENDIMENTO – MÍDIA

IMG_0340

 

IMG_0345

A colega Andréa Carla Andrade do Amaral apresentou o trabalho AS NOVAS FAMÍLIAS NO DIREITO BRASILEIRO

IMG_0342

Outros(as) colegas também apresentaram seus trabalhos nesta data, mas não pude assistir a todos (AQUI ESTÁ A RELAÇÃO). Sucesso a todos(as) e parabéns pelas pesquisas, pelos trabalhos e pelas apresentações. Aos senhores professores, agradeço a oportunidade e as considerações feitas durante as apresentações, pois, embora dirigidas aos colegas apresentadores, certamente me serão de grande valia quando chegar a minha hora.

MARCELO O. SOUZA – M1

8º Período

SUPLEMENTO – VOCÊ SABE O QUE É O TCC? VOCÊ SABE COMO FAZER O TCC?

O que é TCC

 Quando um estudante de Ensino Superior chega ao fim do curso precisa fazer o TCC (Trabalho de Conclusão do Curso) para poder garantir a sua formação. Por mais difícil que pareça devemos alertar que pode ser mais simples do que parece. Esse tipo de trabalho surgiu em 1983 na Universidade de Franca e logo se tornou parte da grade curricular de vários cursos superiores pelo Brasil todo.

É importante que o estudante tenha bem claroo que é TCC antes de começar a elaborar o trabalho. Podemos definir como um trabalho que tem um caráter monográfico, porém, com menos exigências e uma pesquisa menos aprofundada de temáticas do que a Monografia.

Um TCC precisa ter um tema definido pelo estudante e aceito pelo professor orientador, este professor é escolhido de acordo com a temática que o aluno deseja pesquisar. Em geral a estrutura de um trabalho desses é composta pelos mesmos elementos que são:

Páginas pré-textuais:

  • Capa – Item Obrigatório
  • Folha de rosto – Item Obrigatório
  • Folha de aprovação – Item Obrigatório
  • Dedicatória – Item Opcional
  • Agradecimentos – Item Opcional
  • Epígrafe – Item Opcional
  • Resumo – Item Obrigatório
  • Sumário – Item Obrigatório
  • Lista de ilustrações – Item Opcional (somente se houver ilustrações em boa parte do trabalho)
  • Listas de abreviaturas e siglas – Item Opcional
  • Listas de notações – Item Opcional

Logo na sequência desses itens vem os elementos textuais:

  • Introdução – Item Obrigatório
  • Desenvolvimento –Item Obrigatório
  • Conclusão ou Considerações finais – Item Obrigatório (É necessário demonstrar que o trabalho de pesquisa chegou a algum lugar).

Também existem os elementos pós-textuais:

  • Referências bibliográficas – Item Obrigatório (as citações retiradas da internet também devem ser referenciadas seguindo a ABNT)
  • Obras consultadas – Item Opcional
  • Apêndices – Item Opcional
  • Anexos – Item Opcional (Acrescenta bastante a qualidade final do trabalho, mas utilize apenas que haja algo realmente relevante para anexar)
  • Glossário – Item Opcional (Trabalhos com termos técnicos como em áreas específicas como as Engenharias ficam mais fáceis de compreender com um bom glossário).

Todo o Trabalho de Conclusão de Curso deve ser formatado dentro dos padrões do ABNT. Provavelmente a sua instituição de ensino possui algum livro ou outro tipo de publicação com essas normas.

Veja as medidas padrão de formatação do TCC:

  • Margem superior: 2,5 cm
  • Margem inferior: 2,5 cm
  • Margem direita: 2,5 cm
  • Margem esquerda: 3,0 cm
  • Citações: 1 cm (justificando à direita em itálico com a Fonte em tamanho10)
  • Entre linhas, o espaço: 2,0 cm
  • Tipo: Times New Roman (Fonte serifada)
  • Fonte (tamanho): 12
  • Formato de papel: A4

 

A professora Caroline Hofmann dá valiosas dicas em seu livro TCC – TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO: A EXCELÊNCIA COMO DIFERENCIAL.

O QUE VOCÊ PRECISA PARA ELABORAR UM TRABALHO CIENTÍFICO?

A primeira etapa envolve a escolha e delimitação do assunto (tema). Ao escolher um tema para seu trabalho de pesquisa, procure algo original. Será considerado original um assunto que, mesmo versando sobre algo já conhecido, aborde-o sob novo ângulo, acrescentando-lhe uma particularidade até então desconhecida. Escolha algo pelo qual você já tenha algum interesse ou que, de alguma forma, seja um desafio para seu pensamento, algo intrigante e instigante para a sua imaginação.

Podem ser boas pistas investigar alguma experiência particular anterior sua, ou a área profissional para a qual você está se encaminhando, ou algum campo da Ciência sobre o qual você tem se interessado ultimamente.

Lembre-se de que você vai ter que se dedicar a este assunto por muitas horas e que, por isso, é importante que ele seja verdadeiramente de seu interesse.

Convém lembrar que o orientador desempenha um papel muito importante na fase da pesquisa bibliográfica, indicando sugestões de textos, discutindo ideias desenvolvidas pelos autores e revisando o material escrito pelo acadêmico. Outra dica importante: não deixe a pesquisa bibliográfica para o final do trabalho. Na maioria das vezes, a bibliografia sobre o tema ajudará bastante no desenvolvimento da pesquisa, na escolha da metodologia de trabalho e na definição das melhores técnicas par atingir os objetivos.

O método de estudo

Gostar e saber estudar são condições básicas para a pesquisa científica. A aquisição das habilidades referentes à leitura crítica, ao fichamento de um texto, à produção de um artigo científico é uma etapa necessária para a formação do pesquisador.

TCC – Trabalho de Conclusão de Curso – a Excelência Como Diferencial

CRUZ, Carla; HOFFMANN, Caroline; RIBEIRO, Uirá

Belo Horizonte: 2006 New Hampton Press Ltda

Pp 56,57, 58

 

Para conhecer o META – Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos CLIQUE AQUI!

E para conhecer o MRPR, clique ali:  Manual de Redação da Presidência da República

 

FONTE: Fazer Monografia, Universo.

 

 


UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA – CAMPUS BELO HORIZONTE

Logo Universo-2

O Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos (META) tem por objetivo oferecer subsídios aos estudantes de graduação e de programas de pós-graduação, quanto à elaboração de projetos de pesquisa, relatórios de pesquisa e trabalhos de conclusão de curso, bem como apresentação de trabalhos científicos em eventos.

Para conhecer o META – Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos CLIQUE AQUI!

E para conhecer o MRPR, clique ali:  Manual de Redação da Presidência da República

FONTE: Universo.edu, campus digital e Universo BH.


PL 8.046/10

Redação final do novo CPC está pronta

Projeto vai para votação em plenário e depois segue para o Senado.

A comissão especial que discute o novo CPC (PL 8.046/10) aprovou nesta terça-feira, 25, a redação final do projeto.

O relator, deputado Paulo Teixeira, garantiu que não houve alteração de conteúdo. “O texto consolida as mudanças em Plenário sem qualquer alteração de mérito. As mudanças foram feitas para dar coerência à proposta”.

O presidente da comissão, deputado Fábio Trad, acredita que o texto será votado em plenário nesta quarta-feira, 26, e entregue ao Senado na próxima semana. Para isso, segundo ele, será necessário que o plenário aprove um requerimento para quebrar o prazo de duas sessões imposto pelo Regimento Interno da Casa.

CLIQUE AQUI PARA LER A ÍNTEGRA DO Novo CPC – Redação Final!

FONTE: Migalhas.

 


O valor do gostar de ler

LINGUAGENS – Prova avalia mais do que o português. Ela exige que o aluno entenda diversos tipos de mensagens

João Henrique Machado Delgado, de 18 anos, que vai tentar vaga no curso de engenharia civil, e Bianca Lemos Elias Lima, de 17, que em 2012 foi treineira, estudam no Colégio Santo Agostinho  (fotos: Túlio Santos/EM/D.A Press)
João Henrique Machado Delgado, de 18 anos, que vai tentar vaga no curso de engenharia civil, e Bianca Lemos Elias Lima, de 17, que em 2012 foi treineira, estudam no Colégio Santo Agostinho

No mesmo dia da redação e das 45 questões de matemática, os alunos que vão fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em 26 e 27 deste mês, ainda se deparam com uma prova que pede mais do que saber ler: a de linguagens, códigos e suas tecnologias. É preciso entender, interpretar e decodificar várias formas de textos. Se engana quem acha que essa prova cobra apenas língua portuguesa e literatura. Ali ainda estão abordagens de língua estrangeira – inglês ou espanhol –, artes, educação física, tecnologias da informação e comunicação. Nesta última reportagem da série sobre as áreas de conhecimento do Enem, o Estado de Minas publica também oito questões exclusivas elaboradas pelos professores do Colégio Santo Agostinho . É mais uma oportunidade para treinar a capacidade leitora e o nível dos estudos.

A prova de linguagens e códigos é uma das mais extensas, segundo especialistas, pela quantidade de textos. E ela cobra mesmo a habilidade leitora do estudante, sem decoreba. Segundo a professora de português do Colégio Santo Agostinho Else Martins dos Santos, o Enem pede essa capacidade do aluno desde suas primeiras edições. “O Enem quer saber se o candidato sabe ler, se percebe objetivamente como a linguagem é construída”, explica. Para tanto, é preciso estar atento a elementos de coesão, valor semântico, figuras de linguagem, sintaxe, entre outros conteúdos. Não é uma prova de muitas surpresas, segundo Else. Segue integralmente o que está descrito na matriz do Enem. “É uma prova inteligente, que conversa com o aluno.”

O professor de linguagens e literatura do Colégio Santa Marcelina Jair Alves Corgozinho Filho também considera a leitura fundamental. Para ele, o aluno que vai fazer a prova do Enem tem que estar acostumado a ler diversos gêneros textuais, não devendo se prender a apenas um tipo. “Vai ter um texto verbal, recortes de artigos, entrevistas, edital, editorial, enfim, ele vai se deparar com gráficos, imagens dos mais variados tipos”, alerta. Também é importante, segundo ele, que o aluno entenda como texto outras circunstâncias. “Ele deve perceber o teatro como texto, a dança como texto, o cinema, música, tudo é para ser lido. O Enem aposta num leitor como produtor de sentidos a partir de uma provocação que foi dada”, salienta. O estudante ainda deve ser capaz de ler situações comunicativas. “Isso quer dizer a influência de um contexto numa mensagem, se é formal ou informal, o padrão de linguagem, suas funções, ser um operador da linguagem e, mais que isso, interpretar outros operadores, como reconhecer a marca de um autor no texto”, diz.

Quando se fala em códigos, o Enem quer dizer nomenclaturas, ou seja, as regras, bases teóricas. Na tecnologia da informação entram as mídias sociais, linguagens usada em tablets e smartphones, concepção de arte, arte contemporânea, por exemplo. Na educação física, a ideia é que o aluno entenda a linguagem corporal. “É o que circula na grande mídia, no Facebook, é uma prova feita por um leitor contemporâneo, que se adapta a uma realidade histórica. O aluno pode encontrar uma questão sobre grafite, música, o que está na internet”, explica Jair Alves. “E ainda há um conteúdo de memória como arcabouço.”

Para a professora de português Else Martins dos Santos, a prova deve conversar com o aluno (fotos: Túlio Santos/EM/D.A Press)
Para a professora de português Else Martins dos Santos, a prova deve conversar com o aluno

ESTRATÉGIAS João Henrique Machado Delgado, de 18 anos, é aluno do terceiro ano do ensino médio do Colégio Santo Agostinho e vai tentar uma vaga no curso de engenharia civil. Mesmo habituado à área de exatas, gosta de ler, escrever e se interessa por português e literatura. Para ele, a prova de códigos e linguagens cobra o que o estudante vê em toda sua vida escolar, por isso, a melhor estratégia que adota é prestar atenção no conteúdo dado pelo professor na sala de aula. “É preciso saber aproveitar o momento em sala, é quando se aprende mais.” Para a área de exatas, conta que gosta de resolver exercícios, já para as humanas, lê muito e treina fazendo questões.

Candidata ao curso de direito, Bianca Lemos Elias Lima, de 17, também aluna do Santo Agostinho, vai fazer a prova do Enem pela segunda vez. No ano passado, foi treineira e agora é para valer. Para ela, o importante na prova é não pensar só no que está escrito, mas refletir dando um enfoque social. “É uma prova politicamente correta”, exemplifica. Por isso, disse ela, é preciso ter cuidado no posicionamento que vai tomar na redação e ter um bom conhecimento do que está ocorrendo lendo muitos textos e diversificando as fontes. Uma estratégia que adota como atividade de estudo é resumir os textos que lê. “É uma forma de memorizar.”

A professora de produção de textos do Santo Agostinho Camila Reis dá uma dica preciosa. Para ela, o aluno tem o hábito de “brigar” com a prova, ou seja, buscar o que está oculto naquela questão. Se esse tipo de “pegadinha” era praxe no vestibular da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), no Enem não está presente. “Não tem pegadinha, o Enem é simples.”

Segundo Camila Reis, professora de produção de textos, não há pegadinha, o Enem é simples (fotos: Túlio Santos/EM/D.A Press)
Segundo Camila Reis, professora de produção de textos, não há pegadinha, o Enem é simples

Alunos perguntam

Qual tempo devo calcular para
fazer cada questão e a redação?

Hiany Moreira Souto Lopes, de 18 anos,
candidata ao curso de medicina

Especialistas respondem

Existe um parâmetro matemático que sugere três minutos para cada questão. São 270 minutos divididos para 90 itens cada dia e uma hora para a redação. Mas essa é uma base e não uma regra. Uma dica é que o aluno, quando ver que não sabe aquela questão depois de lê-la com cuidado, passe para frente e depois volte nela, mas entendendo que não dá para ultrapassar todas, afinal o Enem é um desafio. Costumo indicar para os alunos que se lembrem e coloquem em prática os quatro passos do coaching: tenham clareza mental, poder de decisão, capacidade criadora e autocontrole.

Silvana Maria Dias Camelo
Psicóloga e orientadora educacional do Colégio Santa Marcelina

FIQUE ATENTO

Veja o que é preciso saber para fazer bem a prova de linguagens, códigos e suas tecnologias

» Colocação pronominal

» Articuladores textuais

» Regência nominal e verbal

» Ferramentas gramaticais são indispensáveis

» História da literatura brasileira, processo de formação dessa literatura

» Não cobra obra literária, mas traz os grandes nomes como Machado de Assis, Carlos Drummond de Andrade. É preciso perceber a presença desses nomes

» Aspectos de cultura popular, como ditados, trocadilhos

» Teoria da variação linguística

» Importante ler sobre “preconceito linguístico”

» Gêneros textuais

Teste seu conhecimento

Simulado – Com a leitura em dia, candidatos podem resolver questões de todas as áreas com mais facilidade

Ciências da Natureza e suas tecnologias

QUESTÃO 1Observe a situação mostrada na tirinha abaixo.

Mesmo com boa intenção, o personagem Cebolinha acabou por levar a flor a ter um fim trágico.
Na situação mostrada no último quadrinho, o conjunto balão + flor está em movimento ascendente com velocidade

A) que aumenta, pois a força de empuxo é maior do que o peso do conjunto balão + flor.
B) que aumenta, pois a densidade do ar é menor do que a do conjunto balão + flor.
C) que aumenta, pois o peso do conjunto balão + flor é anulado pelo empuxo.
D) constante, pois a densidade do conjunto balão + ar é igual à densidade do ar.
E) constante, pois a força de empuxo é igual ao peso do conjunto balão + flor.

QUESTÃO 2

Atualmente, os carros são dotados de dispositivos para diminuir as chances de ferimentos em seus ocupantes em caso de colisão. A figura mostra uma foto de um teste de colisão (crash test) feito para verificar como esses dispositivos estão atuando.

É fácil observar, na foto, a atuação de pelo menos duas medidas adotadas para preservar a integridade dos ocupantes do carro: a deformação progressiva sofrida pela parte frontal do veículo, e a atuação do air bag, no momento em que foi inflado, em frente ao rosto do motorista.
Esses dispositivos de segurança

A) diminuem rapidamente o valor da velocidade dos ocupantes do carro.
B) evitam o deslocamento dos ocupantes do carro para fora do mesmo.
C) aumentam o intervalo de tempo de aplicação das forças do impacto.
D) aumentam a desaceleração sofrida pelos ocupantes do carro.
E) reduzem o impulso aplicado sobre os ocupantes do carro.

QUESTÃO 3

Os feromônios são substâncias químicas usadas na comunicação entre indivíduos da mesma espécie.  As formigas comunicam-se usando essas substâncias, assim como as abelhas. A mensagem química tem como objetivo provocar respostas comportamentais, como alarme, agregação, colaboração na produção de alimentos, defesa e acasalamento. Cada tipo de comportamento tem um feromônio que o identifica  e isso explica por que formigas conseguem seguir uma trilha ou por que as abelhas conseguem voltar para suas colmeias.

A estrutura a seguir representa um feromônio de uma espécie de formiga, no caso de uma situação em que  se prepara para luta:

CH3CH2CH2CH2CH2CH2OH

Em uma pesquisa sobre feromônios, essa substância foi isolada e colocada em  presença de dicromato de potássio em meio ácido. O produto orgânico dessa reação será classificado como

A) ácido carboxílico
B) álcool secundário
C) cetona
D) éster
E) éter

Ciências Humanas e suas tecnologias


QUESTÃO 4

“(…) Quando Luiza Erundina, partindo das demandas dos movimentos populares e dos compromissos com a justiça social, propôs a tarifa zero para o transporte público de São Paulo, ela explicou à sociedade que a tarifa precisava ser subsidiada pela prefeitura e que ela não faria o subsídio implicar em cortes nos orçamentos de educação, saúde, moradia e assistência social, isto é, dos programas sociais prioritários de seu governo.
Antes de propor a tarifa zero, ela aumentou em 500% a frota da CMTC. Explicação para os jovens: CMTC era a antiga empresa municipal de transporte) e forçou os empresários privados a renovarem sua frota.
(…) Ela propôs, então, que o subsídio viesse de uma mudança tributária: o IPTU progressivo, isto é, o imposto predial seria aumentado para os imóveis dos mais ricos, que contribuiriam para o subsídio juntamente com outros recursos da Prefeitura.
À medida que os mais ricos, como pessoas privadas, têm serviçais domésticos que usam o transporte público, e, como empresários, têm funcionários usuários desse mesmo transporte, uma forma de realizar a transferência de renda, que é base da justiça social, seria exatamente fazer com que uma parte do subsídio viesse do novo IPTU.
Os jovens manifestantes de hoje desconhecem o que se passou: comerciantes fecharam ruas inteiras, empresários ameaçaram lockout das empresas, nos “bairros nobres” foram feitas  manifestações contra o “totalitarismo comunista” da prefeita e os poderosos da cidade “negociaram” com os vereadores a não aprovação do projeto de lei.
A tarifa zero não foi implantada. Discutida na forma de democracia participativa, apresentada com lisura e ética política, sem qualquer mancha possível de corrupção, a proposta foi rejeitada.
Chauí, Marilena: O inferno urbano e a política do favor, clientela, tutela e cooptação, in Revista Teoria e Debate: As manifestações de junho de 2013 na cidade de São Paulo. publicado em 27 de junho de 2013.

O fragmento de texto da filólofa Marilena Chauí, publicado no contexto das manifestações de junho de 2013, contribui para a análise das relações existentes entre os interesses públicos e privados dentro da ordem democrática.
As considerações feitas no fragmento de texto permitem-nos inferir que, na dinâmica das recentes manifestações no Brasil,

A) a apropriação dos protestos por grupos extremistas compromete as bandeiras originais do movimento.
B) a defesa da moralidade pública por si só não assegura a definição de uma ordem social justa e colaborativa.
C) o espontaneísmo das massas minimiza a importância dos partidos políticos como intermediadores institucionais.
D) a liderança horizontalizada dos movimentos sociais dilui, politicamente, o caráter classista dos novos protestos.
E) o resgate da capacidade auto-organizativa da sociedade reafirma a evolução da ordem democrática.

QUESTÃO 5

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o censo é uma ferramenta fundamental para a consolidação do Estado democrático contemporâneo:
“Por meio dos dados dos censos, é possível retratar, para níveis geográficos detalhados, a população e suas condições de vida, dando resposta às seguintes questões: quantos somos? Como somos? Onde vivemos?  Como vivemos? Os dados dos censos, sobre a população e domicílios, são, assim, fundamentais.”

Fonte: http://censo2010.ibge.gov.br/images/pdf/censo2010/textos_tecnicos/por_que_fazer_censo_2010. PDF acessado em 23/09/2013

A utilização dos censos como ferramentas políticas remonta ao Império Romano, tendo sido resgatada, posteriormente, por Guilherme I (1028–1087), o Conquistador, governante que teve um papel fundamental na formação do Estado nacional inglês. A realização de censos durante os processos de centralização.

A) permitiu a consolidação de políticas democráticas em toda a Europa, a partir do levantamento das necessidades sociais, o que contribuiu para a construção da legitimidade política dos reis.
B) viabilizou a construção de políticas públicas diversificadas e determinadas pelos interesses exclusivos da nobreza, permitindo a implantação de uma burocracia inclusiva que gerou maior estabilidade nos novos reinos.
C) permitiu antever a realização das reformas protestantes, ao evidenciar diferenças religiosas que permeavam as populações dos reinos, o que permitiu aos governantes se adaptarem ao novo contexto cultural.
D) contribuiu para a consolidação do poder dos reis, ao orientar a organização de uma nova administração a partir do conhecimento da quantidade de bens possuídos pelos súditos, passíveis de tributação.
E) não foi efetiva por não haver tecnologias disponíveis, nem interesse político dos grupos que assumiram o poder em toda a Europa, tendo permanecido tais pesquisas sem aplicabilidade até o surgimento dos governos burgueses.

Matemática e suas  tecnologias


QUESTÃO 6

Leia o texto a seguir.
“Com a escassez de mão de obra qualificada, faltam professores em diversas áreas. Ausência de estímulo à formação é apontada como causa. Problema vai  agravar-se nos próximos anos.”
Com essa manchete, o Estado de Minas publicou, em 22 de setembro, matéria que chama a atenção para a falta de mão de obra qualificada em diversas áreas, evidenciando a área da educação. Uma das saídas que os governos municipais, estaduais e federal vêm encontrando para a solução do problema é a importação dessa força de trabalho de outros países, como já foi feito na área da medicina. O gráfico a seguir traz uma visão geral de como vem acontecendo essa entrada de estrangeiros para trabalhar no Brasil.

Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego
Publicado no Estado de Minas – 22/9/2013 – Economia

Esses estrangeiros, quando chegam ao Brasil, têm que conseguir uma autorização do Ministério do Trabalho e Emprego para se legalizarem no país e trabalhar dentro da lei. Além disso, em alguns casos, são submetidos a avaliações de conhecimentos gerais, principalmente da língua, e também específicos, e só então são designados para um local de trabalho.
Uma dessas pessoas, que chegou ao Brasil vinda da Alemanha ou dos Estados Unidos, foi escolhida aleatoriamente para fazer uma prova de conhecimentos específicos da área em que vai trabalhar. Considerando que esse profissional foi aprovado no exame, a probabilidade de ele ser designado para um estado que não seja Minas Gerais é, aproximadamente,

A) 96%  B) 40%  C) 15%  D) 4%  E) 3%

QUESTÃO 7

A legislação brasileira atual permite que a gasolina comercializada nos postos tenha 25% de etanol misturado a ela.

Os órgãos competentes, ao fiscalizarem um posto de combustível, detectaram que a gasolina comercializada possuía 28% de etanol. Além de ter sido notificado, o proprietário do posto teria que, imediatamente, reduzir para o percentual permitido pela legislação os 8 mil litros de gasolina contidos no tanque. Sendo assim, o proprietário solicitou ao distribuidor que enviasse um carregamento de gasolina com 20% de etanol, para que fosse diluído à gasolina existente.
Qual é a quantidade de gasolina, com a concentração de 20% de etanol, necessária para acrescentar aos 8 mil litros do tanque, de tal forma que o percentual de etanol ficasse reduzido a 25%?

A) 640 litros
B) 848 litros
C) 960 litros
D) 4.800 litros
E) 8.000 litros

Linguagens, códigos e suas tecnologias


QUESTÃO 8

Texto 1
Amou daquela vez como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a última
E cada filho seu como se fosse o único
E atravessou a rua com seu passo tímido
Subiu a construção como se fosse máquina
Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo num desenho mágico
Seus olhos embotados de cimento e lágrima
Sentou pra descansar como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe
Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago
Dançou e gargalhou como se ouvisse música
E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
E flutuou no ar como se fosse um pássaro
E se acabou no chão feito um pacote flácido
Agonizou no meio do passeio público
Morreu na contramão atrapalhando o tráfego

Buarque, Chico. Construção In: Homem, Wagner. Histórias de canções/Chico Buarque. – São Paulo: Leya, 2009.

Texto 2
Foi dentro da compreensão
Desse instante solitário
Que, tal sua construção
Cresceu também o operário.
Cresceu em alto e profundo
Em largo e no coração
E como tudo que cresce
Ele não cresceu em vão
Pois além do que sabia
– Exercer a profissão –
O operário adquiriu
Uma nova dimensão:
A dimensão da poesia.
(…)
E foi assim que o operário
Do edifício em construção
Que sempre dizia sim
Começou a dizer não.

E aprendeu a notar coisas
A que não dava atenção:

Notou que sua marmita
Era o prato do patrão
Que sua cerveja preta
Era o uísque do patrão
Que seu macacão de zuarte
Era o terno do patrão
Que o casebre onde morava
Era a mansão do patrão
Que seus dois pés andarilhos
Eram as rodas do patrão
Que a dureza do seu dia
Era a noite do patrão
Que sua imensa fadiga
Era amiga do patrão.

E o operário disse: Não!
E o operário fez-se forte
Na sua resolução.

Moraes, Vinicius de. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998.

Chico Buarque e Vinicius de Moraes abordam em seus textos o cotidiano de um operário na construção civil. A diferença estabelecida entre os textos é que, enquanto

A) o texto 1 utiliza metáforas e aliterações para construir uma musicalidade na leitura, o texto 2 apresenta elementos prosaicos para tornar a leitura mais direta e menos lírica.
B) o texto 1 enumera as etapas do ofício do trabalhador, o texto 2 expõe um quadro mais amplo, a relação harmônica entre o patrão e o operário da construção civil.
C) o texto 1 revela um acidente de trabalho frequente na construção civil, o texto 2 trabalha a discussão e negociação salarial também frequente no universo das construtoras.
D) o texto 1 denuncia a realidade trágica do trabalhador por meio da naturalização do acidente, o texto 2 apresenta uma tomada de consciência do trabalhador.
E) o texto 1 tenta sensibilizar o leitor por meio do jogo de palavras e sonoridade, o texto 2 toca o leitor apenas pelo caráter melódico e irônico de seus versos.

Gabarito

1-A    2-C    3-A    4-B    5-D    6-A    7-D    8-D

FONTE: Estado de Minas.


ENEM 2013 »Mil pontos decisivos

REDAÇÃO – Considerado o diferencial do aluno na prova, texto exige domínio da língua e conhecimento geral

Sersie Antunes, Eduardo Lasbeck, Paullinne Ariel e Nicholas Barbosa Nunes, de 17 anos, alunos do Santa Marcelina, estão apreensivos quanto ao tema da redação do Enem (fotos: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
Sersie Antunes, Eduardo Lasbeck, Paullinne Ariel e Nicholas Barbosa Nunes, de 17 anos, alunos do Santa Marcelina, estão apreensivos quanto ao tema da redação do Enem
Professora Maria Luiza Borges: aluno precisa evitar cair no senso comum (fotos: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
Professora Maria Luiza Borges: aluno precisa evitar cair no senso comum

No segundo dia das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), alunos de todo o país vão encarar a tão temida redação. Terão de produzir um texto em conformidade com o que está sendo pedido no enunciado sem abandonar todas as regras adotadas no Guia do Participante – A redação no Enem. Em todos os anos, a regra básica não muda: é um texto em prosa, do tipo dissertativo/argumentativo, e o aluno deverá defender uma tese, ou seja, propor uma intervenção para o problema que foi proposto. O manual dá a dica de que o tema deve ser de “ordem social, científica, cultural ou política”. Apesar da amplitude, é possível que as escolas elaborem questões para treinamento dos alunos.

A redação, segundo o guia, exige que o candidato discorra em cinco competências: demonstrar domínio da modalidade escrita formal na língua portuguesa; compreender a proposta e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema; selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação, e elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

A última competência é a que causa mais temor nos alunos e exige muita preparação. A professora de língua portuguesa e redação do Colégio e Pré-vestibular Elite do Vale do Aço Margarete Abreu Xavier explica que o aluno tem que apresentar uma proposta de solução viável para o que foi pedido, como descrito na competência 5. “Para apresentar essas soluções, o estudante precisa realmente estar consciente dos problemas do cotidiano”, afirma. Segundo ela, se o aluno estiver por dentro do que acontece no país e no mundo ele consegue completar o texto. “No ano passado, por exemplo, o tema foi imigração e para resolver era preciso ter uma visão de mundo que não está nos livros didáticos, mas na televisão, no jornal, são as atualidades”, destaca.

Segundo a professora de português do Colégio Santa Marcelina Maria Luiza Borges, o candidato deve ficar atento para não cair no senso comum quando fizer a proposta. “O Enem quer mais do aluno, quer uma reflexão final, sem colocar o problema na mão do governo. Tem que responder como, quando, o quê”, diz. Um exemplo de senso comum é sugerir que sejam feitas campanhas para resolver um problema. Ela alerta que a redação é o diferencial do aluno e, por isso, ele precisa ter conhecimento de atualidades e cuidado na estrutura e organização do texto. “Tem que ser objetivo e persuasivo”, afirma.

Como é uma decisiva, o aluno tem de somar pontos na prova objetiva e seu diferencial estará na redação. As dicas dos especialistas são que para fazer um bom texto é preciso muita leitura, interpretar e estar atualizado. No total, a redação vale 1 mil pontos. Segundo o Ministério da Educação, cada prova será corrigida por dois avaliadores, que darão nota de zero a 200 em cada uma das cinco competências. A nota final será a soma da média das avaliações. No caso de dúvida, um terceiro avaliador será acionado para corrigir a prova, e se ainda persistir, por uma banca composta por três professores.

TEMPO A redação será no segundo dia de avaliação, quando estarão disponíveis cinco horas e 30 minutos para o texto e a prova objetiva. Uma dica dada pela professora Maria Luiza: o candidato deve iniciar com a redação, ler com atenção, desenvolver o texto e fazer o rascunho. Isso em cerca de 30 minutos. Depois, ele deve fazer o restante do teste, provas de português e matemática. Ao terminar, ele volta para a redação e em mais 30 minutos lê o texto novamente; se encontrar erros, os elimina e escreve a versão final. Já Margarete Xavier lembra aos estudantes que, mesmo que o tempo varie de acordo com cada aluno, é importante tirar pelo menos uma hora para fazer bem a redação. “Não existe medida certa, mas menos de uma hora é arriscado”, afirma.

Sersie Antunes Costa Almeida, Eduardo Lasbeck Gonçalves Brasil, Paullinne Ariel Nogueira Barbosa e Nicholas Barbosa Nunes, todos de 17 anos, alunos do Santa Marcelina, estão apreensivos quanto ao tema da redação do Enem. “No ano passado, fazer a tese foi tranquilo, difícil foi a proposta de ação”, diz Sersie, candidata ao curso de medicina. “É desafiador escolher o melhor argumento e propor uma ação, isso sem extrapolar o número de linhas”, afirma Paullinne, que em 2012 alcançou 920 pontos na redação.

Alunos perguntam

Até quando devo estudar antes da prova do Enem? Qual é o tempo de descanso antes?

Letícia Antunes, de 17 anos, candidata ao curso de engenharia genética

Especialistas respondem

Estratégia de estudo é algo muito pessoal. Realmente, cada aluno se sente seguro de uma forma diferente, muitos precisam de uma revisada na véspera da prova, outros têm a sensação de que ela aumenta a ansiedade e não resolve mais nada. Mas o que eu recomendo é que se tenha um mínimo de um dia de total descanso antes da prova. Como a primeira prova do Enem cai num sábado à tarde, o adequado é que o último dia de preparação seja a quinta-feira. A sexta-feira deve ser de total repouso e associada apenas a atividades relaxantes e uma alimentação leve e equilibrada, com ingestão de muito líquido. Isso é necessário porque a prova é muito extensa e cansativa, exigindo do aluno uma preparação física tão boa quanto a acadêmica. Cada um deve fazer o que o deixar mais seguro, mas o recomendável é que se tenha um tempo de no mínimo um dia de descanso total.

André Ricardo de Castro, coordenador pedagógico do Sistema Elite de Ensino

 FIQUE ATENTO

Especialistas dão dicas para fazer uma boa redação e conseguir fazer a diferença na prova

» Leia muito

» Saiba interpretar o texto

» Esteja preparado para apresentar uma solução viável para o problema

» Esteja atualizado: leia jornais, revistas, veja telejornais. É preciso ter conhecimento de mundo

» Tenha cuidado com a linguagem, com o que você escreve

» O texto precisa ter coesão e coerência, os argumentos devem estar fundamentados

»  O aluno deve saber ler gráficos e tabelas

» É uma prova mais extensa, por isso administre bem o tempo

» O tempo varia de acordo com o aluno, mas fazer a redação em menos de uma hora é arriscado

» Pontue os itens que você vai usar como argumentação antes de redigir

» Não existe receita de bolo: pode-se começar o texto com referência histórica, enumeração, citação, a partir de um fato concreto

» Erre na sala de aula, ou seja, treine, leve para a correção e se atente às falhas

» Escreva com letra legível, capriche para que ela não dificulte a correção e não comprometa o entendimento do texto

FONTE: Estado de Minas.


Com salários de até R$ 10 mil, ANTT oferece 135 vagas a partir de hoje (ontem, 11 de junho)

concurso-antt-2013

Quem sonha em se tornar servidor da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) já pode dar o primeiro passo nesta segunda-feira (10/6). As inscrições para o concurso que oferta 135 oportunidades de níveis médio e superior já estão abertas e podem ser efetuadas até 2 de julho pelo site www.cespe.unb.br/concursos/ANTT_13. As taxas variam entre R$ 80 e R$ 100. A remuneração varia de R$ 9.263,20 a R$ 10.019,20. O Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB) organiza o certame.Cento e trinta chances são para lotação em Brasília (DF). Para nível superior, existem oportunidades nos cargos de analista administrativo e especialista em regulação de serviços de transportes terrestres. Para nível médio, os postos em disputa são de técnico administrativo e de técnico em regulação de serviços de transportes terrestres, com salários vão de R$ 4.760,18 a R$ 4.984,98. Todos os aprovados trabalharão 40 horas por semana.Para concorrer aos postos de nível superior é preciso ter graduação em administração, biblioteconomia, ciências contábeis, direito, comunicação social, tecnologia da informação, análise de sistemas, sistemas de informação, engenharia da computação ou ciência da computação, engenharia ambiental ou em engenharia florestal, engenharia civil, engenharia civil/engenharia de produção e de estatística.

Todos os participantes serão submetidos a prova objetiva de conhecimentos básicos e de conhecimentos específicos, bem como a prova discursiva, de caráter eliminatório e classificatório, composta por uma redação dissertativa. Além disso, haverá avaliação de títulos, de caráter classificatório, para cargos de nível superior. Os testes acontecerão simultaneamente em Brasília, Boa Vista, Porto Velho e Rio Branco no dia 11 de agosto.

Haverá, ainda, uma segunda etapa composta por curso de formação. Esta fase acontecerá apenas em Brasília, mas só para os aprovados na função de especialista em regulação de serviços de transportes terrestres.

FONTE: Estado de Minas.

Provas serão nos dias 26 e 27 de outubro, afirmou Aloizio Mercadante.
‘A grande mudança vai ser no maior rigor com a redação’, diz o ministro.

 

O ministro Aloizio Mercadante e o presidente do Inep, Luiz Claudio Costa, divulgam as regras do Enem 2013 (Foto: Vitor Matos/G1)
O ministro Aloizio Mercadante e o presidente do
Inep, Luiz Claudio Costa, divulgam as regras do
Enem 2013

As inscrições para a edição de 2013 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) serão abertas na segunda-feira (13), afirmou nesta quarta-feira (8) o ministro da Educação, Aloizio Mercadante. Segundo a pasta, o edital com todas as normas da prova deve ser publicado na edição de quinta-feira (9) do “Diário Oficial da União”.

Segundo Mercadante, as provas serão realizadas nos dias 26 e 27 de outubro. Os portões serão abertos às 12h (horário de Brasília).

O ministro afirmou que o período de inscrições vai dos dias 13 e 27 de maio, e os candidatos terão até o dia 29 de maio para pagarem a taxa de inscrição, que foi mantida no valor de R$ 35.

Neste ano, a logística do exame deve envolver 1.632 municípios brasileiros. O MEC estima que será necessária a impressão de 13,5 milhões de provas para os candidatos.

‘Maior rigor com a redação’
As regras de correção do Enem serão semelhantes às da edição de 2012. Porém, segundo Mercadante, “a grande mudança vai ser no maior rigor com a redação”. Para isso, algumas medidas foram tomadas.

Para coibir tentativas de deboche na prova, um item será acrescentado no artigo do edital que fala sobre as razões para que uma redação receba nota zero do MEC. O item 14.9.5 do edital que deve ser publicado na quinta-feira afirma que a redação “que apresente parte do trecho deliberadamente desconectada com o tema proposto, que será considerada ‘anulada'”.

A nova regra já estava em debate pela comissão que elabora o edital do Enem, depois que candidatos que no último Enem inseriram receita do miojo e o hino do Palmeiras no texto ganharam notas 560 e 500, respectivamente. Esse tipo de teste ao Enem, agora, será punido com a nota zero.

Além disso, uma das cinco competências exigidas pela redação será mais rígida: trata-se da quinta, que fala sobre o “domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa”. A partir deste ano, erros de português só serão desconsiderados quando forem uma “excepcionalidade” e quando “não caracterizem reincidência”. O objetivo é evitar que redações com poucos desvios gramaticais ou convenções de escrita recebam a nota máxima na prova.

“A banca tem que justificar que aquele desvio é excepcional para justificar uma nota máxima”
Aloizio Mercadante, ministro da Educação

A partir deste ano, caso queira dar nota 1.000 para uma redação que contenha algum desvio, o ministro afirmou que “a banca tem que justificar que aquele desvio é excepcional para justificar uma nota máxima”.

Terceiro corretor
Todas as redações do Enem são corrigidas por pelo menos duas pessoas. A necessidade de um terceiro corretor para reavaliar provas com notas discrepantes deve aumentar neste ano. Segundo o MEC, agora, todas vezes que as duas notas tiverem uma diferença de mais de 100 pontos, um terceiro avaliador corrigirá a prova para que se chegue à nota final. No ano passado, essa tolerância era de 200 pontos.

Se a nota em um das cinco competências (que vai de 0 a 200) tiver discrepância de 80 pontos, a redação também vai para o tercerio corretor.

Por causa da mudança, Mercadante afirmou que estima um aumento no número de redações que passem pela terceira correção. Em 2012, 21% das provas estiveram nessa situação. Agora, ele afirma que essa porcentagem chegue a um terço.

Para garantir uma correção mais rigorosa, Mercadante anunciou um aumento no número de corretores. Em 2012, foram contratados 5.692 corretores, 234 supervisores de avaliação, 468 auxiliares e dez subcoordenadores pedagógicos para o processo de avaliar as redações, mas mais de 300 deles foram afastados por não cumprirem os requisitos de qualidade.

Sobre o Enem
O exame do MEC é realizado uma vez por ano e tem cinco provas: quatro com questões de múltipla escolha e uma redação. Sua nota pode ser usada para processos seletivos centralizados pelo próprio ministério ou em vestibulares de instituições públicas e particulares que usam a pontuação do Enem parcial ou integralmente para selecionar seus calouros.

O Enem 2013 é obrigatório para estudantes interessados em disputar vagas em mais de 100 instituições federais e estaduais de ensino superior participantes do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Além disso, devem se inscrever para a prova vestibulandos que pretendem cursar a faculdade em uma instituição particular com bolsa de estudos parcial ou integral do Programa Universidade para Todos (Prouni).

FONTE: G1.


 

Redação do Enem com receita de Miojo leva nota média
Mesmo com receita de macarrão instantâneo, o estudante conseguiu 560 como nota

O Enem 2012 já passou, mas não sem causar polêmica. Na última edição do exame, um candidato escreveu na redação como preparar um macarrão instantâneo no meio do texto, que deveria atender ao tema “Movimento imigratório para o Brasil no século 21”. O estudante recebeu a nota 560, de um total de 1.000 pontos. As informações são do jornal O Globo desta terça-feira (19).

Nos dois primeiros parágrafos, o vestibulando até chega a tratar do tema. No trecho seguinte, no entanto, o candidato começa a escrever sobre o Miojo. “Para não ficar muito cansativo, vou agora ensinar a fazer um belo miojo, ferva trezentos ml’s de água em uma panela, quando estiver fervendo, coloque o miojo, espere cozinhar por três minutos, retire o miojo do fogão, misture bem e sirva” (sic). No parágrafo final, o aluno retorna ao tema proposto. Das 24 linhas escritas, quatro são dedicadas à receita.

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), a presença da receita foi detectada pelos corretores e considerada “inoportuna” e “inadequada”, o que provocou uma “forte penalização” ao autor do texto.

O Ministério afirma que as competências mais prejudicadas foram as de número 3 e 5, que, entre outras coisas, mediam o poder que o candidato tinha para selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista e também elaborar uma proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos e considerando a diversidade sociocultural. Cada uma das cinco competências avaliadas pelo MEC possui a pontuação máxima de 200 pontos. Nas citadas, o candidato obteve 100 e 40 pontos, respectivamente.

O MEC diz ainda que, em sua totalidade, o candidato não fugiu ao tema e não feriu os direitos humanos. Segundo a pasta, é preciso considerar que a análise de texto é feita sobre o todo, com foco no conjunto do texto, e não em cada uma de suas partes.

Para Rogério Chociay, professor aposentado do Departamento de Letras da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e especialista em redação de vestibular, a análise do conjunto foi justamente o que faltou para que o texto fosse mais penalizado. “No momento em que o estudante opta por inserir a receita no meio do seu texto, ele quebra o processo argumentativo e o princípio da dissertação e não configura um texto como um todo”, diz. Segundo o professor, se o mesmo ocorresse nos vestibulares das principais universidades públicas no país, o aluno teria seu texto severamente punido ou então reprovado.

FONTE: Hoje Em Dia.


Responsáveis por vestibulares dizem que miojo e Palmeiras teriam impacto negativo em notas, mas uso do “trousse” e “rasoavel” também poderia ser desculpado

As contestações sobre a correção de redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), surgidas após a divulgação de textos com erros ortográficos como “trousse” e “rasoavel” avaliados com nota 1.000, poderiam se repetir em outros vestibulares se os espelhos de provas fossem divulgados. O iGconsultou quatro universidades – USP, Unicamp, UnB e UFRGS –, que explicaram seus critérios de avaliação e, à exceção da UnB, admitiram que poucos erros gramaticais podem passar sem punição. A fuga do tema, como ocorreu nos textos do Enem que apresentavam uma receita de miojo e o hino do Palmeiras , poderia zerar a nota, mas também é um critério subjetivo.

O maior vestibular do Brasil, a Fuvest, seleciona alunos para a Universidade de São Paulo (USP), mas não define previamente os pontos da redação que serão atribuídos ou descontados. Segundo a coordenação, no entanto, “evidentemente” gramática e ortografia são relevantes. Já casos de fuga do tema são analisados pela banca que pode anular ou descontar pontos.

Reprodução

Candidato coloca hino do Palmeiras em redação do Enem

A redação na Fuvest é parte da prova dissertativa de Português e o candidato tem ciência apenas de sua pontuação total. Além disso, ele não pode pedir detalhes da correção ou para ver o “espelho” do texto, logo, não sabe se um erro foi ou não considerado na sua nota final.

No caso da Comvest, que faz o vestibular da Unicamp, erros de gramática e concordância podem ser desconsiderados se o grupo de corretores julgar que foram irrelevantes diante do restante do texto. A quantidade de problemas que merecerá desconto na nota é combinada entre os professores que fazem parte da banca depois que começam a ler as redações.

A universidade do interior de São Paulo aumentou a transparência da correção no último ano, mas o candidato continua sem ter acesso à correção. A universidade exige três textos e, até 2012, divulgava apenas a nota final pelo conjunto. No processo seletivo de 2013 separou a pontuação atribuída a cada uma das composições.

Na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), os textos dos candidatos do vestibular são corrigidos duas vezes, uma para avaliar o conteúdo, a estrutura e a expressão linguística e outra para observar redação como um todo. Tanto a argumentação quanto o estilo são avaliados em itens específicos de uma planilha, mas erros de ortografia fazem com que os candidatos percam menos pontos que erros de pontuação, semântica e sintaxe e morfossintaxe. Segundo a assessoria de imprensa, o candidato pode ter até dois erros de ortografia e não sofrerá nenhum desconto. Nos demais itens, cada erro acarreta um desconto. Erros de sintaxe e morfossintaxe têm peso ainda maior.

Podem anular uma redação os seguintes itens: fuga ao tema, texto que não seja uma dissertação e com menos de 30 linhas. Caberia aos corretores decidir se a receita de miojo, por exemplo, configura o desrespeito a esses itens.

Tolerância zero a erros

Na Universidade de Brasília (UnB), qualquer erro de grafia, acentuação ou concordância é descontado da nota final da redação do candidato. A fórmula não é muito simples. Primeiro, os avaliadores medem a qualidade do conteúdo do texto para verificar se ele não fugiu ao tema, se respeitou os direitos humanos, apresentou bons argumentos.

Essa é chamada de macro avaliação. Ela é a mais importante, mas não exclui a micro avaliação. Nessa fase, o corretor avalia cada linha escrita pelo candidato para saber se há erros que ferem a norma culta da língua. Cada mancada é contabilizada (e esclarecida no espelho da redação) e, depois, dividida pela quantidade de linhas que o candidato escreveu.

O erro de quem escreveu menos tem mais peso. A nota final é calculada diminuindo da nota de conteúdo os pontos perdidos com erros de grafia. “São concepções teóricas de avaliação dos textos diferentes (a da UnB e do Enem). Passa por uma avaliação do que é aceitável ou não dentro da língua portuguesa”, diz o decano de graduação da UnB, Mauro Rabelo.

Rabelo diz que a UnB mudou as regras, acrescentando a micro avaliação, especialmente por causa da pouca diferença entre candidatos selecionados para cursos mais concorridos. “Esse tipo de correção é muito demorado”, admite. Além disso, o decano diz que redações contando a receita do miojo, por exemplo, poderiam não ser desclassificadas na UnB.

“Se o restante da redação, de algum modo, se relaciona ao tema, ele não pode ser desclassificado. Ele perderia muitos pontos em conteúdo e dependeria um pouco da rigidez dos avaliadores”, afirma.

A UnB é a única universidade consultada que concede vistas da redação aos candidatos e a possibilidade de recurso.

FONTE: iG.


Letícia Figueiredo – Mundo Ela 

Thinkstock
É sabido que a redação exigida em concursos e vestibulares é a oportunidade para o candidato mostrar o seu domínio em relação às regras que norteiam a língua portuguesa, o seu vocabulário, seu poder argumentativo e o quanto está atualizado sobre assuntos do mundo. Por estes motivos, ela, muitas vezes, define a classificação do candidato, pois tem peso elevado e é corrigida baseada em critérios rigorosos. O objetivo é, de fato, eliminar aquele que não “sabe escrever”.
Este espaço tem a finalidade de contribuir com todos os que desejam aprimorar a sua habilidade de escrita, seja para a vida prática, profissional ou estudantil. Mas, mesmo que você obtenha aqui algumas dicas e sugestões para escrever melhor, não dispense aulas e orientações de profissionais. Receber o feedback do que você está produzindo é muito importante.
Antes de começar a produzir um texto, é necessário saber a diferença entre os tipos existentes. Falarei dos mais comuns:
1) Redação dissertativa: Considera-se o texto dissertativo como um tipo de discurso explicativo, cujo objetivo é explorar um certo assunto sem, porém, incluir um posicionamento ou uma opinião. Este texto tem o propósito de informar, ou seja, através da dissertação são transmitidas informações para o leitor.
2) Redação argumentativa: O texto argumentativo, contrário ao dissertativo, visa persuadir ou convencer o leitor da validade de uma tese ou proposição. Este texto apresenta uma informação e explicação, mas o objetivo da argumentação é construir uma comunicação persuasiva.
3) Redação dissertativa-argumentativa: Para produzir um texto que seja considerado dissertativo-argumentativo, deve-se apresentar uma tese e desenvolver justificativas capazes de comprová-la. Além disso, é necessário apresentar uma conclusão que ofereça um desfecho à discussão elaborada no texto. É isso que irá compor o processo argumentativo. O texto deve utilizar estratégias argumentativas que exponham o tema e instiguem o leitor à uma reflexão.
Nos concursos e vestibulares, o terceiro tipo é, sem dúvidas, o mais explorado, pois nele verifica-se a capacidade argumentativa e o raciocínio lógico do candidato que o escreve, além das habilidades básicas esperadas em uma produção textual. Portanto, amigo, se você quer ser bem sucedido em suas redações, comece já: treine, treine muito!
Deixo-lhe um abraço.
Letícia Figueiredo – graduando em Letras pela UFMG e professora de redação em língua portuguesa
FONTE: Portal UAI.

Publicação: 10/01/2013 04:00

Porto Alegre – O juiz federal substituto Gustavo Chies Cignachi, de Bagé (RS), suspendeu o prazo para inscrições e a divulgação dos resultados do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) em todo o país. A decisão decorre de uma liminar obtida por uma estudante de Bagé. O Ministério da Educação afirmou que não foi notificado ainda, mas que recorrerá. Disse ainda que as inscrições continuam abertas e o sistema funciona normalmente para todos os candidatos.

Cignachi concedeu liminar a uma estudante que entrou com ação individual para ter acesso à correção da prova de redação do Enem, usada na seleção, além de poder, depois de ver a correção, pedir uma revisão da nota obtida. O juiz acolheu outra solicitação da candidata: de que o prazo de inscrição do Sisu, que vai até a sexta-feira (11), e a divulgação da primeira chamada, na segunda-feira, fiquem suspensos até que os pedidos de vista e revisão da correção de sua prova fossem atendidos.

O juiz afirmou que o envio do espelho da correção deve ser feito pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) “em prazo razoável”, e não fixou data para a reavaliação da prova, “tendo em vista que depende de interposição do aludido recurso”.

FONTE: Estado de Minas.



%d blogueiros gostam disto: