Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: sensação

Termômetros marcam 9,1°C e Belo Horizonte bate novo recorde de frio

Minas Gerais também teve o dia mais frio do ano: 0,3°C em Maria da Fé

Cristina Horta/EM/D.A Press

Os termômetros bateram novo recorde em Belo Horizonte e Minas Gerais neste sábado e atingiram as temperaturas mais baixas do ano. De acordo com o Centro de Climatologia TempoClima PUC Minas, a temperatura mínima na capital mineira foi de 9,1°C e no estado foi de 0,3°C, registrada em Maria da Fé, no Sul de Minas, acompanhada por geada. As mínimas foram registradas às 7h. 

.

Na sexta-feira, a mínima na capital foi de 10,4ºC. A queda na temperatura se deve a uma massa de ar polar, que chegou ao Sudeste do país na última quinta.

.

Ainda segundo o centro de climatologia PUC Minas, em média, todas as regiões do estado apresentaram temperaturas baixas, em torno dos 10°C, neste sábado. Em Monte Verde, Sul do estado, a mínima foi de 0,8°C, em Pirapora, Região Norte, a mínima chegou a 9,5°C, e em Juiz de Fora, na Zona da Mata, os termômetros marcaram 10,4°C. Na Região Central, as temperaturas chegaram a 9,4°C em Barbacena, 9°C em Ouro Preto e 5,7°C em Florestal. 

.

A máxima prevista para este sábado em BH é 20°C e a mínima é 9°C. O frio deve permanecer no domingo e não há previsão de chuva para a capital, segundo o centro de climatologia.

.

FONTE: Estado de Minas.


Temperatura pode cair a 10 graus em BH amanhã, com sensação térmica de 6, devido a rajadas de vento, diz Defesa Civil

Bruna Santoro, e a cadela Lola

 

 

Duas calças, uma camisa, duas blusas de lã, um guarda-pó e uma touca protegendo a cabeça e as orelhas. Otacílio Rosa da Paixão, de 69 anos, saiu de casa ontem preparado para o frio na Praça do Papa, no Bairro Mangabeiras, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, onde trabalha há 31 anos vendendo cachorro-quente, às vezes, até por volta da meia-noite. E ele se prepara para tirar mais agasalhos do armário. A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) emitiu alerta de que a temperatura mínima na capital deve chegar a 10 graus até amanhã, podendo gerar sensação térmica de 6 graus por causa de rajadas de vento. “Já passei frio de 4 graus aqui no alto da Avenida Afonso Pena. A minha mão fica gelada, mas preciso preparar cachorro-quente e não tenho como usar luvas”, reclama Otacílio, que recorre aos bolsos do agasalho para aquecer as mãos.

DIAS GELADOS…

A presença de uma massa de ar frio sobre o Sudeste mantém as temperaturas baixas em Minas, principalmente à noite e de madrugada. Até sexta-feira, BH pode registrar a menor temperatura mínima do ano. Em 12 de julho, a capital registrou 11,8 graus. Em 26 de junho, os termômetros marcaram 12,1 graus. Em 13 de maio, chegou a 10,8 graus. “A queda acentuada da temperatura mínima ocorrerá mais entre as 5h e as 7h, mas durante o dia ficará em torno de 24 graus, quinta e sexta-feira”, informa o meteorologista do Clima Tempo, Ruibran dos Reis.

O frio na Praça do Papa era tanto na tarde de ontem que a professora Bruna Santoro, de 32, também agasalhou Lola, sua vira-lata. Bruna usava calça de tecido grosso, botas, agasalho e touca. “Lola treme toda de frio, coitadinha. Preciso ficar cobrindo ela o tempo todo no sofá”, conta a professora, que gosta de frio para tomar vinho e comer massas. 

Na Praça da Liberdade, no Bairro Funcionários, Região Centro-Sul, o frio pegou muita gente de surpresa. Um grupo de estudantes de letras de Belém (PA), acostumado ao calor intenso da cidade onde mora, participa de um evento em BH. Todos saíram desprevenidos. Izabela Lima, de 20, estava de saia e reclamou de muito frio nas pernas. “O sol saiu de manhã e ficamos animados, mas o frio só foi apertando. Estou passando mal. Lá em Belém é muito quente. Sempre saio de short, saia e chinelo”, afirma a estudante.

CALDO QUENTE Frio é bom para namorar, concordam os estudantes Karina Souza Moraes, de 24, e Luiz Felipe Botelho, de 21. “Quanto mais agarradinho, melhor. Bom para ver um filme, tomar um vinho e um caldo quente” , conta a jovem, abraçada ao namorado em um banco da Praça da Liberdade. Para Luiz Felipe, o frio não é incômodo, nem quando sai de casa pela manhã. “O que me incomoda é chuva”, disse. Karina acha roupas de inverno elegantes e as pessoas ficam mais bonitas. “A gente nem precisa de maquiagem. A cara já fica rosadinha”, brinca.

Para quem trabalha o tempo todo na rua, como o soldado da Polícia Militar Neimar Vieira de Souza, de 27, tem sempre que ter um agasalho nesta época do ano. “Quando tenho que trabalhar à noite, em jogos no Mineirão ou no Independência, sinto mais frio ainda.”, disse o militar.

A psicóloga Maria Auxiliadora Morais, de 52, saiu de casa “empacotada” ontem. “Com o frio que estão dizendo que vem por aí, vou ter que tirar mais roupa do armário”, brincou. “Gosto do frio, mas o vento me incomoda às vezes”, disse. Para dormir, a psicóloga conta que tem recorrido a vários edredons, pijama bem quentinho e meias. 

A microempresária Marise Neli, de 54, disse detestar frio. “Se continuar assim, vou ter que comprar mais roupas quentes. Espero que as previsões estejam erradas”, comentou. A auxiliar administrativa Érika Nascimento, de 36, disse que ontem a sua vontade era de ficar na cama o dia todo. “Para dormir, edredon, edredon, edredon. Mas eu só que fico pensando nas pessoas que dormem nas ruas”, comentou. A Secretaria Municipal de Políticas Sociais informou que os abrigos recebem um número maior de pessoas nesta época do ano e que a rede está preparada para atender a demanda, fornecendo alimentação e pernoite para os interessados.

FONTE: Estado de Minas.


Hormônio poderá substituir cirurgia de redução de estômago

Sensação de saciedade seria a chave para o combate à obesidade

Avanço

Pesquisadores já conseguiram comprar que a nova técnica é eficaz

Londres, Reino Unido. Um estudo em curso na Grã-Bretanha está testando o uso de hormônios para combater a obesidade e substituir cirurgias de redução de estômago em pacientes obesos, de acordo com a BBC.

Os hormônios pesquisados são praticamente os mesmos liberados naturalmente pelo corpo após todas as refeições e que indicam ao corpo que a fome foi saciada, explica à BBC o líder do estudo, o médico Steve Bloom, chefe do departamento de estudos sobre diabetes, endocrinologia e metabolismo do prestigioso Imperial College, em Londres.

Os médicos perceberam que esses mesmos hormônios são liberados em grandes quantidades pelo corpo de pacientes que se submeteram à cirurgia bariátrica – e esse seria um dos motivos para o sucesso da cirurgia em grande parte dos casos. Agora, a equipe de Bloom quer replicar esse efeito mesmo que o paciente não queira ou não possa se submeter ao procedimento cirúrgico.

“Ainda estamos na fase de desenvolvimento, mas já mostramos que a iniciativa funciona. Agora temos que torná-la disponível”, diz Bloom à BBC.

Longa Duração. Bloom prevê que os hormônios devam causar poucos ou nenhum efeito colateral, por serem “quase naturais” – sua alteração mais significativa é que estão sendo desenvolvidos de modo que seu efeito dure uma semana no corpo, em vez de apenas alguns minutos. Pacientes obesos receberiam, assim, uma injeção semanal da droga – em alguns casos ao longo da vida inteira, para controlar seu apetite.

Mas Bloom diz que, até agora, tudo indica que a droga não causará dependência e sua ingestão poderá ser interrompida, se necessário. “Se a pessoa ficar doente e perder peso, por exemplo, poderá parar de tomá-lo”, diz. O custo estimado do tratamento, com 52 injeções anuais, é de 3.000 libras (R$ 10,2 mil) ao ano.
Brasil é cogitado para testes
Londres.
 A equipe de Steve Bloom recebeu 2 milhões de libras (R$ 6,8 milhões) de um centro de financiamento de pesquisas para dar prosseguimento aos estudos e aos testes clínicos, que podem ser parcialmente feitos no Brasil, diz o pesquisador para a BBC.

“Escolheremos três ou quatro países para os testes internacionais, e o Brasil é uma possibilidade por ter boa infraestrutura e marcos regulatórios”, explica o médico, lembrando também que o país seria um “grande mercado” em potencial para a droga em desenvolvimento.

FONTE: O Tempo.


Utilização incorreta da prática da hipnose em programas de televisão distorce verdadeiras funções da técnica que, segundo especialistas, só deve ser praticada por profissionais da saúde

Referência nos estudos e no ensino de técnicas de hipnose, o Instituto Milton H. Erickson (IMHE) promoveu no último final de semana o Congresso Nacional de Hipnose. O evento contou com a participação de profissionais de todo o país e, de acordo com a idealizadora das atividades, Angela Cota, é importante tentar acabar com os mitos trazidos pela hipnose de palco e programas de televisão que usam o recurso.
instituto
Para isso o instituto trouxe pesquisadores de várias regiões brasileiras, tentando aumentar a credibilidade da prática e levá-la para o cenário acadêmico. O evento aconteceu no campus da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e teve participação de vários profissionais da saúde.Ela também chama a atenção para a falta de estudos dentro da psicologia que tratam do tema da hipnose.
hipnotismo_03Hipnose em programa de TV
Além das discussões e de demonstrações do uso da hipnose em várias áreas como a odontologia e a psicoterapia, durante o congresso, o professor da Universidade Federal de Brasília (UNB), Maurício S. Neubern lançou o seu segundo livro: Psicoterapia e espiritualidade. Nele, o autor propõe a discussão entre o sujeito e o acolhimento de sua experiência religiosa e da relação com o divino como parte indissociável de sua vivência. Além disso, o psicólogo também coordena pesquisas sobre hipnose no tratamento da dor.
CREDIBILIDADE
“É preciso elevar a credibilidade da hipnose. A técnica deveria ser usada apenas por profissionais da saúde pois é um campo que ainda carece muito de estudo e acessa muita coisa que precisa ser trabalhada. A prática é muito simples mas o que vai ser encontrado e o que vai acontecer é a grande questão” explica Angela Cota. Para ela é importante se atentar para quem realiza essas práticas e cada um dos profissionais da saúde pode usá-la dentro de sua área de atuação. Essa questão também foi discutida durante o congresso.Mistérios da menteTécnica da hipnose trata pacientes de doenças como o pânico, ansiedade e depressão por meio do acesso ao inconsciente. Prática também pode ser utilizada por enfermeiros, médicos e dentistas
Angela-CotaÂngela Cota

“Senti um estado de relaxamento, um ritmo de respiração diferente e uma sensação muito marcante onde os olhos tremiam muito. Quando estava de olhos fechados vinham várias cenas na minha mente, mas em nenhum momento perdi a consciência”. É assim que o geógrafo, Alexandre Soares define as experiências que teve com a hipnose. A prática é muito usada como ferramenta da terapia e dá acesso a partes da mente humana que permanecem guardadas no inconsciente, não sendo reveladas normalmente.

De acordo com a psicóloga e presidente do Instituto Milton H. Erickson (IMHE), Angela Cota, além de ser utilizada no tratamento de doenças como o pânico, a ansiedade e a depressão, outros profissionais da saúde, como os enfermeiros, médicos e dentistas, também podem recorrer à prática no seu dia a dia.

.
Destacando a importância de ter uma formação na área da saúde para trabalhar com a técnica de hipnose, Cota faz uma metáfora e compara o tratamento com uma injeção. De acordo com a psicóloga assim como é fácil injetar uma agulha em um paciente, colocar alguém em transe também não é difícil, mas o importante é o que está por traz disso. “Conforme o que estiver dentro de uma injeção, você pode matar uma pessoa e com a hipnose é a mesma coisa. O que vai acontecer depois do transe e o que será acessado é a grande questão. É importante estar preparado e saber o que fazer com essas informações”, explica.

.
A técnica envolve uma sensação de relaxamento e pode ser usada no manejo e condução dos pacientes. Dentistas e anestesistas, por exemplo, recorrem a hipnose dentro da sua área de atuação. “Um anestesista ou um dentista, quando aprendem a hipnose, não deixam de usar a anestesia, mas reduzem a dosagem do medicamento. Só o fato de relaxar e tranquilizar, colocar a pessoa em transe, já faz com que a dor seja reduzida”, revela a especialista.

Exemplos como este mostram que a prática pode ser levada para outras áreas, mas a médica ressalta a importância da formação e alerta os pacientes da necessidade de perguntar sobre o currículo do profissional antes de passar por uma sessão de hipnose.

.
A técnica também pode ser usada no tratamento da dor, que na maioria das vezes provoca contração e, na medida em que o paciente começa a relaxar e é distraído pelo processo hipnótico, a dor fica em segundo plano. O único problema de retirar a dor de alguém, segundo Cota, é que ela normalmente é um sinal de que algo precisa ser tratado. “Se você retira a dor de um paciente com uma crise de apendicite ela pode supurar e causar mais problemas. Em função disso, a técnica é muito usada apenas no controle dessa dor ou em dores que podem ser extintas de fato”, afirma.

.
ABORDAGEM
Seguidora da hipnose Ericksoniana,  Angela Cota explica que a técnica foi desenvolvida, ao longo do século XX, pelo psiquiatra Milton H. Erickson, que dá nome ao instituto que a psicóloga  preside. Segunda ela, Erickson sentia dores fortes causadas pela poliomielite e começou a usar a auto-hipnose para controlar as crises.

FONTE: aQui.


%d blogueiros gostam disto: