Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: tempo

BH registra 32ºC nesta sexta e é o dia mais quente de dezembro

Belo Horizonte registrou nesta sexta-feira (14) o dia mais quente do mês de dezembro, com 32ºC, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

A miníma foi de 17ºC. O dia mais quente no mês, tinha sido no último dia 5, quando foram registrados 31.8ºC.

Para o fim de semana a previsão é que o calor continue. Entre este sábado (15) e domingo (16) os termômetros devem marcar 32ºC novamente.

Calor para os pets

 

.

FONTE: O Tempo.


Com umidade típica de deserto, BH tem dia mais seco do ano

Defesa Civil registrou umidade de 13% na estação Venda Nova

Belo Horizonte registrou nesta quarta-feira o dia mais seco do ano. Segundo a Defesa Civil, por volta de 15h30, a umidade relativa do ar atingiu o menor patamar de 2017: 13%, de acordo com monitoramento feito na estação de Venda Nova.

Níveis inferiores a 30% são considerados críticos pela Organização Mundial de Saúde (OMS). No deserto do Saara, a umidade média varia entre 10% e 15%.

Devido à baixa umidade, a Defesa Civil emitiu alerta de tempo seco e fez recomendações para os moradores da capital mineira. O alerta, válido até as 18h desta sexta-feira, aponta para os baixos índices de umidade previstos para a cidade no período da tarde.

Tempo seco

Umidade relativa do ar ficou em nível crítico nesta quarta

O pico de temperatura foi registrado às 15h50 também em Venda Nova, 30,8ºC. Não chove na capital mineira há 78 dias.

Veja recomendações da Defesa Civil:

– Hidrate-se durante o dia;
– Prefira alimentos leves e frescos, como saladas, frutas, carnes grelhadas;
– Evite frituras;
– Durma em local arejado e umedecido por aparelhos umidificadores, ou ainda coloque uma bacia com água;
– Evite atividades físicas ao ar livre e exposição ao sol entre as 10 e 17 horas;
– Evite banhos com água muito quente, pois ressecam ainda mais a pele; se necessário use hidratante;
– Em caso de problemas respiratórios procure um especialista;
– Em caso de incêndio em mata ou floresta, avise imediatamente, ao Corpo de Bombeiros (193), Defesa Civil (199) ou Polícia Militar (190).

.

FONTE: O Tempo.


BH tem o dia mais quente do inverno

Capital registra temperatura máxima de 33,4 graus e umidade relativa do ar de 16%. Calor deve continuar

quente

 

Belo Horizonte registrou ontem o dia mais quente do inverno, com a temperatura máxima marcando 33,4 graus, segundo o meteorologista Félix Azevedo, do TempoClima PUC Minas. A secura do ar também castiga a capital mineira. Depois de bater recorde na segunda-feira – a umidade chegou a 14%, bem próximo do estado de emergência, abaixo de 12% –, a baixa umidade relativa do ar chegou ontem a 16%. Com o calor sufocante, muitos belo-horizontinos procuraram se refrescar como podiam. Alguns não se intimidaram e se banharam nas fontes da Praça da Savassi.
Homem se refresca em fonte na Savassi: segundo meteorologista, não há previsão de mudança brusca de temperatura (Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Para os próximos dias, segundo Azevedo, a previsão é que o calor e a massa de ar seco continuem, com os termômetros podendo registrar máximas de até 32 graus. Neste fim de inverno – a primavera começa oficialmente no dia 23 –, a temperatura ficou cerca de 5 graus centígrados acima da média histórica para o período. A média para agosto é de 26,5 graus. Já a umidade do ar deve apresentar elevação, chegando a 25%. “O calor vai cessar um pouco, mas não há previsão de mudança brusca de temperatura nem de chuva na capital até sexta-feira”, disse o meteorologista.
.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o índice de umidade considerado confortável é de 60%. A Defesa Civil continua advertindo para a baixa umidade em BH. Ressecamento da boca, doenças respiratórias, gripes e alergias são problemas de saúde que podem se intensificar em decorrência do clima seco, principalmente em menores de 5 anos e idosos acima de 70 anos.

.

FONTE: Estado de Minas.


Confira guia com 20 opções de pratos para saborear no inverno

Pedida para a estação são pratos que ‘aconchegam’ principalmente nas noites mais frias

Clássico da estação, o fondue tem seis diferentes versões no Paladino (MARCOS VIEIRA/EM/D. A. PRESS)

Clássico da estação, o fondue tem seis diferentes versões no Paladino

Cremosos risotos, massas gratinadas, filés submersos em molho, cortes bovinos e suínos cheios de “personalidade”. E tome queijos, mandioca, ovo mole e molhos encorpados com vinho tinto. Isso para não falar das pedidas mais manjadas: caldos, fondues, nhoque, panhoca recheada e ensopados de todo tipo, até à moda japonesa. Com o início do inverno, está a aberta a temporada da comida que “abraça”, ideal para as noites frias. ODivirta-se garimpou 20 opções para diferentes gostos e bolsos em Belo Horizonte.

Bobó de camarão
(R$ 159,90, para duas pessoas)

ONDE: Alguidares. Rua Pium-I, 1.037, Sion. (31) 3221-8877. Aberto segunda, das 19h à 0h; de terça a sexta, das 12h às 15h e das 19h à 0h; sábado, das 12h à 0h; domingo, das 12h às 18h.

OK, a Bahia pode remeter ao verão, mas não há como negar que um denso bobó de camarão seja um prato bastante indicado para um dia frio. No restaurante da baiana Deusa Prado, que traz os frutos do mar de Recife, ele é servido num alguidar de barro e guarnecido com arroz e farofa.

Caldo
(R$ 24 por pessoa)

ONDE: Emporium. Afonso Pena, 4.034, Cruzeiro. (31) 3281-1277. Aberto terça e quarta, das 17h30 à 0h; quinta, das 17h30 à 0h30; sexta e sábado, das 17h30 à 1h.

Todo inverno a casa promove festival de caldos. Desta vez são 15 variedades para comer à vontade. Entre os destaques, dobradinha, mocotó, batata baroa, bobó de camarão, caldo verde, canja, mingau de milho verde e canjiquinha. Todos expostos sobre fogão a lenha, que fica no salão.

Chic-Ló
(R$ 28,50, para duas pessoas)

ONDE: Köbes. Rua Professor Raimundo Nonato, 31A, Horto. (31) 3467-6661. Aberto de terça a sexta, das 18h à 0h; sábado, das 12h à 0h; domingo e feriado, das 12h às 17h.

Em 2010, o bar faturou o terceiro lugar do concurso Comida di Buteco com este petisco, composto por jiló à parmegiana sobre purê de batata e guisado de paleta de vitelo. O cardápio conta com outras receitas indicadas para o frio, como o pato ao arroz mole, espécie de “galinhada de pato”, servida molhadinha com batata cozida.

Costelinha ao molho de goiaba
(R$ 69,90, para duas pessoas)

ONDE: Café Viena. Avenida do Contorno, 3.968, Santa Efigênia. (31) 3221-9555. Aberto de segunda a quinta, das 12h à 1h; sexta e sábado, das 12h às 2h.

Ciente de que variar é bom, a cozinha da casa prepara um molho de goiaba para destoar do onipresente barbecue na hora de dar sabor extra à costelinha. Assado em parrilla, o corte suíno é servido com mandioca cozida e manteiga de garrafa. Carta de cervejas com 1.150 rótulos.

Desmanchado de ossobuco perfumado à Guimarães
(R$ 36,90, para três pessoas)

ONDE: Agosto. Rua Esmeralda, 298, Prado. (31) 3337-6825. Aberto de terça a sexta, das 18h à 0h; sábado, das 16h à 0h.

Lucas Brandão, proprietário do bar, explica que primeiro a carne é cozida até ficar com aspecto de ragu. Colocada numa panela de barro, é coberta com angu mole bem quente e, antes de ir à mesa, o petisco recebe uma camada de requeijão de raspa e cubinhos de carne de sol. Outra pedida que “abraça”.

Delizie Dona Derna
(R$ 45, individual)

ONDE: Dona Derna. Rua Tomé de Souza, 1.331, Savassi, (31) 3223-6954. Aberto de terça a sábado, das 12h à 0h; domingo, das 12h às 17h.

Os puristas podem torcer o nariz, mas tem seu lugar a receita com quê caseiro criada pela mãe do chef e proprietário, o italiano Memmo Biadi. Nada mais é que um rocambole de massa recheado com frango, presunto cozido, ricota e espinafre, gratinado com molho branco e finalizado com pingos de molho de tomate. Funciona.

Fondue
(Entre R$ 76 e R$ 116, para duas pessoas)

ONDE: Paladino. Avenida Gildo Macedo Lacerda, 300, Braúnas/Pampulha. (31) 3447-6604. Aberto quarta e quinta, das 19h à 0h; sexta e sábado, das 19h à 1h.

É o prato “oficial” do inverno. Na casa, está disponível em seis versões, de queijo (R$ 88) a chocolate (R$ 76), passando por doce de leite (R$ 76) e frutos do mar (R$ 116) – todas servem duas pessoas. A área verde ao redor tem ajudado a deixar as noites por ali cerca de quatro graus abaixo da média da cidade.

Filé à parmegiana
(R$ 71,50, para duas pessoas)

ONDE: Pizzarella. Avenida Olegário Maciel, 2.280, Lourdes. (31) 3292-3000. Aberto de domingo a quinta, das 11h à 1h; sexta e sábado, das 11h às 2h.

Poucos pratos têm tanto poder de “conforto” quanto este. Feito à moda antiga nesta pizzaria, ele é coberto com molho de tomate e queijo, cercado por purê de batata e levado para gratinar – acompanha arroz. Para completar, é servido por garçons que dominam a técnica das duas colheres na mesma mão.

Ossobuco com risoto preparado pelo chef Leo Mendes, opção para o inverno do Ah! Bon a R$ 62 (MARCOS VIEIRA/EM/D. A. PRESS)

Ossobuco com risoto preparado pelo chef Leo Mendes, opção para o inverno do Ah! Bon a R$ 62

Fusilli com braciola
(R$ 59, individual)

ONDE: Provincia di Salerno. Rua Maranhão, 18, Santa Efigênia. (31) 3241-2205. Aberto de terça a sexta, das 12h às 15h e das 19h à 1h30; sábado, das 12h às 16h e das 19h à 1h30; domingo, das 12h às 17h.

Não é aquela massa em formato de parafuso que vem no pacote, mas uma bem diferente. Enrolada à mão, seguindo a tradição do Sul da Itália, de onde vem a família do chef e proprietário, Remo Peluso, é servida com braciola (pernil enrolado com bacon, passas, parmesão e ervas) ao molho de tomate.

Joelho de porco
(R$ 60, para duas pessoas)

ONDE: Krug Bier. Rua Major Lopes, 172, São Pedro. (31) 2535-1122. Aberto de segunda a sexta, das 16h à 1h; sábado, das 12h às 2h; domingo, das 13h às 18h.

Frito e acompanhado por chucrute e batata sauté, esse é um clássico da culinária alemã. Na casa, é possível testar a melhor harmonização para ele com um dos seis chopes de produção própria (a partir de
R$ 5,80, cada). Outra pedida germânica é a porção de salsichões com mostarda.

Mãozinha de porco
(R$ 14 o par)

ONDE: Bar do Xumba. Rua Salinas, 1.173, Santa Tereza. (31) 3481-3128. Aberto de terça a sexta, das 16h à 0h; sábado, das 11h às 20h.

Onde mais comer mãozinha de porco em BH? E mais: onde comprá-las como “par”?. Nesse bar simples e correto, os membros suínos dianteiros levam a melhor sobre o conhecido pezinho porque o cozinheiro, Paulo Casitta, crê que têm “mais carne e sabor diferente”. Apenas farinha e pimenta para guarnecer.

Moranga recheada com carne seca
(R$ 116, para três pessoas)

ONDE: Xapuri. Rua Mandacaru, 260, Pampulha. (31) 3496-6198. Aberto de terça a sábado, das 12h às 23h; domingo e feriado, das 12h às 18h.

Os frangos ensopados podem ser a primeira opção em dias frios no restaurante. Entretanto, há no cardápio essa outra pedida, que é tão apropriada quanto. Vai ao forno com requeijão e chega à mesa com arroz, feijão e couve.

Nhoque com queijo brie
(R$ 60, individual)

ONDE: Villa Roberti. Avenida Celso Porfírio Machado, 1.520, Belvedere. (31) 2534-7714. Aberto terça e quarta, das 12h à 0h; quinta a sábado, das 12h à 1h; domingo, das 12h às 19h.

Feito com batata, o nhoque aceita vários tipos de molho. Na receita do chef Lucas d’El Peloso, ele tem no queijo brie seu ingrediente principal. Vinho tinto e tiras de filé completam o prato. Novidade por ali que tem cara de inverno é o ravióli de galinha-d’angola ao próprio molho com cogumelo e orapronóbis.

Ossobuco à milanesa
(R$ 62, individual)

ONDE: Ah! Bon. Rua Fernandes Tourinho, 801, Lourdes. (31) 3281-6260. Aberto de segunda a quinta, das 12h à 0h; sexta e sábado, das 12h à 1h30; domingo, das 12h às 22h.

Clássico italiano, consiste num corte da perna bovina escoltado por risoto de açafrão. Além de envolver a carne com molho de vinho, o chef Leo Mendes serve o prato com colherzinha, para que se coma o tutano guardado no interior do osso.

Panhoca recheada
(R$ 35, para duas pessoas)

ONDE: Salumeria. Rua Sapucaí, 527, Floresta. (31) 2552-0154. Aberto de segunda a sexta, das 11h30 às 15h e das 18h à 0h; sábado, das 12h às 17h e das 18h à 1h; domingo, das 12h às 17h.

Sócia e chef do restaurante desde novembro, Ana Motta acaba de colocar no cardápio pedidas próprias para os dias frios, a exemplo desta, cujo conteúdo é um creme feito com os queijos pecorino, gorgonzola e grana padano. Massas, queijos e embutidos continuam como atrativos principais por lá.

Polenta ao molho de cogumelos
(R$ 29, individual)

ONDE: La Palma. Rua Professor Jerson Martins, 146, Bairro Aeroporto/Pampulha. (31) 3441-4455. Aberto de terça a quinta, das 11h30 à 0h; sexta e sábado, das 11h30 à 1h; domingo, das 11h30 às 18h.

Na segunda casa do chef Ivo Faria, essa polenta, que leva um pouco de parmesão, não pode ser gratinada além da conta. A gema colocada no meio precisa ficar mole para conferir textura sedosa ao conjunto. Há outro prato com polenta por lá, a canela de porco braseada.

A vaca atolada do Chic Tácio chega à mesa fumegante, em panela de pedra (MARCOS VIEIRA/EM/D. A. PRESS)

A vaca atolada do Chic Tácio chega à mesa fumegante, em panela de pedra

Risoto de cabernet sauvignon com filé e castanha-do-pará
(R$ 52, individual)

ONDE: Piacenza. Rua Aimorés, 2.422, Lourdes. (31) 2515-6092. Aberto de terça a sexta, das 11h30 às 15h e das 19h à 0h; sábado, das 11h30 às 17h e das 19h à 0h.

O vinho tinto da uva mais popular do mundo confere cor e sabor a esse risoto, cuja base é o queijo parmesão. A casa do chef Américo Piacenza também conta com massas lisas e recheadas produzidas pela família dele, a exemplo da usada na lasanha à bolonhesa.

Sopa de cebola
(R$ 28, individual)

ONDE: Borracharia Gastropub. Avenida Afonso Pena, 4.321, loja 15 (dentro do posto Ipiranga), Serra. (31) 2127-4321. Aberto de terça a sexta, das 12h às 15h e das 18h à 0h; sábado, das 12h às 23h; domingo, das 12h às 17h30.

Não é uma sopa qualquer: é a tradicional versão francesa, gratinada
com uma fatia de pão e queijo canastra pelo chef e proprietário Jaime Solares, que já trabalhou em cozinhas do país europeu. Além dela, o cardápio lista porções individuais de tira-gostos “aconchegantes”, como carne de panela, almôndega e pé de porco.

Sukiyaki
(R$ 75, para duas pessoas)

ONDE: Kabuto. Rua Pium-I, 736, Sion.
(31) 3225-3522. Aberto terça e quarta, das 18h à 0h; quinta e sexta, das 18h à 1h; sábado, domingo e feriado, das 12h à 0h.

Eis uma pedida de inverno longe do lugar-comum. Trata-se de um cozido nipônico levado à mesa em panela de ferro, sobre pequeno fogareiro. Além de filé em lâminas, leva tofu, cogumelos, legumes, verduras, cebolinha e broto de feijão. Os ovos crus cozinham na hora, no calor do ensopado.

Vaca atolada
(R$ 20, para duas pessoas)

ONDE: Chic Tácio. Rua Itamaracá, 25, Colégio Batista. (31) 3421-3363. Aberto de segunda a quinta, das 15h30 às 23h; sexta, das 15h30 às 23h30; sábado, das 9h às 18h.

Tem costela de boi e pedaços de mandioca cozidos juntos até que tudo fique macio e se forme caldo encorpado. Neste bar quase cinquentão, o proprietário, Tácio de Paula, serve o petisco com uma pitada de cebolinha e numa panela de pedra. Borbulhando.

.
FONTE: Estado de Minas.

Calor bate recorde e BH registra os dois dias mais quentes do ano

 

Calor - BH
Previsão para BH – sol quente, calor e pancadas de chuva à tarde
A sensação de estar em um deserto em Belo Horizonte não é à toa. Por dois dias seguidos, a capital mineira bate recordes de temperatura e de baixa umidade relativa do ar. Segundo o 5º Distrito do Instituto Nacional de Meteorologia, os termômetros chegaram a 34,6º Celsius nesta segunda-feira (13). Esta é a segunda maior temperatura no ano, perdendo apenas para este domingo (12), que chegou a 34,9º C.
.
A umidade relativa do ar também é similar a registra em regiões desérticas, segundo o meteorologista Claudemir Azevedo. Nesta segunda o índice é de apenas 15% e o recorde também pertence ao Dia das Crianças, com apenas 12%. Quando o número fica abaixo de 30% há um sinal de alerta e doenças respiratórias podem se manifestar mais facilmente.
 .
Para piorar a situação, não há nenhuma previsão de chuva para a semana. A situação está agravada pelas fumaças causadas por incêndios e os fogos do fim de semana, em homenagem à Nossa Senhora Aparecida, que ajudaram a levantar uma massa cinzenta sobre a capital mineira.
 .
Em função do clima seco e altas temperaturas, a recomendação é beber muito líquido, especialmente água e sucos naturais; preferir alimentos leves e frescos, como saladas, frutas, carnes grelhadas; evitar frituras; dormir em local arejado e umedecido por aparelhos umidificadores ou, ainda, colocar uma bacia com água; evitar atividades físicas ao ar livre e exposição ao sol entre as 10 e 17 horas; evitar banhos com água muito quente, pois ressecam ainda mais a pele; em caso de problemas respiratórios procurar um especialista; e em caso de incêndio em mata ou floresta, avise imediatamente o Corpo de Bombeiros, Defesa Civil ou a Polícia.
.

FONTE: Hoje Em Dia.


ULTIMA ATUALIZAÇÃO: 26/08/2014, 06:00.
VEJA AQUI: AVIÃO SUSPEITO!
A MORTE DE EDUARDO CAMPOS
Dúvidas em série
Peritos investigam três hipóteses para a queda do avião que matou Eduardo Campos

 

acidente

Investigadores da Força Aérea buscam nos destroços provas que possam identificar as causas da queda do jato
.
Os técnicos do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), órgão ligado à Força Aérea Brasileira (FAB), trabalham com pelo menos três hipóteses para o acidente que matou o candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, e outras seis pessoas na manhã de quarta-feira, em Santos, no litoral paulista.
.
Além da possibilidade de a queda ter ocorrido devido a falha humana na condução da aeronave ou por problemas mecânicos do avião, os técnicos avaliaram também a presença de pássaros ou drones próximos ao aeroporto, que poderiam ter se chocado com  o Cessna 560XL, que caiu com o político e sua equipe de campanha. Os especialistas da aeronáutica não definiram um prazo para esclarecer o que provocou o acidente, e as investigações devem se arrastar nos próximos dias. As buscas pelos restos mortais terminaram e o trabalho de identificação das vítimas no Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo seguiu durante todo o dia de ontem e deve continuar hoje. Os peritos usam amostras do material genético de parentes para identificar cada um dos sete mortos.
.
Em reunião no fim da tarde de ontem entre o governador de Pernambuco, João Lyra Neto (PSB), e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), ficou definido que os restos mortais de Eduardo Campos seguirão para Recife na manhã de sábado. O enterro foi marcado para domingo, às 16 horas, no cemitério de Santo Amaro, no Recife, mas pode haver atraso nos trâmites burocráticos.
No meio político, o futuro da chapa que tinha Campos como candidato a presidente e Marina Silva (PSB) a vice começou a ser discutido pelos socialistas.
.
No entanto, as decisões devem ser tomadas somente na próxima semana. Segundo o presidente do PSB, Roberto Amaral, os próximos passos da candidatura serão definidos somente após o sepultamento de Campos. Ele evitou comentar a possibilidade de Marina assumir a cabeça da chapa para a Presidência. “Acho um desrespeito alguém tratar desse assunto enquanto estamos coletando os pedaços do Eduardo. Sou eu que vou abrir o processo para a nova candidatura e isso não será feito enquanto ele não for enterrado”, disse Amaral.
.
Quebra-cabeça Ontem, técnicos que investigam o acidente, apontaram várias possibilidades para a queda do jato, mas evitaram destacar um motivo principal. A caixa preta da aeronave foi encontrada no final da noite de quarta-feira e levada para a Brasília na manhã de ontem. Segundo os técnicos do Cenipa, a caixa ficou muito danificada por causa do impacto e da elevação da temperatura causada pela explosão quando o avião atingiu as casas. Os destroços da aeronave foram recolhidos para a base aérea de Santos, onde passarão por uma perícia técnica e devem ser enviados para o Centro de Ciência e Tecnologia Aeroespacial, em São José dos Campos, ou para o Cenipa, em Brasília. A FAB divulgou um vídeo que mostra como será o trabalho dos peritos que, por meio da análise da caixa-preta, buscarão elementos para descobrir o que motivou o acidente.
.
A Aeronáutica vai investigar se os dois pilotos voaram mais horas seguidas nas últimas semanas do que a lei permite. A legislação determina que os pilotos tenham jornada de até 11 horas, para uma tripulação formada por duas pessoas, como era o caso. Serão pedidos os registros que mostram em quais aeroportos o avião passou e quanto cada piloto voou. Apesar de não descartar a chance de falhas mecânicas na máquina, especialistas apontam que o acidente pode ter acontecido por uma conjunção de motivos, sendo o fator meteorológico o principal deles.
.
A hipótese de que o avião tenha sido atingido por um drone, veículo não tripulado, também foi investigada pela Força Aérea. Um alerta sobre informações de pousos e decolagens foi entregue aos pilotos com o plano de voo, informando à tribulação da aeronave que levava a comitiva de Eduardo Campos sobre a existência de uma área destinada a decolagens e pousos de drones, a 19,5 quilômetros da base aérea de Santos. A distância geográfica foi considerada grande por especialistas e a hipótese de uma colisão com um veículo não tripulado perdeu força entre as investigações na noite de ontem. 

.

Identificação Ao todo, os peritos do IML de São Paulo recolheram 11 sacos com fragmentos de corpos dos passageiros e da tripulação da aeronave entre a madrugada e a manhã de ontem. O diretor do instituto, Ivan Miziara, avaliou que os trabalhos para o reconhecimento dos corpos seria complicado. “Esperamos concluir os trabalhos o mais rápido possível. É um trabalho muito complexo. A gente segue padrões e protocolos internacionais de identificação que precisam ser feitos em uma situação como essa”, explicou Miziara. Familiares das vítimas passaram pelo IML para ceder material genético que foi usado no reconhecimento dos corpos. Cerca de 50 profissionais, entre peritos do IML e especialistas em genética, trabalharam na identificação dos corpos.
.

Os familiares do ex-governador pernambucano permaneceram em casa ontem e receberam visitas de parentes e amigos da família. A viúva de Eduardo Campos, Renata Campos, em conversa com o presidente do PSB, Roberto Amaral, disse que não quer que a liberação do corpo do ex-governador seja feita sem que o mesmo ocorra com os outros seis que morreram no voo. Segundo Amaral, enquanto esperam a definição sobre o enterro, Renata e os cinco filhos do casal estão mais calmos, apesar de ainda muito abalados com o acidente.

 

VEJA AQUI: E AGORA?
Eduardo Campos morre em acidente aéreo em Santos
Candidato à presidência da República estava em jato particular com mais seis pessoas.
Campanha ainda não se manifestou.
Marina Silva se dirigiu para o litoral paulista
Campos

O candidato à Presidência da República, Eduardo Campos (PSB) morreu na manhã desta quarta-feira (13/08/2014) em um acidente aéreo em Santos (SP). O ex-governador de Pernambuco saiu do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, para um compromisso no Guarujá (SP). O piloto tentou aterrisar, mas devido ao mau tempo, arremeteu e fez um novo procedimento de aproximação. Nesse momento, o jato caiu próximo ao Canal 3, bairro nobre de Santos, sobre uma academia de ginástica na Rua Vahia de Abreu, no Boqueirão.

Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), os certificados de aeronavegabilidade e a inspeção anual de manutenção estavam em dia. A aeronave foi fabricada em 2011 e foi exposta na edição 2012 da LABACE, a feira de aviação executiva que acontece anualmente no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

 

Repercussão

 

A morte de Campos deixou políticos e partidários estarrecidos. Ao Blog da Bertha, o candidato do PSB ao governo de Minas, Tarcísio Delgado, afirmou que está  “completamente traumatizado e em estado de choque”. O prefeito de Belo Horizonte, prefeito Marcio Lacerda (PSB), diz estar chocado com o acidente. “É uma grande perda para o partido e para o processo democrático”, acaba de afirmar Lacerda a este blog.

 

Morador reconheceu e tentou socorrer Eduardo Campos após acidente

 

Queda de aeronave em Santos - Eduardo Campos
Aeronave caiu sobre uma academia de ginástica no bairro do Boqueirão, em Santos

Moradores do Boqueirão, na região central de Santos, correram ao local da queda do avião que matou o candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos (PSB) e tentaram socorrer as vítimas.

O estivador Donizete Maguila, que retornava do trabalho no porto de Santos e mora perto do lugar do acidente, disse ter socorrido os primeiros feridos, antes mesmo da chegada do Corpo de Bombeiros. “Foi um barulho muito forte. Depois eu escutei gritos e como eu tenho treinamento de resgate, corri para ajudar.” A aeronave caiu em uma área residencial da cidade atingindo ao menos três imóveis.

Segundo ele, ao se aproximar, viu pedaços de corpos dilacerados e sentiu um cheiro muito forte de querosene. “Eu vi o corpo do Eduardo Campos. Eu vi os olhos claros dele e cheguei a limpar o rosto dele. Na hora não acreditei… Eu vi o candidato”.

Ruas das redondezas do local foram bloqueadas. Equipes do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros estão no local para o resgate.

Outra testemunha do acidente, o empresário Vinícius Lopes, que tem uma escola de inglês na região, também foi ao local da queda. “Eu estava me preparando para abrir a escola quando escutei o barulho alto de um jato se aproximando. Então, o jato bateu no prédio. Parecia uma cena de guerra, um míssil atingindo um alvo”, diz ele.

A dona de casa Mariléia França, 65, mora a três quadras do acidente e diz que temeu que a aeronave atingisse sua casa. “Ele já desceu pegando fogo e bateu no prédio. Parecia uma bola de fogo”, disse ela.

Na área do acidente, a movimentação é grande de bombeiros, policiais militares e civis, soldados do Exército e Aeronáutica, além de membros da Defesa Civil e da Guarda portuária. Há também muitos curiosos próximos ao acidente.

 

 

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, cancelou na tarde desta quarta-feira, 13, toda a agenda de hoje no Rio Grande do orte e também os compromissos que estavam previstos em Patos, na Paraíba. Assim que seu avião aterrissou em Natal, Aécio recebeu as nformações sobre o acidente envolvendo a aeronave de Eduardo Campos (PSB) e desceu para dar uma declaração à imprensa.

“Estamos todos absolutamente perplexos com as notícias envolvendo o candidato e meu amigo Eduardo Campos. Estamos cancelando toda nossa genda no Rio Grande do Norte e as outras que teríamos”, afirmou Aécio.

Aguarde mais informações

FONTE: Estado de Minas e Hoje Em Dia.


Problemas desviados
Trajetos alternativos na Pedro I, onde alça de viaduto desabou, provocam transtornos e prejuízos para moradores e comerciantes. Liberação da avenida continua indefinida

O trânsito já se complica no início do desvio, ao se deixar a Pedro I para entrar no viaduto João Samaha

 

Duas semanas depois da queda de uma alça do Viaduto Batalha dos Guararapes, na Avenida Pedro I, ainda não existe prazo para liberação do trânsito na via, que liga a Pampulha à Região de Venda Nova e dá acesso ao Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Grande BH. O desvio de milhares de veículos está causando transtornos e prejuízos para moradores e comerciantes das ruas e avenidas que viraram rotas alternativas. As alterações, por outro lado, reduziram drasticamente o tráfego em algumas vias, incluindo um trecho da própria Pedro I e deixaram casas e empresas quase ilhadas.

VEJA AQUI A MATÉRIA COMPLETA COM ATUALIZAÇÕES SOBRE A QUEDA DO VIADUTO!

Das vias usadas para desvio dos carros que acessam a Pedro I, a Rua Dr. Álvaro Camargos, no Bairro São João Batista, em Venda Nova, é a que teve o tráfego mais intensificado. Entre a Rua João Samaha e a Avenida Vilarinho, ela recebe tanto veículos que seguem no sentido Centro-bairro quanto aqueles que fazem o caminho inverso. Para piorar, a maior parte do trecho tem faixas simples nas duas mãos, o que provoca muita lentidão, especialmente nos horários de pico. Na maior parte do dia, o trânsito é mais pesado em direção ao Centro. A partir das 16h, os congestionamentos passam a atingir também o lado oposto, começando já na Pedro I.

Os engarrafamentos na Álvaro Camargos atrasa o deslocamento de Ataíde Lacerda, de 50 anos, dono de uma serralheria na esquina com a Rua Augusto Rocha. Antes do desabamento do viaduto, ele cumpria em aproximadamente 20 minutos o trajeto entre sua casa, em Lagoa Santa, na Grande BH, e a empresa. Desde o início do desvio, o tempo aumentou para cerca de uma hora, segundo ele. “Eu costumava abrir a oficina às 8h. Agora, abro às 8h40 ou às 9h”, diz. Quando termina o expediente, às 18h, ele espera o trânsito diminuir para ir embora. Os transtornos reduziram o rendimento da serralheria em 30%, estima. “Os clientes se sentem desencorajados em vir”.

Em um apartamento no primeiro andar do mesmo prédio da empresa de Ataíde, mora Maria da Cruz de Sousa, de 66. “O barulho dos carros aumentou muito”, queixa-se. O maior incômodo, porém, é outro. Toda manhã, a aposentada faz sessões de hidroginástica em uma academia no Bairro Planalto, na Região Norte. Para chegar lá, ela tomava apenas um ônibus da linha 65 em um ponto na Álvaro Camargos. “Mas ele parou de passar nessa rua. Tenho de pegar o 608 até a Estação Venda Nova e só lá pego o 65. Antes, eu chegava na academia às 9h. Agora, chego às 9h30, 9h40”, diz.

Outra via cujo tráfego aumentou bastante com os desvios foi a Rua das Melancias, no Bairro Planalto, que recebe carros que seguem no sentido Centro/Bairro. “O trânsito aqui já era intenso, mas piorou muito desde o desabamento. Tem hora em que fica tudo engarrafado, sobretudo às 17h30, 18h. Nesse horário, evito sair”, afirma José Carlos dos Santos, de 81, que mora em casa na rua. “Para tirar o carro da garagem, preciso esperar cinco ou 10 minutos até um motorista abrir caminho. Às vezes, o jeito é forçar a passagem”, conta. Ele também reclama da sujeira gerada pelo fluxo quase ininterrupto de veículos: “As paredes da casa ficam ‘pichadas’ com poeira e fumaça”.

RECLAMAÇÕES Enquanto uns reclamam do grande volume de carros, outros lamentam a falta deles. A loja de vidraçaria automotiva de André Venturato de Souza funciona na Rua João Samaha, em um trecho estreito ao lado do viaduto de ligação com a Pedro I. O problema é que essa parte da via receberia somente veículos que seguiriam pela avenida no sentido bairro/Centro, função suspensa desde a interdição. 

Agora, quem quiser chegar à empresa de André e às edificações vizinhas precisa transitar pela avenida no sentido Centro/bairro, acessar o viaduto e, pouco antes de chegar à Álvaro Camargos, fazer uma curva de 180 graus à esquerda, manobra arriscada. “Essa dificuldade fez o movimento cair 70%. Alguns clientes me telefonam, confusos, e eu explico que podem pegar a contramão. Até os fornecedores se atrapalham”, diz André.

A lanchonete de Anderson Alair, no térreo de um edifício comercial na esquina da Pedro I com a Rua Moacyr Froes, é outro endereço que ficou quase ilhado. Os clientes se reduziram aos demais ocupantes do prédio e aos de outras edificações vizinhas, além de operários que trabalham nas obras do viaduto. “As vendas caíram 90% com a redução do número de veículos e, às vezes, levo para casa os salgados que sobram”, conta.

Por outro lado, o trânsito intenso nas vias do entorno prejudica o negócio. “Eu saio de casa, no Bairro Maria Helena (Venda Nova) às 5h30. Antes, chegava às 6h. Agora, chego por volta das 6h50. Os funcionários também sempre se atrasam”, constata. Um dos que não conseguem chegar na hora é a gerente Carla Passos, de 36. “Antes, meu ônibus parava na Pedro I, a menos de um quarteirão daqui. Do novo ponto para cá, eu ando 15 minutos”, queixa-se.

Para fugir de congestionamentos, a BHTrans orienta os condutores a buscar caminhos alternativos, como as avenidas Cristiano Machado, Portugal e Olimpio Mourão Filho.

FONTE: Estado de Minas.



%d blogueiros gostam disto: