Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: túnel

Morre suspeito envolvido em tiroteio no Túnel da Lagoinha, em BH

Rapaz de 18 anos teria participado de assalto no bairro Floresta, diz PM.

Ele fugiu e houve troca de tiros com pessoas que estavam em um carro.

 

Morreu na manhã desta terça-feira (7) um dos suspeitos envolvidos em um tiroteio no Túnel da Lagoinha, em Belo Horizonte, na noite desta segunda-feira (6).

O rapaz de 18 anos teria participado de um assalto no bairro Floresta e fugiu para o local, junto com outro suspeito, segundo a Polícia Militar (PM). Ao chegarem ao túnel, os dois trocaram tiros com homens que estavam dentro de um carro.

Durante o tiroteio, o jovem foi baleado e socorrido para o Hospital Odilon Behrens, mas não resistiu aos ferimentos. O outro suspeito que estava com ele fugiu em uma motocicleta. A polícia não soube dizer quem eram os homens que estavam no carro.

Um motociclista de 50 anos, que passava pelo túnel, também foi atingido e encaminhado para o mesmo hospital. Nesta manhã, a unidade de saúde informou que o homem estava em estado grave.

VEJA MAIS AQUI!

FONTE: G1.


Dois são baleados no túnel da Lagoinha nesta segunda-feira

 

Tiroteio no túnel da Lagoinha
Perícia da Polícia Civil foi acionada para investigar o caso

.

Uma tentativa de assalto causou pânico e confusão no início da noite desta segunda (6) no túnel da Lagoinha, na região Nordeste de Belo Horizonte.
 .
Dois suspeitos tentaram assaltar uma pessoa em uma rua sobre o túnel. Ao perceber a ação dos criminosos, um motorista que passava pelo local atirou contra os assaltantes. Ainda em fuga, a dupla foi para  dentro do túnel e abordou um motociclista  para fugir do tiroteio, mas ambos foram atingidos pelos disparos.
 .
Segundo a Polícia Militar, o motociclista José Cirilo Gomes, de 50 anos, foi atingido no rosto. Já o suspeito Guilherme Ferreira de Almeida, de 19 anos, foi alvejado com três tiros.
 .
Apavorados com a cena, vários  motoristas abandonaram os carros no túnel e outros voltaram na contramão na tentativa de fugir do tiroteio. O trânsito no local chegou a ser interditado por cerca de duas horas.
 .
Guilherme Almeida e José Cirilo foram socorridos e encaminhados para o Hospital Odilon Behrens. De acordo com a unidade de saúde, o suspeito do assalto estava em estado grave, mas José Cirilo não corria risco de morte.
 .
Até o fechamento desta matéria, a polícia ainda não havia localizado o motorista que deu início aos tiros, nem o segundo criminoso.
Tiroteio no túnel da Lagoinha

FONTE: Hoje Em Dia.


 

Obras começam a tomar forma
Em alguns trechos da rodovia é possível ver terraplenagem da nova pista e túneis que vão substituir curvas acentuadas

381

As obras de duplicação da BR-381, entre Belo Horizonte e Governador Valadares, iniciadas em maio, começam a ganhar forma e alimentam a esperança dos moradores das cidades próximas à rodovia. Em pouco mais de um mês dois túneis foram iniciados, próximo a Antônio Dias, no Vale do Aço, e em vários trechos entre Caeté e o trevo de Barão de Cocais máquinas e caminhões trabalham escavando terrenos e recolhendo a terra. 
381-2
Obras em Antônio Dias

Ao observar as obras próximas ao trevo que dá acesso a Barão de Cocais, Geraldo Batista de Nascimento, de 41 anos, acredita em dias melhores. Ele já perdeu uma sobrinha e um tio em acidente na estrada, que é conhecida como Rodovia da Morte. Agora, com as obras da duplicação, espera que a rodovia traga lucro. Geraldo deixou um pequeno comércio com familiares e foi contratado como caminhoneiro por uma empreiteira da obra para recolher a lenha derrubada para duplicação. 

“Terminei de construir uma pousada, onde cabem 60 pessoas, com 23 dormitórios. Estou tentando alugar para alguma empreiteira. Espero conseguir R$ 50 mil por mês”, calcula Geraldo. Já Raimundo Liberato Rodrigues, de 68, abandonou um bar que tinha em São Gonçalo do Rio Abaixo e arrendou um bar no trevo de Barão de Cocais. “Tenho duas funcionárias e estou fazendo marmitex”, detalha Raimundo. Por enquanto o movimento é pequeno e são apenas 10 por dia, mas Raimundo calcula que pode fornecer até 50, com arroz, feijão, salada, batata frita e um tipo de carne, por R$ 8. 

A obra que mais chama a atenção de quem percorre a 381 entre Belo Horizonte e Governador Valadares é a construção de dois túneis. Um deles terá 409 metros de extensão e o outro, 432 metros. A previsão é de que sejam concluídos em um ano e meio e o valor total do contrato é de R$ 56,95 milhões. A duplicação dos oito lotes da rodovia já licitados envolverá 1.220 máquinas e equipamentos, 29.120 toneladas de aço e 48,2 quilômetros de metros quadrados em terraplenagem. Em relação à mão de obra estimada pelas empresas, está prevista a contratação de 5.729 trabalhadores e cerca de 14 milhões de refeições.

Eleitoral A obra da 381 está no centro do debate político em Minas Gerais. Se, por um lado, a presidente Dilma Rousseff (PT) poderá usar as obras na campanha, mostrando que atendeu a uma demanda histórica dos mineiros, por outro, a oposição, liderada pelo PSDB, aponta falhas. A principal delas é a ausência de um projeto para duplicação integral da 381, pois um trecho de 72,8 quilômetros entre Belo Oriente e Governador Valadares ficou de fora. 

Para esse percurso estão previstas melhorias, como a construção de uma terceira pista e recuperação de trechos danificados. Quando esteve em Governador Valadares, em janeiro, a presidente Dilma admitiu que o trecho precisa ser duplicado para atender ao tráfego crescente da região. Ela prometeu a inclusão de aditivos para que o trecho também seja duplicado. Porém, a licitação foi feita sem as modificações, o que rendeu pesadas críticas do PSDB. 

A duplicação é uma reivindicação histórica dos mineiros, mas nas últimas três décadas o trecho entre Belo Horizonte e Governador Valadares não teve melhorias efetivas. A obra estava prevista no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), que é uma das principais bandeiras da presidente Dilma, que quando ministra da Casa Civil do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), foi a principal responsável pela criação e gestão do PAC. 

O início da obra estava previsto para 2012, porém uma série de atrasos com projetos e licenças ambientais impediu o início no prazo previsto. O último adiamento foi no final do ano passado, quando o Conselho de Política Ambiental (Copam), órgão do governo estadual, barrou o início das obras, pois o projeto não previa compensação das áreas ambientais devastadas.
ACIDENTES SÃO UMA CONSTANTE NA RODOVIA!
FONTE: Estado de Minas.

Após anos de espera, BR-381 começa a ser duplicada

 

 

Após anos de espera, BR-381 começa a ser duplicada
Local do início das obras dos túneis do lote 3.2 para duplicação da BR-381, em Jaguaraçu

Após quase três décadas de espera, a maior obra de duplicação rodoviária reivindicada pelos mineiros começa a “aparecer” às margens da BR-381. Os serviços de terraplenagem, construção de canteiros de obras e a abertura de dois túneis estão a todo vapor em Jaguaraçu, no Vale do Rio Doce, Barão de Cocais, Itabira e Roças Novas, na região Central.

As intervenções no trecho começaram após a presidente Dilma Rousseff assinar as ordens de serviços, em Ipatinga, no último dia 12, conforme o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Ao todo, a obra contempla 303 quilômetros da rodovia, entre Belo Horizonte e Governador Valadares.

ATUALIZAÇÃO: AS OBRAS DE DUPLICAÇÃO FINALMENTE APARECEM!

A expectativa agora, segundo o presidente da Fiemg Vale do Aço e coordenador do Movimento Nova 381, Luciano Araújo, é a de que nos próximos três meses operários e máquinas estejam também trabalhando nos outros três lotes que tiveram o aval do governo federal.

“A duplicação já acontece nos lotes 3.2 (entre Jaguaraçu e Rio Piracicaba) e no lote 7 (entre o km 389,5, no rio Una, até o km 427, no entroncamento com a MG-435, trevo de Caeté)”, explica, destacando que ainda faltam iniciar as obras nos lotes 1 (do km 155,4, em Governador Valadares, até o km 228,2, em Belo Oriente); 2 (de Belo Oriente até o km 288,4, no entroncamento com a MG-320, trevo de Jaguaraçu); e 3.1 (da MG-320 até o km 317, no Ribeirão Prainha).

De acordo com Luciano, os motoristas que seguem pela rodovia já conseguem visualizar o canteiro montado na localidade de Salvador Gomes, zona rural de Jaguaraçu, no km 280 da BR-381, que fica no lado esquerdo da via no sentido Ipatinga/Belo Horizonte.

“Próximo desse local foi construída uma usina de concreto e asfalto para a duplicação de todo o trecho que está sob a responsabilidade do consórcio Isolux/Corsán/Engevix”.

Além dos canteiros de obras, uma via nova já começou a ser aberta entre o trevo de Barão de Cocais e Caeté e também já pode ser visualizada. “Todos os serviços podem ser acompanhados pelo site http://www.nova381.org.br. Lá, há fotos mostrando tratores de esteira, escavadeira, pá-carregadeira e vários caminhões trabalhando”.

Segundo Luciano, nos trechos onde não há obras, como Ipatinga e Nova Era, por exemplo, as empresas montaram escritórios e os serviços de medição topográfica estão sendo executados. “Engenheiros e topógrafos estão concentrados nos escritórios montados pelo consórcio Isolux/Corsán/Engevix, que venceu 65% da obra, já organizando o cronograma das próximas etapas”.

Segundo o Dnit, todos os lotes que tiveram as ordens de serviços assinados já deveriam ter iniciado as obras, destacando que alguns trechos precisaram de adequação no projeto executivo. Os contratos, porém, já estão valendo.

Licitação do trecho das desapropriações fracassou

A licitação dos lotes 8A e 8B, que compreende o trecho entre Belo Horizonte e Caeté, fracassou, segundo o Dnit). A empresa que havia oferecido o menor preço para as obras foi desclassificada, pois o valor estava acima do previsto pelo órgão.

No entanto, as propostas para o Lote 4, que corresponde ao trecho entre Ribeirão Prainha e o entroncamento do acesso Sul de Nova Era e o Lote 5, entre o acesso a Nova Era e João Monlevade, foram homologadas e aguardam apenas a publicação no Diário Oficial da União (DOU).

FONTE: Hoje Em Dia.


Linha Lagoinha-Savassi do metrô de BH será em dois níveis
Linha subterrânea que ligará a Lagoinha à Savassi será em dois níveis para evitar a necessidade de fazer desapropriações e encarecer a obra. Projeto foi entregue pelo governo à Caixa ontem

 

 

 (Setop/divulgação )

A Linha 3 do metrô de Belo Horizonte, cujo projeto foi entregue nessa quinta-feira pelo governo de Minas à Caixa Econômica Federal, terá um trajeto de 4,5 quilômetros em dois níveis e com quatro estações entre a Estação da Lagoinha e a Savassi. Os túneis serão de 15 metros de diâmetro e os trilhos serão implantados em dois andares, de forma que todo o trajeto passe debaixo das ruas e não seja necessário nenhuma desapropriação na região, que é uma das mais valorizadas da cidade. A partir de agora, o projeto será analisado pela Caixa e pelo Ministério das Cidades e, caso aprovado, um termo de compromisso pode ser assinado ainda este ano para transferência de R$ 2,6 bilhões, verba estimada para a obra.

Segundo o secretário de Estado de Transporte e Obras Públicas, Fabrício Torres Sampaio, a solução encontrada para evitar que as estruturas dos prédios do Centro e da Savassi sejam obstáculos à obra do metrô foi construir o trecho em dois andares, em vez de dois trilhos paralelos. “Com esse modelo que adotaremos em BH, não teremos que entrar debaixo de prédios ou outras construções. O túnel será mais estreito para que toda sua extensão passe pelas ruas, de forma mais segura”, explica Sampaio.

Para a abertura dos túneis está previsto o uso do sistema shield (em português, escudo), recomendado para obras de grande porte em centros urbanos. “Os levantamentos feitos no solo da região, que tem muitas pedras e água, mostraram que será possível usar esse sistema, já adotado em outras obras de expansão do metrô nas principais capitais do mundo. A máquina de perfuração vai empurrando e escavando o terreno e, dessa forma, os impactos são minimizados”, afirma Sampaio.

Uma das vantagens do projeto, segundo ele, é que a obra será viável sem precisar de desapropriações.

O projeto prevê a construção de quatro novas estações: Praça Sete, entre a Avenida Afonso Pena e a Amazonas; Palácio das Artes, na Afonso Pena, em frente ao teatro; Estação Tiradentes, na Rua Pernambuco, próximo à Avenida Brasil; e Savassi, entre as Ruas Pernambuco e Fernandes Tourinho. Também está planejada a construção de um pátio de operações e manutenção para o metrô. “O pátio será construído próximo à Estação da Lagoinha, onde haverá a conexão da Linha 3 com a Linha 1. O projeto prevê que o pátio será subterrâneo, próximo à Igreja São Cristóvão. Segundo o secretário, a ideia é planejar a construção da nova linha deixando espaço para novas expansões no futuro, principalmente com projetos já discutidos para se levar o metrô até a região da Pampulha.

A linha 3 do metrô em BH (veja o mapa acima), em dois níveis, com as estações ao longo do trajeto . A da Savassi será no cruzamento das ruas Pernambuco e Fernandes Tourinho (Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
A linha 3 do metrô em BH (veja o mapa acima), em dois níveis, com as estações ao longo do trajeto . A da Savassi será no cruzamento das ruas Pernambuco e Fernandes Tourinho

Peça de ficção

As promessas para a expansão do metrô da capital começaram ainda na década de 1990, depois que a construção da única linha existente foi entregue com um atraso de quase 20 anos, em 1986. Até os anos 2000 os belo-horizontinos assistiram a uma lenta inauguração de estações, mas as principais regiões da cidade continuavam sem a opção desse transporte público. Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso foram finalizadas as últimas estações, mas a implantação de novos trechos não saiu do papel e o mesmo se repetiu ao longo do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, que prometeu em 2003 novas linhas para o metrô da capital, mas elas ficaram só no discurso.

Depois de quase uma década sem qualquer avanço, em setembro de 2011 a presidente Dilma Rousseff (PT) anunciou em Belo Horizonte que incluiria a obra na lista de ações do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade Grandes Cidades. No cronograma apresentado pela petista, as licitações para a obra, que se tornou peça de ficção para a população de BH, seriam feitas até meados de 2012 e já no segundo semestre daquele ano começariam as obras de melhorias na Linha 1 (Eldorado-Vilarinho) – planejamento que não vingou. Já a construção das outras linhas foram programadas para iniciar em 2016 – data que poderá ser mantida, caso não ocorram novos atrasos nas análises do projeto.

Além da Linha 3, está prevista a construção de um trecho que ligará a região do Barreiro a uma nova estação que será construída no Bairro Nova Suíça. O trecho, de cerca de 10 quilômetros e que terá cinco novas estações, começou ser construído no início do ano 2000, mas está paralisado desde então. Para essa obra, está prevista a assinatura de uma parceria público-privada (PPP) e financiamento de recursos junto ao BNDES. Ao todo, para a construção das duas novas linhas e melhorias e extensão do trecho já existente até Contagem, foi estimado um montante de R$ 3,1 bilhões. Segundo o cronograma do PAC Grandes Cidades, a ampliação do metrô da capital será entregue até 2017.

FONTE: Estado de Minas.

 



%d blogueiros gostam disto: