Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: uni

BH terá hospital veterinário com atendimento gratuito semanal

Instituição que pertence ao UNI-BH será inaugurada no Estoril em setembro e atenderá gratuitamente animais de pequeno porte da comunidade

Situado/Reprodução

Que latidos e miados já superam choros e pirraças infantis na sinfonia produzida pelos lares brasileiros é pedra cantada desde 2013 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que em sua última visita aos domicílios do país contou um total 63,7 milhões de cães e gatos, contra 44,9 milhões de crianças. E há quem diga que a dor experimentada pelos humanos quando um membro peludo da família adoece é igual àquela que as mães sentem ao verem seus bebês doentes.
.
Sofrimento que aperta inclusive no bolso, já que ainda não inventaram o SUS dos pets. A boa notícia é que, muito em breve, os moradores do Bairro Buritis (Região Centro-Sul da capital) e proximidades vão ganhar um pequeno alívio. Será inaugurado na região, já na segunda quinzena de setembro, o Hospital Veterinário do UNI-BH, que abre as portas com proposta de atender gratuitamente pequenos animais que fazem parte da comunidade local.
.
Segundo a coordenadora do curso de medicina veterinária do UNI-BH, Carolina Freitas, a ideia é que os atendimentos sejam realizados uma vez por semana, numa dinâmica que ainda está sendo pensada. “A princípio, o hospital vai abrir atendendo as demandas das aulas dos nossos alunos. Uma vez por semana, vamos receber também bichos de pequeno porte das pessoas ligadas ao entorno do Buritis e Estoril, sem cobrar pelo serviço prestado”, explica. É possível, no entanto, que o hospital proponha aos proprietários dos animais uma pequena contrapartida para beneficiar cães e gatos regatados das ruas por ONGs da cidade. “Estamos pensando em recolher, em troca da assistência, alimentos não perecíveis, como ração, e alguns medicamentos”, conta.

 .

Apenas a partir de fevereiro de 2017, contudo, que o estabelecimento começará a funcionar plenamente, nos mesmos moldes do Hospital Veterinário da UFMG, que cobra pelo cuidado oferecido – mas com valor reduzido. “Não se trata de uma uma instituição de fins lucrativos, mas a cobrança tem que ser feita até para que o hospital possa se manter e também porque o Conselho Federal de Medicina Veterinária exige. Mas a intenção é oferecer descontos para o atendimento nos horários de aula e, quem sabe, se tudo der certo, continuar com o dia reservado para o atendimento de graça. Mas tudo isso ainda está sendo estudado”, pondera.
.
Estrutura
.
O Hospital Veterinário do UNI-BH é o terceiro a se estabelecer na capital mineira, que já conta com estruturas parecidas na UFMG e na PUC-Minas. A exemplo desses hospitais, o novo prédio oferecerá serviços prestados por acadêmicos do curso de Medicina Veterinária, supervisionados por professores.

.

FONTE: Estado de Minas.


Bares no entorno de faculdade criam ‘inferno’ para moradores
Multidão de estudantes se concentra em estabelecimentos até a madrugada, ocupando rua e calçadas

Uni

Obstáculo. Porteiro teme problemas provocados por estudantes que se aglomeram em frente a edifício

.

Quatro barzinhos no mesmo quarteirão de uma via residencial estreita vendem cerveja long neck por R$ 2,50 a poucos metros de uma faculdade. É nesse cenário que a rua Vitório Magnavacca, no bairro Buritis, na região Oeste da capital, se tornou há poucos meses um point para estudantes e um verdadeiro inferno para moradores.

.

Desde fevereiro, pelo menos oito inquilinos de um prédio residencial acima dos estabelecimentos já se mudaram em razão da bagunça. Em meio à multidão de estudantes que tomam conta da rua nas quintas e sextas-feiras, é acrescido um playlist de músicas que vai de sertanejo e samba a axé e funk. Em volume alto, a cada dois minutos as músicas estão no som de um carro diferente.

.

O movimento dos bares no entorno de universidades ocorre principalmente em início de semestre, época das famosas calouradas, e tem sido sinônimo de transtorno para áreas residenciais. No Buritis, a concentração de alunos está no entorno do Centro Universitário Belo Horizonte (Uni-BH).
.

No dia 8 de agosto, as festas no entorno da Pontifícia Universidade Católica (PUC Minas) foram interrompidas pelo assassinato de um jovem de 22 anos, caso que motivou a regulamentação dos serviços de bares e um maior rigor na realização de eventos. Há dois anos, os mesmos problemas ocorriam no bairro Cruzeiro, na região Centro-Sul, onde fica a universidade Fumec.

.

Balada. Na última semana, a reportagem percorreu regiões onde há a combinação de bares e faculdades. É no intervalo das aulas, às 20h30, que os estudantes trocam as salas de aulas pelas farras no bairro Buritis e deixam ruas, passeios e portas de prédios totalmente ocupados, inclusive com alunos tocando instrumentos em plena calçada. “Eu que chamei a bandinha e negociei a promoção da cerveja no bar”, contou um universitário, que não quis ser identificado.

.

Veja vídeo

.

FONTE: O Tempo.


Por propaganda falsa, universidade de MG deve indenizar aluna em R$ 20 mil

O TJ-MG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais) condenou, nesta quinta-feira (20), o UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) a indenizar em R$ 20 mil uma estudante que alega ter sido vítima de propaganda enganosa. A UniBH, de acordo com a sentença, afirmou que os alunos que frequentassem o curso de matemática da instituição também estariam aptos para lecionar física.

unibh_institucional

A universitária fazia o curso de matemática na unidade de Betim da PUC-MG (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais), região metropolitana de Belo Horizonte. Ao saber da possibilidade de ter licenciatura também em física, ela pediu transferência para a UniBH. Ao receber o diploma, em 2004, porém, tomou conhecimento de que o curso tinha apenas licenciatura em matemática. Com isso, a universitária ainda perdeu o emprego em que lecionava a matéria de física.

A aluna ajuizou ação de indenização por danos morais contra a instituição. Em primeira instância, a Justiça negou o pedido, entendendo que ela “deveria ter a certeza da informação através dos meios próprios como consulta à lei ou ao órgão responsável pela regulamentação do curso”. Ela recorreu e ganhou a causa no TJ-MG.

Em sua decisão, o desembargador Nilo Lacerda, relator do recurso, analisou a Portaria 399/89 do MEC (Ministério da Educação). “Até sua revogação pela portaria 524/98, estava prevista a possibilidade da licenciatura em física, daqueles que concluíssem o curso de licenciatura em matemática. Portanto, a portaria fora revogada e essa prática não era mais válida”, afirmou o magistrado.

“Dessa forma, não obstante a instituição tenha continuado a ofertar o curso de matemática, com capacitação para o cursando lecionar física, constata-se que tal situação se revelou efetivamente imprópria, porquanto, como visto, já em 1998, houve a revogação daquela portaria”.

Nilo Lacerda considerou que ficou evidente na publicidade da época da oferta do curso pela instituição que a licenciatura em matemática dava possibilidade de lecionar física para o ensino médio.

“Assim, ante a falha na prestação de serviço, a universitária experimentou prejuízos de ordem moral, decorrente de sua frustração profissional, que deverá carregar pelo resto de seus dias ou ter que fazer novo curso superior específico em física. Isso não pode ser classificado como mero aborrecimento, devendo, pois, a indenização ser fixada”.

Outro lado

Em nota, o UniBH informou que a ação refere-se a um período em que a mantenedora do UniBH era a Fundac (Fundação Cultural de Belo Horizonte).

“O Imec (Instituto Mineiro de Educação e Cultura) assumiu a mantença da instituição em 2009. Tomamos conhecimento desse processo após a divulgação da notícia pelo Tribunal. Ressaltamos que a nossa instituição não é responsável por essa indenização e, caso haja alguma repercussão sobre o UniBH, vamos adotar as medidas cabíveis”, diz a nota.

FONTE: UOL.


Sem fiscalização, entorno de universidades que têm cursos noturnos em BH é tomado pelo caos. Faltam ônibus e segurança; sobram infrações e transtorno para comunidade acadêmica e vizinhos

Sinal verde para o transtorno: mistura de vans escolares, coletivos e carros particulares no horário de saída dos cursos é garantia de trânsito travado em bairros como o Buritis (Marcos Vieira/EM/D.A Press)
Sinal verde para o transtorno: mistura de vans escolares, coletivos e carros particulares no horário de saída dos cursos é garantia de trânsito travado em bairros como o Buritis

O relógio aponta 22h30 em Belo Horizonte, um horário que, na teoria, deveria ser marcado pela calmaria nas ruas. Mas não é bem o que acontece na prática em regiões da capital que têm uma característica em comum: abrigar universidades que oferecem cursos noturnos. A um sinal que indica o fim das aulas, a tranquilidade desaparece como por encanto. Em horários específicos entre as 22h e as 23h, na falta de intervenção do poder público, entram em cena o trânsito travado, o estacionamento de qualquer jeito, os furtos e roubos de veículos, o buzinaço, as discussões, os pontos de ônibus lotados e outros tipos de transtornos. Foi a situação comprovada pelo Estado de Minas no entorno de grandes faculdades da cidade nos bairros Buritis e Estoril, na Região Oeste, e Coração Eucarístico e Caiçara, na Noroeste. A falta de organização e de segurança nesses locais faz com que alunos, professores, funcionários e moradores sofram diariamente em um horário que o restante da cidade normalmente se prepara para dormir.

Marcado por um problema crônico de mobilidade, o Bairro Buritis, na Região Oeste da capital, é um dos que mais sofrem com o tumulto causado pela saída de alunos de cursos universitários noturnos. No coração do bairro está o UniBH. Nos limites com o Estoril, bairro vizinho, fica um câmpus da Newton Paiva. Já na Avenida Raja Gabaglia, também no Estoril, há um câmpus da UNA. A soma dessa concentração é um efeito cascata, que começa na Avenida Professor Mário Werneck, onde fica o UniBH, passa pela Rua Paulo Piedade Campos, localização da Newton, e alcança a Raja Gabaglia. “A saída é um inferno. A Mário Werneck fica simplesmente intransitável”, diz o estudante de engenharia civil do UniBH Lucas Ramires, de 22 anos. “Qualquer lugar é lugar para estacionar, não importa onde seja”, critica Marcus Santiago, de 23, que faz engenharia química na UNA.

Para a maioria das pessoas, as vans de transporte universitário estão entre os maiores vilãos do caos que se instala no entorno de grandes centros de ensino noturno. Na falta de local adequado para estacionar – e de fiscalização –, é comum vê-las paradas na fila dupla, em cima de passeios e em outros lugares proibidos. Moradora da Rua Paulo Piedade Campos, no Estoril, em frente à Newton Paiva, a bióloga Lúcia Vasconcellos de Miranda, de 44, já perdeu as contas das vezes que ficou parada à espera de uma oportunidade de chegar em casa depois das 22h. “É simplesmente um caos. Não há nenhuma ordem nem ninguém para ordenar. E a faculdade também não se mostra interessada em resolver o problema”, diz ela. No Coração Eucarístico, onde está localizado o maior câmpus da Pontíficia Universidade Católica (PUC Minas), os moradores também sofrem. O engenheiro Alyson Albuquerque, de 30, já encontrou mais de uma vez carros estacionados na porta de sua garagem. “Costuma travar tudo por aqui. O transtorno é causado pela soma do movimento da escola e dos bares do entorno”, diz ele.

ÔNIBUS Outro problema comum é a lotação dos pontos e dos de ônibus que atendem as comunidades após as 22h. A principal reclamação é a quantidade insuficiente de coletivos para dar conta da demanda de estudantes. Aluno de engenharia de alimentos do UniBH, Demétrius Dias, de 24, afirma que é comum os veículos ficarem até 10 minutos parados esperando todos entrarem. “A gente estuda no período noturno para poder trabalhar e acaba enfrentando a falta de estrutura para desenvolver nossas atividades”, diz ele.

Laís Soares é aluna da UNA da Raja Gabaglia e conta que os coletivos já chegam lotados aos pontos. “Os ônibus passam antes em Nova Lima e nas demais escolas do Buritis. Imagine como estão quando alcançam a Raja”, reclama. Como se não bastasse o problema no transporte coletivo, não é difícil se deparar com uma fila de veículos de passageiros aguardando para chegar aos pontos, o que também complica o tráfego.

O superintendente de Operações da BHTrans, Fernando de Oliveira Pessoa, admite que não há estrutura para fiscalizar o trânsito após as aulas da noite em todos os locais onde há faculdades. Mas afirma que há uma escala para fiscalizar os locais, com a presença de agentes da Guarda Municipal e da Polícia Militar, seguindo um rodízio nas faculdades. Na prática, ele diz que os agentes costumam visitar os endereços uma vez por semana. Nas falta de maior estrutura, sobram críticas para a população. “Gostaríamos que as pessoas tivessem mais consciência e lembrassem que, quando cometem uma infração, elas atrapalham várias outras”, diz.

Sobre a situação dos ônibus, a empresa informou por nota que acompanha o crescimento da demanda gerada pelas instituições de ensino e que são 10 linhas só para a região do Bairro Buritis – onde, aliás, fica a sede da empresa municipal. Mas não explicou o motivo da redução drástica nos horários da maioria das linhas, o que contribui para o caos no sistema na saída de alunos.

Ainda segundo o texto, duas linhas foram criadas no Buritis devido a essa demanda: 205 (Metrô Calafate-Buritis) e SE02, executiva que faz o trajeto até a Savassi. De acordo com o site da BHTrans, os coletivos da linha 205 rodam apenas de 20 em 20 minutos depois das 21h. Já os executivos param após as 19h30.

 

Personagem da notícia

Thiago Mafra Lara
24 anos, universitário

Piora sensível
em seis anos

Já formado em ciências contábeis pelo UniBH, Câmpus Buritis, onde passou quatro anos da vida acadêmica, Thiago resolveu voltar à faculdade para cursar administração. Claramente, ele vê a piora da situação nas vias do entorno, especialmente a Rua Líbero Leone e a Avenida Professor Mário Werneck. Segundo ele, é comum ficar parado até mesmo dentro do estacionamento da instituição por muitos minutos, coisa que não acontecia no início de seu primeiro curso, em 2007. Do lado de fora, o contador afirma que quando os agentes de trânsito da Polícia Militar e da BHTrans estão presentes, a situação é bem melhor. “Quando vem polícia, o trânsito costuma fluir. O problema
é que eles vêm poucas vezes e aí sempre enfrentamos problemas. Sem fiscalização, todo mundo faz o que quer”, afirma.

Saiba mais…
FONTE: Estado de Minas.

Fifa exige e a UFMG fecha em dia de jogo

copa confederações

Pelo menos 60 mil pessoas que circulam no câmpus e unidades da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) diariamente vão ganhar férias nos dias de jogos da Copa das Confederações, em Belo Horizonte. A maior instituição de ensino superior do estado vai suspender as atividades acadêmicas e administrativas e fechar os portões na Pampulha nos dias 17, 22 e 26 deste mês, seguindo pedido do governo e da Fifa. Nessas datas, a bola  rola no Mineirão, respectivamente, nas partidas entre Tahiti e Nigéria, Japão e México e num jogo de semifinal.

A primeira medida cumpre a Lei Geral da Copa, segundo a qual os estabelecimentos de ensino devem estar de férias no período do campeonato, e também determinação do Ministério da Educação (MEC), homologada em março. Segundo ela, cada rede de ensino deve ajustar seus calendários aos dias de jogos, principalmente nas cidades-sede das partidas, que ocorrerão de 15 a 30 deste mês. A decisão do reitor Clélio Campolina foi influenciada ainda pela possibilidade de o município decretar feriado nas datas dos jogos em BH.

Já o fechamento dos portões na Pampulha tem em vista a segurança. Sem detalhar, a assessoria de imprensa da UFMG informou que o pedido foi feito pelos governos federal, estadual e municipal e pela Fifa, que demandou o uso do espaço por causa da proximidade do câmpus com o estádio. Para entrar na universidade, a reitoria determinou que professores, servidores técnicos administrativos e alunos tenham autorização prévia da Pró-Reitoria de Administração. No amistoso entre Brasil e Chile, no fim de abril, no Mineirão, a UFMG adotou o mesmo procedimento.

Em outra instituição pública, a Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg), os cerca de 6 mil alunos aguardam posicionamento do governo do estado para saber se irão para a sala de aula. A Uemg informou que o calendário depende de duas decisões. A primeira é se o governo vai decretar ponto facultativo para os servidores. E caso decrete, se será estendido aos funcionalismo de toda a Minas Gerais ou só ao da capital.

Entre as instituições particulares, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) informou que não terá o calendário afetado pela Copa das Confederações, pois o semestre letivo será encerrado no dia 15, antes do primeiro jogo em Belo Horizonte. O Centro Universitário Newton Paiva explicou que, como os estudantess estarão em período de provas finais, ainda estuda a melhor maneira de conciliar o calendário institucional com o da Copa, para não prejudicar o acompanhamento dos jogos e as atividades acadêmicas. A Fumec e o Uni-BH não responderam à reportagem. E a Universidade Salgado de Oliveira, UNIVERSO BH, informou por seus alunos que as datas coincidem também com o período de provas finais, que foram reagendadas.

Sisu abre inscrições

As inscrições para a edição do segundo semestre do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) serão abertas na segunda-feira e poderão ser feitas até as 23h59 de sexta-feira que vem, na internet (http://sisu.mec.gov.br). Podem se inscrever os estudantes que fizeram o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) no ano passado e não tiraram zero na redação. Serão 39.724 vagas, distribuídas em 1.179 cursos de 54 instituições. Em Minas, serão 4.531 vagas em 111 cursos. A primeira edição, no início do ano, ofereceu 129 mil vagas, em 101 instituições públicas de educação superior.

Mais informações sobre o SISU AQUI!

O edital com o cronograma foi publicado ontem (03) no Diário Oficial da União (DOU). A primeira chamada está marcada para o dia 17, com matrícula em 21, 24 e 25 deste mês. A segunda chamada está prevista para 1º de julho. As matrículas deverão ser feitas em 5, 8 e 9 do mês que vem. Os candidatos poderão se inscrever em até duas opções de vaga e especificar a ordem de preferência. Os interessados deverão ainda especificar se concorrem a vagas destinadas à ampla concorrência ou como cotistas. Durante o período de inscrição, o estudante pode alterar as opções feitas. O edital traz também informações sobre critérios de desempate e matrículas nas instituições de ensino para os selecionados.

FONTE: G1 e Estado de Minas.



%d blogueiros gostam disto: