Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. Tutum silentium praemium.

Arquivo da tag: velório

Deputados pedem investigação sobre ‘petista bom é petista morto’
Parlamentares querem encontrar responsáveis por panfletos jogados no velório do ex-presidente da Petrobras e do Partido dos Trabalhadores (PT), José Eduardo Dutra, em BH
PT morto
Um grupo de deputados petistas solicitou ao Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) nesta segunda-feira (5) que investigue os responsáveis pelos panfletos com a mensagem “petista bom é petista morto”, que foram distribuídos durante o velório do ex-presidente da Petrobras e do Partido dos Trabalhadores (PT), José Eduardo Dutra, que ocorreu em Belo Horizonte.

.

A comissão formada pela presidente do PT, Cida de Jesus, e os deputados Durval Ângelo, Rogério Correia e Cristiano Silveira, se encontrou com promotor Eduardo Nepomuceno para entregar uma representação contra manifestantes que passaram pelo local durante o funeral.
Deputados pediram apuração de ofensas ao promotor Nepomuceno
No documento, os petistas alegam que ocupantes de uma Volkswagen Saveiro passaram pelo local atirando os panfletos para fora do veículo.

.

Segundo publicou o deputado Durval Ângelo em sua página no Facebook, o promotor teria afirmado que o “fato pode caracterizar infração penal”. Nepomuceno teria salientado ainda que, “além da perturbação de cerimônia funerária, pode haver outros crimes envolvendo o grupo”, segundo a publicação.

.

A reportagem tentou contato com o MPMG e com o promotor para saber se a solicitação foi protocolada e quais as medidas que serão tomadas, mas não foi atendida.

.

Panfletos ofensivos

.

Nas proximidades do local do funeral, um carro passou rápido e jogou papéis criticando o PT. Um dos panfletos diz “petista bom é petista morto”, e em um outro consta a frase “só faz cagada”, sobre uma foto da presidente Dilma Rousseff, sentada em um vaso sanitário. “São ações orquestradas. É lastimável. Nos dói muito esses panfletos e o clima de intolerância”, criticou o deputado estadual Durval Ângelo (PT), que é líder do governo na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) “.

.

Folhetos ofensivos foram distribuídos em velório, fechado ao público
Sobre os panfletos ofensivos a presidente e ao partido, o ex-deputado federal Virgílio Guimarães, contemporâneo de Dutra, comentou “é lamentável, e parte dessa onda de ódio que vive o país”.

.

Manifestantes também estiveram na porta do funeral, por cerca de 40 minutos, e protestam contra o ex-presidente Lula. O grupo segura cartazes com os dizeres: “Lula traidor”, “Lula, pai dos ricos”, Lula, amigo seu, nem morto” e “Lula, sua hora está chegando”.

.

Ao saber da manifestação contrária ao partido, o deputado federal Reginaldo Lopes (PT) afirmou que “este pessoal não têm nenhuma representatividade. Eles tentam causar constrangimento totalmente inadequado”. O Saveiro preto passou mais de uma vez no local. Ele tem adesivos que criticam o Lula e o PT.

.

O velório

.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, ambos petistas, estiveram presentes por cerca de duas horas no velório do ex-presidente da Petrobras e do Partido dos Trabalhadores (PT), José Eduardo Dutra. Ele tinha 58 anos, e morreu nesse domingo (4) em decorrência de um câncer de pele. Dutra, que já foi senador, era natural do Rio de Janeiro e fez carreira política em Sergipe.

.

O velório aconteceu a portas fechadas, apenas para familiares, amigos mais próximos e autoridades. Em seguida, o corpo de Dutra foi cremado no cemitério Parque da Colina, na região Oeste da capital.

.

Conforme a segurança do governador, Pimentel buscou Lula no aeroporto da Pampulha. Ministros e outras autoridades também comparecem. Foram disponibilizadas vagas no entorno do local da cerimônia para os participantes.

.

A deputada estadual Marília Campos também esteve presente. Coroas de flores, em nome de Dilma e do Instituto Lula chegaram para homenagear Dutra.

.

“Ele (Dutra) era uma pessoa de valor. A marca dele é a ética pública, que para mim é probidade e o radical compromisso com a democracia e a Justiça social”, afirmou o secretário estadual de Direitos Humanos, Nilmário Miranda (PT).

.

Homenagem de Lula

.

Sem conversar com a imprensa, Lula, Pimentel e o atual presidente do PT, Rui Falcão disseram algumas palavras destacando a importância de Dutra no partido e como presidente da Petrobras.

.

“Quando muita gente acreditava que a Petrobras precisava ser privatizada, ele (Dutra) foi uma das pessoas que no momento em que governou a Petrobras, recuperou a Petrobras e deu uma dimensão extraordinária a Petrobras”, discursou Lula, próximo ao caixão.

.

Em outro momento, o ex-presidente disse que a família de Dutra tinha motivos para se orgulhar do companheiro. “Nós somos como se fosse uma árvore. Nós morremos, mas deixamos frutos. A vida continua. Ele renasceu nos filhos, renascerá nos netos e o que é importante é que a gente guarde José Eduardo aqui pelo o que foi a sua passagem pela terra, com a dignidade e seu compromisso com a luta pelo povo pobre deste país, com a luta dos trabalhadores brasileiros, para construir um país democrático e justo”.

.

Emocionado, e se dirigindo ao amigo falecido, Lula finalizou: “Acho, Zé, que você cumpriu com a sua tarefa. O importante é que sua mãe, irmãs e filhos, estão conscientes do papel que você exerceu. Espero que seus filhos consigam seguir o exemplo de dignidade que você conseguiu dar nestes 58 anos de vida. A sua carne se vai, mas as suas ideias permanecem. E são suas ideias que vão ajudar os seus filhos, seus netos e vários companheiros seus do Sergipe. A sua passagem pela terra valeu muito e valeu muito mais a pena ter conseguido ser seu amigo”.

.

Histórico

.

José Eduardo Dutra, que nasceu no Rio de Janeiro, mas fez carreira política em Sergipe, assumiu a presidência do PT em 2010, mas ficou no cargo apenas até abril de 2011, devido a problemas médicos. No seu lugar, assumiu Rui Falcão, o atual presidente da sigla.

.

Também trabalhou como um dos coordenadores da campanha da eleição de Dilma Rousseff, em 2010, ao lado de Antonio Palocci e do ministro da Justiça. José Eduardo Cardozo. Dutra foi presidente da Petrobras, tendo assumido o cargo, em 2003, no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sendo substituído em julho de 2005 por José Sérgio Gabrielli.

.

Depois, ele retornou à empresa em 2007, como presidente da BR Distribuidora, deixando o cargo em janeiro de 2009 para disputar a presidência do PT, quando foi eleito. Antes, foi presidente do Sindicato dos Mineiros do Estado de Sergipe, entre 1989 e 1994, e dirigente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), de 1988 a 1990.

.

Em 1994, foi eleito senador por Sergipe. Atualmente era o primeiro suplente do senador Antonio Carlos Valadares (PSB/SE).

.

FONTE: O Tempo.


Morre, aos 87 anos, o médico e cronista Adelmar Cadar

Belo-horizontino foi jornalista, médico, viajante e responsável por uma trilogia de crônicas

 

Cristina Horta/EM/D.A Press - 22/09/2014
Um homem cheio de histórias, vibrante e curioso, que viveu mais de cinco décadas como jornalista, médico, viajante e observador do mundo. Assim – e muito mais – era o belo-horizontino Adelmar Cadar, falecido ontem, aos 87 anos, na capital. Em setembro, ao lançar o terceiro volume da trilogia Diário de um médico, com centenas de crônicas, muitas delas retratando o cotidiano da cidade, doutor Cadar, como era conhecido, fez questão de reafirmar o amor pela cidade: “Nasci em 11 de junho de 1927, na Rua Aimorés”.

Na casa no Bairro Sion, na Região Centro-Sul, onde morava, o otorrinolaringologista gostava de se lembrar de passagens memoráveis, e também de contá-las e colocá-las no papel. “Escrever é uma forma de libertação. E essa libertação vem da força do pensamento e da vontade de criar”, destacou o médico, que trabalhou na redação do extinto Diário da Tarde e Estado de Minas. “No tempo da máquina de escrever, eu datilografava 125 palavras por minuto. Não gastava mais do que 10 minutos para compor um texto”, orgulhava-se.

As frases grafadas no papel eram fruto dos casos que o doutor Cadar escutava no consultório e nas ruas – e a memória invejável se encarregava de armazenar tudo. Com a longa experiência profissional, o médico, viúvo, que teve três filhos e trabalhou meio século na Santa Casa de BH, considerava fundamental aproveitar o lado bom da vida. E se alguém achava isso meio etéreo, respondia sem medo: “Só depende de nós. O mundo só precisa mesmo de bondade de coração”.

ESPORTE Futebol e turfe foram duas grandes paixões do doutor Cadar. Atleticano doente, tornou-se conselheiro do time do coração. Um amigo do peito do qual não nunca se esqueceu foi Geraldo Teixeira da Costa, “o Gegê, lá de Santa Luzia”, conforme se referia ao antigo diretor-geral dos Diários Associados. Ele contou ao repórter, em setembro: “Ao ingressar na Folha de Minas, já ouvia dos companheiros referências, as mais elogiosas, a Gegê. Transferindo-me para o EM, passei a ter contato diário até o dia da minha formatura, quando abandonei profissionalmente o jornalismo para me dedicar exclusivamente à medicina”. Nas lides do esporte, o médico operou muitos jogadores de nome, entre eles o atacante Reinaldo.

Para doutor Cadar, a medicina sempre foi um sacerdócio e, o médico, muito mais do que um profissional da área de saúde. Afinal, garantia, ele precisa ser caridoso, meio psicólogo, fazer um trabalho social para ajudar na composição familiar. Em resumo, a profissão é como tudo na vida: “Tem gente boa, tem gente ruim; médico bom, médico ruim e por aí vai”. O enterro será às 16h, no Cemitério do Bonfim, em Belo Horizonte.

.

FONTE: Estado de Minas.


Corpo do ex-ministro Márcio Thomaz Bastos é velado na Assembleia de SP

Bastos foi internado na terça (18) para tratamento de fibrose pulmonar.
O ex-ministro morreu no Hospital Sírio-Libanês aos 79 anos.

 

O corpo do advogado e ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, de 79 anos, é velado na Assembleia Legislativa de São Paulo na tarde desta quinta-feira (20). A caixão chegou à Assembleia pouco antes das 15h.

Está previsto que o velório seguirá até as 8h desta sexta-feira (21). Em seguida, seguirá para o Cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra, Grande São Paulo, onde será cremado ainda no início da manhã.

Márcio Thomaz Bastos morreu na manhã desta quinta-feira (20) no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.Bastos foi internado na terça-feira (18) para tratamento de descompensação de fibrose pulmonar, segundo boletim médico divulgado pelo hospital.

A assessoria de imprensa do Palácio do Planalto informou que a presidente Dilma Rousseff viajou para São Paulo para participar do velório. O vice-presidente, Michel Temer, esteve no velório logo no começo da cerimônia.

Corpo de Márcio Thomaz Bastos é velado em São Paulo (Foto: Roney Domingos/G1)Corpo de Márcio Thomaz Bastos é velado em São Paulo

No velório, amigos lamentam
O advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, esteve no velório e foi um dos amigos que lamentaram a morte de Márcio Thomaz Bastos. “O Márcio sabia ouvir e captar um pouco a alma dos clientes”, disse Kakay.

Já o advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira relembra os embates com o amigo durante julgamentos, sobretudo no caso do jornalista Pimenta Neves. Segundo Mariz, era um oponente duro. “Tanto que eu perdi”, afirma o advogado, que atuou como defensor do réu.

O sobrinho e também companheiro de profissão José Diogo Bastos Neto diz que Bastos trabalhou até mesmo do hospital. “Mesmo lá combalido na cama, na máscara de oxigênio, ele ligava para os advogados para irem lá pra ele dar orientação. Nunca perdeu a lucidez e estava preocupado com seus clientes, que foi a marca dele a vida inteira”, conta o sobrinho.

Márcio Thomaz Bastos, defensor de José Roberto Salgado, ex-diretor do Banco Rural, no julgamento do mensalão, em 8 de agosto de 2012 (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)
Márcio Thomaz Bastos, defensor de José Roberto Salgado, ex-diretor do Banco Rural, no julgamento do mensalão, em 8 de agosto de 2012

Trajetória
Um dos advogados criminalistas mais influentes do país, Bastos foi convidado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para compor a equipe do primeiro mandato. Comandou o  Ministério da Justiça entre 2003 e 2007.

Mesmo depois de deixar o ministério, continuou em evidência ao atuar em casos de grande repercussão nacional. Atuou, por exemplo, no julgamento do processo do mensalão, no Supremo Tribunal Federal, em 2012. Na ocasião, defendeu o ex-vice-presidente do Banco Rural, José Salgado.

Durante o período do julgamento, entrou com reclamação contra o então presidente do STF, Joaquim Barbosa, questionando o fato de Barbosa não ter levado pedidos da defesa dos réus para análise do plenário do tribunal.

Também foi o responsável pela defesa do bicheiro Carlinhos Cachoeira, que responde a processo por suspeita de participação em esquema de jogos ilegais.

Bastos atuou ainda na defesa do médico Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos de prisão por 48 ataques sexuais a 37 vítimas.

A acusação dos assassinos de Chico Mendes, do cantor Lindomar Castilho e do jornalista Pimenta Neves são outros trabalhos de repercussão nacional no currículo do ex-ministro. Em 2012, Bastos foi contratado pelo empresário Eike Batista para defender o filho Thor Batista, que respondia por um atropelamento.

Nos últimos dias, articulava também as defesas das empresas Odebrecht e Camargo Correa dentro do processo da Operação Lava Jato.

Em 7 de setembro de 1976, Márcio Thomaz Bastos atua como advogado de defesa do detetive Massaro Honda, acusado da prisão e assassinato de três ladrões, no Fórum da cidade de Queluz , interior de São Paulo (Foto: Solano de Freitas/Estadão Conteúdo)Em 7 de setembro de 1976, Márcio Thomaz Bastos atua como advogado de defesa do detetive Massaro Honda, acusado da prisão e assassinato de três ladrões, no Fórum da cidade de Queluz , interior de São Paulo

Perfil de Márcio Thomaz 
Márcio Thomaz Bastos era paulista da cidade de Cruzeiro. Formou-se em 1958 na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

Entre os anos de 1983 e 1985 presidiu a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em São Paulo. Neste período, foi ligado ao movimento Diretas Já, que reivindicava voto direto para presidente da República.

Em  1990, após a eleição do presidente Fernando Collor, integrou o governo paralelo instituído pelo Partido dos Trabalhadores como encarregado do setor de Justiça e Segurança.  Em 1992, participou ao lado do jurista Evandro Lins e Silva da redação da petição que resultou no impeachment de Collor.

É fundador do movimento Ação pela Cidadania, juntamente com Severo Gomes, Jair Meneghelli e Dom Luciano Mendes de Almeida. É fundador do Instituto de Defesa do Direito de Defesa.

 

 

FONTE: G1.


Vaias recebidas por Dilma e Lula na chegada ao velório

Segundo o presidente do PPS, Roberto Freire, gesto reflete indignação do povo

A chegada da presidente Dilma Rousseff, acompanhada do ex-presidente Lula, do ministro Aloizio Mercadante e do candidato ao governo de São Paulo Alexandre Padilha, ao velório de Eduardo Campos, em Recife, foi marcada por vaias da população. Em seguida, uma salva de palmas cobriu a desaprovação de parte do público.

Mesmo assim, as vais repercutiram entre as autoridades presentes. O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), atual aliado de Eduardo Campos e candidato a deputado federal, disse que as vaias do público dirigidas à presidente Dilma Rousseff foram “justificadas”. “Ela não tinha nada que vir aqui. É falso, ela não gostava mais de Eduardo”, disse Jarbas. “Eu não faria isso, mandaria uma coroa de flores”. Vasconcelos disse ainda que as vaias não foram para Lula. “O Lula não, o povo gosta dele, ele gostava do Eduardo”. 

O presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP), disse que as vaias à presidente Dilma Rousseff no velório de Eduardo Campos refletem a indignação da população. “O povo está indignado. Pediram até para tirar a coroa de flores [enviada por Dilma]”, afirmou. Freire prevê o crescimento do movimento anti-governo nos próximos dias. “Ele era um crítico ao governo mais contundente que Aécio (Neves, candidato do PSDB). E isso vai ficar. As pessoas não o conheciam e querem saber agora o que o Eduardo pensava”, comentou.

A presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula deixaram o Palácio Campo das Princesas, onde foi realizada a cerimônia, sem comentar as vaias do público à Dilma. Lula alegou que não era momento para falar sobre o assunto.

FONTE: Estado de Minas.

Morre no Recife, aos 87 anos, o escritor Ariano Suassuna

 

Ele sofreu um AVC na noite de segunda-feira e passou por cirurgia.

Nascido na Paraíba, ele vivia no Recife desde 1942.

JULHO NEGRO PARA A CULTURA… TAMBÉM NOS DEIXARAM RUBEM ALVES E JOÃO UBALDO

Os integrantes da Academia Brasileira de Letras receberam a notícia da morte do escritor e dramaturgo Ariano Suassuna, de 87 anos, durante a sessão desta quarta-feira, 23, quando homenageavam o também acadêmico João Ubaldo Ribeiro, que morreu na última sexta-feira (18). Eles ficaram muito abalados, pois perderam três membros em 20 dias – o poeta Ivan Junqueira morreu no dia 3.

“Três mortes em 20 dias é algo que eu acho que nunca aconteceu aqui. Ele vinha pouco à academia por não morar no Rio. É uma perda para as letras brasileiras e para o teatro mundial. Sendo ele internacional, será pranteado em todo lugar do mundo. Já vi peças dele na Alemanha”, disse o presidente da casa, Geraldo Holanda Cavalvanti.

O Real Hospital Português, onde Suassuna estava internado desde segunda-feira, 21, divulgou nota informando que o falecimento ocorreu às 17h15. O paciente teve uma parada cardíaca provocada pela hipertensão intracraniana. De acordo com o hospital, a família ainda não informou os detalhes do funeral.

 

Em março de 2010, Ariano Suassuna deu uma aula-espetáculo durante o Festival de Teatro de Curitiba (Foto: Lenise Pinheiro / Folhapress)Em março de 2010, Ariano Suassuna deu uma aula-espetáculo durante o Festival de Teatro de Curitiba

Morreu no Recife, nesta quarta-feira (23), o escritor, dramaturgo e poeta paraibano Ariano Suassuna, aos 87 anos. Ele estava internado desde a noite de segunda (21) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Português, onde foi submetido a uma cirurgia na mesma noite após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC) do tipo hemorrágico. Segundo boletim médico, o escritor faleceu às 17h15. “O paciente teve uma parada cardíaca provocada pela hipertensão intracraniana”.

O velório do corpo do escritor começa ainda esta noite, no Palácio do Campo das Princesas, sede do governo estadual, que decretou luto oficial de três dias. A partir das 23h, será aberto o acesso do público ao local. O enterro está previsto para a tarde de quinta-feira (24), no cemitério Morada da Paz, em Paulista, no Grande Recife.

Internamentos
Em 2013, Ariano foi internado duas vezes. A primeira delas em 21 de agosto, quando sentiu-se mal após sofrer um infarto agudo do miocárdio de pequenas proporções, de acordo com os médicos, e ficou internado na unidade coronária, mas depois foi transferido para um apartamento no hospital. Recebeu alta após seis dias, com recomendação de repouso e nenhuma visita.

Dias depois, um aneurisma cerebral o levou de volta ao hospital. Uma arteriografia foi feita para tratamento e ele saiu da UTI para um apartamento do hospital, de onde recebeu alta seis dias depois da internação, no dia 4 de setembro.

Na noite de segunda-feira (21), Ariano Suassuna deu entrada no hospital e foi operado após o diagnóstico do AVC. A cirurgia foi para a colocação de dois drenos, na tentativa de controlar a pressão intracraniana. Na noite de terça, o quadro dele se agravou, devido a “queda da pressão arterial e pressão intracraniana muito elevada”, conforme foi informado em boletim.

Na aula-espetáculo, Ariano mistura causos, informações sobre elementos da cultura popular nordestin a (Foto: Costa Neto / Secretaria de Cultura de Pernambuco)Na aula-espetáculo que ministrou no Festival de Inverno de Garanhuns, na semana passada, mais uma vez Ariano misturou causos, informações sobre elementos da cultura popular nordestina; o grupo Arraial foi o convidado para os números de música e dança

Ativo até o fim
Ariano Suassuna nasceu em 16 de junho de 1927, em João Pessoa, e cresceu no Sertão paraibano. Mudou-se com a família para o Recife em 1942. Mesmo com os problemas na saúde, ele permanecia em plena atividade profissional. “No Sertão do Nordeste a morte tem nome, chama-se Caetana. Se ela está pensando em me levar, não pense que vai ser fácil, não. Ela vai suar! Se vier com essas besteirinhas de infarto e aneurisma no cérebro, isso eu tiro de letra”, disse ele, em dezembro de 2013, durante a retomada de suas aulas-espetáculo.

Em março deste ano, Ariano foi homenageado pelo maior bloco do mundo, o Galo da Madrugada.  Ele pediu que a decoração fosse feita nas cores do Sport, vermelho e preto, e ficou muito contente com a homenagem. “Eu acho o futebol uma manifestação cultural que tem muitas ligações com o carnaval”, disse, na ocasião.

No mesmo mês, o escritor concedeu uma entrevista à TV Globo Nordeste sobre a finalização de seu novo livro, “O jumento sedutor”. Os manuscritos começaram a ser trabalhados há mais de trinta anos.

Na última sexta-feira, Suassuna apresentou uma aula espetáculo no teatro Luiz Souto Dourado, em Garanhuns, durante o Festival de Inverno. No carnaval do próximo ano, o autor paraibano deve ser homenageado pela escola de samba Unidos de Padre Miguel, do Rio de Janeiro.

Com montagem d'O Auto da Compadecida no Rio de Janeiro, Ariano conquistou a crítica brasileira (Foto: Acervo pessoal / Ariano Suassuna)
Com montagem d’O Auto da Compadecida no Rio de Janeiro, Ariano conquistou a crítica brasileira

Obra
A primeira peça do escritor, “Uma mulher vestida de sol”, ganhou o prêmio Nicolau Carlos Magno em 1948. Ariano escreveu um de seus maiores clássicos, “O Auto da Compadecida”, em 1955, cinco anos depois de se formar em direito. A peça foi apresentada pela primeira vez no Recife, em 1957, no Teatro de Santa Isabel, sem grande sucesso, explodindo nacionalmente apenas quando foi encenada – e ganhou o prêmio – no Festival de Estudantes do Rio de Janeiro, no Teatro Dulcina. A obra é considerada a mais famosa dele, devido às diversas adaptações. Guel Arraes levou o “Auto” à TV e ao cinema em 1999.

O escritor considera que seu melhor livro é o “Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta”. A obra começou a ser produzida em 1958 e levou 12 anos para ficar pronta. Foi adaptada por Luiz Fernando Carvalho e exibida pela Rede Globo em 2007, com o nome de “A pedra do reino”.

Na década de 70, Ariano começou a articular o Movimento Armorial, que defendeu a criação de uma arte erudita nordestina a partir de suas raízes populares. Ele também foi membro-fundador do Conselho Nacional de Cultura.

Após 32 anos nas salas de aula, Suassuna se aposentou do cargo de professor da Universidade Federal de Pernambuco, em 1989. O período também ficou marcado pelo reconhecimento nacional do escritor – Ariano tomou posse na cadeira 32 da Academia Brasileira de Letras (ABL), no Rio de Janeiro, em 1990.

FONTE: G1 e Hoje Em Dia.


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 18/07/2014, 04:45.
Fábrica proibida de produzir bombas
Superintendência Regional do Trabalho interdita produção de explosivos de empresa em Santo Antônio do Monte
Depois da explosão, a fábrica deu férias coletivas



A empresa Fogos Globo, em Santo Antônio do Monte, Centro-Oeste de Minas, onde uma explosão matou quatro trabalhadoras na terça-feira, não poderá retomar a produção de bombas numeradas. A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Minas Gerais (SRTE/MG) interditou ontem a atividade da fábrica, que deu férias coletivas aos funcionários e mantém apenas serviços essenciais. Segundo o chefe da seção de saúde e segurança do trabalho da SRTE, Francisco Alves dos Reis Júnior, as demais linhas produtivas da empresa não foram suspensas pelo órgão.

“Estamos realizando amplo levantamento técnico, já que esse tipo de acidente não tem apenas uma causa. É um conjunto de fatores. A interdição da atividade ocorre quando se constatam situações de risco iminente de prejudicar gravemente os trabalhadores”, explicou Francisco Alves. 

“Existem indícios de que nos pavilhões atingidos havia volume de material explosivo superior ao permitido”, informou Reis. Outro fator que pode ter contribuído para o acidente é a baixa umidade do ar. O ar seco propicia acúmulo de energia estática, que produz faíscas. No dia do ocorrido, a umidade estava abaixo dos 40%. Nessa situação, deve-se suspender a manipulação de explosivo.

De acordo com Francisco, a empresa só poderá retomar a produção de bombas numeradas, mesmo que em outros pavilhões, depois que a SRTE/MG desinterditar a atividade. Em caso de descumprimento da determinação, a Globo poderá ser multada entre R$ 600 e R$ 4 mil a cada fiscalização e denunciada por desobediência no Ministério Público do Trabalho e na polícia. O mesmo valor de multa será aplicado para cada irregularidade que for apurada como causa da explosão.

DEPOIMENTOS O delegado Lucélio Silva, de Santo Antônio do Monte, que apura o caso, ouviu ontem dois encarregados de pessoal da Globo. “O objetivo é levantar o maior número de informações técnicas para termos uma compreensão do que ocorreu. A área da explosão está isolada para os trabalhos da perícia, que vão prosseguir nos próximos dias”.

Na quarta-feira, duas testemunhas prestaram depoimento. Elenilton Gonçalves, de 19 anos, que trabalhava num dos pavilhões destruídos, deu detalhes de como começou o incêndio. Mas o teor da declaração não foi divulgado, a pedido de Gonçalves. Uma mulher, que trabalhava num pavilhão próximo também foi ouvida.

No dia da tragédia, Elenilton contou à namorada que viu o fogo começando e gritou para as funcionárias fugirem. Elas estavam em uma área interna do barracão e ele, do lado de fora, carregando e descarregando bombas para secagem. Morreram na hora Daiana Cristina Maciel, de 25, Maria José da Soledade Campos, de 27, Maria das Graças Gonçalves Siqueira, de 42, e Marli Lúcia da Conceição, de 39. Elenilton teve três queimaduras nas costas causadas por estilhaços e ficou em estado de choque. Ele foi atendido em um hospital de Santo Antônio do Monte e liberado. 

O local que ficou destruído era destinado à bicação de bombas numeradas, artefatos comuns em comemorações esportivas. O procedimento consiste em usar pólvora líquida para garantir que o bico da bomba fique semelhante à cabeça de um palito de fósforo.
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 17/07/2014, 05:40.
TRAGéDIA NA FáBRICA
Entre o medo e a necessidade
Moradores de Santo Antônio do Monte relatam a angústia de trabalhar na indústria de fogos.
“É a única coisa que tem”, diz funcionária de empresa em que explosão matou 4

Amigos e parentes no velório da operária Maria das Graças Gonçalves, morta na explosão de 15/07.


Reféns da indústria de fogos de artifício, praticamente a única possibilidade de trabalho no município, responsável pela geração de cerca de 15 mil empregos na cidade, os moradores de Santo Antônio do Monte, no Centro-Oeste de Minas, não escondem o temor que os acompanha quando saem de casa e se dirigem para o trabalho diário nas fábricas de bombas, rojões e foguetes. Ontem, um dia depois da explosão da Fogos Globo, que causou a morte de quatro operários, a preocupação com a ocorrência de mais acidentes era o principal assunto.

Há 15 anos trabalhando na empresa onde ocorreram as mortes, Benvinda Maria da Costa Silva, de 33 anos, reconhece que a empresa se preocupa em seguir padrões de segurança, mas lamenta que quatro companheiras de trabalho tenham sido vítimas da tragédia. Ela afirma que a população de Santo Antônio do Monte não tem outra alternativa a não ser trabalhar na indústria de fogos. “A gente precisa trabalhar e é a única coisa que tem. Os produtos químicos usados na confecção de fogos e bombas reagem até mesmo com a mudança brusca de clima, o que cria o risco mesmo se todas as normas forem seguidas”, diz ela, relembrando casos em que houve explosões mesmo à noite na fábrica, sem nenhum funcionário manipulando produtos.

Benvinda conta que há dois anos perdeu um cunhado, quando houve explosão semelhante na Fogos Estrela. “Completou dois anos em 8 de maio. Lembro na época que os mais antigos diziam que esse não era o primeiro e muito menos seria o último acidente a matar trabalhadores do ramo em Santo Antônio do Monte”, completa. 

SEPULTAMENTO Além do medo, a tristeza marcou a manhã de ontem no enterro de duas das quatro funcionárias que morreram na explosão de um pavilhão da Fogos Globo. Maria das Graças Gonçalves Siqueira, de 42, e Marli Lucia da Conceição, de 39, foram sepultadas no Cemitério Municipal de Santo Antônio do Monte. Inconsoláveis, os parentes ainda tentavam compreender o que havia acontecido. A primeira a ser enterrada foi Marli, às 10h. O cortejo deu a volta na praça em frente ao cemitério, antes de seguir para o túmulo. 

Da mesma forma fizeram os familiares de Maria das Graças, antes do sepultamento. “A gente procura entender, mas está difícil. Não dá para imaginar que uma coisa dessas aconteça na família da gente. Uma fatalidade que levou minha irmã”, diz o frentista e pedreiro Edson Gonçalves, de 39, irmão de Maria das Graças. “Infelizmente, é esse tipo de serviço que mais dá emprego para nossos moradores e as pessoas precisam do trabalho”, afirma Edson.

Diante do clamor causado pela explosão, o coordenador do Sindicato das Indústrias de Explosivos no Estado de Minas Gerais, Américo Libério, disse que já está marcada uma reunião entre os empresários na semana que vem para discutir o fato. Ele nega que haja um temor entre os funcionários. “O trabalhador sabe que se ele fizer tudo corretamente, não tem perigo”, afirma.

Libério informou que as 79 fábricas da região de Santo Antônio do Monte têm profissionais capacitados em segurança nos locais de manuseio de explosivos e que os funcionários também são treinados para atuar de forma segura. “Seguimos à risca uma regulamentação que é regida pelo Exército Brasileiro e, inclusive, temos um posto do órgão apenas para isso aqui em Santo Antônio do Monte”, afirma. Ele considera que houve uma fatalidade. “Nossa indústria é centenária e emprega e três a quatro mil pessoas diretamente as fábricas. São 15 mil empregos indiretos”, completa.

INVESTIGAÇÕES Ontem, o operário Eleniton Gonçalves, de 19, que sobreviveu à explosão, foi ouvido pela Polícia Civil. O delegado Lucélio Silva, encarregado das investigações, disse que conseguiu informações suficientes para a apuração. “O fogo começou no local de trabalho do Elenilton. Ele citou outras pessoas que ainda serão ouvidas e podem fornecer mais detalhes”, disse o policial. A previsão é que daqui a 30 dias ele tenha em mãos laudos da perícia e do Exército Brasileiro, imprescindíveis para o caso. O jovem ficou mais de três horas na sala do delegado, mas não quis falar com a imprensa após deixar a delegacia. Segundo a namorada, Patrícia Alves, de 24, ele descarregava bombas prontas quando percebeu que o contato entre duas unidades causou um incêndio seguido de explosão. 

A reportagem entrou em contato com a empresa, mas ninguém foi localizado. Ontem, nenhum funcionário da empresa trabalhou.

Memória

Tradição e muitos acidentes


Santo Antônio do Monte tem tradição na produção de fogos e concentra alto número de acidentes em fábricas do produto. Em setembro de 2013, uma pessoa morreu e duas ficaram feridas em explosão na empresa Polvo. Em maio de 2012, duas pessoas morreram em acidente parecido na empresa Fogos Estrela. Em janeiro de 2011, foram duas mortes em uma fábrica na MG-429, no limite entre Lagoa da Prata e Santo Antônio do Monte. Segundo a Associação Brasileira de Pirotecnia, no ano 1800 já havia fabricantes de fogos de artifício no município. Em 1859, os irmãos Joaquim Antônio da Silva e Luiz Mezêncio da Silva (Luiz Macota) começaram a fabricar rojões. Ganharam muito dinheiro com a fabricação e venda do produto, atraindo o interesse de outras pessoas e dando origem ao polo pirotécnico que hoje reúne 79 fábricas.

Tragédia em fábrica de fogos
Quatro funcionárias não tiveram tempo de sair do galpão e morreram.
Polícia Civil vai investigar o que causou acidente em Santo Antônio do Monte, no Centro-Oeste de Minas

 

Era por volta de 7h30 quando a terra tremeu em Santo Antônio do Monte, na Região Centro-Oeste de Minas. Uma explosão em um dos barracões da empresa Fogos Globo, de fogos de artifício, matou quatro funcionárias e deixou outro empregado ferido, além de assustar os moradores e pessoas que trabalhavam perto. A Polícia Civil, que comanda um inquérito em fase de conclusão referente a um acidente em outra fábrica de fogos em 2013, vai apurar o caso. 

Elenilton Gonçalves, de 19 anos, viu o fogo começando e gritou para as funcionárias fugirem. Elas estavam em uma área interna do barracão e ele, do lado de fora, carregando e descarregando bombas para secagem. Morreram na hora Daiana Cristina Maciel, de 25, Maria José da Soledade Campos, de 27, Maria das Graças Gonçalves Siqueira, de 42, e Marli Lúcia da Conceição, de 39. Elenilton teve três queimaduras nas costas graças a estilhaços que o atingiram e ficou em estado de choque. Ele foi atendido em um hospital de Santo Antônio do Monte e até o fechamento desta edição permanecia em observação por ter inalado fumaça e outras substâncias tóxicas.

Para a namorada dele, Patrícia Alves de Carvalho, de 24, que também trabalhava na empresa no momento do acidente, Elenilton contou que retirava bombas que já estavam prontas. “Ele percebeu que o fogo começou e causou uma explosão naquele conjunto de bombas que ele trabalhava”, disse Patrícia. Ela contou ainda, segundo relato feito pelo namorado, que em uma fração de segundo o fogo atingiu o barracão, sem dar chance para que as quatro funcionárias escapassem. “Ele gritou muito para as pessoas correrem e ainda ajudou outras duas que estavam em um barracão próximo”, acrescentou. “Meu barracão balançou e foi um alerta geral para todos deixarem suas funções”, disse. 

O namorado, natural de Peçanha, na Região Leste de Minas, disse que não quer mais saber de trabalhar na fábrica. “Ele só fala em voltar para a família e esquecer fogos de artificio”, completou. Segundo um dos funcionários da empresa Fogos Globo, que compareceu à Polícia Civil para auxiliar com informações sobre as vítimas, o local que ficou destruído era destinado à bicação de bombas numeradas, artefatos comuns em comemorações esportivas. O procedimento consiste em usar pólvora líquida para garantir que o bico da bomba fique semelhante à cabeça de um palito de fósforo. 

INVESTIGAÇÃO O delegado titular de Santo Antônio do Monte, Lucélio Silva, afirmou que é o segundo caso em dois anos que ele está trabalhando na cidade. “Estamos concluindo o inquérito dessa primeira situação e vamos investigar o que aconteceu hoje (ontem). A perícia de Bom Despacho esteve no local para colher os elementos necessários e também auxiliarmos na remoção dos corpos”, disse. O policial afirmou que cabe ao Exército Brasileiro a fiscalização desse tipo de empreendimento.

A seção de comunicação da 4ª Região Militar do Exército informou que a empresa Fogos Globo, que tem mais de 40 anos de atuação no mercado, passou por inspeção em março deste ano, quando não foi encontrada qualquer irregularidade, incluindo os pavilhões 85 e 86 que explodiram ontem. O Exército mantém um posto avançado na cidade por causa da quantidade de fabricantes de fogos de artifícios no município. À corporação cabe o acompanhamento de produtos controlados, incluindo explosivos, do tipo usado como matéria-prima nas fábricas de Santo Antônio do Monte. 

Segundo o órgão, caso a perícia da Polícia Civil e as investigações apontem irregularidades, como o mal acondicionamento de explosivos ou a superlotação dos produtos, a empresa sofrerá as sanções previstas na legislação, como o descredenciamento, pelo Exército, para o exercício da atividade.

 

 

Parentes ficaram em estado de choque

 “Nasci de novo. Só pensei no meu marido e nos meus filhos o tempo todo. Isso é coisa de Deus, só ele explica”, disse Bernadete Auxiliadora da Silva, de 38 anos, uma das funcionárias da empresa. Ontem, ela sentiu-se mal e não foi trabalhar, por isso, estava aliviada por ter se salvado. Mas a dor veio pela morte da cunhada, Maria das Graças Gonçalves Siqueira, de 42. Seu marido e irmão de Maria das Graças, Edson Gonçalves, de 39, parecia não acreditar no que estava acontecendo. “Não tem explicação. De um lado, vai minha irmã, e, de outro, se salva minha mulher”, desabafa. Maria das Graças, mãe de dois filhos, natural de Cantagalo, no Vale do Rio Doce, e era funcionária da fábrica há cerca de dois anos. 

Na casa de Maria José da Soledade Campos, de 27, nascida em Maceió (AL), o clima não era diferente. A tristeza tomou conta principalmente de seu irmão, José Marcelo Campos, de 28, com quem ela morava. “O serviço sempre foi arriscado. Ela ia, mas nunca sabia se ia voltar. Deixou uma filha de 3 anos”, disse. Quem ajudou nos trâmites para a liberação do corpo de Daiana Cristina Maciel, de 25, foi seu ex-marido, Gilberto Damasceno Leite, de 26. A família da jovem mora em Virginópolis. “Viemos há cinco anos para trabalhar. Quando ouvi o estouro, abri a janela da minha casa e já fiquei louco.” 

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores das Fábricas de Fogo de Artifício de Santo Antônio do Monte, Lagoa da Prata e Itapecerica, Antônio Camargos dos Santos, disse que a empresa é séria, mas pode ter ocorrido alguma falha e o trabalho de investigação deve ser bem feito. A empresa não foi encontrada para falar sobre o assunto.

FONTE: Estado de Minas.



%d blogueiros gostam disto: